Podcasts about Abril

Share on
Share on Facebook
Share on Twitter
Share on Reddit
Share on LinkedIn
Copy link to clipboard
  • 5,268PODCASTS
  • 51,942EPISODES
  • 45mAVG DURATION
  • 9DAILY NEW EPISODES
  • Jun 29, 2022LATEST

POPULARITY

20122013201420152016201720182019202020212022



    Best podcasts about Abril

    Show all podcasts related to abril

    Latest podcast episodes about Abril

    NADA MÁS QUE LIBROS
    Nada más que libros - Antonio Buero Vallejo

    NADA MÁS QUE LIBROS

    Play Episode Listen Later Jun 29, 2022 32:54


    “ -URBANO: ¡Vamos! Parece que no estás muy seguro. -FERNANDO: No es eso Urbano. ¡Es que le tengo miedo al tiempo! Es lo que más me hace sufrir. Ver como pasan los días, y los años...sin que nada cambie. Ayer mismo éramos tú y yo dos críos que veníamos a fumar aquí, a escondidas, los primeros pitillos...¡Y hace ya diez años! Hemos crecido sin darnos cuenta, subiendo y bajando la escalera, rodeados siempre de los padres, que no nos entienden; de vecinos que murmuran de nosotros y de quienes murmuramos...Buscando mil recursos y soportando humillaciones para poder pagar la casa, la luz...y las patatas. Y mañana, o dentro de diez años que pueden pasar como un día, como han pasado estos últimos…., aborreciendo el trabajo…, perdiendo día tras día...Por eso es preciso cortar por lo sano.” Fragmento de “Historia de una escalera” Antonio Buero Vallejo nació en Guadalajara el 29 de Septiembre de 1916. Desde su infancia se interesa por la literatura, sobre todo por el teatro. Estudia en la Escuela de Bellas Artes de San Fernando de Madrid y, acusado de , permanece en prisión desde 1939 a 1946. Allí coincide con Miguel Hernández y entablan una fuerte amistad. Al ser puesto en libertad comienza a colaborar en diversas revistas como dibujante y escritor de pequeñas piezas de teatro. Su debut se produce en 1949 con la publicación de “Historia de una escalera”, obra galardonada con el Premio Lope de Vega y que tuvo un gran éxito de público en el Teatro Español de Madrid. Durante la década de los cincuenta escribe y estrena en España y en el extranjero obras tan significativas en su trayectoria literaria como “La Tejedora de sueños” de 1951, “La señal que se espera” (1952), “Casi un cuento de hadas” de 1953, “Madrugada” del mismo año, “Hoy es Fiesta” (1956) o “Un soñador para un pueblo” de 1958. A pesar de sus problemas con la censura vigente, sigue estrenando títulos como “El concierto de San Ovidio” de 1962, “Aventura en lo gris” (1964), “El tragaluz” de 1967 – que se mantiene en cartel durante casi nueve meses- o “Las Meninas” cuyo estreno obtiene un éxito sin precedentes. Además prepara versiones de Shakespeare, como “Hamlet, príncipe de Dinamarca” y Bertolt Brecht (“Madre Coraje, y sus hijos”). Posteriormente realiza un ciclo de conferencias en varias universidades estadounidenses y en 1971 ingresa en la Rea Academia Española, y, más tarde, es nombrado socio de honor del Circulo de Bellas Artes y del Ateneo de Madrid. Asimismo pertenece a diversas academias, comités y sociedades de América, Portugal, Alemania y Francia. Durante los primeros años de democracia en España Buero no cesa de estrenar obras: “Jueces en la noche” de 1979, “Caimán” (1981) y “Dialogo secreto” de 1985, o su versión de ”El pato silvestre” de Henrik Ibsen, en 1982. En 1986 recibe el Premio Miguel de Cervantes por toda su trayectoria literaria. Antonio Buero Vallejo compagina su éxito en el campo de la literatura con su otra gran pasión, la pintura. En 1993 publica “Libro de estampas”, donde se recogen pinturas acompañadas de textos inéditos del autor. En 1997 ve la luz su última obra, “Misión al pueblo desierto”, estrenada en Madrid dos años después. En 1998 es nombrado presidente de honor de la Fundación Fomento del Teatro. Antonio Buero Vallejo falleció en Madrid el 29 de Abril del año 2000, a los 84 años. Antonio Buero Vallejo es quizá el autor teatral más importante y, desde luego más representativo de la España de posguerra. Su primer estreno, “Historia de una escalera” de 1949, original síntesis de dos herencias tan dispares como el sainete y la tragedia de Unamuno, supuso una abierta ruptura con el teatro que se venía haciendo en España en los diez años inmediatamente anteriores. Dicho primer estreno anticipaba también la significación que tendrá Buero desde aquel momento: su empeño en escribir un teatro trágico, que desde García Lorca y hasta entonces, ningún autor español había acometido, y en armonizar la pureza y el criticismo de su arte con un amplio éxito de público. Pero es su drama “En la ardiente oscuridad” (primero que escribe, en 1946, aunque el estreno date de 1950) el mejor punto de partida para acercarnos a este universo dramático. Debemos señalar enseguida algunos datos biográficos del autor que anteceden inmediatamente a la escritura de la citada obra: estudiante de Bellas Artes en el Madrid de la II República; soldado republicano desde 1936 a 1939; muerte del padre, fusilado en Madrid en 1937; condenado a muerte en 1939, hasta la conmutación de la pena ocho meses después; recluido durante seis años en diferentes colonias penitenciarias…...Cuando recobra la libertad abandona la pintura y empieza a escribir. Que el primer drama que escribe sea “En la ardiente oscuridad” es algo que, si puedo decirlo de este modo, da que pensar. Sin embargo, en la superficie, “En la ardiente oscuridad” no guarda relación con tales hechos. Sólo cuando penetramos en la estructura trágica, profunda, de esta obra – una obra que prefigura todas las demás del autor – comprendemos que el teatro de Buero Vallejo surge a causa y frente a la guerra y la posguerra españolas. “En la ardiente oscuridad” es un drama sobre ciegos. En un centro para estudiantes invidentes, donde domina una pedagogía consistente en ignorar la situación de la ceguera – como una forma de intentar superarla , aparece un nuevo alumno, Ignacio, el protagonista, que opone a las mentiras oficiales del centro una afirmación rebelde: la verdad de que es ciego, la verdad de que todos son ciegos y de que necesitan ver. La ceguera, como símbolo de las limitaciones humanas, y la necesidad de ver, como símbolo de la aspiración de lo absoluto, son claves fundamentales para entender el pensamiento de la obra. La antinomia Ignacio – Carlos (éste último alumno destacado del centro) y la muerte del primero a manos del segundo es otro aspecto que debemos destacar para poder añadir inmediatamente que “En la ardiente oscuridad” contiene de manera expresa o esboza estas constantes del teatro de Buero: la antinomia ; las taras físicas, además de la ceguera, la locura, la sordera, etc., que pueden homologarse con aquella; una imagen totalizadora de lo humano, que abarca los conflictos sociales y políticos y, simultáneamente, el misterio del mundo y de la vida, etc. Estas y otras características nos han servido de hilo conductor para llegar a la estructura profunda del teatro de Buero Vallejo, pudiendo proponer así una interpretación nueva del mismo. En esa estructura hemos hallado primero un trasfondo mítico siempre presente o latente: la tríada Edipo, Don Quijote y Caín-Abel y segundo, una presencia-ausencia de Dios, de acuerdo a una visión trágica: un Dios que no es el de las religiones, Dios de certezas, sino el Dios incierto y equívoco de la tragedia, el Dios de Pascal y de Racine. Ambas dimensiones son complementarias entre sí y demuestran la enorme coherencia del teatro de Buero en el ámbito de lo trágico; pues, al fin, es impensable una tragedia sin mitos y sin dioses. Comprobamos así que el teatro de Buero apunta a la necesidad de

    Documentales Sonoros
    Fechas inolvidables de la Historia: 3 de abril del 33: la crucifixión de Jesús · Septiembre de 622: Mahoma hacia Medina

    Documentales Sonoros

    Play Episode Listen Later Jun 29, 2022 58:21


    Ser cristiano es creer que Dios es un hombre que vino a la Tierra para librarnos de nuestros pecados, que predicó y realizó milagros, que murió en la cruz y que resucitó.El primer año de Mahoma en Medina, en el 622 cristiano, marca el inicio de la era musulmana y el nacimiento de una nueva religión, civilización, imperio y calendario.

