Podcast appearances and mentions of Dilma Rousseff

Former President of Brazil

  • 333PODCASTS
  • 750EPISODES
  • 41mAVG DURATION
  • 5WEEKLY NEW EPISODES
  • Nov 9, 2022LATEST
Dilma Rousseff

POPULARITY

20152016201720182019202020212022

Categories



Best podcasts about Dilma Rousseff

Latest podcast episodes about Dilma Rousseff

Estadão Notícias
Os interesses que aproximam Lula e Lira

Estadão Notícias

Play Episode Listen Later Nov 9, 2022 24:10


A governabilidade do governo Lula passa por um nome que foi aliado de Jair Bolsonaro durante os últimos quatro anos: Arthur Lira (PP-AL). O presidente da Câmara dos Deputados é visto como o elo que pode colocar o chamado Centrão na base de apoio do petista no Congresso Nacional. Os dois devem se reunir nos próximos dias, em Brasília. Mesmo com mágoas antigas de críticas mútuas entre o parlamentar e o petista, o fato de Arthur Lira ter sido um dos primeiros a parabenizar Lula pela vitória nas eleições foi visto como um gesto de paz. Mas, entre os que apoiaram o petista na campanha, existe muita resistência nessa aproximação com Arthur Lira, entre eles o senador Renan Calheiros (MDB-AL), adversário de Lira em Alagoas. Para os mais céticos, o parlamentar ainda é um inimigo, e pode se voltar contra Lula, como aconteceu com Dilma Rousseff e Eduardo Cunha. Afinal, em nome da governabilidade é possível dois rivais se unirem e manterem uma relação amistosa? Quem sai ganhando com essa aliança? Sobre o assunto, vamos conversar com o repórter do Estadão, Daniel Weterman. O ‘Estadão Notícias' está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg, Gabriela Forte e Gabriel Lara Sonorização/Montagem: Moacir Biasi.See omnystudio.com/listener for privacy information.

Durma com essa
Os altos e baixos na relação entre o PT e o MDB

Durma com essa

Play Episode Listen Later Nov 8, 2022 22:35


A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffman, oficializou nesta terça-feira (8) o convite para o MDB participar da equipe de transição do governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva. O presidente do MDB, Baleia Rossi, indicou que o partido deve integrar o grupo, que já conta com a emedebista Simone Tebet. O Durma com Essa resgata os altos e baixos da relação entre os dois partidos, da origem na redemocratização ao impeachment de Dilma Rousseff, até a aproximação atual. O programa também conta com a participação do redator Marcelo Montanini, que comenta os pontos de atenção da transição, e da redatora Mariana Vick, que fala sobre as perspectivas para os temas de raça e gênero no novo governo.

O Assunto
PT: a história e os desafios à frente

O Assunto

Play Episode Listen Later Nov 3, 2022 34:11


Fundado em 1980, na esteira de uma greve de metalúrgicos que deu projeção nacional a sua principal liderança, o Partido dos Trabalhadores chegou à Presidência da República 22 anos depois e lá ficou por dois mandatos de Lula e “um e meio” de Dilma Rousseff - alvo de impeachment em 2016. A partir daí, o partido atravessou um longo deserto até receber das urnas, no último dia 30, a missão de voltar ao Palácio do Planalto e “reorganizar a democracia”, em processo muito semelhante ao levado a cabo por Ulysses Guimarães e o PMDB ao final da ditadura, avalia Celso Rocha de Barros, convidado de Renata Lo Prete neste episódio. Autor do livro recém-lançado “PT, uma história”, o sociólogo avalia que se trata do “último grande partido ainda de pé” no país. Para ele, neste terceiro mandato de Lula é possível que a militância passe por uma “crise de identidade”, a partir da necessidade de fazer alianças mais ao centro - com personagens como Simone Tebet (MDB) e Eduardo Paes (PSD). Ele explica como a transição Bolsonaro-Lula pode definir a política econômica na largada do novo governo. “Quando Lula assumiu em 2003, sabia que não tinha ninguém pronto para dar golpe, o que lhe permitiu tomar medidas impopulares na economia”, lembra. E conclui falando sobre o desafio de lidar com Bolsonaro. “Essa é a grande questão da política brasileira”: com o futuro ex-presidente liderando a oposição será preciso “se preparar para uma década de instabilidade”.

La ContraCrónica
Vuelve Lula

La ContraCrónica

Play Episode Listen Later Nov 1, 2022 44:18


Luiz Inácio Lula da Silva ganó ayer la segunda vuelta de las elecciones presidenciales brasileñas. Han sido estas las elecciones más disputadas desde que el país recuperó la democracia en 1985. El candidato del Partido de los Trabajadores se impuso por un margen muy estrecho. Obtuvo el 50,9% de los votos frente al 49,1% cosechado por su rival, el actual presidente Jair Bolsonaro. Eso en números absolutos son poco más de dos millones de votos: 60.435.000 para Lula y 58.206.00 para Bolsonaro. En las anteriores elecciones celebradas en 2018 Bolsonaro ganó con el 55,1% de los votos y en las de 2014 Dilma Rousseff se impuso con el 51,6%. Lula, que cumplió 77 años hace sólo unos días, regresa al cargo que ocupó de 2003 a 2010, con índices de aprobación muy altos. Es un político bien conocido por los brasileños y también en el extranjero. Nació en el estado de Pernambuco, en el noreste del país, emigró con su familia al estado de São Paulo, y allí fue a la escuela y se hizo obrero metalúrgico primero y sindicalista después. Obtuvo cierta prominencia nacional acaudillando huelgas a finales de la década de 1970 y fundó, ya en los años 80, el Partido de los Trabajadores, bajo cuyas siglas se postuló para la presidencia un total de seis veces. Perdió las tres primeras en 1989, 1994 y 1998, las de 2002 y 2006 las ganó por una aplastante mayoría. En 2010 le sucedió Dilma Rousseff, que había sido su jefa de gabinete. Tras abandonar la presidencia se vio implicado en el escándalo de corrupción Lava-Jato. Fue detenido, juzgado y condenado a prisión. Pasó año y medio en la cárcel y fue liberado en noviembre de 2019 tras anular el juez todos los cargos de los que se le acusaba por defecto de forma. Para entonces Brasil había dado un vuelco político y Jair Bolsonaro llevaba ya gobernando un año. Pero Lula no se había apeado de la carrera. Antes de ser encarcelado quiso presentar su candidatura a las elecciones de 2018, pero el Tribunal Superior Electoral se lo impidió arguyendo que el candidato se encontraba en prisión inmerso en un caso de corrupción. Apoyó entonces al candidato Fernando Haddad, que sucumbió ante Bolsonaro en las elecciones de octubre de ese año. Tras salir de prisión a finales de 2019 ya completamente libre de todos los cargos anunció su intención de presentarse de nuevo a las elecciones. Las encuestas le daban una cómoda ventaja de casi 20 puntos sobre el presidente, lo que le animó a conformar una coalición con su antiguo adversario, el socialdemócrata Gerardo Alckmin, con quien se enfrentó en la segunda vuelta de las elecciones de 2006. La fórmula Lula-Alckmin se ha alzado con la victoria, pero con una diferencia muy pequeña, sensiblemente menor de a que esperaban. El partido de Bolsonaro ha conseguido ganar en las elecciones a la Cámara de Diputados y el Senado que también se celebraron este domingo. Esto deja a Brasil muy dividido. Lula, que tomará posesión del cargo dentro de dos meses, se encuentra un país en crisis, oposición en ambas cámaras y seguramente también en la calle por parte de un bolsonarismo que ha sido derrotado sí, pero por poco. En La ContraRéplica: - Rajoy y la 'okupación' - Halloween y las tradiciones · Canal de Telegram: https://t.me/lacontracronica · “La ContraHistoria de España. Auge, caída y vuelta a empezar de un país en 28 episodios”… https://amzn.to/3kXcZ6i · “Lutero, Calvino y Trento, la Reforma que no fue”… https://amzn.to/3shKOlK · “La ContraHistoria del comunismo”… https://amzn.to/39QP2KE Apoya La Contra en: · Patreon... https://www.patreon.com/diazvillanueva · iVoox... https://www.ivoox.com/podcast-contracronica_sq_f1267769_1.html · Paypal... https://www.paypal.me/diazvillanueva Sígueme en: · Web... https://diazvillanueva.com · Twitter... https://twitter.com/diazvillanueva · Facebook... https://www.facebook.com/fernandodiazvillanueva1/ · Instagram... https://www.instagram.com/diazvillanueva · Linkedin… https://www.linkedin.com/in/fernando-d%C3%ADaz-villanueva-7303865/ · Flickr... https://www.flickr.com/photos/147276463@N05/?/ · Pinterest... https://www.pinterest.com/fernandodiazvillanueva Encuentra mis libros en: · Amazon... https://www.amazon.es/Fernando-Diaz-Villanueva/e/B00J2ASBXM #FernandoDiazVillanueva #Lula #Bolsonaro Escucha el episodio completo en la app de iVoox, o descubre todo el catálogo de iVoox Originals

O Antagonista
Alerta: campanha de Bolsonaro diz que Dilma criou o 'sigilo de 100 anos'

