Estadão Notícias

Follow Estadão Notícias
Share on
Copy link to clipboard

Os principais fatos do Brasil e do mundo apresentados e analisados pelo maior jornal do país.

Estadão


    • Aug 16, 2022 LATEST EPISODE
    • daily NEW EPISODES
    • 24m AVG DURATION
    • 954 EPISODES


    More podcasts from Estadão

    Search for episodes from Estadão Notícias with a specific topic:

    Latest episodes from Estadão Notícias

    Agora pode pedir voto: o início da campanha eleitoral

    Play Episode Listen Later Aug 16, 2022 25:07

    Começa hoje, oficialmente, a campanha eleitoral de 2022, incluindo divulgação na internet, caminhadas, carreatas ou passeatas. O período da propaganda termina em 1º de outubro, véspera do primeiro turno das eleições. Porém nem tudo é liberado durante a campanha, a legislação eleitoral proíbe, desde 2006, a distribuição de camisetas, chaveiros, bonés, canetas, brindes, cestas básicas ou quaisquer outros bens ou materiais que possam proporcionar vantagem ao candidato. Também não poderá haver propaganda que divulgue ou compartilhe fatos sabidamente inverídicos que atinjam a integridade do processo eleitoral: as chamadas fake news. E estão proibidos o oferecimento de dinheiro, dádiva, rifa, sorteio ou vantagem de qualquer natureza em troca do voto. É vedada ainda propaganda eleitoral em outdoors, inclusive eletrônicos, para divulgar um candidato. As campanhas dos candidatos já traçaram também os primeiros passos que serão dados pelos presidenciáveis. E é claro, que esses rumos podem mudar ao longo desse período. O primeiro colocado nas pesquisas, Lula terá como foco a economia e como ela tem atingido os mais pobres. Com o crescimento de Bolsonaro na região sudeste, a campanha do ex-presidente deve se concentrar nessa região, que possui 42% do eleitorado de todo País. Ciro Gomes, terceiro colocado nas pesquisas, deve manter o seus ataques a Lula e Bolsonaro. A quarta colocada nas pesquisas, Simone Tebet, deve reforçar a identidade de “terceira via” e se colocar como a melhor opção para acabar com a polarização do País. No episódio do podcast desta terça-feira, 16, vamos falar sobre as estratégias políticas que devem ser utilizadas pelos candidatos este ano, com a ajuda do cientista político e consultor da Fundação Espaço Democrático, Rubens Figueiredo, especialista em marketing político. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e Gabriela Forte  Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    Inimigo do bolsonarismo? Alexandre de Moraes assume o TSE

    Play Episode Listen Later Aug 15, 2022 35:43

    Nesta terça-feira, 16, Alexandre de Moraes assume, oficialmente, a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O magistrado é considerado o mais combativo entre os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) quando o assunto é a defesa do processo eleitoral brasileiro. E deve enfrentar diversos desafios durante sua gestão, que vão de militares até rusgas com o presidente Jair Bolsonaro. Um dos principais focos de Moraes será amenizar a crise entre o tribunal e as Forças Armadas. O mal-estar tem se intensificado desde maio, após o TSE rejeitar sugestões dos militares para alterar o processo eleitoral deste ano. No episódio mais recente, um coronel foi excluído do grupo de fiscalização do processo eleitoral por divulgar fake news sobre as urnas eletrônicas. O ministro Alexandre de Moraes dá sinais de que pretende apaziguar os ânimos, e pode aceitar algumas sugestões dos militares. A primeira delas será a publicação inédita de arquivos de dados dos boletins de urna, com os votos registrados e apurados em cada máquina. Porém, Alexandre de Moraes também promete combater com firmeza as fake news, inclusive, com cassação de candidatura. Em decisões que tomou quando assumiu interinamente a presidência do TSE, entre 2 e 17 de julho, foi rígido em relação a casos desse tipo. No episódio desta segunda-feira, 15, vamos falar com o repórter do Estadão em Brasília, Weslley Galzo, sobre o que esperar de Alexandre de Moraes à frente do TSE e como deve ser a posse do ministro. E para analisar como deve ser este período eleitoral, com a presidência de Moraes na corte, convidamos o cientista político Creomar de Souza, CEO da Consultoria de Risco Político Dharma Politics. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e Gabriela Forte  Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    Educação na Floresta #02: Aulas no rio Negro e o verdadeiro ensino para a sustentabilidade

    Play Episode Listen Later Aug 14, 2022 51:32

    O podcast especial 'Educação na Floresta' mostra como a escola é peça fundamental na preservação da Amazônia. No segundo e último episódio, a repórter especial e colunista de educação do Estadão Renata Cafardo participa de aulas com crianças indígenas dentro do rio Negro. Conhece uma escola modelo na periferia pobre de Manaus, que acolhe imigrantes e tem um projeto inovador. E ainda conta a história da família Garrido, cuja vida do pai, ex-madeireiro, se transformou depois que o filho estudou empreendedorismo. Reportagem, roteiro e apresentação: Renata CafardoProdução: Jefferson Perleberg, Leonardo CattoMixagem: Moacir BiazziSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    Tecnologia #232: #Start Eldorado: datacenters e a 'nova computação'

    Play Episode Listen Later Aug 13, 2022 25:44

    No Start Eldorado, a importância da estrutura de datacenters no futuro "edge" da computação - na era das redes de alta velocidade, trazer e processar os dados mais perto dos usuários traz benefícios em velocidade e latência das aplicações. Saiba mais, também, sobre a proteção dessas estruturas, sobre a questão do consumo de energia e fique por dentro dos planos de expansão e projetos da Elea, uma das maiores empresas brasileiras do setor, que opera cinco datacenters hoje, próximos de grandes capitais. Quem conversa com o apresentador Daniel Gonzales é Alessandro Lombardi, CEO da Piemonte Holding e presidente da Elea Digital, ecossistema da data centers do grupo. O Start vai ao ar às 21h, na Eldorado FM 107,3 - SP e canais online, toda quarta-feira.See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Educação na Floresta #01: O ensino pode salvar a Amazônia?

    Play Episode Listen Later Aug 12, 2022 33:57

    O podcast especial 'Educação na Floresta' mostra como a escola é peça fundamental na preservação da Amazônia. No primeiro episódio, a repórter especial e colunista de educação do Estadão Renata Cafardo viajou para o Pará e Amazonas para conhecer os desafios de um ensino de qualidade na região.  Percorreu estradas esburacadas e horas de barco para chegar a famílias quilombolas e mostrar os efeitos da pandemia na educação da Amazônia profunda. Conversou com adolescentes que vivem em Belém e não sabem dizer onde está a maior floresta tropical do mundo.  E conversou com professores e especialistas sobre a importância de uma educação significativa na Amazônia, que considera o território, a cultura e os saberes da população local. Reportagem, roteiro e apresentação: Renata CafardoProdução: Jefferson Perleberg e Leonardo CattoMixagem: Moacir BiazziSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    Michelle como ‘trunfo religioso' na campanha de Bolsonaro

