Podcasts about presid

  • 652PODCASTS
  • 2,267EPISODES
  • 30mAVG DURATION
  • 4DAILY NEW EPISODES
  • Sep 23, 2022LATEST

POPULARITY

20152016201720182019202020212022

Categories



Best podcasts about presid

Show all podcasts related to presid

Latest podcast episodes about presid

O Antagonista
Cortes do Papo - O morde e assopra de Lula com o Centrão

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 23, 2022 7:17


Enquanto articula retomar o comando do orçamento, tirando da mão do parlamento as RP9, o PT abre diálogo com personagens vistos como estratégicos dentro da Câmara. Na lista estão: Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Marcelo Ramos (PSD-AM), Isnaldo Bulhões (MDB-AL) e Silvio Costa Filho (Republicanos-PE). Pouco beneficiados pelo orçamento secreto, estes nomes têm apresentado menos resistência a Lula, que já abre espaço para conversas, inclusive, sobre ministérios. Integrantes da campanha petista ouvidos por O Antagonista disseram que a preocupação é “garantir governabilidade” desde já. Isso inclui, dentre outras coisas, criar ainda este ano, pontes para articular o fim do Orçamento Secreto de 2023, como já mostramos aqui neste site. Conforme adiantou O Antagonista, emissários do PT pressionam a ministra do Supremo Rosa Weber para que julgue, após as eleições, as ações que questionam a constitucionalidade do modelo de liberação de recursos via emendas do relator. Em alguns casos, o próprio candidato à Presidência do partido, Lula, encabeça as conversas, geralmente presenciais durante as visitas aos estados, com os nomes acima citados. Telefone e aplicativos de mensagens são pouco usados. O receio dos petistas é que, no melhor dos cenários, serão eleitos em torno de 130 deputados da esquerda e pelo menos 200 dos partidos do Centrão. Número que pode comprometer a governabilidade lulista caso as articulações não estejam bem amarradas. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

E Tem Mais
Quem são os indecisos e como eles podem influenciar o resultado das eleições presidenciais?

E Tem Mais

Play Episode Listen Later Sep 22, 2022 20:05


Neste episódio do E Tem Mais, Carol Nogueira apresenta um balanço sobre as táticas dos candidatos à presidente para atrair o voto dos eleitores indecisos. As pesquisas recentes vêm mostrando que o número de eleitores indecisos é próximo da distância que separa o primeiro e o segundo colocados na disputa pela Presidência do Brasil. Moradores das regiões Sul e Sudeste, pessoas com baixa escolaridade e renda, jovens e mulheres são os extratos onde se concentra a maior parte dos indecisos. De olho no voto que pode decidir a eleição, as campanhas ddo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, e o atual presidente, Jair Bolsonaro, do PL, têm aumentado o esforço para conquistar essa parcela da população.  Para falar sobre como os indecisos se comportam nas eleições brasileiras ao longo da história e como os candidatos vêm tentando atraí-los em 2022, participam deste episódio Jonatas Varella, diretor de processamento de dados da Quaest Pesquisa e Consultoria,  e Maurício Fronzaglia, cientista político e professor da FGV em São Paulo. Com apresentação de Carol Nogueira, este podcast é produzido pela Maremoto para a CNN Brasil. Você também pode ouvir o E Tem Mais no site da CNN Brasil. E aproveite para conhecer os nossos outros programas em áudio. Acesse: cnnbrasil.com.br/podcasts.

O Antagonista
Cortes do Papo - Campanha de Ciro recria fábula dos 'dois ladrões' de Monteiro Lobato

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 22, 2022 3:40


Ciro Gomes resolveu recriar, na campanha à Presidência da República, a "Fábula dos Dois Ladrões", de Monteiro Lobato. A peça do marqueteiro João Santana coloca dois homens em um banco de praça, discutindo quem seria o maior ladrão: o que roubou o passado de um país todo ou quem roubou o futuro do país. "Tá bem, você venceu. Não tenho a menor ideia de como se rouba um futuro. Como você conseguiu isso?", questiona o primeiro ladrão. "Fácil: eu disse que se elas não me deixassem roubar o futuro delas, quem iria roubar era você", diz o segundo, aos risos. "Como eu sou o ladrão do bem e você é o ladrão do mal, elas preferiram ser roubadas por mim." O vídeo, que seria a primeira parte de uma série, acaba com o lema "Vote em 1, se livre dos 2". A moral desta fábula é ligeiramente diferente do fim do texto de Lobato, que conclui: "Quando dois brigam, lucra um terceiro ladrão mais esperto." Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Cortes do Papo - Alvo da PF no governo Dilma, ex-número 2 da AGU é reincorporado ao serviço público

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 21, 2022 2:44


O Advogado Geral da União, Bruno Bianco, publicou hoje portaria de reintegração de José Weber Holanda Alves ao cargo de procurador federal da AGU. A decisão foi tomada após parecer favorável da Procuradoria Geral Federal no âmbito do processo administrativo aberto após o servidor ser alvo da Polícia Federal em 2012. Weber Holanda era o AGU adjunto de Luís Inacio Adams quando foi apanhado pela PF na Operação Porto Seguro, que apurou suspeitas de crimes de associação criminosa, tráfico de influência, falsidade ideológica e corrupção. Após denunciado, virou réu ao lado de Rosemary Noronha, ex-chefe do escritório da Presidência da República em São Paulo, do ex-senador Gilberto Miranda Batista e de Paulo Rodrigues Vieira, ex-diretor de Hidrologia da Agência Nacional das Águas (ANA); além de servidores da Agência Nacional de Águas, Agência Nacional de Aviação Civil, Ministério da Educação e da Secretaria do Patrimônio da União. No ano passado, o STJ anulou as provas do inquérito e trancou a ação. Segundo a Polícia Federal e o Ministério Público, a quadrilha, chefiada por Vieira, influenciava a elaboração de pareceres técnicos fraudulentos em órgão federais e agências reguladoras para beneficiar interesses de terceiros. Mediante propina, o grupo teria, por exemplo, liberado a licença para instalação do complexo portuário da Ilha dos Bagres, área de proteção permanente ao lado do Porto de Santos. O projeto, que ocuparia área de 1,2 milhão de m2, foi orçado na ocasião em R$ 2 bilhões. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Campanha de Ciro recria fábula dos 'dois ladrões' de Monteiro Lobato

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 21, 2022 1:04


Ciro Gomes resolveu recriar, na campanha à Presidência da República, a "Fábula dos Dois Ladrões", de Monteiro Lobato. A peça do marqueteiro João Santana coloca dois homens em um banco de praça, discutindo quem seria o maior ladrão: o que roubou o passado de um país todo ou quem roubou o futuro do país. "Tá bem, você venceu. Não tenho a menor ideia de como se rouba um futuro. Como você conseguiu isso?", questiona o primeiro ladrão. "Fácil: eu disse que se elas não me deixassem roubar o futuro delas, quem iria roubar era você", diz o segundo, aos risos. "Como eu sou o ladrão do bem e você é o ladrão do mal, elas preferiram ser roubadas por mim." O vídeo, que seria a primeira parte de uma série, acaba com o lema "Vote em 1, se livre dos 2". A moral desta fábula é ligeiramente diferente do fim do texto de Lobato, que conclui: "Quando dois brigam, lucra um terceiro ladrão mais esperto." Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Cortes do Papo - Lula diz a revista inglesa que “PT está cansado de pedir desculpas” por corrupção

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 21, 2022 1:34


Lula disse que o “PT está cansado de pedir desculpas” pelas acusações de corrupção. A declaração do petista foi publicada em uma reportagem da revista The Economist, que faz um balanço sobre as propostas do candidato à Presidência para a economia. A reportagem, no entanto, diz que “o partido, na verdade, nunca pediu desculpas”. “Muitos brasileiros comuns estão frustrados com a recusa de Lula em aceitar a responsabilidade pelas políticas que levaram à recessão, ou em se desculpar pelo papel do PT no escândalo de corrupção conhecido como Lava Jato”, disse a publicação. A revista também afirmou que “Lula gosta de lembrar que os brasileiros eram 'felizes' quando ele estava no comando [...], mas ele não reconhece que os problemas atuais do Brasil começaram com sua protegida e sucessora, Dilma Rousseff, também do PT”. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

NETFLU
PEDRO ANTÔNIO DESISTE DA PRESIDÊNCIA E ABRE CAMINHO PARA REELEIÇÃO NO FLU! | DIÁRIO TRICOLOR!

NETFLU

Play Episode Listen Later Sep 21, 2022 85:02


Podcasts O Dia
Vídeo editada fala de Lula para mostrar ex-presidente xingando apoiadores

Podcasts O Dia

Play Episode Listen Later Sep 21, 2022 1:11


É falso vídeo que repercutiu no Kwai em que o ex-presidente Lula, do PT, e candidato à Presidência da República, teria xingado apoiadores. Saiba mais sobre o caso!