    Sermones Clásicos
    113.3 Como Obtener El Éxito En La Vida Cristiana - domingo PM - Abril 10, 2022 - Pastor Danny Ortiz

    Sermones Clásicos

    Play Episode Listen Later Jun 26, 2022 51:07


    3 El hermano Pastor Danny Ortiz nació en la ciudad de Nueva York y a la edad de 4 años se mudó a Puerto Rico con su familia, donde se crió hasta que se fue para ir a estudiar al Colegio Bíblico. Él aceptó a Cristo como su Salvador personal el 20 de octubre de 1974. Fue llamado a predicar a la edad de 15 años en una conferencia bíblica en su iglesia. Asistió al Colegio Bíblico del 1981-1986 y se graduó con una licenciatura en Teología Pastoral. Mientras asistía el Cole. gio, conoció a su esposa, Roberta, quien también se graduó el mismo año con un título de secretaria. Han estado casados por 34 años. Su mayor alegría es ver a sus hijos sirviendo al Señor. Tienen 4 hijos y 9 nietos. El 4 de julio de 2004 recibió un llamado para pastorear la Iglesia Bautista Fundamental en Lewisville, TX. En ese momento, la iglesia tenía un promedio de 40 en la escuela dominical. Él ha sido el pastor de esta iglesia desde entonces. La iglesia ha crecido a un promedio de 300. El Hno. Ortiz predica en muchas iglesias hispanas en los Estados Unidos y en América Latina cada año.

    Nada más por convivir
    Nada más por convivir | programa completo domingo 26 de abril de 2022

    Nada más por convivir

    Play Episode Listen Later Jun 26, 2022 49:59


    See acast.com/privacy for privacy and opt-out information.

    Podcast de Sonido sin Fronteras
    SSF Jazz estilo New York 2ª parte 22 abril 2022

    Podcast de Sonido sin Fronteras

    Play Episode Listen Later Jun 24, 2022 28:00


    ¡Estamos de vuelta de Sonidos sin Fronteras! Continuamos con la segunda parte de la transmisión dedicada al hermoso estilo de New York ¡Esperamos que les guste y les parezca interesante!

    Podcast de Sonido sin Fronteras
    SSF Jazz estilo New York 1ª parte 22 abril 2022

    Podcast de Sonido sin Fronteras

    Play Episode Listen Later Jun 24, 2022 27:31


    ¡Buenas tardes a todos, estamos felices y encantadas de darles la bienvenida una vez más a Sonidos sin Fronteras! Hoy les vamos a poner el estilo de New York. Este estilo se lleva de la mano con el estilo de Chicago que previamente les pusimos, ya que los jazzistas de New Orleans empezaron a emigrar al norte. Donde llegan a New York y Chicago ¡Ojala que disfrutes el episodio de hoy!

    Podcast Teologia Pra Gente
    Devocional 03 de abril\22

    Podcast Teologia Pra Gente

    Play Episode Listen Later Jun 24, 2022 5:00


    O CONSELHO E A BENÇÃO DO SALMO 1

    Podcast Teologia Pra Gente
    Devocional 02 de abril\22

    Podcast Teologia Pra Gente

    Play Episode Listen Later Jun 24, 2022 5:00


    O LEGADO DE JOSÉ DE ARIMATÉIA

    Podcast Teologia Pra Gente
    Devocional 01 de abril\22

    Podcast Teologia Pra Gente

    Play Episode Listen Later Jun 24, 2022 5:00


    A NECESSIDADE DE DARMOS OUVIDOS AO QUE A BÍBLIA NOS DIZ

    CLM Activa Radio
    Nuestro Recreo 23-06-22: Feria de Abril

    CLM Activa Radio

    Play Episode Listen Later Jun 23, 2022 27:17


    Hoy nos vamos de feria. Conoceremos los comienzos de la Feria de Abril de Sevilla. Años curiosos de la feria. Películas grabadas en Sevilla. Entrevista con Abigail Marín, sevillana que con mucho arte y guasa, nos cuenta todo sobre su feria natal, y nos invita a vivirla. Temas musicales, relacionados con el episodio, finalizando con reflexiones del programa.

    Urbana Play 104.3 FM
    #DeAcáEnMás - Editorial de María O'Donnell | Jueves 23 de abril

    Urbana Play 104.3 FM

    Play Episode Listen Later Jun 23, 2022 6:14


    Escuchá el editorial de María O'Donnell. Jueves 23 de abril. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/urbanaplayfm/message

    Hablemos de Derecho Internacional (HDI)
    #82: Dr. Mauricio Meschoulam - La Construcción de la Paz

    Hablemos de Derecho Internacional (HDI)

    Play Episode Listen Later Jun 23, 2022 67:57


    En este episodio Edgardo Sobenes conversa con el Dr. Mauricio Meschoulam acerca de la paz y su construcción. De forma extraordinaria el Dr. Meschoulam nos comenta a través del episodio acerca de los elementos y pilares de la paz, la violencia y el conflicto. Nos habla sobre los elementos inter temporales que determinan la paz, la distribución desigual de la paz, el constructivismo social, el caos, la paz negativa y positiva, y su conexión con la paz disociativa y asociativa. También aborda el miedo, la percepción del miedo y la paz por los Estados e individuos, las noticias falsas, la digitalización de las noticias, los mecanismos de resolución, la paz en una comunidad internacional hiperconectada, con desigualdades de acceso a la educación, capacidad militar, brechas tecnológicas y mucho más.  Membresía del Podcast  https://www.hablemosdi.com/contenido-premiumAcerca del Dr. Mauricio MeschoulamMauricio Meschoulam es egresado de la licenciatura en Relaciones Internacionales (Universidad Iberoamericana, México). Tiene una maestría en estudios humanísticos con especialización en historia por el ITESM (Instituto Tecnológico de Estudios Superiores de Monterrey), con mención honorífica. Es Doctor en Políticas Públicas y Administración con especialización en Terrorismo, Mediación y Paz por Walden University en los EEUU, graduado con honores. Desde 1993 es profesor de los departamentos de Estudios Internacionales e Historia de la UIA, y ha dado clases en la UNAM y en el ITAM. Sus últimos dos libros al respecto de Medio Oriente se titulan: La guerra siria, siete años de análisis; Abril 2011-Abril 2018; e ISIS o Estado Islámico: Entender su guerra para encontrar la paz. Además de ello, ha publicado varios capítulos en distintos libros sobre Relaciones Internacionales. Su investigación más reciente en torno a temas de terrorismo y construcción de paz se ha concentrado en la situación que vive México desde hace algunos años. Esta investigación ha sido publicada internacionalmente en varias revistas académicas, presentada en universidades como Columbia, Stanford y el MIT, e integrada en su más reciente libro publicado en español y en inglés: Miedo y Construcción de Paz en México. Mauricio fundó y dirige el Centro de Investigación para la Paz México, AC, el cual además de llevar a cabo estudios académicos y conferencias, se dedica a dar consultorías y elaborar propuestas concretas para contribuir a la construcción de paz en nuestro país. Actualmente Mauricio es miembro del Foro de Seguridad Internacional de Halifax, de la Asamblea Consultiva del Consejo para Prevenir la Discriminación en México (CONAPRED), articulista semanal en El Universal, colaborador de W Radio y Foro TV, además de participar continuamente como invitado en programas de análisis internacional en la radio y la televisión en medios nacionales e internacionales.Mail: mauricio@cipmex.orgTwitter: @maurimm Support the show