O Antagonista

Play Episode Listen Later Oct 27, 2022 0:55


Em vídeo a ser veiculado no horário eleitoral gratuito desta quinta-feira (27), a campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) diz que o direito ao "sigilo de 100" anos foi decretado pela ex-presidente petista Dilma Rousseff por meio da Lei 12.527 de 2011, a Lei de Acesso a Informação (LAI). A norma, no entanto, estabelece que o acesso não poderá ser restrito a fim de "prejudicar processo de apuração de irregularidades em que o titular das informações estiver envolvido". O Art. 31 da LAI prevê o sigilo no prazo máximo de 100 anos para informações pessoais, "relativas à intimidade, vida privada, honra e imagem", como já foi exemplificado por O Antagonista. O recurso foi utilizado tanto em governos petistas quanto no governo de Bolsonaro. Entre 2003 e 2010, durante o governo do ex-presidente Lula, gastos com cartões corporativos da Presidência da República foram classificados como sigilosos. Em 2015, ano em que Dilma governava, documentos envolvendo empresa investigada na Lava Jato também foram mantidos em sigilo. Já no governo Bolsonaro, além do cartão de vacinação do presidente, estão restritos os registos de entrada de seus filhos no Palácio do Planalto e o processo interno do Exército contra o ex-ministro da Saúde  Eduardo Pazuello. Entenda a Classificação Real: notícias e informações quem podem ser verificadas com documentos ou dados concretos e ostensivosFake: notícias ou informações, normalmente inventadas, que não correspondem a fatos e dados conhecidosAlerta: notícias ou informações com conteúdo parcialmente verdadeiro, mas normalmente manipulado, ou sem possibilidade de comprovação por dados concretos Inscreva-se e receba a newsletter:  https://bit.ly/2Gl9AdL Confira mais notícias em nosso site:  https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais:  https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista ​https://www.instagram.com/o_antagonista https://www.tiktok.com/@oantagonista_oficial No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista  

Ilustríssima Conversa
Celso R. de Barros: Se Lula vencer, PT terá que encabeçar acordo que rejeitou

Ilustríssima Conversa

Play Episode Listen Later Oct 22, 2022 46:14


Se Lula derrotar Bolsonaro, o PT terá que cumprir um papel completamente novo em sua história, sustenta o sociólogo Celso Rocha de Barros. Em seus primeiros anos, o partido fez uma aposta arriscada: se recusou a participar da "democratização pelo alto", a concertação política liderada pelo PMDB logo depois do fim da ditadura, e preferiu investir na "democratização por baixo", reunindo dissidentes do regime militar, movimentos sociais, setores do catolicismo progressista e sindicatos. Hoje, diante do esfacelamento da democracia brasileira, o PT terá que agir de uma maneira semelhante ao PMDB dos anos 1980, afirma. Barros, doutor pela Universidade de Oxford, servidor federal e colunista da Folha, examina, o percurso do partido em "PT, uma História". Para o sociólogo, o enraizamento na sociedade civil permitiu ao partido resistir a todos os reveses que o sistema político brasileiro enfrentou nos últimos anos e, mesmo com a Operação Lava Jato, o impeachment de Dilma Rousseff e a prisão de Lula, se manter eleitoralmente competitivo. Produção e apresentação: Eduardo Sombini Edição de som: Raphael Concli See omnystudio.com/listener for privacy information.

Durma com essa
A perseguição política dentro das igrejas na campanha

Durma com essa

Play Episode Listen Later Oct 20, 2022 24:58


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT à Presidência, divulgou nesta quarta-feira (19) uma carta compromisso em que defende valores cristãos, se diz contra o aborto, promete que vai defender a liberdade religiosa no país e critica o uso político das igrejas na campanha. O Durma com Essa fala sobre o documento, que repete uma iniciativa de Dilma Rousseff de 2010, e sobre a forma como a política invadiu templos religiosos nestas eleições, da perseguição a fiéis que não apoiam o presidente Jair Bolsonaro entre evangélicos a episódios de padres hostilizados por bolsonaristas durante missas. O programa também tem participação da redatora Isabela Cruz, que fala sobre as mensagens racistas da campanha do presidente, e de Mariana Vick, que comenta quais os efeitos de seguir desmatando a Amazônia no ritmo atual. Leia o texto dela na editoria Ponto Futuro.

O Antagonista
Lula diz que Brasil "nunca teve um governo que se preocupasse com a educação"

O Antagonista

Play Episode Listen Later Oct 6, 2022 0:40


O ex-presidente Lula disse nesta quinta-feira (6), durante discurso em São Bernardo do Campo (SP), que “as pessoas que são analfabetas [no Brasil] ficaram analfabetas porque este país nunca teve um governo que se preocupasse com a educação”. Minutos antes, o petista havia louvado seu próprio governo pelos investimentos em educação e pela criação de universidades. Lula falava no contexto das polêmicas sobre o voto dos nordestinos no primeiro turno. Durante uma de suas lives, o presidente Jair Bolsonaro destacou reportagem do site da CNN Brasil sobre o fato de seu adversário ter vencido a eleição em nove dos 10 estados com maior taxa de analfabetismo no país — nove dos 10 estados com mais analfabetos ficam no Nordeste, e um, no Norte. No arroubo retórico, Lula parece ter esquecido que governou o país por oito anos — além de ter ajudado a eleger sua sucessora, Dilma Rousseff, que governou por pouco mais de cinco anos, até sofrer um processo de impeachment. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Jovem Pan Maringá
Ex-presidente, Temer, tende a manifestar apoio a Jair Bolsonaro no 2º turno

Jovem Pan Maringá

Play Episode Listen Later Oct 6, 2022 67:36


O destaque da edição de hoje, 06, foi, ontem surgiram rumores na imprensa de que Michel Temer (MDB) teria declarado apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL) no 2º turno das eleições de 2022. Entretanto, de acordo com informações apuradas pelo site da Jovem Pan, o ex-presidente da República tem sido alvo de pressão de correligionários do MDB para que se mantenha neutro no pleito presidencial. Em nota enviada à imprensa na manhã desta quinta-feira, 6, ex-presidente se manifestou sobre a disputa presidencial, mas não citou o nome de nenhum dos candidatos: "Estou há alguns dias em Londres cumprindo agenda de palestras. Acompanhando o noticiário sobre as eleições de 2º turno e em resposta a todos que tem me procurado, esclareço que aplaudirei a candidatura que defender a democracia, cumprir rigorosamente a Constituição, promover a pacificação, manter as reformas já realizadas no meu governo e propor ao Congresso Nacional as reformas que já estão na agenda do país". Temer está no Reino Unido e retorna ao Brasil nesta sexta-feira, 7, quando deve elaborar um segundo posicionamento oficial após se reunir com aliados. De acordo com um membro da equipe de Temer, a possibilidade dele se manter neutro na disputa é improvável devido aos ataques recorrentes do Partido dos Trabalhadores ao seu governo. A avaliação é de que a pressão para se posicionar é grande e de que Temer está inclinado a apoiar Bolsonaro. "Ele tem dito a todos: 'Neutro não tenho condição de ficar, pelo tratamento que tenho recebido do Partido dos Trabalhadores", declarou um interlocutor do ex-presidente. No último debate presidencial do primeiro turno, ao falar sobre a economia, Lula disse que Bolsonaro não herdou o governo de Dilma Rousseff, mas de um "golpista", referindo-se ao cacique do MDB. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/jovem-pan-maring/message

La ContraCrónica
Segunda oportunidad para Bolsonaro

La ContraCrónica

Play Episode Listen Later Oct 3, 2022 47:29


Se celebró este domingo la primera vuelta de las elecciones presidenciales brasileñas. Jair Bolsonaro se presentaba a la reelección, pero frente a él no tenía como en 2018 a una figura de segunda fila, sino al mismísimo Luiz Inacio Lula da Silva, que ya fue presidente entre 2003 y 2010 y que durante los años siguientes estuvo asediado por escándalos de corrupción. Las encuestas realizadas a lo largo de los últimos meses daban como ganador a Lula, aunque con una distancia algo mayor de la que ha terminado cosechando en las urnas. Se esperaba que Lula se colocase en el 50% y que Bolsonaro no llegase al 40%, pero la realidad ha sido muy distinta. Con el escrutinio prácticamente concluido, Lula ha obtenido el 48,4% de los votos y Bolsonaro el 43,2%, sólo cinco puntos de diferencia que ponen la segunda vuelta, que se celebrará el día 30 de este mes, al rojo vivo. Bolsonaro ha evitado in extremis ser derrotado en la primera vuelta y mantiene las opciones de ganar el día 30 si consigue arrastrar votos que se han ido a otros candidatos como Simone Tebet, del Movimiento Democrático, que este domingo quedó tercera con el 4,1% de los votos. La campaña electoral, que se extendió durante los dos últimos meses, ha sido muy intensa. Los dos principales candidatos se han visto las caras en varios debates que fueron muy agrios y el electorado estaba movido más por sentimientos negativos que positivos. La izquierda hizo una campaña antibolsonarista y la derecha antilulista. Lo tenían mucho más fácil los primeros ya que quien está en el Gobierno es Bolsonaro. El presidente ha sufrido un acusado desgaste durante su mandato. Bolsonaro ha tenido que lidiar con la pandemia, en la que han muerto casi 700.000 brasileños, y con todos los efectos negativos derivados de la misma. Su popularidad había ido descendiendo, la economía no terminaba de despegar tal y como había prometido en las últimas elecciones y muchos le acusaban de ser autoritario e insensible a las demandas sociales. Pero, a pesar de ello, ha sabido mantener un suelo muy sólido y el apoyo de prácticamente todo el electorado de derechas. Muchos de los que han terminado votando a Bolsonaro lo han hecho por el rechazo que les produce Lula da Silva, alguien sobradamente conocido en el país y no siempre para bien. Fue presidente durante dos mandatos a principios de siglo y dejó el cargo a Dilma Rousseff con una popularidad muy elevada. A partir de ahí empezó su calvario. Se vio salpicado directamente por la operación Lava Jato que costó el cargo a Rousseff en 2016 y llevó a prisión a Lula dos años más tarde. Una vez fuera de la cárcel anunció que se presentaría a un tercer mandato. Obtuvo el apoyo de varios partidos y, sobre todo, el de su antagonista Gerardo Alckmin, contra quien se enfrentó en las elecciones de 2006. Ni sus problemas de salud, ni la edad (cumplirá 77 años este mes) le han echado para atrás y ha conseguido ganar la etapa, pero no todavía no la competición. Brasil se prepara para una segunda vuelta de infarto en la que ambos candidatos, separados por cinco millones de votos en un país de 220 millones de habitantes, se volverán a ver las caras. En La ContraRéplica: - Liz Truss y el partido conservador - Irán y su circunstancia · Canal de Telegram: https://t.me/lacontracronica · “La ContraHistoria de España. Auge, caída y vuelta a empezar de un país en 28 episodios”… https://amzn.to/3kXcZ6i · “Lutero, Calvino y Trento, la Reforma que no fue”… https://amzn.to/3shKOlK · “La ContraHistoria del comunismo”… https://amzn.to/39QP2KE Apoya La Contra en: · Patreon... https://www.patreon.com/diazvillanueva · iVoox... https://www.ivoox.com/podcast-contracronica_sq_f1267769_1.html · Paypal... https://www.paypal.me/diazvillanueva Sígueme en: · Web... https://diazvillanueva.com · Twitter... https://twitter.com/diazvillanueva · Facebook... https://www.facebook.com/fernandodiazvillanueva1/ · Instagram... https://www.instagram.com/diazvillanueva · Linkedin… https://www.linkedin.com/in/fernando-d%C3%ADaz-villanueva-7303865/ · Flickr... https://www.flickr.com/photos/147276463@N05/?/ · Pinterest... https://www.pinterest.com/fernandodiazvillanueva Encuentra mis libros en: · Amazon... https://www.amazon.es/Fernando-Diaz-Villanueva/e/B00J2ASBXM #FernandoDiazVillanueva #brasil #bolsonaro Escucha el episodio completo en la app de iVoox, o descubre todo el catálogo de iVoox Originals