Resumão Diário
Terça-feira, 20 de setembro

Resumão Diário

Play Episode Listen Later Sep 20, 2022 4:55


A duas semanas do 1º turno, a disputa pela Presidência continua estável, segundo pesquisa do Ipec publicada ontem; Lula (PT) oscilou um ponto para cima nas intenções de voto, de 46% para 47%, enquanto Jair Bolsonaro (PL) se manteve com 31%. O litro do diesel vendido pela Petrobras às distribuidoras fica R$ 0,30 mais barato a partir de hoje. O Ministério da Saúde informou que está aguardando uma recomendação da área técnica da pasta para começar a vacinação contra a Covid-19 de crianças entre 6 meses e 4 anos de idade. O presidente Jair Bolsonaro discursa hoje na abertura da 77ª Assembleia-Geral da ONU, em Nova Iorque. E vão ser definidos hoje os mandos de campo dos jogos da final da Copa do Brasil, entre Flamengo e Corinthians.

O Antagonista
Cortes do Papo - Eunício entra na Justiça para despejar Ciro

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 20, 2022 2:09


O ex-senador Eunício Oliveira (MDB-CE) entrou na Justiça com um pedido de imissão de posse do apartamento de Ciro Gomes (PDT) em Fortaleza. O imóvel, avaliado em mais de R$ 500 mil reais, foi a leilão em 2021 para pagar uma indenização por danos morais movida pelo senador Fernando Collor (PTB-AL) contra Ciro por tê-lo chamado de “playboy safado” e “cheirador de cocaína”. Eunício adquiriu o imóvel, mas passado um ano e três meses, não conseguiu receber as chaves. Os três personagens desta disputa concorrem nas eleições deste ano. Eunício Oliveira tenta uma vaga de deputado federal e Collor quer o governo de Alagoas. Enquanto isso, Ciro Gomes é candidato à Presidência da República em campo político de oposição ao dos outros dois postulantes. Para cobrir os “prejuízos” desse período, o ex-senador também requereu uma indenização referente ao aluguel pelo tempo não usufruído “no valor mensal de R$ 2.600,00 a contar da data da arrematação, até a entrega da posse do bem ao arrematante”. O caso corre no Tribunal de Justiça de São Paulo. “O peticionante dispôs de mais de meio missão de reais para arrematar bem que continua a ser usufruído pelo executado”, escrevem os advogados de Eunício na petição. Enquanto isso, Ciro Gomes briga na Justiça para tentar anular o leilão e reaver a posse do imóvel, alegando que ele teve vícios como ausência de intimação da Caixa Econômica Federal. Já Collor acusa Ciro de fraude, uma vez que, no dia em que ocorria o leilão, o pedetista contraiu um empréstimo junto à Caixa para pagamento do restante do imóvel que estava financiado, e cobra o dinheiro da indenização. Já o dinheiro continua depositado em juízo até definição do caso. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Rádio Gaúcha
Quais são os cargos para votar nas eleições 2022?

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Sep 20, 2022 29:54


O episódio de hoje quer te ajudar a entender quais são os cargos que estão em disputa nesta eleição de 2022, para além das corridas para a Presidência e para os governos estaduais. Na urna, será nosso dever escolher deputados ou deputadas federais, deputados ou deputadas estaduais, além de senador ou senadora. O que cada um deles faz? Como essas funções se relacionam com a nossa vida real? Nossa convidada é a advogada Paula Bernardelli, que é especialista na área do direito eleitoral e integrante da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (ABRADEP).

Descomplica, Kelly!
Quais são os cargos para votar nas eleições 2022?

Descomplica, Kelly!

Play Episode Listen Later Sep 20, 2022 29:54


O episódio de hoje quer te ajudar a entender quais são os cargos que estão em disputa nesta eleição de 2022, para além das corridas para a Presidência e para os governos estaduais. Na urna, será nosso dever escolher deputados ou deputadas federais, deputados ou deputadas estaduais, além de senador ou senadora. O que cada um deles faz? Como essas funções se relacionam com a nossa vida real? Nossa convidada é a advogada Paula Bernardelli, que é especialista na área do direito eleitoral e integrante da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (ABRADEP).

Jovem Pan Maringá
Nova pesquisa contraria fala de Bolsonaro e mostra lula na frente

Jovem Pan Maringá

Play Episode Listen Later Sep 20, 2022 59:55


Destaque é a menos de duas semanas do primeiro turno das eleições 2022, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) segue liderança a corrida à Presidência da República e, se a eleição fosse hoje, venceria a disputa em primeiro turno, uma vez que alcança 52% dos votos válidos, excluídos brancos e nulos. É o que aponta a nova pesquisa do Instituto Ipec (antigo Ibope), divulgada nesta segunda-feira, 19. O levantamento aponta o petista com 47% das intenções de voto, o que representa uma vantagem de 16 pontos percentuais do segundo colocado, o presidente Jair Bolsonaro (PL), que soma 31%. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/jovem-pan-maring/message

Durma com essa
A frente de apoio a Lula para derrotar Bolsonaro no 1º turno

Durma com essa

Play Episode Listen Later Sep 19, 2022 18:58


Oito ex-candidatos à Presidência se reuniram em São Paulo nesta segunda-feira (19) em um evento em apoio a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva na corrida pelo Planalto. Presidente do Banco Central no governo do petista e ministro da Economia de Michel Temer, Henrique Meirelles (União Brasil) foi um dos que ficaram ao lado do ex-presidente, em detrimento da candidata de seu partido, Soraya Thronicke. O Durma com Essa fala sobre o arco de alianças do petista e como a campanha aposta no voto útil para derrotar o presidente Jair Bolsonaro já no primeiro turno. O episódio também tem a participação de Leonardo Barros Soares, professor da Universidade Federal de Viçosa, que fala sobre o que está em jogo para o meio ambiente nas eleições, e do redator Cesar Gaglioni, que explica como a fusão nuclear pode virar uma fonte de energia limpa. A ciência é um tema-chave da Ponto Futuro, editoria do Nexo dedicada a refletir sobre os próximos anos.Materiais de referência:Ensaio: O que está em jogo nas eleições: meio ambiente, por Leonardo Barros SoaresLink: https://www.nexojornal.com.br/ensaio/2022/O-que-est%C3%A1-em-jogo-nas-elei%C3%A7%C3%B5es-2022-meio-ambiente?position-home-esquerda=1Expresso: O que falta para tornar a fusão nuclear uma fonte de energia, por Cesar GaglioniLink: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2022/09/17/O-que-falta-para-tornar-a-fus%C3%A3o-nuclear-uma-fonte-de-energiaConfira outros textos sobre Ciência na Ponto FuturoLink: https://www.nexojornal.com.br/pontofuturo/

Convidado
Partido Novo propõe “governo de unidade nacional” em São Tomé e Príncipe