    InvestNews
    FLASH #594: Governo Quer Criar Voucher Para Caminhoneiros; IRBR3 Prejuízo Sobe Em Abril

    InvestNews

    Play Episode Listen Later Jun 22, 2022 7:31


    A intenção do governo de criar um auxílio a caminhoneiros e ampliar o vale-gás pode representar risco fiscal? Entenda no Flash. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou que o governo sinalizou estar disposto a fazer a ampliação do auxílio gás ou até mesmo criar um auxílio a caminhoneiros. Os dois temas seriam incluídos no texto da chamada PEC dos Combustíveis, mas, segundo Pacheco, ainda passa por avaliações jurídicas e legais por parte da consultoria do Senado e da Advocacia Geral da União (AGU), pois pode ter vedação da Lei Eleitoral. O outro destaque do dia é a elevação do prejuízo reportado pelo IRB Brasil (IRBR3) no mês de abril. A resseguradora reportou prejuízo de R$ 92,7 milhões em abril de 2022. No mesmo mês do ano passado, o prejuízo foi de R$ 48,9 milhões.

    RBA NEWS
    PIB cresceu 0,3% em abril, aponta FGV

    RBA NEWS

    Play Episode Listen Later Jun 22, 2022 2:05


    O post PIB cresceu 0,3% em abril, aponta FGV apareceu primeiro em RBA NEWS.

    Los hijos de la mañana
    El Rap del Clima en Pa' Arriba El Show 17 de Mayo 25 de abril 2022

    Los hijos de la mañana

    Play Episode Listen Later Jun 20, 2022 4:23


    ¿Qué nos tiene preparado el clima para el día de hoy? En Pa' Arriba El Show

    Podcast de Sonido sin Fronteras
    SSF Disco Tourist St. Germain 2ª parte 15 abril 2022

    Podcast de Sonido sin Fronteras

    Play Episode Listen Later Jun 20, 2022 27:10


    Estamos de vuelta con la segunda emisión del episodio de hoy dedicado al disco titulado Tourist por la banda St. Germain, una banda francesa que se volvió famosa al principio de este siglo y que hasta la fecha sigue vigente ¡Esperamos que lo disfrutes, vamos directo a la música!

    Podcast de Sonido sin Fronteras
    SSF Disco Tourist St. Germain 1ª parte 15 abril 2022

    Podcast de Sonido sin Fronteras

    Play Episode Listen Later Jun 20, 2022 27:10


    ¡Bienvenidos una vez más a Sonidos sin Fronteras! En el programa de hoy te tenemos un disco completo de una banda interesante francesa, llamada St. Germain, el disco se titula Tourist ¡Esperamos que les guste y les parezca interesante!

    Em directo da redacção
    “Misantropo”: Um clássico de alma contemporânea

    Em directo da redacção

    Play Episode Listen Later Jun 20, 2022 17:02


    Nos 400 anos do nascimento de Molière, quisemos perceber porque é que o dramaturgo francês continua a inspirar os criadores contemporâneos.  Fomos conversar com o encenador Nuno Carinhas que estreou, este ano, “O Misantropo” do contemporâneo Martin Crimp, inspirado no clássico de Molière. Nuno Carinhas preferiu a versão de Crimp e aí viu a “transposição para o nosso tempo” e a“dilaceração muito bem-disposta” no mundo das artes do espectáculo. Os 400 anos do nascimento de Molière continuam a levar-nos até às releituras em língua portuguesa do dramaturgo francês. Em Lisboa, fomos conversar com Nuno Carinhas, encenador, cenógrafo e figurinista, que foi também Director Artístico do Teatro Nacional São João entre 2009 e 2018. Este ano, Nuno Carinhas levou a palco “O Misantropo” de Martin Crimp, a partir de Molière, para a Companhia de Teatro de Almada. O espectáculo estreou no Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada, a 28 de Abril. “O Misantropo” é um dos textos mais duros de Molière. Apresentada em Junho de 1666, a peça é uma sátira de costumes à arrogância das classes dominantes do seu tempo, mas é também uma história de amor e de ciúme. Alceste odeia a humanidade e até defende a sua extinção, como única forma de acabar com a hipocrisia e o tráfico de influências. Porém, ele ama Celimene que orbita no centro dessa mesma sociedade que ele tanto abomina. Nuno Carinhas foi buscar a versão contemporânea de “O Misantropo” escrita pelo dramaturgo britânico Martin Crimp, em 1996, e que é uma réplica à sociedade de hoje, nomeadamente no mundo do espectáculo, marcada por uma generalizada decadência dos valores humanos e por um crescente individualismo. Anos depois de ter levado a palco “O Resto Já Devem Conhecer do Cinema”, o encenador português voltou ao universo das apropriações de Crimp porque quis continuar “a explorar esse lado reinterpretativo ou interpretativo-criativo do Martin Crimp”. “Eu aproximei-me de O Misantropo precisamente por ser o Martin Crimp. Eu nunca fiz Molière nem tinha pensado fazer, mas O Misantropo é, com o Dom João, provavelmente as peças que eu prefiro do Molière. Quando vi que existia este Misantropo - que já não é novo, já é dos anos 90 - decidi fazê-lo por ser uma transposição para o nosso tempo absolutamente extraordinária, uma dilaceração muito bem-disposta sobre a convivialidade das pessoas do espectáculo e das artes do espectáculo, do cinema, da comunicação social, à mistura com agentes profissionais, com professores de representação, etc. Havia ali toda uma escola do teatro na versão do Crimp que me interessava”, explica Nuno Carinhas. Muda-se o cenário e muda-se o tempo, “o tempo é hoje, o lugar Londres”. Muda-se também o nome das personagens, menos o de Alceste, mas a história continua a mostrar um homem que está mal com o mundo inteiro e ama uma mulher que adora ser adorada por esse mundo que ele detesta. “É simultaneamente uma crítica a esta micro-sociedade do espectáculo, mas é obviamente também uma maravilhosa história de amor que, como sempre, teria que acabar mal, sobretudo na versão de Martin Crimp porque ele para ser coerente não se poderia, de maneira nenhuma, aproximar de uma jovem que está no pico do seu sucesso juvenil, que tem 21 anos, é americana, está em Londres de passagem também pelo seu sucesso no cinema. Portanto, para ele se poder aproximar dessa jovem, tem que abrir mão da sua misantropia, tem que abrir portas à sociedade e isso ele não quer por coerência própria”, descreve o encenador. A crítica fundamental à sociedade é feita tanto por Alceste, o misantropo, quanto por Jennifer, a nova Celimene, que também reconhece a frivolidade geral da sociedade do espectáculo, mas usa-a de forma pragmática. “Alguém disse que o Martin Crimp tinha criado uma Alceste ao fazer a Jennifer. O misantropo tem razão quando diz que ambos são rápidos de espírito e têm uma visão crítica sobre os outros. Só que ela ainda não está farta, digamos assim, tão farta e tão batida na vida como o Alceste. Ela tem outros recursos para sobreviver e continuar a viver nessa relação hipócrita com os outros, mais ou menos festiva, sem grandes compromissos”, continua Nuno Carinhas. Alceste ainda tenta, em vão, convencer Jennifer a fugir desse mundo e a instalarem-se algures no campo. “Um dos grandes problemas dos profissionais do espectáculo quando são misantrópicos – e somos muitas vezes misantrópicos, estou a falar de mim e de todos em geral – há momentos em que o que as pessoas do cinema, do teatro e da televisão querem é estar sozinhas, isolarem-se, viverem fora dos estúdios, dos teatros e fora dos outros. Temos momentos de reclusão quase fisicamente impostos e isso nem sempre é possível”, acrescenta. O encenador também assinou a cenografia e os figurinos, com Ana Vaz. Para recriar a suite de um hotel de luxo, onde se aloja a diva em ascensão, ele fez “uma caixa preta, um lugar mais ou menos sinistro entre a caixa de bombons e um sarcófago chique”, com “uma grande parede ‘capitonée' no fundo, o chão de carpélio preto” e “chaises longues de veludo preto”. No final, havia um “baile de máscaras” com “trajes do século XVIII” e um lustre a fechar a composição. Nuno Carinhas usou a tradução de Daniel Jonas, de 2021, do texto de 1996 de Martin Crimp, o qual trabalhou o texto de Molière de 1666. Para o encenador, “todos os textos que resistem ao tempo são intemporais” e apesar de se viver numa época que “faz uma espécie de terra de ninguém do que é a herança cultural”, ainda há peças que resistem e se o fazem “é porque há alguma coisa de absolutamente indispensável e universal”. A contracorrente da aparente marcha contemporânea em direcção a “um deserto linguístico”, surgem dramaturgos que traduzem versos antigos, como Daniel Jonas que “tem um arrojo e uma maneira de compor entre o arcaico e o quotidiano nosso, o contemporâneo, de uma forma muito expressiva e livre”. Quatro séculos depois, Molière continua a inspirar criadores. Para Nuno Carinhas, talvez seja porque “ele trata de uma forma risível os seus argumentos, mas toca em coisas que hoje em dia as pessoas continuam a assumir”. Além disso, “é um criador fascinante e fascinante sobretudo relacionando a sua obra com a época em que viveu”. “É muito interessante nós pensarmos também que a época que o criou e que o deixou fazer foi a mesma época que depois o criticou e que o censurou. Isso é muito interessante para nós percebermos a natureza da criatura. Ele não se deixou ficar por ser um simples mestre de cerimónias de Luís XIV, à beira da corte, a fazer pequenas comédias só por divertimento. Não. É óbvio que ele tirou partido dessas situações. Ele, enquanto pessoa, é um personagem trágico também por natureza e eu creio que ele acabou mesmo misantropicamente, mas é um período fascinante da história do teatro. Se falamos de Shakespeare, falamos de Molière. Se falamos de Molière, falamos de Gil Vicente… Enfim, em todos os países há épocas que proporcionam o aparecimento e a resolução de determinados génios da escrita e do teatro que aparecem alimentados também por essa sociedade e por essa maneira de viver”, conclui Nuno Carinhas. Para ouvir a conversa integral com o encenador Nuno Carinhas no podcast desta emissão.