    Play Episode Listen Later Aug 11, 2022 28:12

    Uma postagem da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, no Instagram, reacendeu a discussão sobre intolerância religiosa e seu uso nas eleições. A esposa do presidente compartilhou um vídeo em que Lula aparece com lideranças de religiões de matriz africana dizendo que o petista “entregou sua alma para vencer essa eleição”. As religiões de matriz africana, como umbanda e o candomblé, são as que mais sofreram preconceito por intolerância religiosa em 2022. Só neste ano, o País teve cerca de 550 denúncias contra esse tipo de crime, que passível de multa e prisão A primeira-dama tem recorrido com frequência a discursos religiosos durante esses eventos, como aconteceu na convenção do PL. Não é a primeira vez que Michelle Bolsonaro faz uso político da religião. Durante culto da Igreja Batista Lagoinha, em Minas Gerais, a primeira-dama disse que o Palácio do Planalto era “consagrado aos demônios”.  Os homens evangélicos, dão larga vantagem a Bolsonaro na preferência eleitoral: 48% contra 28% de Lula, segundo a última pesquisa Datafolha. No entanto, as mulheres evangélicas se mostram mais indecisas: 29% dizem apoiar o atual presidente, enquanto 25% estão com o petista. Entre os católicos, Lula tem uma boa vantagem sobre Bolsonaro, cerca de 52% indicaram seu voto no petista.  A campanha de Jair Bolsonaro vai investir pesado para contar com o apoio do eleitorado cristão. Nos últimos meses, Bolsonaro tem ido a eventos evangélicos com frequência quase semanal. Em 2018, os quase 70% dos votos evangélicos que recebeu no segundo turno, foram apontados como decisivos para sua vitória. No episódio desta quinta-feira, 11, vamos debater estes dados e o papel de Michelle Bolsonaro na campanha de reeleição do presidente com o colunista do Estadão e da Rádio Eldorado, Felipe Moura Brasil. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e Gabriela Forte  Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    Os atos pela democracia e seus impactos eleitorais

    Play Episode Listen Later Aug 10, 2022 27:43

    Nesta quinta-feira, 11 de agosto, estão programados uma série de atos para a divulgação e leitura daquela que ficou conhecida como “Carta Pela Democracia”. O documento produzido por um grupo de ex-alunos da Faculdade de Direito da USP, em defesa da democracia, já conta com mais de 800 mil assinaturas, inclusive de presidenciáveis. O texto é crítico às acusações feitas pelo presidente Jair Bolsonaro de fraude nas urnas eletrônicas. Um trecho menciona “ataques infundados e desacompanhados de provas que questionam a lisura do processo eleitoral”. O documento afirma também que “ameaças aos Poderes, incitação à violência e à ruptura da ordem constitucional são intoleráveis”. Atos também estão previstos para ocorrer em outras capitais, como Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza e Recife. Outro manifesto a favor da democracia é articulado por entidades empresariais, como a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Este segundo documento deverá ser publicado também no dia 11 de agosto. ​ Para tentar contrapor o movimento, Jair Bolsonaro tem convocado seus apoiadores a saírem às ruas no dia 7 de setembro, quando celebramos os 200 anos da Independência do Brasil. Segundo o presidente, esta seria uma demonstração de que os brasileiros querem a sua liberdade respeitada. No episódio desta quarta-feira, 10, vamos debater o impacto político-eleitoral das cartas pela democracia e as possíveis reações nas manifestações do 7 de setembro. Para isso, convidamos o cientista político e diretor-executivo do Instituto FHC, Sergio Fausto, autor do livro “Difícil Democracia”. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e Gabriela Forte  Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    'Cenários com Sonia Racy': Os desafios do mercado consumidor de alta renda

    Play Episode Listen Later Aug 9, 2022 26:06

    Neste episódio da série 'Cenários', Sonia Racy recebe o presidente do conselho de administração da JHSF, José Auriemo Neto. Ele conta como a empresa conquistou o segmento de altíssima renda com incorporadora, restaurantes e até um aeroporto executivo.See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Lula x Bolsonaro: quem se deu melhor na formação de alianças?

    Play Episode Listen Later Aug 9, 2022 29:03

    Após o fim das convenções partidárias, foram definidos os desenhos das coligações que os candidatos à presidência terão em suas campanhas. Agora, as legendas terão até 15 de agosto para prosseguir com o registro das candidaturas aprovadas nas reuniões dos diretórios nacionais partidários. O ex-presidente Lula, candidato pelo PT, foi o que conseguiu reunir o maior número de partidos em torno do seu nome. Ao todo, serão 10 legendas (PT, PSB, Solidariedade, PSOL, Rede, Avante, Agir, PROS, PCdoB e PV). Lula terá o maior tempo de propaganda eleitoral no rádio e na TV  estimado em 3 minutos e 20 segundos. Já o atual presidente, Jair Bolsonaro, que tenta a reeleição, conseguiu o apoio de somente 3 partidos, PL, Progressistas e Republicanos. O apoio dessas legendas dará ao presidente 2 minutos e 40 segundos na propaganda eleitoral obrigatória no rádio e na TV, além de 6 inserções diárias. Na terceira via, a senadora Simone Tebet, do MDB, também conseguiu o apoio de 3 partidos: MDB, PSDB e Cidadania. Ciro Gomes, do PDT, e que hoje está em terceiro lugar nas pesquisas, tem apenas o apoio do seu partido. Por causa disso, entre os principais candidatos à presidência, é o que terá o menor tempo de rádio e TV: 50 segundos. A propaganda eleitoral gratuita na TV e no rádio para primeiro turno começa no dia 26 de agosto de 2022, uma sexta-feira. As inserções seguem até o dia 29 de setembro de 2022. Afinal, qual é o peso dessas coligações para conquistar votos nas eleições? O eleitor leva em consideração essas alianças?  No episódio desta terça-feira, 09, vamos falar sobre o assunto com o cientista político, coordenador do blog e podcast Legis-Ativo, Humberto Dantas. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e Gabriela Forte  Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    Mundo em perigo? A escalada de tensão entre EUA e China

    Play Episode Listen Later Aug 8, 2022 30:20

    Na última semana, exercícios militares chineses no Estreito de Taiwan preocuparam autoridades mundiais com a possibilidade de mais um conflito armado entre países. Os projéteis caíram a menos de 40 quilômetros da costa sul e leste da ilha, segundo o ministério da Defesa da região. Esta foi a ação mais agressiva da China em décadas.  Com munição real, o governo chinês quis dar um recado para a pequena ilha de Taiwan, mas também para os Estados Unidos. Na semana passada, Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, visitou Taiwan, o que soou como provocação à China. Em meio a já deteriorada relação EUA e China, a ação enfureceu líderes chineses, que alegaram violação dos seus direitos territoriais. Em resposta, as autoridades do país anunciaram exercícios militares em seis áreas ao redor de Taiwan, considerado pelo país o equivalente a um “bloqueio marítimo e aéreo”. A visita de Pelosi também não agradou o próprio presidente americano, Joe Biden, que disse que os militares americanos não recomendavam a ida da parlamentar à ilha.  Analistas americanos deixam claro que as capacidades militares da China cresceram a ponto de deixar de ser garantida uma vitória dos EUA em defesa de Taiwan, já que a China agora tem a maior marinha do mundo. No episódio do podcast desta segunda-feira, vamos falar sobre o contexto histórico deste conflito geopolítico entre China e Taiwan com ajuda do professor convidado de relações internacionais da Universidade da China, Marcus Vinícius de Freitas. Também vamos debater sobre o poderio militar dos chineses, com o repórter especial do Estadão, Roberto Godoy, especialista em defesa. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e Gabriela Forte  Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    Tecnologia #231: #Start Eldorado: biometria e identificação digital

    Play Episode Listen Later Aug 6, 2022 20:48

    O Start Eldorado fala de tecnologia na identificação contando mais da experiência do primeiro estado brasileiro a emitir o novo RG Digital, o Rio Grande do Sul. Recebemos André Assis, CIO e chefe da Divisão de Tecnologia da Informação do Instituto Geral de Perícias (IGP/RS). Ele fala sobre os ótimos resultados no uso de dados biométricos para solução de crimes e planejamento de políticas públicas, por meio de algoritmos de cruzamento de informações, e a criação de redes de inteligência no RS, para troca de informações entre secretarias e outras esferas de governo e o uso futuro de inteligência artificial a favor do cidadão. O Start começa às 21h, com apresentação de Daniel Gonzales, na Eldorado FM 107,3 - SP e canais digitais, toda quarta-feira.See omnystudio.com/listener for privacy information.