The Hated and the Dead
EP52: Lula da Silva

The Hated and the Dead

Play Episode Listen Later Oct 2, 2022 62:40


Lula da Silva is a candidate for the 2022 Brazilian Presidential Election, taking place today. He previously served as President of Brazil between 2003 and 2010. On the face of it, his achievements as President are hard to criticise, whatever your political leanings. On the one hand, he oversaw a massive increase in the Brazilian median income. On the other, he slowed the deforestation of the Amazon rainforest. By 2010, many saw Brazil as one of the 21st century's foremost rising stars.  However, the decade after Lula left office, the 2010s, was a disaster for Brazil. The commodity boom that underpinned Brazil's economic expansion under Lula turned to bust after the 2008 financial crisis, and Lula's chosen successor Dilma Rousseff was impeached and removed from office in 2016. The decade closed with the election of right-wing populist Jair Bolsonaro, who has accelerated the Amazon's decline, and talks sympathetically of the country's military dictatorship of the 1960s and 70s. How much was Lula to blame for this unravelling? The answer: it's complicated. My guest today is the Brazilian journalist Adriana Carranca, who writes for various publications including the New York Times, The Atlantic and Foreign Policy. Much of Adriana's work centres on the Middle East, but she also keeps a keen eye on the politics of her own country and has a nuanced view of this election. 

Podcast Política - Agência Radioweb
Dilma diz que espera vitória de Lula em primeiro turno

Podcast Política - Agência Radioweb

Play Episode Listen Later Oct 2, 2022 2:35


A ex-presidente do Brasil pelo PT, Dilma Rousseff, votou em um colégio particular na região da Pampulha, em Minas Gerais, na manhã deste domingo (02). Dilma afirmou que o pleito deste ano é o "mais importante" desde a redemocratização.

Cinemou! - Podcast de cinema
150 - Democracia em Vertigem (2019)

Cinemou! - Podcast de cinema

Play Episode Listen Later Sep 30, 2022 132:15


FOI GOLPE OU NÃO? Na semana da eleição mais comentada da história do Brasil, o Cinemou traz pela primeira vez um documentário para ser discutido: Democracia em Vertigem. Dirigido, escrito e narrado pela cineasta Petra Costa, o filme lançado pela Netflix em 2019 e indicado ao Oscar de Melhor Documentário em Longa-Metragem, conta todo o processo que levou ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, com entrevistas dentro do Palácio do Planalto, do congresso e com a mãe de Petra, ativista presa durante a ditadura. Recebemos o nosso querido Thiago Romariz para fazer essa mesa redonda e discutir o documentário em si, nossas percepções sobre os fatos e a importância da democracia. E no Papinho, para dar uma relaxada antes da conversa, comentamos algumas das coisas que assistimos nas últimas semanas. Vem ouvir!! ----- ----- SEJA UM FÃ-SÓCIO E SE JUNTE AO NOSSO FANCLUBE! Apoie o Cinemou no Sparkle! RICARDO RENTE Youtube Twitter Instagram Letterboxd ALEXANDRE ALMEIDA Textos do Alexandre Twitter Instagram Letterboxd SIGA O CINEMOU! Twitter Instagram Youtube Twitch CINEMOU.COM --- Send in a voice message: https://anchor.fm/cinemoupodcast/message

Rádio PT
Dilma Rousseff defende a democracia e chama o povo para ir às urnas.

Rádio PT

Play Episode Listen Later Sep 28, 2022 27:56


Seis anos depois do golpe que tirou Dilma Rousseff da presidência do Brasil, o Ministério Público Federal arquivou o inquérito sobre as chamadas “pedaladas fiscais”. A ex-presidenta analisa esse desfecho e fala dos impactos para o país. Além disso, explica as consequências da criação da regra do Teto de Gastos e da Reforma Trabalhista. A entrevista aconteceu no Jornal PT Brasil desta quarta, 28 de setembronde 2022. Confira a entrevista na íntegra. . radio.pt.org.br/podcasts

A Terra é redonda (mesmo)
Além da ficção

A Terra é redonda (mesmo)

Play Episode Listen Later Sep 27, 2022 50:50


Parece que o único jeito de sair da crise climática é fornecendo estímulos econômicos para empresas e governos. Por isso, moedas de carbono são criadas para pagar as instituições que reduzem suas emissões de carbono. Parece coisa de livro, e é mesmo, está em O Ministério pro Futuro, de Kim Stanley Robinson. Mas essa medida também é bem parecida com algo que já existe no mundo real.    Convidados: - Giovana Madalosso, escritora, com livros publicados no Brasil e em diversos outros países, colunista no portal Fervura no Clima!; - Natalie Unterstell, especialista em políticas públicas ambientais e presidente do Instituto Talanoa; - Shigueo Watanabe, físico especializado em mudanças climáticas e nos mercados de carbono; colaborador do ClimaInfo, uma newsletter semanal sobre a crise climática; - Joaquim Levy, economista, ex-ministro da Fazenda no governo Dilma Rousseff e ex-presidente do BNDES; Diretor de Estratégia Econômica e Relações com Mercados no banco Safra. Ele publicou um documento apontando caminhos para a economia brasileira zerar suas emissões de carbono; - Marina Grossi, economista, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável; - Almir Suruí, cacique-geral dos Paiter-Suruí e ativista ambiental, idealizou o Projeto Carbono Suruí, o primeiro projeto no mundo de venda de créditos de carbono com certificação internacional feito por povos indígenas.

revista piauí
Além da ficção

revista piauí

Play Episode Listen Later Sep 27, 2022 50:49


Parece que o único jeito de sair da crise climática é fornecendo estímulos econômicos para empresas e governos. Por isso, moedas de carbono são criadas para pagar as instituições que reduzem suas emissões de carbono. Parece coisa de livro, e é mesmo, está em O Ministério pro Futuro, de Kim Stanley Robinson. Mas essa medida também é bem parecida com algo que já existe no mundo real.    Convidados: - Giovana Madalosso, escritora, com livros publicados no Brasil e em diversos outros países, colunista no portal Fervura no Clima!; - Natalie Unterstell, especialista em políticas públicas ambientais e presidente do Instituto Talanoa; - Shigueo Watanabe, físico especializado em mudanças climáticas e nos mercados de carbono; colaborador do ClimaInfo, uma newsletter semanal sobre a crise climática; - Joaquim Levy, economista, ex-ministro da Fazenda no governo Dilma Rousseff e ex-presidente do BNDES; Diretor de Estratégia Econômica e Relações com Mercados no banco Safra. Ele publicou um documento apontando caminhos para a economia brasileira zerar suas emissões de carbono; - Marina Grossi, economista, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável; - Almir Suruí, cacique-geral dos Paiter-Suruí e ativista ambiental, idealizou o Projeto Carbono Suruí, o primeiro projeto no mundo de venda de créditos de carbono com certificação internacional feito por povos indígenas.