    Podcast Historias with Alphecca Perpetua
    EXCERPT: Cebu City, Pyramid Schemes & the Battle of Tres de Abril | Podcast Historias

    Podcast Historias with Alphecca Perpetua

    Play Episode Listen Later Jun 20, 2022 15:39


    Resident Historian Amiel "Cortz" Cortes claimed that the not-so-secret society KKK was the original "Pyramid Scheme" in the Philippines due to the nature of its fractal recruitment style of triangle system and grades. And while heavily stationed in the Luzon-Manila area, the KKK started recruiting members in the Visayas region; primarily around the Iloilo and Negros area due to the Mestizo's wealthy network and connections brought by large profits of estates and plantations, which eventually led to the recruitment of Hiligaynon revolutionary leader Lt.-Gen Pantaleón "León Kilat" Villegas to spread word of an upcoming rebellion on the highly urbanized Cebuano shores that would soon be known as the bloody battle of Tres de Abril. ABOUT THE EPISODE "Pyramid Schemes and the Battle of Tres de Abril" • CORTZ UNCUT: The 124th Philippine Independence Day Special • Season 3, Episode 33, Rated-PG13 • 69 Questions with #CORTZ Sponsored by Studio Historias, a production service for podcasts, radio, and other online shows. Go to https://about.studiohistorias.com to learn more. ABOUT THE GUEST AMIEL "Cortz" CORTES is a Cebu-based Historical Researcher & Consultant. He graduated with a degree in AB History at the University of San Carlos, Philippines in 2015, and worked as a Program Officer for Research at the Ramon Aboitiz Foundation where he contributed as a Principal Researcher, Indexer, Editorial Assistant, and Field Researcher for various local and regional events, exhibits, academic publications, and other projects. ABOUT THE HOST ALPHECCA PERPETUA is a KBP-accredited radio broadcaster who executively produces podcasts, radio, and other online shows. An undergraduate student for the Marine Biology program at the University of San Carlos in 2004, she shifted focus and specialization to radio presenting and audio production for both Contemporary-Hit and Rock Radio format treatments as well as live-events hosting starting late 2005. In 2008, she was among the chosen national top 80 participants for I-Witness's first docufest, an award-winning PH documentary TV show for GMA-7 News TV and GMA broadcast network. Today, she continues to develop and co-produce global TOP-100 podcast shows; including the seasonal Cebu-based show for Comedy Talk & Interviews, "Podcast Historias". ABOUT THE SHOW Podcast Historias with @alpheccaperpetua • Presented/Hosted by Alphecca Perpetua • Arranged, Mixed, and Mastered by Alphecca Perpetua • Produced by Alphecca Perpetua & Brent Kohnan • Distributed by Studio Historias • about.studiohistorias.com • Cebu, Philippines 6000 • All Rights Reserved © 2022 DISCLAIMER The assumptions, views, opinions, and insinuations made by the host and guests do not reflect those of the show, the management, and the companies affiliated. A few information in this podcast episode may contain errors or inaccuracies; we do not make warranty as to the correctness or reliability of the content. If you think you own the rights to any of the material used and wish for the material not be used, please contact Studio Historias via email at askstudiohistorias@gmail.com.