Convidado

Play Episode Listen Later Sep 19, 2022 9:15


O Partido Novo é uma das 11 forças políticas na corrida às eleições legislativas de 25 de Setembro em São Tomé e Príncipe. O seu líder, Abílio do Espírito Santo, explica que, se ganhar, vai “abrir um debate público” para formar o que chama de “governo de unidade nacional” porque considera que “o povo é que tem que decidir” num país em que o maior problema, a seu ver, é a corrupção. RFI: Quais são as principais promessas/bandeiras da sua candidatura? Abílio do Espírito Santo, Líder do Movimento para o Progresso-Partido Novo: O grande problema que temos neste país é o problema de governação, a corrupção. No manifesto eleitoral, a segunda prioridade é a corrupção zero. Como é que pretende colocar isto em prática? Em São Tomé, ninguém mais confia em ninguém. Em 47 anos de independência, tem havido muita promessa, mas promessas não cumpridas. Então, nós entendemos que é preciso garantir, se houver instituição capaz, ou então criar um sistema que controle e fiscalize todas as outras instituições em São Tomé e Príncipe, que vai desde a Presidência da República, o Governo, os tribunais, Ministério Público, ONG's, todas as instituições em São Tomé e Príncipe. Em todas as eleições se fala no fenómeno do banho, na compra de consciência dos eleitores. Vocês no manifesto eleitoral também falam disto. Como é que financiaram a campanha e como é que se evita o banho? O fenómeno do banho é um grande mal que existe e a única forma de conseguir evitar o banho não é com conselhos à população. Isso não funciona. É, sim, conseguir que a população seja independente económica e financeiramente dos políticos, caso contrário, não há hipótese. As pessoas são muito dependentes dos políticos. Temos que arranjar uma forma para que as pessoas consigam ser independentes económica e financeiramente dos políticos. Existem dois pontos fundamentais, a meu ver. Tem a ver com a livre circulação dos nossos cidadãos para o estrangeiro. Não há emprego cá em São Tomé que dignifique a pessoa humana. As pessoas trabalham e recebem muito pouco. Eu acredito que se as pessoas tiverem possibilidade de viajar para o estrangeiro e conseguir um bom emprego, poderão regressar e investir em São Tomé. O ponto dois é o turismo. São Tomé é uma ilha maravilhosa, com grandes potencialidades, mas o turismo é praticamente zero. Se houver muitos turistas cá no país, a população terá a possibilidade de vender os seus produtos. Logo não haverá tempo, não haverá necessidade de o povo andar aí à procura de políticos para lhe dar 100 dobras, pedir ajudas, por aí fora. Eles estarão preocupados em produzir para os turistas. Fala em independência dos políticos. Há outro ponto nas prioridades do vosso manifesto eleitoral em que falam no direito à informação. Quais é que são os planos? Por exemplo, falando da televisão são-tomense, nós temos a RTP África e a TVS, a nossa televisão, só passa aquilo que o Governo quer - este e o outro anterior - a coisa é a mesma. Logo, é necessário, é indispensável que haja televisões privadas até porque precisamos que haja também, para combater a corrupção, o tão falado jornalismo de investigação que aqui não existe. São Tomé e Príncipe é considerado um dos países mais pobres do mundo e depende da ajuda externa. Agora temos a guerra na Ucrânia, que provocou uma inflação mundial dos preços. Há pouco tempo tivemos toda a crise da pandemia, da qual ainda sofremos as consequências. Que soluções é que propõe para reduzir essa dependência e para também reduzir essa pobreza quase estrutural? Nós só temos quatro pontos no nosso manifesto eleitoral porque, de acordo com nossa ideologia, quando ganharmos estas eleições - porque temos quase a certeza que vamos ganhá-las - este partido é um partido jovem, a juventude é que criou este partido, mas fazem parte deste partido todo o povo de São Tomé, os mais velhos, por aí fora. Quando ganharmos essas eleições, vamos ter um governo, um governo nacional. Não será um governo partidário. Vamos deixar em aberto a possibilidade de que concorram pessoas capazes e com motivação para exercerem o cargo no Governo. Essas pessoas terão que se sentir empregados do povo, virão em missão para trabalhar para o povo. Para dizer que as ideias que eu possa ter agora sobre propostas para desenvolvimento de São Tomé valem o que valem, mas eu diria que não têm muito significado de acordo com a nossa ideologia. Eu posso querer uma coisa hoje, mas quando ganharmos as eleições, o povo de São Tomé e Príncipe é que irá falar. Vamos abrir um debate público para que as pessoas escolham os ministros para que façamos o programa de governação para São Tomé e Príncipe. O povo de São Tomé e Príncipe terá a oportunidade de usar o Movimento para o Progresso - Partido Novo, um partido que a juventude criou. É o que o país precisa, digamos, como se fosse um governo de unidade nacional, que nenhum desses partidos que já estiveram no poder têm a capacidade de o implementar por causa da rivalidade que existe entre eles. No entanto, o Governo cessante era composto por uma “nova maioria” no Parlamento que juntava o MLSTP-PSD, o PCD-MDFM-UDD. O que está a dizer é que também está disposto a alianças? Não. Nós não estamos dispostos a alianças, nós não faremos alianças. Inclusive no nosso estatuto há um parágrafo que diz que nós não vamos coligar com nenhum partido político. O que nós estamos a dizer é que vamos abrir ao povo de São Tomé. O povo de São Tomé terá a possibilidade de connosco escolher os ministros, os gestores, as prioridades para a governação. Na fase de escolha dos governantes, nós não vamos procurar saber se este indivíduo é de um partido A ou do partido B ou se ele é apartidário. Desde que ele revele a capacidade, poderá fazer parte do Governo de São Tomé e Príncipe. O que aconteceu, no passado recente, e que está em vigor até agora, são alianças onde cada um exige um tacho - e é um tacho: “Eu quero ser ministro tal e quer ser director tal” - e o primeiro-ministro, por si só, não tem capacidade ou não tem poder de tomar decisões e se ele não concordar com alguma coisa, o que poderá acontecer é a queda do governo. Fala em abrir um debate público para fazer um programa de governação. Ainda assim, quem vai votar precisa de saber no que vai votar. Por exemplo, em São Tomé e Príncipe outro grande problema é o acesso aos cuidados médicos, aos medicamentos. Que propostas para a saúde? As minhas opiniões valem o que valem, mas isso tem que ser de concertação nacional. O povo tem que decidir. O que acontece aqui é que desde 1975 que tomámos a independência, temos tido doutores e engenheiros no poder e o país continua como está. Nós não avançamos e não é por causa de falta de conhecimento dos nossos líderes. Nós todos somos críticos quanto à saúde e se eu começar a enumerar os problemas da nossa saúde, não saímos daqui hoje. Por isso, a solução não poderá vir só de um partido, só de uma pessoa. Isso tem que ser, digamos, de concertação nacional e com a ajuda de todos os são-tomenses residentes ou no estrangeiro, até mesmo os estrangeiros poderão ter uma palavra a dizer, desde que seja ajuda para melhorar o estado das coisas. Por ter sido emigrante, tem uma palavra a dizer à diáspora porque, pela primeira vez, são-tomenses residentes na diáspora vão poder eleger e serem eleitos? Podem contar comigo, podem contar com o Movimento para o Progresso - Partido Novo. O país já não será como era antes, com o Movimento para o Progresso no poder. Aliás, para poderem estar descansados, terão muito orgulho de terem este partido no poder e terão vida facilitada, muito facilitada, quando pensarem em trazer os seus bens para São Tomé. As taxas serão de certeza, terão que ser revistas, as taxas alfandegárias. Terão um acompanhamento melhor e, principalmente, para os nossos doentes que têm que fazer hemodiálise em Portugal podem estar seguros que cedo encontrarão dias melhores.     Eleições legislativas, autárquicas e regional a 25 de Setembro As eleições legislativas, autárquicas e regional são a 25 de Setembro. Dez partidos e uma coligação vão concorrer às legislativas de São Tomé e Príncipe: Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe / Partido Social Democrata (MLSTP/PSD), Acção Democrática Independente (ADI), Movimento Basta, Movimento Democrático Força da Mudança/União Liberal (MDFM/UL), União para a Democracia e Desenvolvimento (UDD), Cidadãos Independentes para o Desenvolvimento de São Tomé e Príncipe (CID-STP), Movimento Unido para o Desenvolvimento Amplo de São Tomé e Príncipe (Muda-STP), Partido Novo, Movimento Social Democrata/Partido Verde de São Tomé e Príncipe (MSD-PVSTP), Partido de Todos os Santomenses (PTOS) e a coligação Movimento de Cidadãos Independentes/Partido Socialista/Partido da Unidade Nacional (MCI/PS-PUN). Nestas legislativas, os são-tomenses vão eleger 55 deputados à Assembleia Nacional, incluindo dois que pela primeira vez serão eleitos pelos círculos eleitorais da Europa e da África. A RFI falou com os líderes das 11 forças políticas que concorrem às legislativas e vai publicar uma entrevista por dia. Acompanhe aqui.

Poder Entrevista
“Vou estar ao lado do Brasil”, diz Tebet sobre possível 2º turno

Poder Entrevista

Play Episode Listen Later Sep 19, 2022 10:52


A candidata à Presidência pelo MDB, Simone Tebet, disse na 6ª feira (16.set.2022) que em eventual 2º turno das eleições em que não participe ela estará “ao lado do Brasil”. Ao Poder360, a senadora afirmou que a democracia “implica responsabilidade de ter lado”, mas não diz se apoiará Lula ou Bolsonaro, que estão à frente nas pesquisas, num possível 2º turno.

Resumão Diário
Resumão eleições #36: Segunda-feira, 19 de setembro

Resumão Diário

Play Episode Listen Later Sep 19, 2022 5:48


Natuza Nery, colunista do g1 e comentarista da GloboNews, fala sobre a ida de Bolsonaro (PL) para o funeral da Rainha Elizabeth II – e o uso político da viagem por parte do presidente. Lula (PT) ganhou o apoio de oito candidatos à Presidência de eleições passadas. O Ipec divulga na noite desta segunda-feira (19) mais uma pesquisa sobre a corrida presidencial. E o presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes, autorizou o reforço na segurança para o primeiro turno em 11 estados.

O Assunto
Para entender a sucessão em Mato Grosso do Sul

O Assunto

Play Episode Listen Later Sep 19, 2022 20:33


Este colégio de aproximadamente 2 milhões de eleitores, sétimo menor do país, é a base de duas candidatas à Presidência da República: Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (União Brasil). “Fato histórico” para um Estado implantado há pouco mais de quatro décadas, observa Daniel Miranda, professor da UFMS. Berço também de dois nomes que despontaram na cena nacional em anos recentes e agora buscam a vaga ao Senado: os ex-ministros Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e Tereza Cristina (Agricultura), esta na liderança das pesquisas. “Ela tem amplo arco de alianças e apoio do agronegócio”, afirma o cientista político. Em conversa com Renata Lo Prete, ele explica as características da única disputa equilibrada para o governo entre os Estados da região Centro-Oeste. O ex-ocupante do cargo André Puccinelli (MDB) lidera, acompanhado mais ou menos de perto por um segundo pelotão em que aparecem Marquinhos Trad (PSD), Rose Modesto (União Brasil) e Eduardo Riedel (PSDB). Em patamar um pouco inferior está Capitão Contar (PRTB) -que, assim como Riedel, apresenta-se como candidato de Jair Bolsonaro. Tanto Puccinelli quanto os outros três mais bem colocados representam, segundo Miranda, “o retorno dos profissionais da política”, em inversão da onda antissistema que varreu o país em 2018. Digna de nota também é a ausência da esquerda do quadro de candidaturas competitivas - o PT, que governou o Estado de 1999 a 2006, é inexpressivo agora. Apesar disso, a liderança de Bolsonaro sobre Lula é estreita entre os sul-matogrossenses.