    A reação de Bolsonaro nas pesquisas e o vexame dos militares

    Play Episode Listen Later Aug 5, 2022 36:33

    O Ministério da Defesa passou por um momento, no mínimo, delicado, nesta semana, ao enviar um ofício “urgentíssimo” ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para ter acesso ao código-fonte das urnas eletrônicas, como parte da fiscalização do sistema. No entanto, a pasta não contava que esse acesso já havia sido liberado em outubro do ano passado. Ou seja, desde essa data, as Forças Armadas não enviaram especialistas para fazer esse trabalho. Passado o vexame, os militares começaram a inspecionar o sistema das urnas, nesta quarta-feira. Enquanto isso, Jair Bolsonaro (PL) continua atacando a “Carta em Defesa da Democracia”, que já tem mais de 700 mil signatários entre empresários, políticos, juristas e membros da sociedade civil. Em entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul, o presidente chamou o documento de “cara de pau” e “sem caráter”. Mas nem só de ataques vive o presidente, que teve uma boa notícia trazida pela pesquisa Genial/Quaest, que mostrou a diferença de Lula diminuir de 14 para 12 pontos. Além disso, caiu a porcentagem de quem avalia negativamente o seu governo. Esses são os assuntos que guiam nossa conversa quinzenal do “Poder em Pauta” com os jornalistas que acompanham o dia a dia da política. Participam no episódio de hoje do ‘Estadão Notícias', Pedro Venceslau, de São Paulo, e Felipe Frazão, diretamente da capital federal. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes e Gabriela Forte. Sonorização/Montagem: Moacir Biasi.See omnystudio.com/listener for privacy information.

    A crise que nasce do racha entre PT e Freixo no Rio

    Play Episode Listen Later Aug 4, 2022 21:46

    O anúncio do PT de retirar o apoio à candidatura de Marcelo Freixo, do PSB, ao  governo do Rio de Janeiro, repercutiu entre apoiadores de Lula. O diretório do partido no Estado aprovou uma resolução para que os petistas não subam no palanque do deputado federal. Essa decisão ainda precisa ser avaliada pela diretiva nacional, que já vem sofrendo pressão para rever essa posição.  O motivo, segundo o presidente estadual do partido, João Maurício de Freitas, foi a insistência do PSB em lançar Alessandro Molon candidato ao Senado. De acordo com ele, havia um pacto da coligação para que os partidos tivessem uma candidatura única para senador, de André Ceciliano do PT. Pesquisas para a vaga carioca no Senado mostram que Molon vai melhor que o petista nas intenções de voto. De acordo com levantamento do Ipec de 21 de julho, o candidato do PSB aparece em terceiro lugar com 9% e André Ceciliano está em sexto, com 4%. A reação foi grande nas redes sociais e envolveu até celebridades como a cantora Anitta e o influenciador Felipe Neto. O movimento se deu também pelo fato da disputa pelo governo do Rio de Janeiro estar acirrada entre Freixo e Cláudio Castro, apoiado por Jair Bolsonaro: No episódio desta quinta-feira, 04, vamos falar sobre o peso dessa decisão do PT regional no cenário nacional e na candidatura de Lula. Para conversar conosco sobre esse assunto, convidamos o cientista político da FGV Eduardo Grin. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Gustavo Lopes Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e Gabriela Forte  Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    As causas e consequências da crise na Argentina

    Play Episode Listen Later Aug 3, 2022 30:50

    A Argentina atravessa uma das maiores crises econômicas da sua história. Com a inflação nas alturas, 4 em cada 10 cidadãos se encontram abaixo da linha da pobreza. Já os preços dos alimentos foram os que mais subiram e no acumulado dos últimos 12 meses, a inflação passou dos 60%. Para tentar conter este avanço inflacionário, o Banco Central argentino já aumentou a taxa básica de juros para mais de 50% ao ano. O agravamento da crise tem levado cada vez mais pessoas às ruas para protestar. Milhares de argentinos marcharam até a Casa Rosada, sede do governo, contra a pobreza que vem aumentando no país. Essa crise tem origem política também, o presidente Alberto Fernández e a vice Cristina Kirchner não se entendem sobre a condução da política econômica do país, o que agrava o cenário. O aumento de gastos, defendido por Cristina, levou o ministro da Economia a renunciar e a substituta dele também. Para tentar salvar a economia fragilizada do país, o governo aposta em um superministro da Economia: Sergio Massa. O ministro disse que não tem um plano, e sim objetivos e planos de voo: recuperar reservas para o BC, estabilizar a inflação e recuperar a confiança do mercado. O novo titular da pasta é conservador e representante de um peronismo de centro-direita, o que destoa da centro-esquerda do presidente Alberto Fernandez. No episódio desta quarta-feira, 03, vamos falar sobre a situação econômica da Argentina e seus efeitos para a América do Sul, com o economista Fábio Giambiagi, pesquisador do FGV IBRE. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e Gabriela Forte  Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    'Cenários com Sonia Racy': #45: Experiências de empreendedorismo sustentável

    Play Episode Listen Later Aug 2, 2022 30:06

    Neste episódio da série 'Cenários', Sonia Racy recebe , Oskar Metsavath, fundador e diretor criativo da Osklen. Ele conta detalhes sobre a criação do Instituto-e, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público que tem o objetivo de multiplicar experiências de empreendedorismo sustentável.See omnystudio.com/listener for privacy information.

    2 meses das eleições: o que vem pela frente?

    Play Episode Listen Later Aug 2, 2022 25:58

    Daqui a dois meses, em 2 de outubro, o País vai às urnas no primeiro turno das eleições. A partir de agora, neste mês de agosto, há o início das campanhas eleitorais e, portanto, uma intensificação do tema no debate público nacional. Pelo calendário do Tribunal Superior Eleitoral, as legendas têm até essa sexta-feira, 5, para realizar suas convenções partidárias. São nesses eventos que há o lançamento dos nomes que pleiteiam um dos cargos eletivos em outubro. No entanto, o registro dos nomes que vão disputar uma vaga nas eleições junto ao TSE ocorre até o dia 15 de agosto. Até lá, os partidos e os candidatos podem desistir de uma eventual candidatura, como foi o caso do presidenciável do União Brasil, Luciano Bivar. Um dia depois dessa data limite para os registros, começa, oficialmente, a campanha eleitoral. Até 30 de setembro, estão autorizadas propagandas pagas, na internet e em jornais impressos, com limite de 10 anúncios para cada candidato por veículo, já comícios até o dia 29. Os debates também são parte importante da campanha, entretanto os dois candidatos mais bem colocados nas pesquisas disseram que só vão participar se houver menos datas para a realização dos debates. O momento do País também influencia na hora do voto. Neste ano, temas relacionados à economia do Brasil devem tomar conta dos debates, assim como a pandemia da covid-19. No episódio do podcast desta terça-feira, 02, vamos abordar os temas que terão impacto no pleito deste ano com Glauco Peres da Silva, professor associado do departamento de ciência política da USP. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e Gabriela Forte  Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    A elite brasileira vai romper com o Bolsonaro?