Rádio PT
Flávio Dino comenta sua campanha no Maranhão

Rádio PT

Play Episode Listen Later Sep 26, 2022 9:52


Flávio Dino, candidato a senador do Maranhão, fala do golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff e as consequências para o Brasil após o impeachment. Dino afirma que a eleição de Lula pode significar um retorno à normalidade jurídica e ao respeito às instituições. Além disso, fala sobre os desafios do Congresso Nacional para a recuperação do país em 2023. Jornal PT Brasil: ao vivo, de segunda a sexta, às 9h. No ar: radio.pt.org.br

SBS Portuguese - SBS em Português
'Até 2030, metade da população do Timor-Leste deve falar português': Ramos Horta

SBS Portuguese - SBS em Português

Play Episode Listen Later Sep 25, 2022 6:04


O presidente de Timor Leste destacou o avanço da língua portuguesa, falou do gasoduto Greater Sunrise, criticou a Austrália, o governo Dilma Rousseff e disse que Timor é um dos países mais pacíficos do mundo.

O Antagonista
Cortes do Talks - Ministros de Dilma conspiraram a mando de Lula durante o impeachment, diz Ciro Gomes

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 22, 2022 0:46


Ciro Gomes, o candidato do PDT à Presidência da República, disse há pouco que Lula teve uma atitude contrária à governabilidade em diversos governos depois da redemocratização - e isso passou inclusive pelo impeachment de sua sucessora, Dilma Rousseff. O pedetista é o segundo convidado do Claudio Dantas Talks, podcast de O Antagonista. Ele disse que, nos momentos finais do impeachment em 2016, teria tentado ajudar a então presidente Dilma Rousseff a manter-se no cargo. Segundo Ciro, houve "traidores" no meio do caminho. "Jaques Wagner, José Eduardo Cardoso e Aloizio Mercadante estavam claramente a mando do Lula já desestabilizando a Dilma. Nada daquilo que eu sugeri foi sequer tentado", disse o candidato. Questionado sobre que medidas seriam essas, ele disse que a principal seria uma reunião com governadores de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais para oferecer a renegociação da dívida dos estados. " Só aí já tirava um terço dos votos [do impeachment]", continuou. "Lula virou o grande encosto da vida brasileira, mas não é de agora", disse o cearense. Ele declarou que a articulação contra a governabilidade viria desde o governo Tancredo e passaria pelo jogo do PT durante o impeachment de Fernando Collor, em 1992. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Cortes do Papo - Lula diz a revista inglesa que “PT está cansado de pedir desculpas” por corrupção

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 21, 2022 1:34


Lula disse que o “PT está cansado de pedir desculpas” pelas acusações de corrupção. A declaração do petista foi publicada em uma reportagem da revista The Economist, que faz um balanço sobre as propostas do candidato à Presidência para a economia. A reportagem, no entanto, diz que “o partido, na verdade, nunca pediu desculpas”. “Muitos brasileiros comuns estão frustrados com a recusa de Lula em aceitar a responsabilidade pelas políticas que levaram à recessão, ou em se desculpar pelo papel do PT no escândalo de corrupção conhecido como Lava Jato”, disse a publicação. A revista também afirmou que “Lula gosta de lembrar que os brasileiros eram 'felizes' quando ele estava no comando [...], mas ele não reconhece que os problemas atuais do Brasil começaram com sua protegida e sucessora, Dilma Rousseff, também do PT”. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Rádio PT
O ex-deputado federal, Décio Lima (PT/SC), fala da sua candidatura para governador de Santa Catarina

Rádio PT

Play Episode Listen Later Sep 21, 2022 15:51


O candidato a governador de Santa Catarina Décio Lima comenta o legado dos governos de Lula e Dilma Rousseff no estado e como está o clima em SC para as eleições do dia 2 de outubro. Além disso, Lima fala sobre sua vice, Bia Vargas, que foi vítima de racismo e explica o que significa ter uma mulher negra em sua chapa. Jornal PT Brasil: ao vivo, de segunda a sexta, às 9h. No ar: radio.pt.org.br

O Antagonista
Cortes do Papo - Em anos de reeleição, Lula e Dilma também defenderam seus governos na ONU

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 20, 2022 1:34


Assim como Jair Bolsonaro, Lula e Dilma Rousseff também defenderam seus governos na ONU em anos de reeleição. Como mostramos, nesta terça-feira (20), o chefe de Estado brasileiro usou seu quarto discurso na Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova York, para defender as ações de seu governo no combate à pandemia de coronavírus e no enfrentamento da corrupção.   Em 2006, Lula ressaltou ações sociais de seu governo. Na época, o então candidato à reeleição destacou o Bolsa Família, dizendo que o programa social garantia “renda mínima a mais de 11 milhões de famílias”. “Destinar recursos para a área social não é gasto, é investimento”, afirmou o petista na ONU. Lula também pediu que o combate à fome fosse uma “prioridade da comunidade internacional” e defendeu o livre-comércio, criticando as “amarras do protecionismo”. Em 2014, Dilma Rousseff destacou os avanços brasileiros na área econômica, afirmando que foi construída uma “economia moderna” e uma “sociedade mais igualitária”. Na ONU, a petista também falou sobre o avanço do ensino técnico e a ampliação da educação superior no Brasil, destacando a política de cotas e o programa Ciência Sem Fronteiras. “Ações afirmativas permitiram o ingresso massivo de estudantes pobres, negros e indígenas na nossa universidade [...] Pelo Ciência Sem Fronteiras, mais de 100 mil estudantes de pós-graduação e de graduação são enviados às melhores universidades do mundo”, disse Dilma Rousseff. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Em Florianópolis, Lula chama Bolsonaro de “fascista”

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 19, 2022 1:02


Lula participa neste domingo de comício em Florianópolis (SC), onde completa seu tour pelos estados do sul do país. Na capital catarinense, o petista subiu no palanque acompanhado de seu candidato a vice, Geraldo Alckmin, da ex-presidente Dilma Rousseff e do candidato petista ao governo do estado, Décio Lima.  Em seu discurso, Lula atacou o presidente Jair Bolsonaro e se referiu a ele como “fascista”. “Normalmente, um fascista que não tem partido político, que nunca organizou partido político, que não gosta do povo, não respeita ninguém, diz o seguinte: 'O meu partido é o Brasil'. E eu queria dizer para ele que o Brasil não é partido, é o nosso país”, afirmou, depois de subir no palanque com uma bandeira do PT e outra do Brasil. “Esta bandeira aqui não é bandeira de um partido. É a bandeira de 215 milhões de brasileiros que amam este país”, completou. Sobre a viagem de Bolsonaro ao Reino Unido, para acompanhar o velório da rainha Elizabeth II, Lula afirmou: “Louvável o Bolsonaro ir ao velório da Rainha. Mas ir fazer campanha, falar mal dos outros? Em vez de Bolsonaro ir para o velório da rainha, seria mais louvável se ele tivesse visitado familiares e órfãos das vítimas da Covid, se ele tivesse comprado as vacinas no tempo certo.” Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

A Terra é redonda (mesmo)
Pária ou potência?

A Terra é redonda (mesmo)

Play Episode Listen Later Sep 13, 2022 48:18


O Brasil teve papel de protagonista desde o início da história das negociações climáticas. Com as medidas tomadas durante o governo Bolsonaro, o país foi se isolando e recebeu um novo título: pária. Afinal, qual a vocação do Brasil na diplomacia do clima?   Convidados: - Rubens Ricupero, diplomata, ex-embaixador do Brasil na Itália e nos Estados Unidos e ex-ministro do Meio Ambiente e da Fazenda no governo Itamar Franco; - Natalie Unterstell, especialista em políticas públicas ambientais e presidente do Instituto Talanoa; - Izabella Teixeira, bióloga, ambientalista e ex-ministra do Meio Ambiente nos governos Lula e Dilma Rousseff; - Eduardo Viola, sociólogo e cientista político especializado em negociações climáticas, pesquisador da Universidade de Brasília; - Ana Toni, economista, ambientalista e diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade;

revista piauí
Pária ou potência?

revista piauí

Play Episode Listen Later Sep 13, 2022 48:17


O Brasil teve papel de protagonista desde o início da história das negociações climáticas. Com as medidas tomadas durante o governo Bolsonaro, o país foi se isolando e recebeu um novo título: pária. Afinal, qual a vocação do Brasil na diplomacia do clima?   Convidados: - Rubens Ricupero, diplomata, ex-embaixador do Brasil na Itália e nos Estados Unidos e ex-ministro do Meio Ambiente e da Fazenda no governo Itamar Franco; - Natalie Unterstell, especialista em políticas públicas ambientais e presidente do Instituto Talanoa; - Izabella Teixeira, bióloga, ambientalista e ex-ministra do Meio Ambiente nos governos Lula e Dilma Rousseff; - Eduardo Viola, sociólogo e cientista político especializado em negociações climáticas, pesquisador da Universidade de Brasília; - Ana Toni, economista, ambientalista e diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade;

O Antagonista
Cortes do Papo - Após 14 anos de afastamento, Marina fala em "reencontro" com Lula