STF Oficial
Sessão Plenária - 15/9/22

STF Oficial

Play Episode Listen Later Sep 19, 2022 191:11


Por maioria dos votos, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que órgãos e entidades da administração pública federal podem compartilhar dados pessoais entre si, com a observância de alguns critérios. A decisão ocorreu na sessão plenária desta quinta-feira (15) na análise conjunta da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 6649) e da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 695). As ações foram ajuizadas, respectivamente, pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e pelo Partido Socialista Brasileiro, que alegavam que o Decreto 10.046/2019 da Presidência da República, que dispõe sobre a governança desse compartilhamento de dados, geraria uma espécie de vigilância massiva e representaria controle inconstitucional do Estado, entre outras alegações.

STF Oficial
Sessão Plenária - 14/9/22

STF Oficial

Play Episode Listen Later Sep 19, 2022 206:36


O Plenário do Supremo Tribunal Federal prosseguiu, nesta quarta-feira (14), a análise de duas ações que questionam o compartilhamento de dados no âmbito da administração pública federal e a criação do Cadastro Base do Cidadão e do Comitê Central de Governança de Dados. Até o momento foram proferidos três votos, e o julgamento prosseguirá amanhã (15), com o voto do ministro Alexandre de Moraes. A questão está sendo analisada nos autos da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 6649) e da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 695). Nelas, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e o Partido Socialista Brasileiro, respectivamente, questionam a validade do Decreto 10.046/2019 da Presidência da República, que dispõe sobre a governança desse compartilhamento de dados. Eles alegam, entre outros pontos, que a norma gera uma espécie de vigilância massiva e representa controle inconstitucional do Estado.

O Antagonista
Jair Bolsonaro: "Por que a insistência em querer botar um ladrão de volta na Presidência?"

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 19, 2022 1:06


Jair Bolsonaro (foto) voltou a atacar Lula nesta segunda-feira (19). O fato ocorreu durante conversa do presidente com apoiadores em Londres. Ao falar sobre a inflação na Europa por causa da crise energética, o presidente disse que o Brasil vai para o terceiro mês consecutivo de deflação. "Alguém tem dúvida de que o Brasil é a terra prometida? [...] Como está a Europa perto do Brasil? Existe ameaça de fome aqui? Prateleira vazia, aumento de preço... Por que a insistência em querer botar um ladrão de volta na Presidência da República? Alguém acha que é uma maravilha ser presidente? Botar um ladrão, com aquela quadrilha toda, na Presidência", disse o chefe do Executivo, sem citar Lula nominalmente. Na sequência, ele voltou a criticar a matéria do UOL sobre os imóveis comprados pela sua família em dinheiro vivo. "Canalhice a questão de imóveis. Pegaram dez parentes meus, que têm a vida própria, imóveis comprados desde 1990. Dinheiro vivo? Onde está escrito isso nas escrituras? Que covardia! Três anos e meio sem corrupção, qual é a corrupção do governo?", afirmou Bolsonaro, que viajou a Londres para acompanhar o funeral da rainha Elizabeth II. Leia também:  Em Londres, Bolsonaro se irrita e encerra entrevista após pergunta sobre uso eleitoral de viagem Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Brasil-Mundo
EUA: Longas distâncias separam eleitores brasileiros das urnas no maior colégio eleitoral fora do Brasil

Brasil-Mundo

Play Episode Listen Later Sep 18, 2022 5:00


Na eleição do próximo dia 2 de outubro, 182.986 brasileiros que moram nos Estados Unidos estão aptos a votar. O número de eleitores do maior colégio eleitoral do exterior aumentou em cerca de 14% em relação às eleições de 2018, porém nem todos os votantes conseguem ir às urnas. Em todos os Estados Unidos apenas 14 locais terão seções eleitorais, isso significa que diversos moradores terão que viajar horas caso queiram exercer seu direito ao voto. Cleide Klock, correspondente da RFI em Los Angeles Além de Atlanta, Boston (com seções em Framingham e Maiden), Chicago, Hartford, Houston, Los Angeles, Miami, Nova York, Orlando, San Francisco e Washington, que contam com repartições consulares do Brasil, também há seções em Dallas e em Salt Lake City. Horas de espera e abstenções O Consulado-Geral do Brasil em Miami tem jurisdição sobre o estado da Flórida e os territórios de Porto Rico e Ilhas Virgens Americanas e é o que tem o maior número de eleitores inscritos: 40.189. A votação para esses brasileiros acontecerá em dois locais, em Miami e Orlando. Já o Consulado de Boston, que abrange os estados de Massachusetts, Maine, New Hampshire e Vermont, é o segundo em número de votantes, 37.159. Nas eleições passadas eram quatro locais de votação, este ano as seções estarão distribuídas em Framingham e Maiden. Margareth Shepard atua há três décadas como líder comunitária da região e foi a primeira brasileira a conquistar um cargo eletivo nos Estados Unidos, é vereadora em Framingham, Massachusetts. Ela avalia como descaso do governo a redução de locais de votação. "Se com quatro locais de votação, há quatro anos, nós ainda tivemos filas de espera de até três horas, eu imagino que este ano vai ser ainda mais complicado o processo. A gente sabe que isso está acontecendo em vários países", diz a vereadora. Margareth lamenta essa redução e acredita que a medida vai impossibilitar que muitos brasileiros consigam participar do pleito. "Eu vejo como uma decisão política, eu a qualificaria como uma ineficiência do governo brasileiro. Na verdade, nós não tivemos uma resposta compreensível sobre a restrição dos locais de votação, a não ser relacionada a questões financeiras. Não foi dada nem a possibilidade para a comunidade de encontrar localidades sem custo para que pudéssemos ter esses quatro locais de votação garantidos", conta Margareth. A falta de infraestrutura explica a quantidade de pessoas que não conseguem ir às urnas. Em 2018, havia mais de 500 mil eleitores aptos a votar no exterior em todo o mundo, a abstenção foi de 59%. Em 2022, o Itamaraty excluiu em todo o mundo 16 locais de votação que haviam sido incluídos na eleição passada com a explicação de que a experiência de 2018 nessas localidades "foi considerada negativa pelos postos e, em consequência, sua repetição foi desencorajada”. Dallas, no Texas, foi uma das cidades que conseguiu manter o local para votação fora da sede consular (Houston), conquistado a partir da eleição de 2018. O cônsul-geral adjunto do Brasil em Houston, Felipe Santarosa, disse à RFI que o Consulado de Houston, do qual Dallas faz parte, conseguiu justificar junto ao Itamaraty a importância de continuar com votação na cidade já que fica a quase 400 quilômetros da sede consular e tem cerca de 4 mil eleitores. "No caso, (devido a consulta do Itamaraty, no ano passado) a gente optou por dizer que sim, que valeria a pena continuar fazendo em Dallas, que continua sendo uma comunidade importante e que apesar de gerar problemas logísticos para organizar, ter que pagar diárias, mandar urnas, a gente acha que justifica pelo número de pessoas e por desafogar as seções em Houston", conta Santarosa. O vice-Cônsul também relata que outras comunidades importantes têm reivindicado locais de votação, como em Denver, no Colorado, localizada a 1.200 quilômetros de Dallas. Mas, como o número é de poucas centenas de votantes, ainda não justificaria ter um local de votação próprio. "Além de que esse ano não houve esse movimento para criar novas sedes, foi o contrário, um movimento para manter as que haviam sido criadas e eventualmente fechar algumas. Vai ter que ser pensado para daqui quatro anos, não sei qual vai ser o approach da justiça eleitoral", diz Felipe Santarosa que explica ainda que a maior parte do processo eleitoral aqui nos Estados Unidos só acontece porque há a ajuda de voluntários que trabalham como mesários. Fora do Brasil a Justiça eleitoral não pode obrigar os brasileiros a prestar serviço como mesário. Em Nova Jersey e Pensilvânia, a mesma situação. Solange Paizante é diretora da associação Mantena Global Care, em Newark (NJ), cidade onde está uma das maiores comunidades de brasileiros nos Estados Unidos. Há três eleições ela trabalha como voluntária, porém, precisa se deslocar até Nova York, onde votam 27.937 brasileiros. "Há alguns anos nós apelamos, fizemos manifestações com abaixo-assinado, mas não foi possível ainda ter uma localização em Newark. Isso muitas vezes dificulta um pouco, nem todas as pessoas têm a facilidade de pegar um trem, ou mesmo ir de carro. Às vezes é a idade, às vezes é um cadeirante, com isso algumas pessoas não participam desse dia tão importante", contou Solange à RFI. Tanto a comunidade de Nova Jersey quanto a do estado vizinho, Pensilvânia, organizam, muitas vezes, caravanas para ir a Manhattan nos dias de votação, como conta Simone Salgado, empreendedora e líder comunitária que organiza o evento Conexão Brasil/USA. "Quando eu cheguei aqui, em 1999, eram cerca de 1.500 brasileiros nessa região, agora estima-se que mais de 30 mil brasileiros vivam no estado da Pensilvânia, mas ainda não temos um local para que as pessoas que desejam possam votar por aqui. As pessoas se juntam em alguns carros, entre amigos e seguem para Nova York para votar". Em resposta à RFI, o Itamaraty informou que em fevereiro do ano passado, no começo da preparação para o pleito de 2022, solicitou às repartições consulares que haviam organizado seções eleitorais em localidades fora de suas sedes em 2018 que avaliassem a experiência em fatores qualitativos e quantitativos e "nesse contexto, propôs-se repetir, no ciclo eleitoral de 2022, a experiência com 'seções fora da sede' somente nas localidades em que houve avaliação favorável." Nos Estados Unidos, o Itamaraty manteve 256 seções eleitorais, distribuídas em 14 locais de votação. Urnas a caminho A votação fora dos limites territoriais do Brasil é organizada pelo Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal em conjunto com consulados e embaixadas. Nesta última semana, o TRF-DF lacrou as urnas eletrônicas que serão usadas na eleição no exterior e o Ministério das Relações Exteriores, concluiu na última quarta-feira (14) o envio. Estima-se que todas devem estar nos Estados Unidos até o próximo dia 21. Nessa espécie de urna “internacional”, aberta no dia da votação, aparece apenas a opção de voto para presidente da República. Quem pode votar Só pode votar o eleitor que pediu a transferência do domicílio eleitoral do Brasil para o exterior. O prazo terminou em 4 de maio. O voto é facultativo para quem tem entre 16 e 18 anos, maiores de 70 e pessoas analfabetas. Sendo assim, brasileiros maiores de idade que residem no exterior devem cumprir as obrigações eleitorais e votar para escolher as candidaturas à Presidência e à Vice-Presidência. Quem optar por manter o domicílio eleitoral em município brasileiro continua obrigado a votar em todas as eleições. Nesse caso, será necessário justificar as ausências às urnas enquanto estiver fora do país. Vale lembrar que não é possível votar em outro país durante uma viagem a passeio. O voto em trânsito é permitido apenas em território nacional. A votação acontece de 8h às 17h no horário local e não no de Brasília. Locais de votação nos Estados UnidosConsulados / Número de eleitores inscritos (2022) Miami 40.189 Boston ​​ 37.159 Nova York 27.937 Washington 14.073 Houston 13.804 Washington 14.073 Atlanta 12.591 San Francisco 11.698 Los Angeles 11.205 Chicago 10.302 Hartford 4.028 Total - 182.986 eleitores (FONTE: TSE)