    Convidado
    França/Legislativas: "Temos de votar para depois reclamar"

    Convidado

    Play Episode Listen Later Jun 19, 2022 8:42


    Decorre este domingo a segunda volta das eleições legislativas francesas. Os resultados nacionais da primeira volta colocaram lado a lado a coligação “Ensemble” do presidente Macron e a esquerda unida liderada por Jean-Luc-Mélenchon. A viver há 41 anos, Lurdes Fernandes votou pela primeira vez em França nestas legislativas. Ao microfone da RFI mostrou-se satisfeita por finalmente poder participar na vida política do país. “Votei no domingo passado e vou votar este domingo. Já tenho a nacionalidade francesa desde o dia 22 de Abril. (...) Foi uma grande alegria e uma grande honra porque há muita gente que está a lutar para tentar poder votar. Como eu, por exemplo, porque sou uma cidadã portuguesa mas estou aqui em França há 41 anos. Já sou mais francesa que portuguesa.  Foi uma grande alegria poder, pela primeira vez, votar. Já tinha ido votar mas para as municipais e para as europeias. Mas para as legislativas foi a primeira vez”.  Porque para as legislativas e para as presidenciais só votam as pessoas que têm nacionalidade francesa? “É isso mesmo. Eu já pedi a nacionalidade francesa há dois anos, mas tive muitos problemas durante este tempo todo e ainda não acabou”.  Orlando Sacramento, cidadão franco-cabo-verdiano, residente em Neuilly-sur-Marne, vota em França e em Cabo Verde. Vê com tristeza os números da abstenção e sublinha a importância de marcar presença no sufrágio. “Para mim é com tristeza que vejo os números da abstenção porque eu desde que posso voltar, em França e em Cabo Verde, votei sempre. Temos de tomar parte para depois reclamar. Para se integrar a sociedade, a primeira coisa é votar e escolher a pessoa que queremos pôr para dirigir a cidade ou o país e depois pedir contas. Eu sou contra a abstenção, a pessoa deve sempre tomar parte mesmo votando em branco. Deve fazer compreender que não está de acordo com a política de um lado e do outro, mas mas está presente”.  Depois de ter sido afastada dos cadernos eleitorais, Iolanda Fernandes foi impedida de votar nas presidenciais. Fez os procedimentos necessários para voltar a integrar as listas de eleitores e agora além de votar, integra o corpo de uma assembleia de voto no 17° bairro da capital francesa. “Fiquei bastante contente! É verdade que quando soube que não podia votar na última vez [presidenciais] foi um choque, porque eu gosto e interesso-me pela política. E se tenho nacionalidade francesa é para poder votar e para ver se as coisas mudam. Portanto, agora  fiquei bastante contente quando recebi uma carta em casa a dizer que já estava novamente inscrita nas listas eleitorais e que já podia votar outra vez”.

    Radio Dario Podcast
    Entrevista Dominical | Grethel Gómez de la Organización Víctimas de Abril

    Radio Dario Podcast

    Play Episode Listen Later Jun 18, 2022 12:49


    Escuchanos en este Pódcast Dominical. Hoy nos acompaña Grethel Gómez de la Organización Víctimas de Abril (OVA). Conduce la periodista Kastalia Zapata.

    La-Lista
    ABRIL MORENO y GONZALO MONROY en LOS DESPABILADORES con Max Kaiser y Laisha Wilkins

    La-Lista

    Play Episode Listen Later Jun 17, 2022 47:31


    Vinieron a despabilarnos dos expertos en energía, Abril Moreno y Gonzalo Monroy, entre risas y anécdotas históricas, hablamos de la reforma energética de Pemex, el gas natural, la CFE y el futuro del litio en México. See acast.com/privacy for privacy and opt-out information.