    Play Episode Listen Later Aug 1, 2022 20:45

    Após críticas do presidente Jair Bolsonaro ao sistema eleitoral brasileiro, a Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo divulgou uma carta em favor da democracia. O fato foi ironizado pelo presidente, que chamou o manifesto de “cartinha”, mas o que ele não esperava era que a mobilização atingisse mais de 400 mil pessoas. Além de docentes da USP, entre os adeptos do manifesto estão artistas, intelectuais e empresários de todo o Brasil. Nomes vinculados a todos os grandes bancos do País, exceto Caixa e Banco do Brasil, assinaram a carta. Bolsonaro alega revanchismo na atitude dos banqueiros, dizendo que a assinatura mostra um descontentamento por conta da criação do Pix. A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), por sua vez, também organiza um manifesto de encontro à carta divulgada pela USP. O documento está intitulado como “Em Defesa da Democracia e da Justiça”. Além dos ofícios, uma manifestação em apoio aos tribunais superiores e da Justiça Eleitoral está marcada para o próximo dia 11 de agosto em São Paulo. O evento surge em contraponto aos atos que estão sendo organizados por apoiadores de Bolsonaro para o dia 7 de setembro. Agora, a reflexão que fica é se o presidente está perdendo apoiadores da faixa de maior poder econômico. Afinal, as falas antidemocráticas de Bolsonaro podem afastar as elites do seu palanque? O que ele perde sem o apoio desse grupo? Para falar sobre essas medidas, conversamos com Marcela Tanaka , doutoranda em Ciência Política e pesquisadora associada ao centro de estudos de opinião pública da Unicamp. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Gustavo Lopes Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg, Gabriela Forte e Uesley Durães. Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    Tecnologia #230: #Start Eldorado: avanço digital na administração pública

    Play Episode Listen Later Jul 30, 2022 21:19

    Uma pesquisa do Comitê Gestor da Internet (CGI.br) traz indicadores inéditos sobre privacidade e proteção de dados pessoais e novas tecnologias sendo adotadas ou planejadas pelos governos e órgãos públicos brasileiros. Mais de 5.000 foram ouvidos. O Start Eldorado conversa com Manuella Ribeiro, coordenadora do estudo, sobre o avanço da cloud na administração pública e questões relacionadas à identificação, segurança de dados, dos cidadãos, cenário e perspectivas. O programa vai ao ar às 21h, toda quarta-feira, na Eldorado FM 107,3 - SP e canais digitais, com apresentação de Daniel Gonzales.See omnystudio.com/listener for privacy information.

    A cura do HIV está próxima?

    Play Episode Listen Later Jul 29, 2022 18:26

    Nesta semana, um grupo de médicos anunciou que um homem de 66 anos se curou do HIV após 40 anos de convívio com o vírus. O caso, o quarto registrado até então, traz esperança para as mais de 37 milhões de pessoas que vivem com a doença em todo o mundo, segundo a Unaids, Programa Conjunto da ONU sobre HIV/Aids. A pessoa curada foi submetida a um transplante de medula óssea para tratar de uma leucemia. Seu doador era resistente ao vírus, o que tornou os níveis de HIV do portador transplantado indetectáveis. Ao todo, exames foram feitos durante 17 meses, o que comprovaram a cura fundamentada do homem. Ele agora é conhecido como City of Hope (Cidade da Esperança), nome do hospital em que foi tratado em Duarte, na Califórnia.  Em 2011, na  Alemanha, Timothy Brown se tornou o primeiro portador do vírus a se curar. Recentemente, os casos de uma argentina e uma norte-americana que, sem uso de coquetel ou medicamentos, também conseguiram controlar o vírus, chamam a atenção da comunidade.  Para entender melhor esses casos de cura, e a perspectiva em torno de um tratamento contra a Aids, convidamos o infectologista David Uip, secretário de Ciência, Pesquisa e Desenvolvimento em Saúde do Estado de São Paulo, para o Estadão Notícias desta sexta-feira, dia 29. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Gustavo Lopes Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg, Gabriela Forte e Uesley Durães. Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    O que explica o crescimento de Bolsonaro nas pesquisas?

    Play Episode Listen Later Jul 28, 2022 23:49

    Em pesquisa divulgada pelo Instituto Ipespe na última segunda-feira, 25, a distância entre Lula (PT) e Jair Bolsonaro (PL) caiu para nove pontos percentuais. Os dados sinalizam uma tendência de recuperação do atual presidente após aprovação da PEC dos Benefícios. A pesquisa, que consultou dois mil eleitores, apontou que a diferença entre os candidatos diminuiu de 24% para 14%. Em colégios eleitorais em que Lula lidera, como no nordeste, a vantagem do petista também caiu. Foram 16 pontos de queda para o ex-presidente. No sudeste, o cenário também sinaliza uma recuperação de Bolsonaro. Entre março e julho, no Estado de São Paulo, a diferença entre os dois candidatos foi de 14 para cinco pontos, ainda de acordo com o Instituto Quaest.  Apesar do respiro nas intenções de voto, Jair Bolsonaro ainda tem que lidar com a alta rejeição entre os jovens. De acordo com a pesquisa do Datafolha divulgada ontem, dia 27, entre pessoas de 16 a 29 anos, 67% disseram rejeitar o atual presidente, enquanto somente 32% disseram não votar em Lula. A partir dos dados, indagamos, essa tendência de queda na diferença entre Lula e Bolsonaro deve se manter até as eleições? Qual deve ser o fiel da balança para tornar o atual presidente competitivo no pleito de outubro? Para analisar esses dados, convidamos o cientista político, Vitor Oliveira, diretor da Consultoria Pulso Público. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Gustavo Lopes Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg, Gabriela Forte e Uesley Durães. Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    CPI da Covid vai acabar em pizza com pedido de arquivamento?

    Play Episode Listen Later Jul 27, 2022 20:43

    A Procuradoria Geral da República pediu o arquivamento de uma série de denúncias contra o presidente Jair Bolsonaro e aliados. A medida foi tomada pela vice-procuradora-geral, Lindôra Araújo, na última segunda-feira, 25. Com um total de 68 indiciamentos, a CPI da covid ficou marcada pelas discussões acaloradas e apelo midiático.  “Exauridas as investigações preliminares, constata-se que os fatos em apuração não ensejam a instauração de inquérito, tampouco contêm elementos informativos capazes de justificar, per si, o oferecimento de denúncia em face do Presidente da República Jair Messias Bolsonaro e dos demais requeridos, estando ausente justa causa”, diz Araújo no manifesto.  Ao todo, foram identificados no relatório da CPI nove crimes praticados pelo presidente, como charlatanismo, prevaricação e emprego irregular de verbas ou rendas públicas.  O arquivamento das denúncias virou alvo de críticas por parte de membros da CPI. O líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (REDE-AP), enxerga oportunismo eleitoral na decisão. Após a decisão da vice-procuradora-geral, sete senadores envolvidos na CPI, incluindo Randolfe, solicitaram a abertura de um inquérito para investigar a ação.  Em pedido enviado ao Supremo Tribunal Federal, os parlamentares alegam prevaricação por parte de Lindôra Araújo. Nos bastidores, a pergunta que fica é: toda a investigação produzida pela CPI da covid pode acabar em pizza?  Para falar sobre o tema, o Estadão Notícias desta quarta-feira recebe o repórter do Estadão em Brasília Lauriberto Pompeu, e a advogada criminalista Raquel Lima Scalcon, professora da FGV Direito SP. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Gustavo Lopes Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg, Bárbara Rubira, Gabriela Forte  e Uesley Durães. Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    Varíola dos macacos: aumento dos casos e o perigo do estigma