Brasil-Mundo
EUA: Longas distâncias separam eleitores brasileiros das urnas no maior colégio eleitoral fora do Brasil

Brasil-Mundo

Play Episode Listen Later Sep 18, 2022 5:00


Na eleição do próximo dia 2 de outubro, 182.986 brasileiros que moram nos Estados Unidos estão aptos a votar. O número de eleitores do maior colégio eleitoral do exterior aumentou em cerca de 14% em relação às eleições de 2018, porém nem todos os votantes conseguem ir às urnas. Em todos os Estados Unidos apenas 14 locais terão seções eleitorais, isso significa que diversos moradores terão que viajar horas caso queiram exercer seu direito ao voto. Cleide Klock, correspondente da RFI em Los Angeles Além de Atlanta, Boston (com seções em Framingham e Maiden), Chicago, Hartford, Houston, Los Angeles, Miami, Nova York, Orlando, San Francisco e Washington, que contam com repartições consulares do Brasil, também há seções em Dallas e em Salt Lake City. Horas de espera e abstenções O Consulado-Geral do Brasil em Miami tem jurisdição sobre o estado da Flórida e os territórios de Porto Rico e Ilhas Virgens Americanas e é o que tem o maior número de eleitores inscritos: 40.189. A votação para esses brasileiros acontecerá em dois locais, em Miami e Orlando. Já o Consulado de Boston, que abrange os estados de Massachusetts, Maine, New Hampshire e Vermont, é o segundo em número de votantes, 37.159. Nas eleições passadas eram quatro locais de votação, este ano as seções estarão distribuídas em Framingham e Maiden. Margareth Shepard atua há três décadas como líder comunitária da região e foi a primeira brasileira a conquistar um cargo eletivo nos Estados Unidos, é vereadora em Framingham, Massachusetts. Ela avalia como descaso do governo a redução de locais de votação. "Se com quatro locais de votação, há quatro anos, nós ainda tivemos filas de espera de até três horas, eu imagino que este ano vai ser ainda mais complicado o processo. A gente sabe que isso está acontecendo em vários países", diz a vereadora. Margareth lamenta essa redução e acredita que a medida vai impossibilitar que muitos brasileiros consigam participar do pleito. "Eu vejo como uma decisão política, eu a qualificaria como uma ineficiência do governo brasileiro. Na verdade, nós não tivemos uma resposta compreensível sobre a restrição dos locais de votação, a não ser relacionada a questões financeiras. Não foi dada nem a possibilidade para a comunidade de encontrar localidades sem custo para que pudéssemos ter esses quatro locais de votação garantidos", conta Margareth. A falta de infraestrutura explica a quantidade de pessoas que não conseguem ir às urnas. Em 2018, havia mais de 500 mil eleitores aptos a votar no exterior em todo o mundo, a abstenção foi de 59%. Em 2022, o Itamaraty excluiu em todo o mundo 16 locais de votação que haviam sido incluídos na eleição passada com a explicação de que a experiência de 2018 nessas localidades "foi considerada negativa pelos postos e, em consequência, sua repetição foi desencorajada”. Dallas, no Texas, foi uma das cidades que conseguiu manter o local para votação fora da sede consular (Houston), conquistado a partir da eleição de 2018. O cônsul-geral adjunto do Brasil em Houston, Felipe Santarosa, disse à RFI que o Consulado de Houston, do qual Dallas faz parte, conseguiu justificar junto ao Itamaraty a importância de continuar com votação na cidade já que fica a quase 400 quilômetros da sede consular e tem cerca de 4 mil eleitores. "No caso, (devido a consulta do Itamaraty, no ano passado) a gente optou por dizer que sim, que valeria a pena continuar fazendo em Dallas, que continua sendo uma comunidade importante e que apesar de gerar problemas logísticos para organizar, ter que pagar diárias, mandar urnas, a gente acha que justifica pelo número de pessoas e por desafogar as seções em Houston", conta Santarosa. O vice-Cônsul também relata que outras comunidades importantes têm reivindicado locais de votação, como em Denver, no Colorado, localizada a 1.200 quilômetros de Dallas. Mas, como o número é de poucas centenas de votantes, ainda não justificaria ter um local de votação próprio. "Além de que esse ano não houve esse movimento para criar novas sedes, foi o contrário, um movimento para manter as que haviam sido criadas e eventualmente fechar algumas. Vai ter que ser pensado para daqui quatro anos, não sei qual vai ser o approach da justiça eleitoral", diz Felipe Santarosa que explica ainda que a maior parte do processo eleitoral aqui nos Estados Unidos só acontece porque há a ajuda de voluntários que trabalham como mesários. Fora do Brasil a Justiça eleitoral não pode obrigar os brasileiros a prestar serviço como mesário. Em Nova Jersey e Pensilvânia, a mesma situação. Solange Paizante é diretora da associação Mantena Global Care, em Newark (NJ), cidade onde está uma das maiores comunidades de brasileiros nos Estados Unidos. Há três eleições ela trabalha como voluntária, porém, precisa se deslocar até Nova York, onde votam 27.937 brasileiros. "Há alguns anos nós apelamos, fizemos manifestações com abaixo-assinado, mas não foi possível ainda ter uma localização em Newark. Isso muitas vezes dificulta um pouco, nem todas as pessoas têm a facilidade de pegar um trem, ou mesmo ir de carro. Às vezes é a idade, às vezes é um cadeirante, com isso algumas pessoas não participam desse dia tão importante", contou Solange à RFI. Tanto a comunidade de Nova Jersey quanto a do estado vizinho, Pensilvânia, organizam, muitas vezes, caravanas para ir a Manhattan nos dias de votação, como conta Simone Salgado, empreendedora e líder comunitária que organiza o evento Conexão Brasil/USA. "Quando eu cheguei aqui, em 1999, eram cerca de 1.500 brasileiros nessa região, agora estima-se que mais de 30 mil brasileiros vivam no estado da Pensilvânia, mas ainda não temos um local para que as pessoas que desejam possam votar por aqui. As pessoas se juntam em alguns carros, entre amigos e seguem para Nova York para votar". Em resposta à RFI, o Itamaraty informou que em fevereiro do ano passado, no começo da preparação para o pleito de 2022, solicitou às repartições consulares que haviam organizado seções eleitorais em localidades fora de suas sedes em 2018 que avaliassem a experiência em fatores qualitativos e quantitativos e "nesse contexto, propôs-se repetir, no ciclo eleitoral de 2022, a experiência com 'seções fora da sede' somente nas localidades em que houve avaliação favorável." Nos Estados Unidos, o Itamaraty manteve 256 seções eleitorais, distribuídas em 14 locais de votação. Urnas a caminho A votação fora dos limites territoriais do Brasil é organizada pelo Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal em conjunto com consulados e embaixadas. Nesta última semana, o TRF-DF lacrou as urnas eletrônicas que serão usadas na eleição no exterior e o Ministério das Relações Exteriores, concluiu na última quarta-feira (14) o envio. Estima-se que todas devem estar nos Estados Unidos até o próximo dia 21. Nessa espécie de urna “internacional”, aberta no dia da votação, aparece apenas a opção de voto para presidente da República. Quem pode votar Só pode votar o eleitor que pediu a transferência do domicílio eleitoral do Brasil para o exterior. O prazo terminou em 4 de maio. O voto é facultativo para quem tem entre 16 e 18 anos, maiores de 70 e pessoas analfabetas. Sendo assim, brasileiros maiores de idade que residem no exterior devem cumprir as obrigações eleitorais e votar para escolher as candidaturas à Presidência e à Vice-Presidência. Quem optar por manter o domicílio eleitoral em município brasileiro continua obrigado a votar em todas as eleições. Nesse caso, será necessário justificar as ausências às urnas enquanto estiver fora do país. Vale lembrar que não é possível votar em outro país durante uma viagem a passeio. O voto em trânsito é permitido apenas em território nacional. A votação acontece de 8h às 17h no horário local e não no de Brasília. Locais de votação nos Estados UnidosConsulados / Número de eleitores inscritos (2022) Miami 40.189 Boston ​​ 37.159 Nova York 27.937 Washington 14.073 Houston 13.804 Washington 14.073 Atlanta 12.591 San Francisco 11.698 Los Angeles 11.205 Chicago 10.302 Hartford 4.028 Total - 182.986 eleitores (FONTE: TSE)