    Vida em França
    Os "restos e as sombras" de Pedro Costa em exposição em Paris

    Vida em França

    Play Episode Listen Later Jun 16, 2022 17:11


    O realizador português Pedro Costa tem neste momento, em Paris, uma exposição, uma retrospectiva, a estreia de um filme e dois livros acabados de ser publicados. É o “momento Pedro Costa” que por estes dias se vive na capital francesa. Acabam de ser publicados os livros Pedro Costa, Les Chambre du cinéaste com cinco textos do filósofo frances Jacques Rancière e Pedro Costa, Cinéaste de la lisière do investigador Antony Fiant. Até dia 26 de Junho está patente nos Jeu de Paume, nos Jardins das Tulherias, uma retrospectiva do realizador que vai desde a sua primeira longa-metragem O Sangue, de 1989, até ao filme Vitalina Varela premiado com o Leopardo de Ouro e prémio de melhor actriz no Festival de Locarno em 2019. Estreou, igualmente, esta quarta-feira em França o filme Cavalo Dinheiro, Ventura na versão francesa. Filme premiado em 2014 em Locardo (melhor realizador), mas inédito até agora nos écrans franceses e que pode ser visto em pleno Quartier Latin, no cinema Mèdicis. Também decorre até dia 22 de Agosto a exposição “O Resto é sombra” de Pedro Costa, Rui Chafes e Paulo Nozolino no Centro Georges Pompidou. Com a curadoria de Philippe-Alain Michaud e Jonathan Puthier, esta “apresentação imersiva”, como é descrita pelo Pompidou, tem uma cenografia labiríntica, com pouca luz, onde o visitante escolhe a geometria do seu percurso. Se a sombra é transversal ao trabalho destes três artistas, o resto também. O resto da luz, o resto das cidades, o resto de casas, de coisas, aquilo que resta da vida das pessoas. A adensar a intensidade da exposição está o barulho constante das demolições filmadas por Pedro Costa nos subúrbios de Lisboa. Foi, precisamente, numa das salas do Centro Pompidou onde decorreu esta conversa como realizador português  Pedro Costa. O resto é sombra. Porquê este título? “Nós, os três, durante muito tempo no trabalho de preparação, preferíamos ter os nossos três nomes como título da exposição. A certa altura o Philippe-Alain [Michaud] e o Jonathan [Puthier] pediram-nos um título para reforçar, para identificar melhor as coisas. É normal haver um título de uma exposição, caso uma coisa de catálogo. E nós pensámos, tínhamos várias ideias, cada um de nós e, a certa altura, reunimos e chegámos a esta citação do Fernando Pessoa, um poema do Pessoa apenas porque contém a palavra “sombra” que é muito comum em nós os três. Nos meus filmes, nas fotografias do Paulo [Nozolino] e mesmo nas esculturas do Rui [Chafes] que são todas em ferro negro. Portanto era uma palavra que se adequava bem. Todos gostávamos, todos aprovámos e passámos ao Philippe-Alain e ao Jonathan, que gostaram bastante. Acontece que é do Pessoa, que é o nosso poeta mais conhecido. Passou do título para os textos e, portanto, agora sabe-se que é uma citação do Pessoa. No meu caso, a palavra “resto” também é importante”.  O que nós vemos nesta exposição é muito o resto da sombra. Aquilo que saí do negro. A exposição é no escuro e o que sobressai são os restos. No seu caso, também mostra muito os restos da vida, os restos da demolição. “Exactamente, é isso mesmo. Tenho a sensação e tenho dito muitas vezes que estou, até pelo lado da produção, pelo lado do cinema, da maneira como se produz um filme, eu trabalho com restos, resto de coisas e restes de pessoas. As pessoas estão a tentar completar-se, estão quebradas, estão partidas. Pelo menos nestes sítios onde eu tenho trabalho há vinte anos e nos filmes tudo são restos, como disse, de casas, de cidades, de comunidades, etc. Enfim, são o que pode ser. Eu filmo com o que se pode apanhar”. De todo o trabalho que têm, e têm imenso, como é que chegaram a esta composição? “Isso foi um trabalho de grupo também com os curadores. A minha ideia, o convite começou por ser feito a mim em 2019, [acabou por ser adiado devido à pandemia], e eu trouxe o Rui [Chafes] e o Paulo [Nozolino] para o projecto. A partir daí começámos a pensar que peças, como compor as salas. Eu tinha feito uma exposição no Porto, no Museu de Serralves, onde duas das peças que estão cá também estavam lá, mas de uma maneira um bocadinho diferente por causa do espaço. O espaço em Serralves é muito diferente daqui, mas uma peça em colaboração com o Rui Chaves e outra com o Paulo Nozolino vieram. Depois tratava-se de compor, alongar com outras peças, com outras fotografias, com outras esculturas e talvez outros filmes. Isso foi uma discussão longa, desde 2019 até quase três meses antes da exposição. Quais as peças, quais as fotografias, como são as salas, a arquitectura, etc. Isso foi discutido em conjunto e chegámos a este resultado um bocadinho em colectivo”.  Esta escuridão também foi decidida por vocês?  “Sim. É uma arquitectura. Mais do que um trabalho de luz, é uma arquitectura da arquitecta que trabalha cá”.  Porque há a escuridão e também há todo o trajecto que é meio labiríntico.  “Sim, sendo das paredes escuras e digamos que relativamente apertadas, é um percurso sinuoso, labiríntico, onde as pessoas se podem perder. Perder no bom sentido e encontrar as peças de outra maneira, muitos pontos de vista. Há esquinas como nas ruas, é uma ideia pequeno bairro, pequeno ‘casbah', pequena medina onde há muitas vozes, muitas cores, muitos sopros, murmúrios e gritos, e as coisas passam de umas para as outras com uma circulação interessante, eu acho". A abrir a exposição está o Ventura, com os braços cruzados e as mãos viradas para fora. Numa outra sala, encontramos rostos de mulheres, dos seus filmes, e as mãos de Rui Chaves. Não pode dar aqui a sensação de que elas de alguma forma estavam algemadas? "Nenhum de nós trabalha muito com intenções, de querer fazer uma coisa que diga aquilo ou outro ou exprima isto ou outra coisa. Por mim falo, os meus filmes são aquilo que está ali, são aquela realidade, são pessoas que filmo no trabalho, em repouso, com problemas, que discutem, que monologam… De facto, é uma realidade do nosso país. É uma realidade relativamente esquecida, mas absolutamente maioritária. Eu até diria que o que se vê nesta exposição, por mim, pelos meus filmes, talvez seja 80% da humanidade, para não exagerar. Salvam-se uns resquícios em Saint Tropez e Los Angeles e o resto é aquilo, é isto, é uma grande miséria. Às vezes é muito visível, exterior, outras vezes é interior. Nós, os três, se reflectimos isso e as nossas obras reflectem isso é porque vivemos na realidade e temos alguma consciência dela. Mas não há uma intenção de provocação ou desencadear esses sentimentos. Estamos numa história, estamos no mundo e nesta realidade. Isso vê-se muito nas fotografias do Paulo [Nozolino]. O Paulo atravessou muito a história com a fotografia desde a última guerra, pelo menos, até às guerras mais recentes, até aos efeitos dessas devastações, até esta que se passa agora”.  Isto é uma exposição colectiva ou uma exposição individual onde cada um de vocês se vai cruzando com o outro? "É as duas coisas. Nós não trabalhamos em conjunto, aproximamos coisas. Ou seja, falou da primeira sala, o Rui e o Paulo trabalharam um bocadinho solitariamente e de repente acharam que Paulo tinha aquilo e o Rui tinha aqueloutro e juntos acharam bem. Eu, com o Rui, foi a mesma coisa. Trabalhamos por aproximações.  É um bocadinho como no cinema, colar duas imagens provoca uma terceira, que de facto não existe, é formada pelo espectador, é uma coisa que o visitante imagina ou consegue produzir de juntar aqueles rostos daquelas mulheres por exemplo como a fotografia do Paulo, ou com a escultura do Rui, etc". Neste momento decorrem várias iniciativas artísticas sobre si em Paris: esta exposição aqui no Centro Pompidou, o filme Ventura que acaba de estrear, uma retrospectiva no Jeu de Paume e há ainda dois livros publicados sobre si, aqui, este ano. É a sua consagração? Como é que olha para isto tudo?  "Não dessa maneira. Esta exposição já tem um passado. Devia ter acontecido há uns tempos e, se calhar, não tinha tanta confluência com outras coisas. O filme estava para sair, estava para estrear e o distribuidor calculou que fosse, talvez, uma altura melhor para o estrear visto haver dois acontecimentos simultâneos. Os livros são, não digo uma coincidência, mas não foram programados. Um foi apressado para sair, de facto, ao mesmo tempo, mas apenas pela circunstância de eu estar aqui durante algum tempo e poder fazer as chamadas apresentações, assinaturas. A pandemia mudou e atrasou isto tudo e fez esta espécie de concordância das coisas todas. É muito bom, claro, para mim".  O filme o Ventura acaba de estrear em França, depois de ter estreado anteriormente (há menos de seis meses) a Vitalina Varela, que é um filme posterior. De alguma forma não o defrauda, digamos assim, que os filmes tenham sido cronologicamente alterados? “Não são filmes da chamada actualidade. A circunstância de estarem trocados, ou seja, deste ser mais antigo e sair agora é simplesmente porque não houve, na altura, 2015, distribuidores interessados ou capazes de estrear o filme.  Só depois do Ventura ser distribuído por uma distribuidora francesa, é que propus esta saída desse filme que estava inédito e eles aceitaram. Está cumprido!” Mas acaba por ser fantástico um filme que fez há algum tempo, estrear agora em França e ter esta repercussão toda?  "Sim, é também porque os filmes que eu faço têm muitas ligações entre eles. A Vitalina, que está neste, já estava na própria Vitalina. O Ventura passa por imensos. As pessoas já conhecem um pouco do trabalho que eu faço, que para o bem é um trabalho que, eu acho que as pessoas acham interessante, sério e importante, espero e para o mal acham que é sempre a mesma coisa: os pobres dos bairros pobres de Lisboa".  Qual é o tempo desta história? Presente? Passado? Aquilo que se vê são os corredores da cabeça do Ventura? "É isso, é isso que disse. Não é mau isso dos corredores, já que há corredores cá em cima, escuros e que levam a diferentes realidades. No Ventura também há fantasmas, pesadelos e não diria traumas mas alguns esquecimentos que lhe aconteceram por volta da data simbólica 25 de Abril. O que se passa no filme é a história desta quebra, queda do Ventura, que é um operário da construção civil que, nesse ano de 1974, começou a perder-se pelas ruas de Lisboa e a perder-se no seu tormento. É uma história pouco contada, mas os emigrantes africanos nessa altura apanharam um grande susto. Tinham vindo para Portugal, vêm para Portugal, à procura de uma vida melhor e, de repente, deparam-se com greves, paragem do trabalho, patrões a fugirem para o Brasil e com soldados na rua. Com soldados contentes e alegres, mas muito ameaçadores para eles, para eles emigrantes que viviam já numa espécie de guetos, de prisões nos arredores e ainda hoje vivem". Essa realidade acaba por ser actual, muito actual ainda. "Eu digo sempre que se o 25 de Abril tivesse sido cumprido, eu não tinha feito estes filmes. Não eram necessários. Portanto se os filmes foram feitos, se este lamento soa verdadeiro é porque alguma coisa ficou por cumprir de um sonho que eu tive, que tiveram todos que eu acho que ainda há muitas pessoas que têm, que alimentam que é o sonho de uma uma espécie de justiça banal entre todos, não digo democracia, mas justiça".