    Play Episode Listen Later Jul 26, 2022 18:44

    A Organização Mundial da Saúde reconheceu neste sábado, 23, que o surto de monkeypox, a varíola dos macacos, configura uma emergência global de saúde. Em todo o mundo, já foram registrados mais de 16 mil casos da doença. No Brasil, a crescente de infectados traz alerta ao sistema de saúde. No País, até então, já são 696 infecções.  A maior parte dos casos se concentra em São Paulo: são 538 pessoas confirmadas com a doença, segundo o último boletim da Secretaria Estadual de Saúde. A alta no número de casos em um curto período de tempo preocupa especialistas. Mas esse não é o único alerta em torno do tema. Segundo a OMS, cerca de 98% dos casos da doença envolvem “homens que se relacionam com homens” (HSH). No entanto, os indícios são de que a doença não se restringe a esse grupo. Ainda não há conclusão da comunidade médica sobre o motivo da maior incidência entre homens gays e bissexuais. A associação da doença a pessoas LGBT traz preocupações. Restringir o alerta e campanhas de prevenção somente a um segmento é visto pela comunidade como uma estigmatização comparável à ocorrida no início da epidemia do HIV, no século passado.  O que já sabemos e o que a ciência ainda precisa descobrir sobre a varíola dos macacos? Quais os perigos da estigmatização da comunidade LGBT em relação à doença? Para falar sobre o assunto, o Estadão Notícias desta terça-feira, 25, conversou com o médico infectologista Hélio Bacha, membro da Sociedade Brasileira de Infectologia.  O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Gustavo Lopes Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg, Bárbara Rubira e Gabriela Forte Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    Conteúdo em parceria: Astronauta do oceano profundo

    Play Episode Listen Later Jul 25, 2022 23:49

    Um dos poucos mergulhadores de grandes profundidades no mundo, o biólogo brasileiro Luiz Rocha (um dos Laureados dos Prêmios Rolex de Empreendedorismo de 2021) fala com o jornalista Eduardo Geraque sobre a expedição que lidera nas Maldivas, no Oceano Índico. Na pauta, a busca por novas espécies de peixes e pela preservação dos corais. A conversa faz parte do hub Defensores da Terra, um projeto do Estadão em parceria com a Rolex e sua iniciativa Perpetual Planet. See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Eleições: Centrão pode influenciar na hora do voto?

    Play Episode Listen Later Jul 25, 2022 22:12

    Durante a campanha de 2018, Jair Bolsonaro afirmou que não negociaria com o Centrão. Após o início do mandato, a história foi diferente. O presidente logo teve que estreitar seus laços com essa ala política, o que se mostrou eficaz. Com o amplo apoio no Congresso, Bolsonaro teve vitórias significativas, como a aprovação do Auxílio Brasil e a privatização da Eletrobras. Como em qualquer grupo político, as negociações com o Centrão devem ser constantes. No momento, os ataques de Bolsonaro ao sistema eleitoral desagradam parte desses parlamentares. Além disso, a escolha por Braga Netto como vice da chapa também é vista com desconfiança, justamente porque o general não parece atrair mais votos ao presidente. O Centrão, na verdade, é muito diverso, com deputados e senadores de inúmeros partidos e localidades. Em comum, esses parlamentares estão em busca de benefícios a seus territórios eleitorais e a eles próprios. Para governar, a força dessa ala nas casas legislativas têm influência inegável. Mas, e durante as eleições? O apoio desse grupo tem o mesmo efeito? O Estadão Notícias desta segunda-feira (25) conversou sobre o assunto com Graziella Testa, doutora em ciência política e professora da FGV. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Gustavo Lopes Produção/Edição: Gustavo Lopes, Bárbara Rubira, Gabriela Forte e Lucas de Amorim Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    Tecnologia #229: #Start Eldorado: inovação e novos negócios nas operadoras

    Play Episode Listen Later Jul 23, 2022 21:12

    A chegada das redes de alta velocidade, o aumento da demanda por conexão trazido pela pandemia e um universo de clientes cada vez mais exigentes abrem caminho para uma nova era de serviços digitais criativos e disruptivos, desenvolvidos em parceria, para as operadoras de telecomunicações. Esse ambiente de inovação e o planejamento a longo prazo destas soluções são os temas da conversa que o Start leva ao ar com o diretor de inovação e novos negócios da Vivo, Rodrigo Gruner. No rádio, o Start é todas as quarta-ferias, às 21h, na Eldorado FM 107,3 - SP e canais digitais, com a apresentação de Daniel Gonzales.See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Os ataques de Bolsonaro e as convenções partidárias

    Play Episode Listen Later Jul 22, 2022 34:32

    O ministro Luiz Edson Fachin, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou que Jair Bolsonaro (PL) se manifeste, em cinco dias, sobre as acusações feitas em relação à lisura do processo eleitoral brasileiro em um encontro com embaixadores, na última segunda-feira. Políticos, entidades e representantes do Poder Judiciário já haviam se manifestado a favor das urnas eletrônicas e contra as acusações do chefe do executivo. O presidente do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou que a segurança das urnas e a lisura do processo eleitoral não podem mais ser "colocadas em dúvida". Enquanto isso, os principais adversários de Jair Bolsonaro nas eleições de outubro começam a oficializar suas candidaturas. Na quarta-feira, o PDT endossou o nome de Ciro Gomes. Em seu discurso, o ex-ministro disse que quer romper a polarização entre Lula e Bolsonaro. Na quinta-feira, foi a vez do PT oficializar o nome do ex-presidente Lula em um evento que não contou com a presença do candidato que estava em viagem para o nordeste. O petista vai disputar sua sexta eleição para Presidência. Já a candidatura de Simone Tebet (MDB-MS) está ameaçada. Ao menos um terço dos diretórios do partido defende apoiar a candidatura de Lula já no primeiro turno. No entanto, o presidente da legenda, Baleia Rossi (MDB-SP), garante que o nome da senadora será confirmado no próximo dia 27. Esses são os assuntos que guiam nossa conversa quinzenal do “Poder em Pauta” com os jornalistas que acompanham o dia a dia da política. Participam no episódio de hoje do ‘Estadão Notícias', Pedro Venceslau, de São Paulo, e Felipe Frazão, diretamente da capital federal. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Gustavo Lopes Produção/Edição: Gustavo Lopes, Barbara Rubira e Gabriela Forte. Sonorização/Montagem: Moacir Biasi.See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Evento com embaixadores: Bolsonaro cometeu crimes eleitorais?

    Play Episode Listen Later Jul 21, 2022 18:09

    Jair Bolsonaro (PL) voltou a duvidar da integridade das urnas eletrônicas. O Presidente brasileiro reuniu cerca de 70 diplomatas para prejudicar a confiança internacional no sistema de votação do País.  Como o Estadão antecipou, o governo Biden respondeu ao encontro. “As eleições brasileiras conduzidas e testadas ao longo do tempo pelo sistema eleitoral e instituições democráticas servem como modelo para as nações do hemisfério e do mundo”, dizia a nota divulgada pelos EUA. Ao contrário do que alega Bolsonaro, ao longo da história, nenhuma fraude nas urnas eletrônicas foi comprovada. Desde março de 2019, mais de 130 pedidos de impeachment contra Bolsonaro já foram protocolados. Agora, com os ataques do Presidente à legitimidade das eleições, novas cobranças podem acontecer por parte de seus opositores. Além das acusações de abuso de poder, o que já o tornaria inelegível, Bolsonaro teria cometido outras irregularidades, segundo a oposição. Uma delas seria, por exemplo, o descumprimento do Art. 4º da Lei do Impeachment, que fala de atos contra o exercício de direitos políticos, individuais e sociais. Resta saber se um processo de Impeachment contra o Presidente aconteceria em tempo hábil, antes das eleições de outubro. A favor de Bolsonaro ainda existe o fato de que seu aliado Arthur Lira (PP-AL) permanece na presidência da Câmara. Então, quais as chances de uma queda da gestão de Bolsonaro? Quais as possíveis consequências disso? No episódio do Estadão Notícias desta quinta-feira (21), vamos conversar sobre o sistema eleitoral brasileiro com o advogado e especialista em direito eleitoral Alberto Rollo. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Gustavo Lopes Produção/Edição: Gustavo Lopes, Bárbara Rubira, Gabriela Forte e Lucas de Amorim Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    De resort a jatinho: A farra dos partidos com dinheiro público