Podcast Política - Agência Radioweb
Agenda dos candidatos à presidência: Lula vai ao PR, Bolsonaro a PE, Ciro a GO e Tebet visita SP

Podcast Política - Agência Radioweb

Play Episode Listen Later Sep 18, 2022 3:52


O 33º dia de campanha dos candidatos e candidatas à presidência da República foi marcado por ações em quase todas as regiões do país. A exceção foi a região norte neste sábado (17/09).

Resumão Diário
Sexta-feira, 16 de setembro

Resumão Diário

Play Episode Listen Later Sep 16, 2022 4:58


O cenário da disputa pela Presidência continua estável, segundo pesquisa do Datafolha publicada ontem; Lula (PT) se manteve com 45% das intenções de voto, enquanto Jair Bolsonaro (PL) oscilou um ponto para baixo, de 34 para 33%. Começam hoje as inscrições do concurso para 1.000 vagas de servidor no INSS. Aos 41 anos, Roger Federer anunciou que vai se aposentador do tênis. A turnê que Justin Bieber tinha suspendido foi oficialmente cancelada; os valores dos ingressos serão devolvidos aos fãs. A final da Copa do Brasil está definida: Flamengo e Corinthians se enfrentam nos dias 12 e 19 de outubro. E a Mega-Sena acumulou de novo: o prêmio agora está em R$ 125 milhões.

O Antagonista
Cortes do Papo - Lula aciona TSE para tirar “LulaFlix” do ar

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 16, 2022 6:42


Lula entrou com uma representação junto ao TSE para pedir a retirada do site “LulaFlix” do ar. Criada pela campanha Jair Bolsonaro, a página foi impulsionada no Google em anúncio pago nos últimos dias. O site reúne diversas notícias publicadas na imprensa, que tratam o petista como alvo da Justiça e relembram antigos escândalos de corrupção envolvendo o candidato à Presidência. Na ação, a defesa do PT alegou que o site “traz comprovadas fake news sobre o ex-presidente” e pediu “o fim do impulsionamento da página e a aplicação de multa máxima”. Apesar de não constar entre os sites de Bolsonaro apresentados à Justiça Eleitoral, o CNPJ da campanha e o nome do presidente como proprietário estão no domínio da página. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista  

E Tem Mais
Eleições nos estados: como as disputas regionais afetam a corrida presidencial

E Tem Mais

Play Episode Listen Later Sep 16, 2022 32:28


Neste episódio do E Tem Mais, Carol Nogueira apresenta um panorama de como as eleições estaduais podem afetar os rumos da corrida presidencial deste ano. A pouco mais de duas semanas do dia em que os eleitores irão às urnas, as pesquisas indicam que até 13 governadores podem ter a eleição definida já no primeiro turno. A lista inclui dez candidatos à reeleição. Seja com um novo mandato para governadores em exercício ou com a vitória de novos nomes, as eleições estaduais têm o potencial de influenciar a disputa pela Presidência. Os três maiores colégios eleitorais do país, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, por exemplo, podem ser decisivos para os dois candidatos que lideram as pesquisas. Para descrever as perspectivas sobre o peso das eleições nos estados para a definição da corrida pelo Planalto, participam deste episódio o analista de política da CNN Iuri Pitta e o cientista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria. Com apresentação de Carol Nogueira, este podcast é produzido pela Maremoto para a CNN Brasil. Você também pode ouvir o E Tem Mais no site da CNN Brasil. E aproveite para conhecer os nossos outros programas em áudio. Acesse: cnnbrasil.com.br/podcasts.

Morning Show
MORNING SHOW - 15/09/2022 - Bolsonaro questiona possível ministério de Lula

Morning Show

Play Episode Listen Later Sep 15, 2022 119:34


Agenda candidatos à Presidência. Guedes diz que o Brasil pode caminhar para a miséria se outro lado vencer. Temer confirma 'assédio' do PT e diz que mágoa com Dilma está superada; Meirelles desconversa sobre ida a eventual governo de Lula. Promotoria vai investigar família de menina de 11 anos grávida pela 2ª vez. Homem que ganhou R$ 47,1 milhões na Mega-Sena é sequestrado e morto no interior de SP. Bruna Marquezine diz que não tinha energia para transar e pensou que era assexual. Xanddy anuncia saída do Harmonia do Samba: 'Decisão em conjunto'See omnystudio.com/listener for privacy information.

O Antagonista
Cortes do Papo - Pesquisa Brasmarket: Bolsonaro 43,5% x Lula 30,5%

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 15, 2022 6:07


Levantamento feito pelo instituto Brasmarket a pedido da Associação de Supermercados do Rio de Janeiro aponta Jair Bolsonaro (PL) na liderança na disputa pela Presidência da República. Segundo a pesquisa, ele teria 43,5% das intenções de voto se as eleições fossem hoje contra 30,5% do ex-presidente Lula, uma diferença de 13 pontos percentuais às vésperas do primeiro turno. Em relação aos primeiros colocados, os dados divulgados pelo Brasmarket são totalmente diferentes de outros institutos de pesquisa. Dafatolha, Ipec (ex-Ibope) e BTG/FSP mostram Lula na dianteira. Segundo a sondagem, o pedetista Ciro Gomes aparece em terceiro com 7,6% das intenções de voto e Simone Tebet (MDB) em quarto, com 4,6%. Soraya Thronicke (União), Felipe D'Ávila (NOVO), Padre Kelmon (PTB), Sofia Manzano (PCB), Constituinte Eymael (DC), Leonardo Péricles (UP) e Vera Batista (PSTU) têm menos de 1%. Segundo o Brasmarket, a pesquisa foi realizada entre 10 e 14 de setembro deste ano, ouviu 2,4 mil pessoas em 504 cidades brasileiras. O nível de confiança é de 95% e margem de erro de 2 pontos percentuais. Todas as entrevistas foram realizadas por telefone. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista  

Resumão Diário
Resumão eleições #34: Quinta-feira, 15 de setembro

Resumão Diário

Play Episode Listen Later Sep 15, 2022 3:23


O Datafolha divulga na noite desta quinta-feira (15) mais uma pesquisa de intenção de voto para a Presidência. Uma outra pesquisa do instituto mostrou que quase 90% dos entrevistados concordam que o vencedor das eleições nas urnas deve ser empossado. Aliados de Bolsonaro (PL) avaliaram que o ataque à jornalista Vera Magalhães pelo deputado Douglas Garcia (Republicanos) atrapalhou a campanha de reeleição do presidente. E integrantes históricos do PDT querem apoiar Lula (PT) no primeiro turno, abandonando Ciro Gomes, candidato à Presidência pelo partido.