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 12, 2022 6:51


Após 14 anos de rompimento com o PT, Marina Silva selou seu apoio público à campanha de Lula à Presidência da República. Em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (12), a ex-ministra do Meio Ambiente e presidenciável nas três últimas eleições disse que, politicamente, se reencontrou com o petista. "Estamos vivendo um reencontro político e programático", disse Marina, "porque, do ponto de vista das nossas relações pessoais, tanto eu quanto o presidente Lula nunca deixamos de estar próximos e de nos conversar mesmo em momentos dolorosos das nossas vidas." "Nesse momento crucial da história , quem reúne as maiores e melhores condições para derrotar Bolsonaro e a semente maléfica do bolsonarismo que está se implementando no seio da nossa sociedade, é a sua candidatura", concluiu a candidata a deputada federal. Lula deu mesmo tom à sua fala: "Há muito tempo tempo havia a expectativa de Lula e Marina iriam conversar. Nós nunca deixamos de nos conversar: nós nos desencontramos e nos encontramos - nos encontramos não apenas para tratar da política ambiental mas para tratar desse país", disse o ex-presidente. Apesar de Marina ter entregue um plano com medidas de combate às mudanças climáticas, o petista evitou dar detalhes de medidas práticas que tomaria no curto prazo, caso eleito. Ele se limitou a dizer que a política ambiental será "transversal" em seus ministérios e que questões como garimpo e desmatamento seriam cortados a zero. Marina, por sua vez, esqueceu um passado de intensas campanhas de difamação do PT contra suas campanhas eleitorais. A mais notável ocorreu em 2014. Na época, Marina era líder das pesquisas e sua candidatura minguou após o PT insinuar que o Bolsa Família seria encerrado em um evento governo da ex-ministra. A amnésia política terá um preço. Como antecipamos, Marina exigiu a criação, num eventual governo Lula, de uma Autoridade Nacional de Mudança Climática, que seria ligada ao Ministério do Meio Ambiente e responsável pelo cumprimento das metas de redução de emissão de CO2. Marina também defende a reestruturação e blindagem de órgãos que foram sucateados pelo atual governo, como Ibama, ICMBio e Funai. O retorno da ex-ministra à esfera de influência do PT ocorre depois de 14 anos. Em 2008, ela deixou o governo Lula após atritos com Mangabeira Unger (Assuntos Estratégicos) e Reinhold Stephanes (Agricultura). Na ocasião, ela se indispôs com o próprio Lula, que entregou a Unger a coordenação do Plano Amazônia Sustentável e deu aval a Stephanes para brigar pela flexibilização da regra que restringia o crédito agrícola de quem desmatou sem licença ambiental. Também se desgastou com Dilma Rousseff por causa do processo de liberação das licenças ambientais para obras no rio Madeira, em Rondônia. Meses depois de deixar o governo, Marina se desfiliou do PT. A mágoa se intensificou na campanha de 2014, quando foi bombardeada pelo marketing de guerrilha de João Santana. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Lula compara 7 de Setembro de Bolsonaro a reunião da Ku Klux Klan

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 9, 2022 0:48


Em comício em Nova Iguaçu (RJ) na noite desta quinta-feira (8), Lula (foto) comparou os atos bolsonaristas de ontem, 7 de Setembro, a uma reunião da Ku Klux Klan, o grupo de supremacistas brancos dos EUA que prega a inferioridade dos negros, informa a Folha. “O ato do Bolsonaro parecia uma reunião da Ku Klux Klan, só faltou o capuz”, afirmou o petista, em referência à indumentária do grupo racista. Ele alegou que não havia pretos nem pardos nos atos a favor de Jair Bolsonaro, que reuniram milhares de pessoas. “O artista principal era o velho da Havan”, afirmou o ex-presidente sobre Luciano Hang, dono da Havan e amigo de Bolsonaro, presente às manifestações de ontem. Lula voltou a comparar o empresário a Louro José, o papagaio-fantoche do programa de Ana Maria Braga. Presente ao comício, Dilma Rousseff rebateu afirmação recente de Michelle Bolsonaro —a primeira-dama disse que, no passado, o Palácio do Planalto era consagrado a demônios.

O Antagonista
Cortes do Papo - A aposta de Lula para tentar vencer no primeiro turno

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 7, 2022 2:47


Integrantes da campanha do ex-presidente Lula têm defendido que, nas próximas duas semanas, os petistas intensifiquem os ataques a Ciro Gomes (PDT), terceiro colocado na disputa presidencial deste ano, durante os programas da televisão e nas redes sociais. Hoje, o petista deu uma clara sinalização neste sentido ao afirmar, durante reunião do conselho político de sua campanha, que os petistas precisam se preocupar não apenas com o que seriam ameaças “antidemocráticas” de Jair Bolsonaro, mas também com “adversários que resolveram tentar nos atacar tanto quanto nosso mais importante opositor.” A priori o PT pretende explorar alguns momentos de “destempero” de Ciro Gomes ao longo de outras campanhas e fazer comparações com a postura de Jair Bolsonaro. A aposta petista é que o pedetista perca terreno tal qual Marina Silva em 2014, que foi alvo de uma intensa campanha de difamação por parte da campanha de Dilma Rousseff. Na visão do partido, conforme apurou O Antagonista, Lula tem um patamar cristalizado segundo as principais pesquisas de intenção de votos e somente conseguiria avançar agora sobre os votos que hoje são de Ciro Gomes. O partido espera “roubar” entre dois a três pontos percentuais do pedetista, o que aumentaria a possibilidade de se liquidar a fatura no primeiro turno. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Rádio PT
Márcia Lopes fala das propostas de Lula para combater à fome

Rádio PT

Play Episode Listen Later Sep 1, 2022 26:58


Endividamento e fome são discutidos pela ex-ministra do Desenvolvimento Social, Márcia Lopes. As causas e consequências do avanço da pobreza no Brasil, em especial nos lares chefiados por mulheres, é explicado por Márcia. "Não há dúvida de que depois do golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, nós tivemos um retrocesso absurdo com o fechamento e extinção de programas fundamentais para população brasileira", afirmou. Jornal PT Brasil: ao vivo, de segunda a sexta, às 9h. No ar: radio.pt.org.br

Rádio PT
Enio Verri (PT/PR), candidato à deputado federal, fala das eleições no Paraná

Rádio PT

Play Episode Listen Later Aug 30, 2022 14:49


Enio Verri (PT/PR), candidato à deputado federal, fala sobre a importância da agricultura familiar como estratégia para vencer a fome, as políticas sociais criadas pelos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff e os impactos do desmonte de políticas públicas pelo governo Bolsonaro. Jornal PT Brasil: ao vivo, de segunda a sexta, às 9h. No ar: radio.pt.org.br

O Antagonista
Lula reconhece erros de Dilma, mas cita “mandato extraordinário” de antecessora

O Antagonista

Play Episode Listen Later Aug 26, 2022 1:36


O ex-presidente Lula fez um claro aceno à sua antecessora Dilma Rousseff durante entrevista ao Jornal Nacional. Ao ser questionado sobre a presidente, o petista disse que não adotaria algumas políticas públicas de sua ex-ministra. Apesar disso, classificou o primeiro mandato dela de “extraordinário”. “A Dilma é uma das pessoas que eu tenho o mais profundo respeito pela competência e pela ajuda que ela me deu quando era ministra-chefe da Casa Civil. Ela fez um primeiro mandado presidencial extraordinário”, disse Lula. “Eu acho que a Dilma cometeu equívocos na [tarifa da]gasolina, cometeu equívocos na hora que fez R$ 540 bilhões em desonerações. Mas quando ela tentou mudar houve uma dinâmica contra ela. Eduardo [Cunha] na Câmara e Aécio [Neves] no Senado que trabalharam o tempo inteiro para que não houvesse nenhuma mudança. Ela mandou MP para mudar, como aconteceu com o Fernando Henrique Cardoso”, disse Lula. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Primeiro Café
#394 Lula cria novo apelido para Bolsonaro no JN: 'bobo da corte' | Analistas da grande mídia são unânimes: Lula ganhou de goleada