    Play Episode Listen Later Jul 20, 2022 25:22

    O Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos, popularmente conhecido como Fundo Partidário, voltou às manchetes depois da prestação de contas apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Além do que foi gasto, o destino dado a essas quantias milionárias também chamou a atenção. Mais de R$3 milhões, por exemplo, foram gastos em fretamento de aeronaves e jatinhos. Em viagens e hospedagens, muitas em resorts e hotéis de luxo, foram gastos R$18 milhões. Até 2014, quando a doação de empresas para campanhas ainda era permitida, o valor destinado ao Fundão não ultrapassava de R$500 milhões. No ano passado, o valor chegou a R$939 milhões. Já em 2022, até o mês de junho, já foram R$509 milhões em repasses e multas. Do total de gastos, mais de dois milhões vieram das campanhas dos deputados Arthur Lira e Baleia Rossi à presidência da Câmara, por exemplo. O Fundo Partidário, criado em 1965, tem como objetivo custear o funcionamento dos partidos, distribuindo recursos públicos a partir da quantidade de cadeiras que cada um tem na Câmara. Mas, hoje, os gastos vão desde contas caras em churrascarias, hamburguerias e padarias até compra de carros de luxo e camionetes. Quem deve regular esses gastos? Por que o valor repassado não para de crescer apesar desses gastos? No episódio do Estadão Notícias desta quarta-feira (20), vamos conversar com o advogado e cientista político Marcelo Issa, diretor do Transparência Partidária. O movimento busca combater ilegalidades cometidas por partidos por meio da promoção de novas lideranças, oxigenação do sistema e melhorias na governança. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Gustavo Lopes Produção/Edição: Gustavo Lopes, Bárbara Rubira, Gabriela Forte e Lucas de Amorim Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    O descontrole no desmatamento dos biomas brasileiros

    Play Episode Listen Later Jul 19, 2022 24:16

    De acordo com o Relatório Anual de Desmatamento no Brasil, produzido pelo MapBiomas em 2021, a área desmatada no Brasil aumentou em 20% no período de um ano, totalizando 16,5 mil km². Durante a produção do estudo foram analisados e confirmados 69,7 mil alertas de desmatamento emitidos por instituições como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Desses alertas, cerca de 66,8% aconteceram na Amazônia. O bioma teve 977 mil hectares desmatados, representando cerca de 59% de toda a área desmatada no Brasil no ano. Agropecuária, mineração, garimpo e expansão urbana são os principais fatores que contribuem para o aumento constante do desmatamento no bioma. Espera-se que este seja um tema amplamente debatido nas eleições presidenciais deste ano, visto que a Amazônia tem sido o ‘calcanhar de Aquiles' do atual Governo. Segundo pesquisa do Datafolha, a cada dez brasileiros, quatro acreditam que a gestão de Bolsonaro incentiva ilegalidades na floresta amazônica. Para estes brasileiros, o presidente minimiza as ações de caçadores e pescadores irregulares no local. Como a perda de vegetação nativa está atrelada às mudanças nas condições climáticas no mundo inteiro? E qual a importância do período eleitoral para o incentivo de políticas de preservação? No episódio do Estadão Notícias desta terça-feira (19), vamos conversar com cientista climático Carlos Nobre, pesquisador sênior do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da Universidade de São Paulo (USP) e um dos principais pesquisadores da floresta amazônica. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Lucas de Amorim e Gabriela Forte Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

    O desinteresse pelo voto em deputados e senadores

    Play Episode Listen Later Jul 18, 2022 24:35

    Em pesquisa recente realizada pela Quaest, a pedido do RenovaBR, 86% dos eleitores avaliaram positivamente ter uma “alta renovação” no Congresso Nacional nessas próximas eleições. Fenômeno este que já ocorreu com essa atual legislatura, com índice de 47% de renovação na Câmara e de 87% no Senado - foi a maior da história desde a redemocratização. Apesar das intensas mudanças nos quadros, a percepção sobre o desempenho do Parlamento seguiu negativa. Neste mesmo levantamento, que ouviu 1.544 pessoas em cinco regiões do País, dois em cada três eleitores declararam não lembrar em quem votou para deputado federal nas últimas eleições. A maioria (66%) também afirmou que não sabe o que faz um congressista na Casa. O frágil elo de representatividade e o desconhecimento sobre o que se passa nas Casas Legislativas contrastam com a conjuntura política atual, em que o Congresso tem manobrado o destino do País ao sabor de seus interesses. Especialmente por meio do orçamento secreto, esquema revelado pelo Estadão. O que explica esse distanciamento da sociedade em relação a seus congressistas? Por que o voto em deputados e senadores é levado “menos a sério” do que o voto nos cargos Executivos, como presidente e governador? E por que a alta taxa de renovação não resultou num Congresso mais virtuoso e bem avaliado? No episódio do Estadão Notícias desta segunda-feira (18), vamos analisar esses assuntos com a cientista política e diretora de operações da Transparência Brasil, Juliana Sakai. Ouvimos também o diretor de Operações do RenovaBR, Rodrigo Cobra. O Estadão Notícias está disponível no Spotify,Deezer,Apple Podcasts,Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Leonardo Catto e Gabriela Forte Montagem: Moacir Biasi See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Tecnologia #228: #Start Eldorado: os primeiros passos do 5G

    Play Episode Listen Later Jul 16, 2022 23:14

    O Start repercute a chegada do 5G ao Brasil no ambiente dos negócios. Ouça entrevistas e declarações de vários líderes da indústria e operadoras, com suas primeiras impressões sobre as redes standalone, que estrearam por Brasília e ainda neste mês chegam a Belo Horizonte, São Paulo, Porto Alegre e João Pessoa. No podcast do Start, você ouve o mesmo programa que foi ao ar na quarta-feira na Eldorado FM 107,3 - SP, com apresentação de Daniel Gonzales. See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Avacalhado sob Bolsonaro, teto de gastos tem futuro?

    Play Episode Listen Later Jul 15, 2022 20:11

    O teto de gastos das contas públicas brasileiras foi implantado em 2016 com o objetivo de ser uma âncora fiscal para o aumento da dívida do País em relação ao seu crescimento. Antes, alguns governos chegaram a gastar mais do que arrecadavam, o que fez o Brasil mergulhar em constantes crises econômicas. Agora, o governo de Jair Bolsonaro (PL), que prometia respeitar a medida, furou esse teto pela 5ª vez com a aprovação da chamada “PEC Kamikaze”, que turbinou benefícios à população em ano eleitoral. A proposta adicionou mais de R$ 41 bilhões de gastos para a gestão federal até dezembro. No total, juntando todas as furadas de teto feitas pelo presidente e pelo Congresso Nacional, o País já conta com mais de 200 bilhões de gastos acima daquilo que se poderia usar, segundo um monitoramento da Instituição Fiscal Independente, atrelado ao Senado Federal. Principal adversário de Jair Bolsonaro nas eleições, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), já disse que pretende acabar com o teto de gastos. Uma das ideias é autorizar o aumento da dívida pública desde que ela seja menor que o ritmo de crescimento do Produto Interno Bruto, o PIB. Afinal, por que é importante preservar o teto de gastos? De que maneira a irresponsabilidade fiscal impacta no bolso da população?  No Estadão Notícias desta quinta-feira, vamos analisar o atual cenário com quem criou a medida: o economista e ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. O Estadão Notícias está disponível no Spotify,Deezer,Apple Podcasts,Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Leonardo Catto e Gabriela Forte Montagem: Moacir Biasi See omnystudio.com/listener for privacy information.