    Café de Datos
    97. Emprendimiento, ecosistemas, tecnología e innovación - Invitada: Abril Sherman

    Café de Datos

    Play Episode Listen Later Jun 16, 2022 46:44


    "Sillicon Valley hoy ya no es como lo pintan... si eres mexicano tienes a Monterrey, a Guadalajara, otros ecosistemas muy interesantes, muy distintos y muy padres" - Abril S.En este episodio tuvimos el honor y el placer de sentarnos a platicar con una colega que conocimos hace unos años precisamente en Guadalajara. Abril Sherman transicionó al mundo del emprendimiento, la tecnología y la innovación por "accidente" y en este Café nos cuenta todo acerca de la evolución del emprendimiento en México, los ecosistemas que impulsan a las startups, el contraste que ha vivido en cada uno e incluso algunas sugerencias para esos emprendedores que van iniciando. No te lo puedes perder. Recuerda suscribirte, dejarnos 5 estrellas y aprovechar para obtener 3 cursos GRATIS registrándote en Datlas Academy y uniéndote a una comunidad de apasionados por la transformación digital y la analíticaSupport the show

    Aracnofã - Thwip View Classic
    Thwip View Classic 396 - Jogos Sombrios

    Aracnofã - Thwip View Classic

    Play Episode Listen Later Jun 16, 2022 55:57


    No programa de hoje Maurício e Gustavo comentam mais dois crossovers do Homem-Aranha pulados pela Abril (que era uma mãe). Venha conferir a DR de Manto e Adaga, descubra por onde anda o cara chama...

    InvestNews
    FLASH #589: Senado Aprova Teto Do ICMS Para Combustíveis; Setor De Serviços Decepciona Em Abril

    InvestNews

    Play Episode Listen Later Jun 14, 2022 9:46


    Os preços dos combustíveis podem ficar mais baratos? Com 65 votos a favor e 12 contra, o plenário do Senado aprovou o projeto que fixa teto de 17% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis, energia elétrica e serviços de telecomunicações e de transporte público (PLP 18/2022). O projeto, já aprovado pela Câmara, volta à Casa por causa das alterações que foram feitas. O custo total é estimado em R$ 46,4 bilhões aos cofres públicos para reduzir em R$ 1,65 o litro da gasolina e em R$ 0,76 o do óleo diesel. Entre outro destaque do dia está o volume do setor de serviços do Brasil, que cresceu 0,2% em abril em relação a março, ficando abaixo das expectativas do mercado. Segundo pesquisa da agência de notícias Reuters, era esperado avanço de 0,4% no mês.

    Terapia de Corazón
    Ep. 110 ¿Hay vida después de la vida? FT. Abril Méndez

    Terapia de Corazón

    Play Episode Listen Later Jun 13, 2022 58:51


    Te invito a recordar la visita de #AbrilMendez Luz de tu Luz en la que nos habló de sí “hay vida después de la vida. ¿Qué opinas? ¡Síguenos en redes sociales! Instagram Facebook

    Notícias Agrícolas - Podcasts
    Faltou chuva em abril e Nova Xavantina/MT deve perder mais da metade da produtividade do milho

    Notícias Agrícolas - Podcasts

    Play Episode Listen Later Jun 13, 2022 9:23


    Município iniciou a safrinha esperando mais de 120 sacas por hectare, mas estiagem afetou o desenvolvimento das lavouras. Esperança agora é para elevação do preço para a venda desses grãos

    Valenta Radio | FFCV
    Valenta radio 3x24 titan elche 7 de abril de 2022

    Valenta Radio | FFCV

    Play Episode Listen Later Jun 13, 2022 62:27


    Hoy llevamos a cabo el habitual repaso a las ligas femeninas de la Comunitat Valenciana, y recibimos para conocer en profundidad al Titán Elche en las voces de Francisco Manuel Mañogil Valero (presidente y coordinador), Merche Marroquí Rico (entrenadora) y Ángela Botella Martínez (capitana).

    KISS FM
    Las noticias de la mañana del lunes 13 de junio de 2022

    KISS FM

    Play Episode Listen Later Jun 13, 2022 5:17


    Semana decisiva de cara a las elecciones andaluzas. Tras un fin de semana arropados por sus líderes nacionales, los candidatos afrontan la recta final antes de su cita con las urnas con el último debate televisivo de la campaña. Repasamos las declaraciones del líder popular, Alberto Núñez Feijóo y de la candidata de Adelante Andalucía, Teresa Rodríguez. Por otro lado, el puerto de A Coruña recibe hoy el primer envío de cereal ucraniano, el Instituto Nacional de Estadística difunde los datos de compraventa de inmuebles en el mes de abril y 31 provincias estarán este lunes en riesgo por la ola de calor. En clave internacional, Rusia confirma su intención de no devolver territorios conquistados. En clave cultural hablamos del homenaje que se hará hoy a Almudena Grandes y de Bob Dylan. Edición · Jorge Quiroga Realización · Alberto Vega

    Notícias Agrícolas - Podcasts
    Jataí/GO começa a colher milho e deve perder produtividade por enfezamentos e seca de abril

    Notícias Agrícolas - Podcasts

    Play Episode Listen Later Jun 9, 2022 14:07


    Primeiras áreas colhidas estão produzindo entre 70 e 90 sacas por hectare diante da expectativa de mais de 160 sc/ha. Por outro lado, preços do milho melhoraram e produtores devem conseguir vender o grão mais caro após travar poucos volumes

    Deixar o Mundo Melhor
    Luís Marques Mendes

    Deixar o Mundo Melhor

    Play Episode Listen Later Jun 9, 2022 35:17


    Nasceu a 5 de setembro de 1957 na cidade berço, mas diz que só veio ao mundo em Guimarães, porque na vizinha Fafe - sua terra de coração e criação - ainda não existia hospital. O 25 de Abril de 1974 apanhou-o a terminar o liceu e, Luís Marques Mendes, passou grande parte do tempo do chamado ano de serviço cívico a "fazer política, comícios, sessões de esclarecimento, em nome da JSD no distrito de Braga". Aos 18 anos foi candidato pelo PPD (Partido Popular Democrático) à autarquia de Fafe e foi eleito vereador. Mudou-se de armas e bagagens para Lisboa quando Aníbal Cavaco Silva o convidou para ser seu secretário de Estado e, mais tarde, seu Ministro. Também foi Ministro de Durão Barroso. Na sua já longa carreira política, foi deputado, líder do PSD, mas a liderança do Grupo Parlamentar do seu partido foi o cargo que mais saudades lhe deixou. Hábil nas relações sociais, tem uma palavra de apreço por todos os líderes do PSD e, também, pelos colegas das outras bancadas parlamentares com quem se cruzou, incluindo alguns do PCP, como é o caso de Octávio Teixeira. Comentador político da SIC desde 2013, rejeita (por agora) a hipótese de se candidatar à Presidência da República: "É uma questão que não está nas minhas prioridades nem nos meus planos. Se um dia mudar de ideias, daqui a três ou quatro anos, di-lo-ei publicamente, sem tabus". See omnystudio.com/listener for privacy information.

    JORNAL DA RECORD
    PF investiga desaparecimento na Amazônia; Brasil gera quase 200 mil empregos formais em abril; Boris Johnson é mantido no cargo

    JORNAL DA RECORD

    Play Episode Listen Later Jun 7, 2022 50:23


    Ouça a edição completa do Jornal da Record desta segunda (6) com os seguintes destaques: Polícia Federal investiga desaparecimento na Amazônia de funcionário da Funai e jornalista britânico; Brasil teve quase 200 mil novos empregos com carteira assinada em abril; Após escândalo das festas, Parlamento decide manter Boris Johnson no cargo. E, na reportagem especial, os presos que foram pegos como mulas do tráfico.