Primeiro Café

Play Episode Listen Later Aug 26, 2022 79:33


SEXTA, 26/08/2022: O ex-presidente Lula foi o entrevistado de ontem no Jornal Nacional. Ele demonstrou bom-humor, um discurso enérgico, uma capacidade incrível de usar metáforas, inclusive futebolísticas, e de colocar os entrevistadores no seu lugar. Lula não deixou perguntas sem resposta, mesmo as mais espinhosas para ele e para o PT. Os questionamentos foram previsíveis e incômodos, a começar pela corrupção, que ocupou os 15 primeiros minutos da entrevista, de um total de 40. E a pergunta "como o senhor vai evitar que novos casos de corrupção aconteçam?" foi feita quatro vezes em momentos diferentes. Lula falou ainda que o orçamento secreto foi pior que o mensalão, denunciou a Lava Jato como uma operação que se tornou política, disse que a polarização é saudável, admitiu que houve sim casos de corrupção durante seus mandatos, fez elogios e críticas à gestão da sucessora Dilma Rousseff, respondeu sobre o agronegócio que a Globo ama e a relação com o MST, revelou ter ciúmes do Alckmin porque ele está conquistando o PT e ainda criticou governos autoritários e defendeu a alternância no poder.Foi a primeira entrevista de Lula na Globo desde que ele deixou a prisão. O Jornal Nacional foi o grande palco da operação Lava Jato. Durante anos as denúncias eram divulgadas no principal telejornal do país como se fossem sentenças - e Lula usou isso para alfinetar a imprensa. Vocês lembram que a Vaza Jato revelou como os procuradores de Curitiba tinham contato direto com repórteres da emissora. E foi neste telejornal que os apresentadores interpretaram um grampo ilegal feito pelo ex-juiz Sérgio Moro. Além disso, quando falava de Lula, o cenário do jornal trazia dutos jorrando dinheiro, algo que incomodou o presidente e sobre o qual ele já se referiu muitas vezes - mas não falou sobre isso na entrevista. Lula também já cobrou publicamente um pedido de desculpas da Globo pelo que fez com ele. E esse pedido veio, muito sutilmente, mas veio.Logo no início, o apresentador William Bonner introduzia o tema corrupção quando levantou a bandeira branca para o ex-presidente.Essa mea culpa de Bonner deu o tom da entrevista. Era tudo o que Lula precisava ouvir para se sentir à vontade num ambiente outrora inóspito a ele ou a qualquer esquerdista. Lula provou porque é o maior político vivo do Brasil. Ao ser questionado sobre os erros do governo Dilma, brincou com Bonner, dizendo que quando ele for substituído na bancada do JN ele vai entender o que significa "rei morto, rei posto". Quando questionado sobre polarização, usou metáfora futebolística para defender que, na política, as pessoas devem ser adversárias e não inimigas. Quando perguntado pela Renata sobre o MST, convidou a apresentadora a conhecer o trabalho do movimento que, hoje, é o maior produtor de arroz orgânico do Brasil. A pauta da entrevista foi, no mínimo, questionável. Os primeiros 15 minutos foram só sobre casos de corrupção de mais de 10 anos atrás. E mesmo Lula respondendo que para combater a corrupção é necessário deixar que se investigue, os apresentadores repetiram a pergunta outras 3 vezes. Na hora de falar de economia, ao invés de se preocupar com os 33 milhões de brasileiros e brasileiras passando fome, Bonner questionou como o presidente vai lidar com a bomba fiscal deixada por Bolsonaro. Ao falar sobre polarização, o apresentador revelou que sentiu as cobranças da militância petista sobre ele e questionou a agressividade dos defensores de Lula. Curiosamente ele não perguntou isso ao Bolsonaro. A Globo resolveu pautar também o agronegócio, que eles defendem nas famigeradas propagandas do "agro é pop". Neste momento, Lula falou sobre preservação ambiental e Renata interpelou dizendo que o agro e o meio ambiente são parceiros. Lula se saiu muito bem ao separar o setor, dizendo que há o agro comprometido e o agro fascista e bolsonarista.Ao perguntar sobre a indicação do PGR, Renata insistiu que Lula deveria se comprometer a escolher alguém da tal lista tríplice, algo que ele fez quando era presidente até porque foi ele quem inventou isso. Essa lista tríplice é uma ferramenta que o Lula criou em 2003 para dar autonomia ao Ministério Público. Eles indicam três nomes e o presidente escolhe um para ser o PGR. Lula sempre escolheu o primeiro da lista. Bolsonaro ignorou a escolheu o Augusto Aras, que nem na lista estava. Para a Renata, a escolha do futuro PGR era um tema super relevante. Ela só esqueceu que o Ministério Público está contaminado pelo bolsonarismo. Lula fez muito bem em não se comprometer a seguir a lista porque a chance do MP indicar três Deltans Dallagnols na tal lista é grande. Outra bola fora da Renata foi quando questionou o ex-presidente sobre o mensalão. Não pela pergunta, claro, porque cabia - embora o tema corrupção já tivesse sido tratado nos primeiros 15 minutos de entrevista. A apresentadora questionou como Lula teria apoio do Congresso sem uma "moeda de troca" como o orçamento secreto. Foi neste momento que Lula aproveitou para cunhar um novo apelido para o presidente Bolsonaro. Apelido que pegou e está desde ontem no topo dos trends do Twitter: o bobo da corte.Todas as análises pós-entrevista coincidem de que o ex-presidente foi muito bem. E foi mesmo. Diferente de Bolsonaro, ele não se sentiu acuado e não precisou ser desmentido ao vivo pelos apresentadores. No máximo, houve réplicas ao que Lula falava. Diferente de Ciro Gomes, Lula falou de um jeito que todo mundo entendeu. Quando ele se distanciou de governos de esquerda autoritários mundo afora, por exemplo, começou dizendo que defende a "autodeterminação dos povos" e, na sequência, explicou o que isso significa: "cada país cuida do seu nariz". Simples, direto e compreensível para todo mundo.A entrevista de Lula ao JN foi, até aqui, o momento mais esperado dessa campanha eleitoral. E quem esperou não se decepcionou. Seja apoiador do ex-presidente, porque ele de fato foi muito bem em todas as respostas, ou um crítico de Lula, porque os apresentadores ignoraram temas relevantes como a fome para pressionar Lula sobre corrupção e outros temas sensíveis. Só quem se decepcionou foram os apoiadores do Bolsonaro, provavelmente porque perceberam que Lula não tem medo de cara feia nem de pergunta espinhosa. E mais do que isso: diferente do amigo de miliciano que ocupa a presidência, Lula não precisa recorrer a mentiras deslavadas para responder a qualquer coisa.ANÁLISE COM CYNARA MENEZESDepois de ouvirmos um resumo da entrevista de Lula ao JN, vamos receber a jornalista Cynara Menezes, editora do site Socialista Morena e apresentadora da TV Fórum, para uma análise sobre esta entrevista que foi o fato político da semana.SAIBA MAIS: https://primeiro.cafe/APOIE: https://apoia.se/primeirocafe

Notícia no Seu Tempo
Lula reconhece corrupção na Petrobras e tenta se dissociar da gestão Dilma

Notícia no Seu Tempo

Play Episode Listen Later Aug 26, 2022 8:12


No podcast ‘Notícia No Seu Tempo', confira em áudio as principais notícias da edição impressa do jornal ‘O Estado de S. Paulo' desta sexta-feira (26/08/22): Em entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, o ex-presidente Lula atacou a Lava Jato, se esquivou de anunciar novas medidas para impedir a repetição de escândalos de corrupção caso vença a eleição para presidente e não se comprometeu a manter a escolha do procurador-geral da República por meio de lista tríplice. Disse que só vai decidir depois da eleição. O petista também evitou se comprometer com medidas econômicas. Apoiou-se no vice de sua chapa, Geraldo Alckmin (PSB), para mostrar crédito na área econômica, prometendo “credibilidade, estabilidade e previsibilidade”. Quando foi confrontado com os números da economia na gestão Dilma Rousseff, ele citou a desoneração fiscal como um equívoco. E mais: Política: TSE aprova uso de detector de metais em seção eleitoral Economia: Correção de tabela do IR pode custar até R$ 226 bi ao Tesouro em 2023 Metrópole: Novas regras tentam levar vida ao centro Internacional: Rússia incorpora mais 137 mil homens e mulheres às Forças Armadas Caderno 2: ‘Floresta' de Frans Krajcberg tem mostra prorrogada em SP  See omnystudio.com/listener for privacy information.

Politiquês
Rupturas: a roleta política e as fronteiras da democracia

Politiquês

Play Episode Listen Later Aug 24, 2022 84:53


Do impeachment de Dilma Rousseff, passando conturbado período Michel Temer até a chegada de Jair Bolsonaro ao poder, o episódio 5 da minissérie “Uma crise chamada Brasil”, do podcast “Politiquês”, mostra como a classe política testou seus limites e abriu espaço para o discurso antissistema.

Eliane Cantanhêde responde
"Uma mentira atrás da outra"

Eliane Cantanhêde responde

Play Episode Listen Later Aug 23, 2022 19:31


O presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, repetiu informações enganosas sobre a pandemia de covid-19 e a integridade do processo eleitoral na entrevista exibida pelo Jornal Nacional. Errou ao citar dados de desemprego da época da ex-presidente Dilma Rousseff e distorceu informações sobre a situação e preservação do meio ambiente sob seu governo. Durante 40 minutos de entrevista com os apresentadores William Bonner e Renata Vasconcelos, o presidente apresentou ao menos 13 informações falsas ou enganosas.  E a Polícia Federal (PF) cumpre nesta terça-feira, 23, mandados de busca e apreensão em endereços ligados a oito empresários bolsonaristas. A operação foi aberta por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). A ordem foi expedida na última sexta-feira, 19, depois que o portal Metrópoles revelou mensagens golpistas em um grupo de WhatsApp dos empresários. Os mandados estão sendo cumpridos em dez endereços residenciais e profissionais no Rio de Janeiro, Ceará, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo. O Estadão apurou que celulares foram apreendidos e serão periciados pela PF.See omnystudio.com/listener for privacy information.

O Antagonista
“Quer bater em mulher? Vá bater em outro lugar”, diz Lula

O Antagonista

Play Episode Listen Later Aug 22, 2022 0:28


Durante seu discurso no comício no Vale do Anhangabaú, em São Paulo, Lula (foto) cometeu neste sábado (20) uma gafe ao condenar a violência doméstica contra as mulheres. Ele disse: “Quer bater em mulher? Vá bater em outro lugar, mas não dentro da sua casa ou no Brasil, porque nós não podemos aceitar mais isso.” Também participaram do comício o candidato a vice Geraldo Alckmin, a ex-presidente Dilma Rousseff e o candidato petista ao governo de São Paulo, Fernando Haddad. Durante seu discurso, Lula também afagou Dilma e disse que seu impeachment foi um “erro histórico” do Congresso. “Às vezes a extrema direita condena um dos nossos e nós acreditamos em parte da mentira contada. Inventaram uma mentira contra ela, inventaram uma pedalada. Imaginem o que é uma pedalada da Dilma contra as motociatas que esse genocida faz hoje.” Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

SBS Portuguese - SBS em Português
Notícias da Austrália e do Mundo | 21 de agosto | SBS Portuguese

SBS Portuguese - SBS em Português

Play Episode Listen Later Aug 21, 2022 13:12


Há 40 dias das eleiçõres presidenciais no Brasil, os candidatos continuam em campanha intensa. O presidente brasileiro Jair Bolsonaro afirmou que busca a reeleição, mas disse pela primeira vez que respeitará os resultados caso não seja escolhido pela maioria dos eleitores em outubro. Lula da Silva elogiou a ex-presidente Dilma Rousseff e a comparou a Tiradentes.