    A influência de estrelas como Anitta numa eleição

    Play Episode Listen Later Jul 14, 2022 23:08

    A polarização entre Jair Bolsonaro e Lula movimentou a classe artística após Anitta anunciar seu voto no petista. Uma das cantoras brasileiras de maior sucesso no mundo conta com mais de 100 milhões de seguidores nas redes sociais, e pode ajudar a angariar votos, principalmente, com o público mais jovem. Do outro lado, o atual presidente tem o núcleo sertanejo no seu palanque. A principal figura representativa desse grupo é o cantor Gusttavo Lima, que possui mais de 75 milhões de fãs em suas páginas pessoais na internet. No entanto, nunca houve um anúncio público sobre o seu voto como fez Anitta. Históricamente, artistas são mais ligados a partidos de esquerda do que de direita, portanto, é natural um apoio maior a Lula. E isso se intensificou no governo Bolsonaro, após sua gestão atacar essa classe e programas que subsidiam a cultura no País, como a Lei Rouanet. Afinal, o apoio público de um artista pode influenciar no voto de um fã? Qual o poder de convencimento uma estrela pode causar no seu público? De que forma as campanhas podem se utilizar dessa influência? No Estadão Notícias desta quinta-feira, vamos bater um papo sobre esse tema com o professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (USP), Pablo Ortellado. O Estadão Notícias está disponível no Spotify,Deezer,Apple Podcasts,Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes e Gabriela Forte Montagem: Moacir Biasi See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Militares querem ‘tutelar' as eleições?

    Play Episode Listen Later Jul 13, 2022 26:17

    O presidente Jair Bolsonaro ganhou um importante aliado na sua batalha contra as urnas eletrônicas: o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira. Em mais de uma oportunidade, o titular da pasta tem dito que as Forças Armadas vão participar do pleito de outubro com uma função fiscalizadora. O Ministério da Defesa montou uma equipe de oficiais do Exército, da Marinha e da Aeronáutica com a missão específica de elaborar o roteiro inédito de atuação dos militares no pleito. O plano vai além das sugestões de segurança das urnas eletrônicas encaminhadas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os militares solicitaram uma lista de informações técnicas ao TSE. São, ao todo, 12 pontos, que vão desde documentos relacionados às eleições passadas, de 2014 e 2018, como boletins de urna, relatórios de equipamentos substituídos, comparecimento e abstenção em cada seção eleitoral, até detalhes sobre o programa que seleciona, por sorteio, as seções eleitorais em que urnas eletrônicas serão submetidas aos testes de integridade e autenticidade. Apesar de afirmarem que estão atuando dentro da legalidade, as Forças Armadas estão extrapolando sua competência e sendo instrumentalizadas pelas teses de Bolsonaro que colocam em xeque a lisura do processo eleitoral brasileiro? No Estadão Notícias desta quarta-feira, vamos entender melhor esta nova cartada do Ministério da Defesa em relação ao processo eleitoral com o repórter do Estadão, em Brasília, Felipe Frazão, que apurou os bastidores desse conflito entre TSE e Forças Armadas. O Estadão Notícias está disponível no Spotify,Deezer,Apple Podcasts,Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes e Gabriela Forte Montagem: Moacir Biasi See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Conteúdo patrocinado: Economia circular no Summit ESG 2022

    Play Episode Listen Later Jul 12, 2022 28:48

    Durante o Summit ESG 2022, promovido pelo Estadão, a Ambipar, apresentou um painel para falar sobre a economia circular de baixo carbono. No bate papo estiveram com a jornalista Rita Lisauskas, o CEO da Bumera Ambipar, Guilherme Brammer, e o diretor de sustentabilidade da Ambipar, Rafael Téllo. Durante a conversa eles falar sobre como a economia circular está transformando o dia a dia das empresas; quais projetos estão dando bons resultados; e sobre a conexão da circularidade das cadeias produtivas e a economia de baixo carbono. Se você perdeu e quer assistir ao Summit ESG na íntegra, ele está disponível em estadaobluestudioplay.com.br. See omnystudio.com/listener for privacy information.

    ‘Cenários com Sonia Racy': A importância da medicina preventiva

    Play Episode Listen Later Jul 12, 2022 27:36

    Neste episódio da série ‘Cenários', Sonia Ray recebe a CEO do Grupo Fleury, Jeane Tsutsui. A cardiologista destaca a importância da medicina preventiva, fala sobre os avanços da tecnologia na área e detalha a expansão da rede Fleury, que cresceu 30% em 2021, com foco em diferentes áreas da medicina e parcerias estratégicas. See omnystudio.com/listener for privacy information.

    A escalada de violência política e os riscos para os candidatos

    Play Episode Listen Later Jul 12, 2022 38:23

    Um crime ocorrido na madrugada de sábado acendeu o alerta para o perigo que a polarização entre petistas e bolsonaristas tem se tornado para a democracia brasileira. Em Foz do Iguaçu, no Paraná, o guarda municipal Marcelo Aloizio de Arruda foi morto ao comemorar seu aniversário com uma temática exaltando Lula. O assassino é o policial penal federal Jorge José da Rocha Guaranho, apoiador de Jair Bolsonaro. O crime aumentou ainda mais a tensão que tem se espalhado pelo País entre os dois grupos ideológicos. Só neste ano, vários episódios ocorridos em eventos dos presidenciáveis mostram que, infelizmente, a violência entrou na disputa eleitoral. Na Cinelândia, no Rio de Janeiro, por exemplo, um homem atirou um artefato explosivo com fezes em apoiadores de Lula, durante um evento promovido pelo PT. Por causa disso, a segurança dos presidenciáveis tem aumentado o alerta máximo das equipes, tanto que os dois líderes da pesquisa estão usando coletes à prova de balas em locais abertos. O Tribunal Superior Eleitoral já se mostrou preocupado com o crescimento da tensão entre os apoiadores de Lula e Bolsonaro, e teme que os candidatos continuem insuflando as massas, gerando assim, mais instabilidades para as eleições de outubro. No Estadão Notícias desta terça-feira, vamos analisar esse clima de polarização do País com o cientista político da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e colunista do Estadão, Carlos Pereira. Quem participa também deste episódio é o repórter especial do Estadão, Roberto Godoy, que vai nos explicar o complexo desafio que terá a Polícia Federal para garantir a segurança dos candidatos em ano eleitoral. O Estadão Notícias está disponível no Spotify,Deezer,Apple Podcasts,Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes e Gabriela Forte Montagem: Moacir Biasi See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Forte ou fraco? Como chega o discurso liberal nas eleições