O Antagonista
Cortes do Talks - Soraya Thronicke defende autonomia para a Polícia Federal: “Se vai dar voto, não sei”

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 15, 2022 1:27


A candidata à Presidência da República pela União Brasil, Soraya Thronicke, defendeu há pouco durante a estreia do novo podcast de O Antagonista, o Claudio Talks, a autonomia da Polícia Federal. Ela disse que, caso eleita, vai defender que o diretor-geral da Polícia Federal tenha um mandato de dois anos. “Isso é para a Polícia Federal poder trabalhar e investigar. É um órgão de estado e não de governo. [Defendo um] Mandato de dois anos, intercalado com o do Presidente da República”, disse a senadora. “O certo é a Polícia Federal ter condições, ter investimentos para cumprir o seu mister. Se vai dar voto ou não, não sei”, declarou. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Cortes do Talks - Soraya Thronicke reafirma que Flávio Bolsonaro pressionou por fim de CPI da Lava Toga

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 15, 2022 3:24


Soraya Thronicke reafirmou na estreia do Claudio Dantas Talks, o novo podcast de O Antagonista, que o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho 01 do presidente, teria pressionado ela, e os ex-senadores Major Olímpio e Juíza Selma contra a criação de uma comissão para investigar excessos do Judiciário. Conhecida como "CPI da Lava Toga", a investigação nunca conseguiu chegar a ser instalada, apesar de ter assinaturas a seu favor A candidata do União Brasil à Presidência recorda que recebeu ligações "aos berros" do filho do presidente. "[A senadora Juíza Selma disse:] 'Eu acabei de ser pressionada aos berros pelo Flávio', e eu também fui pressionada aos berros, para que eu retirasse imediatamente a minha assinatura da CPI", recordou a presidenciável, "porque eu ia ferrar com ele, para não usar outros termos." Segundo Soraya, o senador argumentou que a CPI travaria o governo do pai: "Nosso intuito de investigação não tinha uma caça às bruxas", afirmou. Para ela, seriam analisados "atos isolados de magistrados, de advogados e promotores, onde cada um responde por si - e não contra um poder." Ela disse ainda que o presidente da República sabia do ameaça de seu filho. "Na minha ligação e na da Selma, não sei se o presidente estava ouvindo no viva-voz, mas na [ligação] do Olímpio eu sei que ele estava. Quando o Flávio falou com o Olímpio o presidente entrou", concluiu. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Cortes do Talks - “Nome de Moro nunca foi aceito para disputar a Presidência”, diz Soraya

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 15, 2022 2:29


Durante sabatina de O Antagonista com os presidenciáveis, a candidata da União Brasil, Soraya Thronicke, disse que o ex-ministro Sergio Moro não tinha a garantia de que disputaria o Palácio do Planalto após sair do Podemos para o partido de Luciano Bivar. “O nome dele nunca foi aceito para este cargo, para o cargo de presidenciável. É diferente do Luciano Bivar, que teve todos os votos da cúpula do partido. Não era o caso de Moro. Essa era uma questão interna. Um direito do partido. Sergio Moro foi muito bem recebido dentro do partido”, disse a presidenciável. “Meu nome veio de forma muito natural durante a troca [com Luciano Bivar]”, acrescentou a presidenciável. "Estou aqui muito firme e assumi com toda a garra [a candidatura] de forma legítima e eficiente", acrescentou. Questionada por Claudio Dantas se ela pudesse dar um conselho político a Moro, a senadora disse apenas: “Quem sou eu para fazer isso”. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Editorial - Gazeta do Povo
Editorial: Rosa Weber na presidência do STF

Editorial - Gazeta do Povo

Play Episode Listen Later Sep 14, 2022 6:49


Editorial: Rosa Weber na presidência do STF

Fronteiras no Tempo
Fronteiras no Tempo: Historicidade #48 Com que moral?

Fronteiras no Tempo

Play Episode Listen Later Sep 14, 2022 80:23


Nos últimos 4 anos, nos acostumamos a falas polêmicas e surpreendentes proferidas pelo homem que ocupa a cadeira da Presidência da República. Contudo, quem conhece um pouco melhor a figura pública de Jair Messias Bolsonaro sabe que não é de hoje que o político com experiência de mais de 3 décadas no legislativo abusa e, muitas vezes, ultrapassa os limites do direito de liberdade de expressão. Hoje, em nosso país, todos nós sabemos quem é o presidente Jair Bolsonaro, mas são raras as pessoas que conhecem a fundo a trajetória política, a visão de mundo e as estratégias de comunicação adotadas por ele em sua longa vida política. Recebemos neste episódio uma destas pessoas, o pesquisador Rodrigo Cassis – que nos últimos dois anos tem se debruçado sobre um imenso corpo documental que contribui para desvelar a trajetória pública de Bolsonaro. O resultado deste trabalho pode ser conferido na coletânea de livros "Com que moral vão me cassar aqui?: a trajetória de impunidade de Jair Bolsonaro (1988-2018)". O Projeto Com que Moral? está em fase de captação de recursos e quem achar que o país ganha se um trabalho de pesquisa e documentação desse porte for de acesso livre para essa e as próximas gerações, pode contribuir no link: https://tinyurl.com/livrosimpunidadeBolsonaro Para acompanhar as redes sociais: https://linktr.ee/comquemoral

Podcasts do Portal Deviante
Fronteiras no Tempo: Historicidade #48 Com que moral?

Podcasts do Portal Deviante

Play Episode Listen Later Sep 14, 2022 80:23


Nos últimos 4 anos, nos acostumamos a falas polêmicas e surpreendentes proferidas pelo homem que ocupa a cadeira da Presidência da República. Contudo, quem conhece um pouco melhor a figura pública de Jair Messias Bolsonaro sabe que não é de hoje que o político com experiência de mais de 3 décadas no legislativo abusa e, muitas vezes, ultrapassa os limites do direito de liberdade de expressão. Hoje, em nosso país, todos nós sabemos quem é o presidente Jair Bolsonaro, mas são raras as pessoas que conhecem a fundo a trajetória política, a visão de mundo e as estratégias de comunicação adotadas por ele em sua longa vida política. Recebemos neste episódio uma destas pessoas, o pesquisador Rodrigo Cassis – que nos últimos dois anos tem se debruçado sobre um imenso corpo documental que contribui para desvelar a trajetória pública de Bolsonaro. O resultado deste trabalho pode ser conferido na coletânea de livros "Com que moral vão me cassar aqui?: a trajetória de impunidade de Jair Bolsonaro (1988-2018)". O Projeto Com que Moral? está em fase de captação de recursos e quem achar que o país ganha se um trabalho de pesquisa e documentação desse porte for de acesso livre para essa e as próximas gerações, pode contribuir no link: https://tinyurl.com/livrosimpunidadeBolsonaro Para acompanhar as redes sociais: https://linktr.ee/comquemoral

Podcast – Fronteiras no Tempo
Fronteiras no Tempo: Historicidade #48 Com que moral?

Podcast – Fronteiras no Tempo

Play Episode Listen Later Sep 13, 2022 80:23


Nos últimos 4 anos, nos acostumamos a falas polêmicas e surpreendentes proferidas pelo homem que ocupa a cadeira da Presidência da República. Contudo, quem conhece um pouco melhor a figura pública de Jair Messias Bolsonaro sabe que não é de hoje que o político com experiência de mais de 3 décadas no legislativo abusa e, muitas vezes, ultrapassa os limites do direito de liberdade de expressão. Hoje, em nosso país, todos nós sabemos quem é o presidente Jair Bolsonaro, mas são raras as pessoas que conhecem a fundo a trajetória política, a visão de mundo e as estratégias de comunicação adotadas por ele em sua longa vida política. Recebemos neste episódio uma destas pessoas, o pesquisador Rodrigo Cassis – que nos últimos dois anos tem se debruçado sobre um imenso corpo documental que contribui para desvelar a trajetória pública de Bolsonaro. O resultado deste trabalho pode ser conferido na coletânea de livros "Com que moral vão me cassar aqui?: a trajetória de impunidade de Jair Bolsonaro (1988-2018)". O Projeto Com que Moral? está em fase de captação de recursos e quem achar que o país ganha se um trabalho de pesquisa e documentação desse porte for de acesso livre para essa e as próximas gerações, pode contribuir no link: https://tinyurl.com/livrosimpunidadeBolsonaro Para acompanhar as redes sociais: https://linktr.ee/comquemoral

Boletim Folha
Rosa Weber assume presidência do STF com defesa da democracia e do sistema eleitoral

Boletim Folha

Play Episode Listen Later Sep 13, 2022 5:00


TSE nega acordo e gera mal-estar com Defesa, enquanto militares mantêm apuração paralela. E Datafolha mostra que voto feminino para presidente é mais passível de mudança.See omnystudio.com/listener for privacy information.

Entendendo a Notícia
# 379 - Rosa Weber na presidência do STF

Entendendo a Notícia

Play Episode Listen Later Sep 13, 2022 23:07


13/09/2022 - Bandeirantes Acontece

Resumão Diário
Resumão eleições #32: Terça-feira, 13 de setembro

Resumão Diário

Play Episode Listen Later Sep 13, 2022 4:35


O posicionamento político dos eleitores esteve entre as perguntas feitas aos eleitores na pesquisa Ipec divulgada nesta segunda-feira (12). Os números também mostraram um cenário de estabilidade na disputa pela Presidência. Bolsonaro (PL) disse que vai passar a faixa caso perca as eleições. Lula (PT) pediu empenho de militantes para conseguir votos no primeiro turno. E o TSE autorizou que um candidato a deputado federal apareça de boné na foto da urna.