BMJ Consultoria
Posse de Moraes e Início das Campanhas Eleitorais

BMJ Consultoria

Play Episode Listen Later Aug 19, 2022 48:19


Nesta semana, a posse do ministro Alexandre de Moraes no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), além de ser marcado por um discurso de defesa da democracia e do processo eleitoral brasileiro, foi também o primeiro encontro do Presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A ocasião foi emblemática dado o contexto político em que ocorreu. Nossos consultores Érico Oyama, Fernanda César e Vinícius Colli analisam os detalhes neste episódio. O comando do TSE é uma posição extremamente importante, principalmente com o cenário visto nas últimas eleições. Em seu discurso, Moraes defendeu fortemente a urna eletrônica, criticou a disseminação de informações falsas (fake news) e afirmou que liberdade de expressão não é "liberdade de destruição da democracia". A cerimônia reuniu mais de dois mil convidados no plenário da Corte, entre eles, além de Bolsonaro e Lula, os ex-presidentes Dilma Rousseff, Michel Temer e José Sarney. Vale relembrar que, em seu governo, Bolsonaro diversas vezes criticou o papel do Poder Judiciário e das urnas eletrônicas. A cerimônia também oficializou a posse do ministro Ricardo Lewandowski como vice-presidente do TSE. Também nesta semana, foi oficializada o início das campanhas eleitorais para as Eleições de 2022. Nossos especialistas comentam os primeiros dias de campanhas dos principais colocados na disputa à Presidência da República. Bolsonaro esteve em Juiz de Fora, onde foi alvo de um atentado em 2018, enquanto Lula, Simone Tebet (MDB) e Ciro Gomes (PDT) participaram de atos em São Paulo. Já nas primeiras horas, os eleitores foram bombardeados no Twitter por mais de 400 mil postagens de candidatos a vários pleitos em todo o Brasil. Nossos consultores analisam as primeiras movimentações e comentam neste episódio o desempenho dos candidatos nas redes sociais. Você também confere uma breve análise sobre os perfis dos candidatos no Congresso Nacional. Na Câmara dos Deputados, cerca de 83% dos deputados federais estão em busca da reeleição, enquanto no Senado Federal somente 12 dos 27 senadores que encerram o mandato este ano vão entrar na disputa. Nossos consultores analisam as mudanças esperadas com as eleições, tanto nas presidências das comissões como em relatorias de projetos importantes que tramitam nas casas. Confira o nosso bate-papo dessa semana. Está imperdível!

O Antagonista
"O TSE não decide eleição. Quem decide é o povo soberanamente", diz Toffoli

O Antagonista

Play Episode Listen Later Aug 19, 2022 1:19


O ministro do STF Dias Toffoli afirmou há pouco a empresários do grupo Esfera, em São Paulo, que é uma “perda de tempo” questionar a lisura do processo eleitoral, em uma referência direta a Jair Bolsonaro. “É uma perda de tempo ficarmos nessa discussão [da segurança das urnas]. O TSE não decide eleição. Quem decide eleição é o povo soberanamente”, disse. “A urna é segura, é um motivo de orgulho para a nação brasileira. Todos aqui presentes, o presidente do Senado [Rodrigo Pacheco], o presidente da Câmara [Arthur Lira] e o senador Ciro Nogueira foram eleitos por esse sistema”, declarou o magistrado. Toffoli comentou as eleições de 2014 quando o então candidato à Presidência da República Aécio Neves (PSDB) questionou o resultado favorável a Dilma Rousseff. “Foi assim que aconteceu quando o PSDB pediu auditoria. O próprio PSDB reconheceu o erro quando pediu auditoria. O partido reconheceu que foi desnecessário”, afirmou. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Notícia no Seu Tempo
Religião sobe ao palanque no primeiro dia de campanha

Notícia no Seu Tempo

Play Episode Listen Later Aug 17, 2022 8:31


No podcast ‘Notícia No Seu Tempo', confira em áudio as principais notícias da edição impressa do jornal ‘O Estado de S. Paulo' desta quarta-feira (17/08/22): O primeiro dia oficial de candidatos nas ruas foi marcado pela disputa entre Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em torno de temas religiosos. Em Juiz de Fora (MG), Bolsonaro voltou a chamar a disputa de “luta do bem contra o mal”. Em São Bernardo do Campo (SP), Lula acusou Bolsonaro de tentar manipular a boa-fé de evangélicos e afirmou que o presidente é “possuído pelo demônio”.  E mais: Política: No TSE, Moraes defende processo eleitoral e democracia Economia: Fiesp sugere a candidatos taxar lucro distribuído Metrópole: Câmara de São Paulo analisa projeto que amplia construções no centro Internacional: EUA testam míssil balístico de longo alcance em meio à crise com a China  Esportes: CBF confirma anulação do clássico Brasil x Argentina e recebe multa Caderno 2: Cirque du Soleil retorna ao Brasil com ‘Bazzar'See omnystudio.com/listener for privacy information.

Durma com essa
A ampla aliança selada por Lula para tentar voltar à Presidência

Durma com essa

Play Episode Listen Later Aug 15, 2022 21:47


O Pros decidiu nesta segunda-feira (15) em convenção retirar a candidatura do coach e empresário Pablo Marçal à Presidência e apoiar a chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Com isso, o petista passa a ter uma aliança com dez partidos, o maior número da disputa de 2022 e igual apenas à chapa da também petista Dilma Rousseff em 2010. O “Durma com essa” destrincha a aliança e o presidencialismo de coalizão que faz com que vários dos partidos que no passado apoiaram Dilma hoje estejam com o presidente Jair Bolsonaro. O episódio também tem a participação da cientista política Luciana Santana, que fala sobre as disputas nos estados.Material de referência:Ensaio de Marta Mendes da Rocha e Luciana Santana:https://www.nexojornal.com.br/ensaio/2022/O-que-est%C3%A1-em-jogo-nas-elei%C3%A7%C3%B5es-2022-as-disputas-nos-estados?posicao-home-centro=2Vídeo sobre presidencialismo de coalizão:https://www.nexojornal.com.br/video/video/O-que-%C3%A9-o-presidencialismo-de-coaliz%C3%A3o-no-Brasil-hojeConheça a Ponto Futuro, nova editoria do Nexo, clicando aqui:https://www.nexojornal.com.br/pontofuturo

O Antagonista
Cortes do Papo - Manifestações são contra Bolsonaro e o Centrão, diz Miguel Reale no Papo Antagonista

O Antagonista

Play Episode Listen Later Aug 12, 2022 6:50


As manifestações desta quinta-feira (11) em prol da democracia brasileira e do sistema de votação mandam uma mensagem forte contra retrocessos da nossa democracia —e são, sim, destinadas ao presidente da República e ao Centrão. A avaliação foi feita pelo ex-ministro da Justiça Miguel Reale Jr. ao Papo Antagonista com Claudio Dantas, nesta quinta (11). "[É uma declaração] em torno de um bem comum, que é a defesa da democracia e a defesa da harmonia entre os poderes", disse Reale, um dos autores do pedido de impeachment de Dilma Rousseff. "E é uma declaração forte de impedimento [a] retrocessos da nossa democracia —contra qualquer tipo de aventura autoritária que possa ocorrer e que vem sendo tonitruada pelo nosso presidente da República, que olhou as cartas com desprezo." Miguel Reale afirmou que a manifestação é contra a "união entre este ser irresponsável [Jair Bolsonaro] , praticando atos contra a democracia, com a conivência do Centrão, que usufrui do Orçamento secreto". O jurista avaliou a situação atual como "delicada". "É a pior das coligações que podem existir: é a coligação daqueles que mamam no Orçamento com aqueles que desrespeitam a democracia e a Constituição", disse. Miguel Reale Jr., que foi professor titular de direito penal na mesma Universidade de São Paulo (USP) do ato de hoje, disse que assinou ambos os manifestos lidos hoje no largo de São Francisco; o principal deles deve chegar a 1 milhão de assinaturas ainda nesta quinta. Cadastre-se para receber nossa newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Jair Bolsonaro faz provocação à rede Globo

O Antagonista

Play Episode Listen Later Aug 12, 2022 1:19


Jair Bolsonaro, ao comentar em sua live desta quinta-feira (11) sua participação nas sabatinas realizadas pela Rede Globo com os candidatos à Presidência da República, provocou a emissora sobre como ela vai “se comportar”. A entrevista do candidato à reeleição no Jornal Nacional está marcada para dia 22 de agosto. “Está previsto eu estar na Globo aí, brevemente. Vamos ver como é que a Globo se comporta”, disse. Bolsonaro negociou a realização da sabatina no Palácio da Alvorada, alegando que Lula (2006) e Dilma Rousseff (2010) tiveram este direito. Depois, mudou de ideia e aceitou viajar ao Rio para ser entrevistado pelo JN. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Cortes do Papo - Mario Sabino explica saída de Diogo Mainardi de O Antagonista