    Play Episode Listen Later Jul 11, 2022 22:39

    Em 2018, a plataforma liberal encontrou reverberação entre eleitores e contribuiu para a vitória de Jair Bolsonaro. Esse discurso estava personificado em Paulo Guedes, o “Chicago Boy”. Além de servir como oposição às gestões petistas na economia, as ideias de um Estado mínimo, mais eficiente e menos intervencionista tiveram um papel central no convencimento do mercado, do empresariado e de parte da sociedade brasileira. Mas como chega essa agenda liberal em 2022? A PEC que libera mais de R$ 40 bilhões para benefícios sociais ilustra como a política econômica liberal defendida pelo governo federal não foi tão liberal assim. A proposta foi aprovada no Senado e deve ser apreciada nesta terça-feira, 12, na Câmara de Deputados.  Essa é apenas mais uma iniciativa de Jair Bolsonaro que contraria sua principal promessa de campanha no campo econômico. O desrespeito ao teto de gastos e a baixa eficiência nas privatizações são outros sinais de como o populismo se sobrepôs ao longo do mandato do presidente. Com o fracasso do liberalismo de Guedes, essa agenda perde força e espaço nas eleições de 2022? A tendência é que o Brasil volte a experimentar uma linha mais heterodoxa na economia? Ou ainda há espaço para plataformas liberais? No Estadão Notícias desta segunda-feira, vamos falar sobre o debate econômico na próxima campanha. Conversamos com o economista da Tendências Consultoria, Silvio Campos Neto, sobre o assunto. O Estadão Notícias está disponível no Spotify,Deezer,Apple Podcasts,Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Gabriela Forte e Ramiro Brites Montagem: Moacir Biasi See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Tecnologia #227: #Start Eldorado: Jornada digital dos bancos - parte 3

    Play Episode Listen Later Jul 9, 2022 19:47

    Em meio a uma era de intensa transformação de seus produtos financeiros, os bancos vêm realizando grandes investimentos em suas infraestruturas digitais para adequá-las à oferta de soluções cada vez mais ágeis, seguras e personalizadas aos clientes físicos e empresariais. Análise de dados com intenso emprego de inteligência artificial, investimentos em alto poder de processamento, integração total com a nuvem, sistemas biométricos de identificação e cibersegurança colocam as instituições no caminho do “smart banking”. Ouça a terceira parte do debate sobre o assunto, reunindo executivos de grandes instituições como Bradesco, Banco BV e Banco Inter. A apresentação do Start é de Daniel Gonzales e o programa vai ao ar todas as quartas-feiras, às 21h, na Eldorado FM 107,3. See omnystudio.com/listener for privacy information.

    No Reino Unido, Johnson pede o boné; no Brasil, Congresso passa o chapéu

    Play Episode Listen Later Jul 8, 2022 37:20

    O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, renunciou ao cargo de líder do Partido Conservador, abrindo caminho para a escolha de um novo premiê. O anúncio foi feito em meio à grave crise política que levou à demissão de mais de 50 integrantes do governo nas últimas 48 horas. No Brasil, a polêmica fica por conta da instalação da CPI do MEC, que pretende investigar atos de corrupção passiva sob a gestão do ex-ministro Milton Ribeiro. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), já disse que a comissão só vai começar após as eleições, mas a oposição quer que as investigações comecem em agosto, e prometem ir ao Supremo Tribunal Federal (STF). Por falar no STF, parlamentares contrários ao presidente Jair Bolsonaro prometem contestar a aprovação, em tempo recorde, de um pacote de bondades, que inclui o aumento do Auxílio-Brasil, por ter sido feito em período eleitoral, o que pode caracterizar inconstitucionalidade da medida. A tentativa dos aliados do presidente é conseguir conquistar os votos dos mais pobres que hoje estão com Lula (PT). Isso fica claro na última pesquisa Genial/Quaest, que mostra estabilidade dos candidatos: Lula com 45% e Bolsonaro com 31%. No sentido de aumentar seus palanques estaduais, tanto o petista como o presidente tentam fechar acordos para as eleições de governadores e senadores. Esses são os assuntos que guiam nossa conversa quinzenal do “Poder em Pauta” com os jornalistas que acompanham o dia a dia da política. Participam no episódio de hoje do ‘Estadão Notícias', Pedro Venceslau, de São Paulo, e Felipe Frazão, diretamente da capital federal. O Estadão Notícias está disponível noSpotify,Deezer,Apple Podcasts,Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes e Gabriela Forte Sonorização/Montagem: Moacir Biasi See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Fim da ‘era de ouro'? A onda de demissões nas startups

    Play Episode Listen Later Jul 7, 2022 25:59

    As demissões em massa têm ofuscado o brilho dos unicórnios, apelido dado a startups que atingem mais de um bilhão em valor de mercado. Empreendimentos promissores como Loft, QuintoAndar e Ebanx entraram, desde abril, em uma onda de desligamento e levantaram questionamentos sobre a sustentabilidade de negócios reconhecidamente inovadores.  O caráter experimental das startups, que são empresas em busca de um modelo de operação definido, é o que possibilitou, nos últimos anos, o crescimento exponencial desses empreendimentos. Mas, essa celeridade também é responsável pela queda abrupta deste mercado.  A queda dos quadros funcionais está tão expressiva que o período é chamado de “inverno” para investimentos em startups. Líderes do segmento reconhecem o momento difícil e relacionam à crise macroeconômica mundial, influenciado pela pandemia da covid-19 e pela guerra da Ucrânia. No entanto, ainda é cedo para terra arrasada, segundo especialistas. Os investimentos ainda estão em patamar superior ao período anterior à pandemia. No Estadão Notícias desta quinta-feira, vamos falar sobre como a crise econômica mundial tem refletido na demissão de funcionários de startups. O podcast também aborda quais caminhos esses negócios podem percorrer para se reinventar, além das perspectivas para o setor com o sócio da Sirius, presidente da Associação Brasileira de Startups e colunista do ‘Link/Estadão', Felipe Matos. O Estadão Notícias está disponível no Spotify,Deezer,Apple Podcasts,Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Gabriela Forte e Ramiro Brites Montagem: Moacir Biasi See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Por que as abstenções vem crescendo nas eleições?

    Play Episode Listen Later Jul 6, 2022 27:26

    As campanhas de Lula e Jair Bolsonaro estão preocupadas com algo que tem sido tendência nas últimas eleições: o alto índice de abstenção do eleitorado. Desde 2006, esse número só vem crescendo, e chegou à marca de 30 milhões de pessoas que não foram às urnas votar no atual presidente ou no seu adversário na época, Fernando Haddad (PT), em 2018. Um levantamento do Instituto Votorantim, obtido com exclusividade pelo Estadão/Broadcast, mostra que o desinteresse do brasileiro pelo voto cresce de forma lenta, gradual e consistente, sobretudo no Sudeste e nas maiores cidades do País. A taxa de eleitores que não foram às urnas nesta região passou de 17,2% para 21,6% no período entre 2006 e 2018.  Diante desse cenário, instituições de defesa do voto, artistas e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), tem se engajado em campanhas para incentivar a politização das pessoas e mostrar a importância de escolher um representante nas urnas. O TSE, recentemente, lançou uma peça publicitária para atrair os jovens de 16 e 17 anos a tirar o título de eleitor. No Estadão Notícias desta quarta-feira, vamos falar sobre como as abstenções mexem com as eleições brasileiras, e o desafio das campanhas eleitorais em conquistar esses eleitores, com o cientista político Bruno Silva, pesquisador do Laboratório de Política e Governo da Unesp e diretor do Voto Consciente. Ouvimos também a organização Politize! e o projeto Meu, seu, nosso voto, cocriado pelo Instituto Aurora, Instituto Nossa Causa e Escola da Política. O Estadão Notícias está disponível no Spotify,Deezer,Apple Podcasts,Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Gabriela Forte e Ramiro Brites Montagem: Moacir Biasi See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Claim Estadão Notícias

    In order to claim this podcast we'll send an email to with a verification link. Simply click the link and you will be able to edit tags, request a refresh, and other features to take control of your podcast page!

    Claim Cancel