No pé do ouvido
Violência política: petista assassinado, candidato ameaçado e lulista humilhada

No pé do ouvido

Play Episode Listen Later Sep 12, 2022 23:56


O final de semana foi marcado por casos de violência política. Em discussão sobre política,  um trabalhador rural petista foi morto a facadas pelo colega bolsonarista no Mato Grosso. Já em Porto Alegre, o candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) foi alvo de tentativa de agressão. Por fim, em São Paulo, um empresário gravou um vídeo dizendo que pararia de entregar marmitas a eleitora do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

E Tem Mais
Troca de comando no STF: o que esperar de Rosa Weber na presidência do Supremo

E Tem Mais

Play Episode Listen Later Sep 12, 2022 31:23


Neste episódio do E Tem Mais, Carol Nogueira apresenta um balanço das expectativas para a troca de comando no Supremo Tribunal Federal (STF), com a posse da ministra Rosa Weber como nova presidente da corte. O STF passará a ser presidido por uma mulher pela terceira vez em sua história. Aos 73 anos, Rosa Weber substitui o ministro Luiz Fux, que concluiu o período de dois anos de mandato na presidência do tribunal. Gaúcha, de perfil técnico, a nova comandante do Supremo terá menos tempo na função, até outubro de 2023, quando deve se aposentar. Até lá, a ministra Rosa Weber terá pela frente o desafio de conduzir o STF em meio a um momento de tensão na relação do Judiciário com os outros Poderes da República e diante de uma crescente judicialização de contestações a decisões e medidas adotadas pelo Executivo e pelo Legislativo. Para traçar um panorama sobre o que é possível esperar do período em que Rosa Weber vai presidir o Supremo, participam deste episódio a analista de política da CNN Thais Arbex e a pesquisadora Ana Laura Barbosa, do grupo Supremo em Pauta, da FGV. Com apresentação de Carol Nogueira, este podcast é produzido pela Maremoto para a CNN Brasil. Você também pode ouvir o E Tem Mais no site da CNN Brasil. E aproveite para conhecer os nossos outros programas em áudio. Acesse: cnnbrasil.com.br/podcasts.

O Antagonista
Cortes do Papo - Pablo Marçal no palanque de Tarcísio

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 12, 2022 1:31


O coach Pablo Marçal participou neste sábado (10), em Marília, de ato de campanha de Tarcísio de Freitas, o candidato do presidente Jair Bolsonaro ao governo de São Paulo. Nesta semana, o Tribunal Superior Eleitoral vetou em definitivo a candidatura de Marçal à Presidência pelo PROS.  Em discurso hoje, o coach e influenciador afirmou que Lula roubou seu partido. O PROS passa por uma briga interna que chegou até a Justiça: uma ala, hoje no comando da legenda, apoia o petista, enquanto outra defende a candidatura do influenciador. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

BMJ Consultoria
7 de Setembro, Piso de Enfermagem, Reino Unido

BMJ Consultoria

Play Episode Listen Later Sep 9, 2022 45:18


O Brasil celebra neste ano 200 anos de Independência. Na intenção de demonstrar força política, o Presidente Jair Bolsonaro convocou seus apoiadores a participar das manifestações de 7 de Setembro. As expectativas estavam em torno de novas declarações explícitas ao Supremo Tribunal Federal e a outros poderes. Mas o tom foi outro. Para comentar, reunimos neste episódio nossos consultores Amanda Roza, Lucas Fernandes, Nicholas Borges e Raquel Alves. Para nossos especialistas, Bolsonaro conseguiu o que queria: reuniu multidões e arrematou muitas pessoas para os eventos de campanha que aconteciam paralelamente aos da Independência. O Presidente chegou a criticar a Corte, mas substituiu o tom usado em 2021 para um de ganho de forças para vencer as eleições. Apesar da importância do bicentenário, poucas figuras políticas participaram das concentrações, como os presidentes das casas legislativas, Rodrigo Pacheco e Arthur Lira. Saiba como essas informações podem ser lidas durante o ano eleitoral e quais os impactos o 7 de Setembro pode gerar na disputa entre os principais candidatos à Presidência da República. Outro destaque da semana que você confere neste episódio foi a suspensão da Lei 14.434/2022, que garantia o reajuste do piso salarial de enfermagem no Brasil. O texto foi aprovado recentemente e estabelece um salário-base para enfermeiros, técnicos, auxiliares de enfermagem e parteiras. Apesar da medida ser amplamente defendida por esses profissionais, algumas entidades de Saúde recorreram ao Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender a lei com a alegação de que o novo piso impactaria negativamente nos caixas públicos dos estados, municípios e nas contas de unidades de saúde particulares. A medida está sendo analisada pelos ministros da Corte e a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 7222 tem como relator o ministro Luís Roberto Barroso. Por fim, nossos consultores comentam a chegada da nova primeira-ministra do Reino Unido, Liz Truss, e as expectativas para a Família Real inglesa com o falecimento da Rainha Elizabeth II. A cerimônia de posse de Truss foi o último evento oficial no qual a Rainha Elizabeth participou. A nova primeira-ministra foi escolhida pelo Partido Conservador, que comanda o país, para substituir Boris Johnson, que renunciou ao cargo em julho. Saiba quais os desafios que Liz Truss deve enfrentar ao assumir a posição e quais mudanças devem ocorrer no cenário político do Reino Unido após esses fatos. Confira a análise dos nossos especialistas para ficar informado!

O Antagonista
Cortes do Papo - A pedido do governo, MP Militar abre apuração contra Ciro Gomes

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 9, 2022 8:35


O Ministério Público Militar em São Paulo abriu uma apuração contra Ciro Gomes por suposta difamação das Forças Armadas. O procedimento atende a um pedido realizado pelo Ministério da Defesa após entrevista do candidato à Presidência em julho. À CBN, o presidenciável afirmou que as Forças Armadas são coniventes com crimes ocorridos na região da Amazônia e que a gestão Bolsonaro fragilizou estruturas de fiscalização de órgãos como Funai e Ibama. “Isso acabou transformando o território nessa holding do crime, claramente protegida por autoridades brasileiras, inclusive das Forças Armadas”, disse o pedetista na entrevista. Ciro é acusado de incitar o crime, por estimular animosidades entre as Forças Armadas e as instituições civis, e propalar fatos, “que sabe inverídicos, capazes de ofender a dignidade ou abalar o crédito das Forças Armadas ou a confiança que estas merecem do público”, crime previsto no artigo 21 do Código Penal Militar. Analisado preliminarmente pela Procuradoria da República no Distrito Federal, o caso foi transferido ao Ministério Público Militar em São Paulo por envolver conduta passível de enquadramento em crime militar. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Suno Research
Juros na Europa | Perspectivas econômicas fracas nos EUA | Banco eleva projeções para Magalu (MGLU3)

Suno Research

Play Episode Listen Later Sep 8, 2022 23:16


Na manhã desta quinta-feira (8), os índices futuros dos Estados Unidos operam perto da estabilidade e as bolsas da Europa se movimentam de forma mista, tendências que vêm seguidas da forte alta do mercado americano e à espera da confirmação de nova elevação dos juros pelo Banco Central Europeu (BCE). A inflação na zona euro pode atingir pelo menos 10% nos próximos meses, o que tem tornado o aumento da taxa de juros em 75 pontos base em uma reação iminente do BCE. Hoje discursa durante a manhã o presidente do Federal Reserve dos EUA, Jerome Powell, que pode proporcionar novos indícios sobre o cenário da inflação dos EUA e a política monetária do banco central. Além disso, serão divulgados durante a manhã os dados de pedidos de auxílio-desemprego semanal — que devem apresentar cerca de 240 mil solicitações, acima dos 232 mil da semana anterior, de acordo com o consenso do mercado. No Brasil, o mercado deve reagir durante o dia aos discursos proferidos pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) durante as comemorações dos 200 anos da Independência do Brasil, em Brasília e no Rio de Janeiro. Marcados por um tom menos radical, mas personalistas e cheios de mensagens indiretas ao Supremo Tribunal Federal e à oposição, os discursos do presidente foram criticados nas redes sociais por outros candidatos à Presidência da República. A oposição afirma que Bolsonaro utilizou a ocasião para fazer campanha à reeleição, e não para celebrar a data comemorativa — pelo que pode ser acionado judicialmente. Por outro lado, os investidores também aguardam durante o dia a divulgação de outros indicadores, como o IGP-DI, com previsão do Itaú de deflação de 0,81% em agosto na comparação com julho.

STF Oficial
Sessão Plenária - 01/09/22

STF Oficial

Play Episode Listen Later Sep 8, 2022 198:28


O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) deu continuidade, nesta quinta-feira (1º), ao julgamento de duas ações que questionam o compartilhamento de dados no âmbito da administração pública federal e a criação do Cadastro Base do Cidadão e do Comitê Central de Governança de Dados. Relator da matéria, o ministro Gilmar Mendes iniciou a leitura de seu voto, que será retomado na próxima quinta-feira (8). A questão está sendo analisada nos autos da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 6649) e da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 695). Nelas, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e o Partido Socialista Brasileiro, respectivamente, questionam a validade do Decreto 10.046/2019 da Presidência da República, que dispõe sobre a governança desse compartilhamento de dados. Ouça na íntegra!