    Amanece
    AMANECE - 7 de abril de 2022

    Amanece

    Play Episode Listen Later Jun 7, 2022 59:02


    Disfruta otra edición de Amanece. Programa mañanero que se transmite todos los días de 4 a 5 de la mañana por Wkaq 580 AM. Desde San Juan, Puerto Rico llevamos la música de humildes jibaritos de nuestra tierra a todo el planeta. Y reflexiones para que comiences el día con actitud positiva y bien encaminado. Gracias por apoyarnos y por favor comparte buenas vibras. --- Support this podcast: https://anchor.fm/amanece/support

    Amanece
    AMANECE - 6 de abril de 2022

    Amanece

    Play Episode Listen Later Jun 7, 2022 59:34


    Disfruta otra edición de Amanece. Programa mañanero que se transmite todos los días de 4 a 5 de la mañana por Wkaq 580 AM. Desde San Juan, Puerto Rico llevamos la música de humildes jibaritos de nuestra tierra a todo el planeta. Y reflexiones para que comiences el día con actitud positiva y bien encaminado. Gracias por apoyarnos y por favor comparte buenas vibras. --- Support this podcast: https://anchor.fm/amanece/support

    Amanece
    AMANECE - 5 de abril de 2022

    Amanece

    Play Episode Listen Later Jun 7, 2022 59:36


    Disfruta otra edición de Amanece. Programa mañanero que se transmite todos los días de 4 a 5 de la mañana por Wkaq 580 AM. Desde San Juan, Puerto Rico llevamos la música de humildes jibaritos de nuestra tierra a todo el planeta. Y reflexiones para que comiences el día con actitud positiva y bien encaminado. Gracias por apoyarnos y por favor comparte buenas vibras. --- Support this podcast: https://anchor.fm/amanece/support

    InvestNews
    FLASH #583: Brasil cria mais de 196 mil vagas com carteira assinada em abril

    InvestNews

    Play Episode Listen Later Jun 6, 2022 12:50


    O Banco Central divulgou um boletim parcial do Relatório Focus na manhã desta segunda-feira (6), com projeções do mercado de uma inflação de 8,89% neste ano e de 4,39% em 2023. A projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022 recuou para 1,20% ante 1,50% da observação anterior. Porém, a projeção para 2023 avançou de 0,47% para 0,76%. Já a projeção para a Taxa Selic continuou em 13,25% no fim deste ano. Em 2023, a estimativa é de 9,75%.

    Mesa Secreta
    Mesa Secreta 13 - Joga ou Passa - Abril 2022 (parte1)

    Mesa Secreta

    Play Episode Listen Later Jun 5, 2022 47:32


    O Mesa Secreta Podcast está de volta (novamente)! E agora chegou pra ficar, temos até editor (bjos Thomaz) Torugo, Pablo e Zuil discutem os jogos de tabuleiro lançados no Brasil em Abril de 2022. E aí, você JOGA ou PASSA? Este podcast foi feito a partir de nossa live mensal no Youtube. E vc pode participar ao vivo dando sua opinião no chat. Segue a gente, ative a notificação e fique ligado. Jogos em destaques de Abril: Luna Maris - Duna: um jogo de Conquistas e Diplomocia - Duna Traição - Palm Island - Brew - Fort - Insondável - O Senhor dos Anéis Card: Expansões - Quartz: o Jogo de Dados - Mandala Stone - Rolling Realms - Savannah Park - Star Wars: O Palácio do Jabba - Witchstone - Zapotec Podcast disponível também nas plataformas: Spotify | Apple | Anchor Siga-nos nas redes: Instagram | Youtube | Tik Tok Loja parceira: Taverna Real - https://www.tavernareal.com/ Participantes do episódio: Torugo Prando Pablo Stofel Zuil Pirola Edição: Thomaz Castilho

    Deixar o Mundo Melhor
    Joana Vasconcelos

    Deixar o Mundo Melhor

    Play Episode Listen Later Jun 3, 2022 31:15


    Nasceu em Paris a 8 de novembro de 1971, porque os pais tinham ido estudar para a cidade das luzes, "antes de se meterem nas políticas". Neta de uma pintora e filha de uma restauradora e de um fotojornalista (que foi fotógrafo oficial do Presidente Mário Soares), JoanaVasconcelos é uma das artistas plásticas portuguesas com maior projeção internacional e reúne o lado criativo com a capacidade de ser marchand de si própria. Tinha 36 anos quando levou a 'Noiva' à Bienal de Veneza de 2005, palco onde se apercebeu "do que precisava de construir para ser uma verdadeira artista internacional". Foi nessa cidade-museu que entendeu os desafios do "meio artístico em termos mundiais" e percebeu que teria de construir "um corpo de obra significativo" para estar presente nesses palcos. Sete anos depois, já se sentia totalmente preparada para montar a sua grande exposição num "palco único e extraordinário na história da Europa e na história do mundo" - o Palácio de Versailles. Construir o AMA - Ateliê Museu Aberto - para se aproximar da comunidade é agora o grande desafio da sobrinha do comentador Álvaro de Vasconcelos, que foi dirigente do PCP (m-l), um pequeno partido de extrema-esquerda nos anos que antecederam e se seguiram ao 25 de Abril de 1974. See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Novus Capital
    De Olho na Bolsa - Abril/2022

    Novus Capital

    Play Episode Listen Later May 31, 2022 22:06


    Apesar de existir desde 1998, a Locaweb é uma empresa que ainda pode passar despercebida por muitos. Mas, se você soubesse a quantidade de marcas por trás dela, poderia se interessar em conhecer mais! No De Olho na Bolsa desse mês, nossos analistas de equity, Felipe Jatahy e Victor Barros, explicam o histórico da companhia e suas frentes de atuação hoje em dia. Vale a pena conferir!

    Iglesia Presbiteriana Westminster - EPC
    Luz En Las Tinieblas - Sermón 24 de abril de 2022

    Iglesia Presbiteriana Westminster - EPC

    Play Episode Listen Later May 30, 2022 31:46


    Lucas 24:13-49Support the show

    Notícias Agrícolas - Podcasts
    Sem chuvas em abril e maio, Campo Novo do Parecis/MT espera perda de pelo menos 35% no milho

    Notícias Agrícolas - Podcasts

    Play Episode Listen Later May 25, 2022 10:39


    Algumas lavouras da região não vão nem ser colhidas e descontos por avaria dos grãos também já são dados como certos

    Iglesia Presbiteriana Westminster - EPC
    Un Cambio Radical - Sermón 17 de abril de 2022

    Iglesia Presbiteriana Westminster - EPC

    Play Episode Listen Later May 23, 2022 25:05


    Lucas 24:1-12Support the show

    Iglesia Presbiteriana Westminster - EPC
    Servicio de Adoración Viernes Santo - Sermón 15 de abril de 2022

    Iglesia Presbiteriana Westminster - EPC

    Play Episode Listen Later May 20, 2022 61:45


    Isaías 53:1-3,4-6,7-9,10-12Support the show

    Vinci Partners
    Fundo Vinci Equilíbrio | Resultado Abril de 2022

    Vinci Partners

    Play Episode Listen Later May 19, 2022 1:59


    Fundo Vinci Equilíbrio | Resultado Abril de 2022 by Vinci Partners

    Vinci Partners
    Fundo Vinci Valorem | Resultado Abril de 2022

    Vinci Partners

    Play Episode Listen Later May 19, 2022 4:11


    Fundo Vinci Valorem | Resultado Abril de 2022 by Vinci Partners

    LA PATRIA Radio
    11. Al Menos 25 Personas LGBT Fueron Asesinadas En Colombia Entre Enero Y Abril - Mar. 17 De Mayo

    LA PATRIA Radio

    Play Episode Listen Later May 17, 2022 3:40


    Escuche esta y más noticias de LA PATRIA Radio de lunes a viernes por los 1540 AM de Radio Cóndor en Manizales y en www.lapatria.com, encuentre videos de las transmisiones en nuestro Facebook Live: www.facebook.com/lapatria.manizales/videos