O Antagonista

Play Episode Listen Later Aug 10, 2022 7:07


De tempos em tempos, desisto do Brasil. Estou desistindo novamente agora. Além de renunciar às urnas, resolvi renunciar também ao nosso site. A partir de hoje, vou parar de escrever para a imprensa. No caso, O Antagonista e a Crusoé. O plano é me dedicar a atividades mais gratificantes do ponto de vista intelectual e espiritual. De fato, pretendo passar meus dias deitado no sofá, tirando meleca do nariz. Quanto tempo isso vai durar? O trato é permanecer um ano de folga. Pode ser mais, pode ser menos. A única certeza é que vou me abster de comentar a campanha eleitoral, os debates na TV, o resultado do primeiro turno, a festa do vencedor, os nomes dos ministros, as tentativas de golpe, a compra dos parlamentares. Sinto-me revigorado só de ver essa lista. É claro que há reciprocidade nisso. Eu desisti do Brasil, o Brasil desistiu de mim. Ninguém está disposto a ler pela trigésima-oitava vez os mesmos comentários sobre os mesmos assuntos. Eu já disse o que tinha a dizer. O afastamento, portanto, é consensual. O Brasil e eu enjoamos um do outro. Vou sair de mansinho e o leitor nem vai notar. Estupidamente, eu havia prometido me atirar do campanário de São Marcos em caso de segundo turno entre Lula e Jair Bolsonaro. A aposentadoria precoce foi o jeitinho acovardado que arrumei para descumprir a promessa. É uma espécie de terceira via particular. Minha vida vai virar uma Simone Tebet: estreita, tediosa, supérflua e sem brilho, mas longe daquela gentalha fedorenta que há vinte anos embosteia meu dia a dia. A última vez que desisti do jornalismo - e do Brasil - foi em meados de 2010, antes do estelionato eleitoral de Dilma Rousseff. Fiz as malas, voltei para Veneza, escrevi um livro. Foi a melhor fase da minha vida. Vou tentar replicá-la agora. Sim, tem tudo para dar errado, mas estou pronto para o fracasso: sou Simone Tebet. Quatro anos depois de desistir do jornalismo - e do Brasil -, desisti de desistir e, juntamente com Mario Sabino, meu amigo fraterno, lancei O Antagonista e a Crusoé. Foi uma aventura e tanto. Fizemos o impeachment e trancamos Lula na cadeia. Denunciamos o bunker de Michel Temer e a sociopatia assassina de Jair Bolsonaro. Chega. É preciso renovar o site. Sem mim. Estou gagá. Já fiz o que podia. Ou mais do que podia. Quanto ao meu futuro, ele é inexistente: só tenho um presente, cada vez mais curto. Vou cuidar do meu jardim. E da minha sepultura. O epitáfio, esculpido no granito, é dedicado aos leitores que me aturaram até aqui. Cadastre-se para receber nossa newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Cortes do Papo - Após impasse, Bolsonaro decide dar entrevista ao Jornal Nacional no Rio

O Antagonista

Play Episode Listen Later Aug 5, 2022 1:55


A assessoria de Jair Bolsonaro disse à Globo que o presidente decidiu comparecer aos estúdios da emissora no Rio de Janeiro, no próximo dia 22, para participar de sabatina no Jornal Nacional. Em e-mail enviado ontem, a assessoria do presidente disse que a entrevista teria de ser feita no Palácio da Alvorada e não no estúdio da TV Globo, o que gerou um impasse, como noticiamos. Hoje, em novo email, a assessoria de Bolsonaro confirmou a ida aos estúdios. "O presidente reitera a disposição em participar da sabatina do Jornal Nacional, no próximo dia 22 de agosto." "Nos emails anteriores, a intenção era apenas de negociar a realização da entrevista no Palácio da Alvorada, como foi feito com a ex-presidente Dilma Rousseff. Entendemos que a igualdade entre os candidatos se dará pelo tempo dos entrevistados e não pelo local da entrevista. Como não foi possível, de acordo com a resposta da empresa, o presidente concorda em ir aos estúdios da Rede Globo no Rio de Janeiro para conceder a entrevista." Em resposta, a emissora confirmou a sabatina. Cadastre-se para receber nossa newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

História em Meia Hora
Dilma Rousseff

História em Meia Hora

Play Episode Listen Later Jul 30, 2022 33:50


Guerrilheira? Pegou em armas? Lutou contra a Ditadura? Pragmática e técnica? Fez bons governos? Foi golpe? Separe trinta minutos do seu dia e aprenda com o professor Vítor Soares (@profvitorsoares) sobre a vida pessoal e política da primeira presidente do Brasil: Dilma Rousseff. - Se você quiser ter acesso a episódios exclusivos e quiser ajudar o História em Meia Hora a continuar de pé, clique no link: www.apoia.se/historiaemmeiahora - Compre nossas camisas, moletons e muito mais coisas com temática História na Lolja! www.lolja.com.br/creators/historia-em-meia-hora/ - PIX e contato: historiaemmeiahora@gmail.com Apresentação: Prof. Vítor Soares Roteiro: Prof. Vítor Soares e Prof. Victor Alexandre (@profvictoralexandre) Edição: Victor Portugal. REFERÊNCIAS USADAS - Valsa Brasileira – Laura Carvalho - O Brasil Republicano vol. 4 - O Brasil Republicano vol. 5 - Governo Dilma | Canal Se Liga (@seliga_enem_e_vestibulares) - Trajetória de Dilma: da reeleição ao impeachment | Canal Nexo Jornal #historia #história #podcastdehistoria

O Antagonista
Bolsonaro 2022 é melhor que Bolsonaro 2018, diz Ciro Nogueira

O Antagonista

Play Episode Listen Later Jul 28, 2022 1:20


Ciro Nogueira, o ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, usou de sua fala na Convenção Nacional do Progressistas, nesta quarta-feira (27), para defender o chefe Jair Bolsonaro. O partido vai apoiar a candidatura de Bolsonaro à reeleição - que, aposta Nogueira, será uma viagem muito mais tranquila que o primeiro mandato. "O presidente Bolsonaro de 2022 é muito melhor que o presidente Bolsonaro de 2018", disse Ciro Nogueira. "Ao contrário de seu oponente, que é muito pior em 2022 do que em 2002." O braço-direito do presidente falou que forças contrárias ao presidente querem um país sem comando. "Querem fazer com o nosso país uma 'ucranização', que os interesses de outros países sejam mais importantes que o interesse do Brasil", disse. Nogueira ainda usou sua fala durante a convenção, realizada em Brasília, para dizer que é sim, um político de direita e conservador: "Foi graças ao senhor, à sua candidatura, que nós voltamos a ter orgulho de dizer: Eu sou de direita. Eu sou conservador", concluiu Nogueira, um dos líderes do "Centrão" e que já foi da base aliada de  Dilma Rousseff em 2014. Cadastre-se para receber nossa newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Ciro Gomes critica o PT e diz que "os santos são os mesmos", mas estão piores

O Antagonista

Play Episode Listen Later Jul 21, 2022 1:54


Alçado à condição de candidato ao presidente do Partido Democrático Trabalhista (PDT) nesta quarta-feira (20), Ciro Gomes criticou a militância petista e os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff . Para o presidente presidente, o partido pouco mudou em seus 14 anos de governo. "Será para produzir mais enganações e inconsistências? Qual o que vai ser pior em quatro anos que não fizeram em quatro anos que não fizeram milagre depois de 14 anos " ." Ciro definiu os militantes petistas como os mais "desatualizados, arrogantes, prepotentes e até mais vorazes" e, novamente, afirmou que o governo do PT levou ao bolsonarismo de hoje. "Em 14 anos, o lulismo conseguiu gerenciar o Bolsonaro" , disse, sob aplausos. "Que obra monumental, ou alguém acredita, em chegou à consciência, que Bolsonaro de Marte navegando em um produto de fogo? Bolsonaro da construção magoada e iludida do povo brasileiro, machucado pela mais grave crise econômica e pela mais grave revelação de escândalo de ladroeira levada ao centro do poder pelo lulopetismo" , contínuo. Cadastre-se para receber nossa newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
"Só falta contratar o Guido Mantega"

O Antagonista

Play Episode Listen Later Jul 7, 2022 1:58


O deputado Tiago Mitraud (Novo-MG) disse há pouco em sua fala na sessão da comissão especial que analisa a PEC kamikaze que a proposta consolida a “dilmização do governo Bolsonaro” e chamou o texto de “estelionato eleitoral”. "O mesmo estelionato eleitoral que Dilma [Rousseff] fez com a população em 2014, [Jair] Bolsonaro fez quando disse que tinha que votar nele para o PT não voltar”, criticou. Ainda em tom de provocação, o deputado disse que agora falta só Jair Bolsonaro demitir o ministro da Economia Paulo Guedes e chamar Guido Mantega - ex-ministro de Dilma Rousseff.  “Não é possível que Paulo Guedes vai ter coragem de permanecer nesse governo com cara de Guido Mantega”, destacou. Cadastre-se para receber nossa newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Lula, de novo, fala em "regular" meios de comunicação

O Antagonista

Play Episode Listen Later Jun 29, 2022 1:04


Em entrevista a uma rádio de Piracicaba nesta quarta-feira (29), Lula (foto) defendeu a “regulação” dos meios de comunicação no Brasil —sim, de novo— e disse que o eufemismo petista para "censura" deve atingir rádios e televisões, concessões públicas, e a internet. "Quando a gente fala que é preciso democratizar os meios de comunicação, a gente está falando da mídia eletrônica, a gente está falando de rádio e televisão, que é preciso regular a internet. Mas quem vai regular é a sociedade brasileira, não vai ser o presidente da República", disse o petista, conforme o relato de O Globo. Lula também voltou a falar em regular algo que o país já regula, o direito de resposta —lei sobre o assunto, a 13.188, foi assinada em 2015 por sua sucessora e poste Dilma Rousseff. O petista ainda se repetiu sobre as "nove famílias" que seriam donas de quase todos os meios de comunicação no Brasil, defendeu que se façam "plenárias, congressos, palestras" (clássico esporte do PT) para decidir como "democratizar" a mídia e disse ser necessário "que a gente tenha o direito de várias opiniões no mesmo meio de comunicação" —como se os veículos da esgotosfera petista fossem algum dia dar espaço a opiniões "de direita". Cadastre-se para receber nossa newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista