Podcasts about Acho

Share on
Share on Facebook
Share on Twitter
Share on Reddit
Share on LinkedIn
Copy link to clipboard
  • 776PODCASTS
  • 1,557EPISODES
  • 33mAVG DURATION
  • 1DAILY NEW EPISODE
  • Aug 8, 2022LATEST

POPULARITY

20122013201420152016201720182019202020212022


Best podcasts about Acho

Show all podcasts related to acho

Latest podcast episodes about Acho

bitcoinheiros
Por que o Bitcoin existe? - Parte 25 - Série "Why Bitcoin?"

bitcoinheiros

Play Episode Listen Later Aug 8, 2022 10:09


Por que o protocolo Bitcoin foi inventado mesmo? Acho que devemos entender o problema que estamos tentando resolver e este é o objetivo deste último artigo da série. Este é o capítulo 25 da Série "Why Bitcoin?" (Por que Bitcoin?) do bitcoinheiro canadense Tomer Strolight, uma série de artigos curtos para ajudar a organizar os fundamentos por trás da inovação do Bitcoin. https://tomerstrolight.medium.com/why-bitcoin-the-series-660fe20ec244 https://twitter.com/TomerStrolight Série "Por que Bitcoin?" completa https://www.youtube.com/playlist?list=PLgcVYwONyxmgofXYV8O-ec4NHVtP8Xz1v Gravado no bloco 744677 ________________ APOIE O CANAL https://bitcoinheiros.com/apoie/ ⚡ln@pay.bitcoinheiros.com Loja dos Bitcoinheiros https://loja.bitcoinheiros.com/ SIGA OS BITCOINHEIROS: Site: https://www.bitcoinheiros.com Youtube: https://www.youtube.com/bitcoinheiros Twitter: https://www.twitter.com/bitcoinheiros Allan - https://www.twitter.com/allanraicher Dov - https://twitter.com/bitdov Becas - https://twitter.com/bksbk6 Ivan - https://twitter.com/bitofsilence Instagram: https://www.instagram.com/bitcoinheiros Facebook: https://www.fb.com/bitcoinheiros Podcast: https://anchor.fm/bitcoinheiros APOIE O CANAL: - Dê uma gorjeta em Bitcoin: https://bitcoinheiros.com/apoie/ - Inscreva-se no canal - Deixe seu comentário no vídeo - Dê um like no vídeo - Compartilhe o vídeo e o canal com amigos e familiares na sua rede social - Envie um email com seu comentário e sugestões: bitcoinheiros@protonmail.com COMO GUARDAR SEUS BITCOINS? Bitcoinheiros recomendam o uso de carteiras Multisig com Hardware Wallets de diferentes fabricantes. Busque por "canivete bitcoinheiro" em nosso canal para saber mais. - COLDCARD - https://store.coinkite.com/promo/bitcoinheiros (use o código bitcoinheiros para ganhar 5% de desconto) - TREZOR E BITBOX02 PARA RESIDENTES NO BRASIL E AMÉRICA DO SUL Revendedor oficial: https://www.kriptobr.com/?afiliado=1288 Acesse com nosso link acima para ajudar o canal! ;) - TREZOR PARA RESIDENTES EM OUTROS PAÍSES https://shop.trezor.io/product/trezor-model-t?offer_id=15&aff_id=3722 ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: Este conteúdo foi preparado para fins meramente informativos. NÃO é uma recomendação financeira nem de investimento. As opiniões apresentadas são apenas opiniões. Faça sua própria pesquisa. Não nos responsabilizamos por qualquer decisão de investimento que você tomar ou ação que você executar inspirada em nossos vídeos. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/bitcoinheiros/message

Brasil-África
Brasileiro ensina capoeira a crianças salvas de grupos armados no Congo

Brasil-África

Play Episode Listen Later Aug 7, 2022 19:25


Há seis anos o brasileiro Flávio Saudade vive na cidade congolesa de Goma, onde ensina capoeira a crianças salvas de milícias armadas. Recentemente, ele acompanhou os protestos ruas contra a Monusco, a maior missão de paz que a ONU realiza atualmente.  Vinícius Assis, correspondente da RFI no continente africano As manifestações na República Democrática do Congo, aterrorizado por dezenas de grupos armados, já deixaram mais de 30 mortos e 170 feridos. A mobilização deixa claro o descontentamento de moradores com a missão da ONU que, para parte da população, não tem garantido a tão desejada paz. O general brasileiro Marcos de Sá Affonso da Costa é quem comanda a tropa da Monusco, de cerca de 15 mil militares de diferentes partes do mundo. Nascido em São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro, Flávio Saudade já morou no Haiti, que também recebeu uma missão de paz da ONU com o objetivo de colocar ordem no país, depois de um conturbado período e a deposição do presidente Jean-Bertrand Aristide. O capoeirista ouve hoje o clamor de congoleses pedindo a saída da Monusco e lembra do que aconteceu no Haiti. “Quando existia toda aquela manifestação no Haiti, a gente ouvia muitos haitianos amigos nossos falando que quando a missão deixasse o país, tudo iria ficar pior do que em 2004 [ano do golpe de Estado]. E eu vejo hoje que o Haiti se afundou realmente numa situação ainda pior, que acabou levando várias pessoas queridas”, diz.  Flávio Saudade lamenta ao falar dos jovens haitianos a quem ensinava capoeira e que morreram no conflito. Ele teme que a mesma situação se repita na República Democrática do Congo. O capoeirista fala também de recentes ataques à casas de integrantes e bases da Monusco. “A gente soube que foi uma ação articulada. Eles tinham equipamentos. Então não foi uma coisa somente do povo”, disse. O brasileiro acredita que, assim como na nação caribenha, manifestantes congoleses podem também estar sendo influenciados politicamente: “Eu, particularmente, acredito que houve, sim, uma uma influência de forças políticas, mas eu não falo políticas partidárias. E forças exteriores que influenciaram grupos de pessoas para realizar esses ataques”, suspeita. A capoeira o levou a viver nesses dois países, que ele considera "ricos em calor humano", porém com populações ameaçadas pelas realidades enfrentadas, como em várias regiões do Brasil. Flávio faz paralelos entre os três países e vê semelhanças com a própria infância. A capoeira na infância precária Flávio é o segundo mais velho de quatro filhos. Perdeu o pai aos 8 anos, fato que o marcou psicologicamente e desestruturou a família, inclusive financeiramente. A casa da avó passou a ser o novo endereço. Faltava dinheiro, mas não o apoio afetuoso de parentes e vizinhos e fé.  “Eu me lembro da minha avó fazendo o sinal da cruz na boca e dizendo: não tem o que comer, então, a gente tem que agradecer e aguardar que amanhã Deus dará”, lembrou. Foi na infância que conheceu a capoeira, através de um tio, de quem Flávio fala com muita admiração. As mesmas lições que aprendeu com ele o brasileiro usa para se enturmar nas áreas periféricas onde atua hoje. Os primeiros movimentos da capoeira lhes foram ensinados para que pudesse se defender, assim como faziam africanos escravizados. As lições de combate foram aperfeiçoadas com estudo e dedicação ao longo do tempo, o que o permitiu levantar hoje a bandeira da capoeira social como um instrumento transformador. Mestiço, o brasileiro revelou ter descendência italiana e espanhola, mas a melanina na pele não esconde as raízes africanas. Flávio contou como teve as primeiras percepções sobre cidadania e negritude. “A capoeira me deu essa noção, do reencontro com minha raiz, com a África, com meus ancestrais. Ela me trouxe essa questão identitária que me permitiu me posicionar e, sobretudo, conhecer a minha história, a história dos meus ancestrais e, a partir dai, a cidadania, que deve nascer do conhecimento das nossas origens”, explica. Saudade que virou sobrenome Com o falecimento do pai e a situação financeira da família cada vez mais difícil, a mãe de Flávio não conseguiu mais pagar a escola particular que ele frequentava. Como o desligamento da escola não foi oficializado, as cobranças continuaram. Sem quitar a dívida, foi impossível conseguir o documento necessário para fazer a transferência para outro colégio. Assim, Flávio cresceu com saudades da escola, mas não de braços cruzados. Aos 21 anos, ganhando a vida como ajudante de pedreiro, conseguiu terminar o então "primeiro grau" (hoje ensino fundamental) graças ao extinto Telecurso 2000, quando teve contato com um computador pela primeira vez. Projetos sociais transformaram a vida dele, que conseguiu entrar para uma universidade particular e estudar Publicidade. Adulto, ele passou a trabalhar em uma ONG no Rio de Janeiro. A atividade na capital o distanciou de muitas pessoas queridas em São Gonçalo, inclusive da turma da capoeira. Nos reencontros com algumas dessas pessoas ele sempre expressava sua saudade, ao lembrar dos encontros que já não eram tão frequentes. Foi desta forma que o sentimento virou seu sobrenome. Hoje Flávio é coordenador de uma programa da ONG Gingando pela Paz, criada em 2005 e que o levou a ser convidado para ir ao Haiti, em 2008. Por conta disso, abandonou a faculdade. “A missão no Haiti seria para um ano, mas fiquei lá oito anos”, lembra. A mudança para o Congo Em 2016, Flávio se mudou para o Congo, mesmo ainda sem dominar o francês, idioma oficial na ex-colônia da Bélgica. Hoje ele vê semelhanças entre as crianças do Congo, as do Haiti e as brasileiras, de São Gonçalo. "São crianças em situação de rua, que foram mobilizadas para grupos armados e estão em processo de desmobilização”, diz. Segundo ele, a maioria é menino, mas há também meninas, sobreviventes de violência sexual. “Os tipos de violência, de problemas que essas crianças carregam são enormes, mas são todas crianças”, ressalta. “São crianças que são 'ricas', que tem todo potencial para realizar muitas coisas boas na vida. Porém, são crianças que estão em um contexto de ameaças muito grande como eu estava em São Gonçalo, sobretudo a violência armada”, compara, lembrando das memórias da infância. A dificuldade de acesso à alimentação das crianças congolesas o remetem à vida na região metropolitana do Rio de Janeiro. Mas o brasileiro também se lembra de uma época em que se podia brincar na rua até tarde da noite, o que não é mais possível em várias regiões dos países onde ele morou. Se de um lado há o tráfico de drogas, que - como em áreas do Rio de Janeiro - se apresenta como uma arriscada opção para jovens ganharem muito dinheiro ilegalmente, do outro estão as milícias armadas, que não costumam dar às crianças o direito de escolha. “O agravante é que elas são ameaçadas pelo sequestro para integrar grupos armados. Na minha época não havia esse perigo, sendo forçado. O tráfico de drogas sempre esteve lá e entra quem quer, como até hoje é. Mas aqui existe essa problemática do recrutamento forçado de crianças para ingressar em grupos armados”, contou. Capoeira como instrumento transformador Ele concorda que a capoeira, apesar de reconhecida pela Unesco como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, não é muito difundida no Brasil, onde nasceu. Mas, no exterior, a manifestação afro-brasileira vem se popularizando e, graças a trabalhos como o desenvolvido por ele, transforma realidades. O brasileiro considera a capoeira uma “tecnologia social que permite a reconstrução dos laços de confiança e afetivos”. Vínculos que, no caso dessas crianças, muitas vezes foram cortados com o recrutamento dos grupos armados. “A capoeira nos permite ter a consciência de coletividade. Muito mais do que uma prática esportiva, uma modalidade marcial, na origem dela tem a coletividade, cooperação, tudo o que é necessário para que a comunidade consiga se manter, se reestabelecer enfrentar seus desafios”, explicou. A imagem positiva do Brasil entre os congoleses o permite circular em áreas onde estrangeiros normalmente não vão. “Acho que o Brasil carrega essa responsabilidade do país que agrega pessoas, que recebe, acolhe. Infelizmente hoje nós vemos o Brasil transmitindo uma imagem de violência, armamento, intolerância com os mais humildes, os mais vulnerabilizados”, lamenta ao se referir ao assassinato do congolês Moïse Kabagambe, de 24 anos, no Rio de Janeiro. “Para os congoleses, isso é difícil de entender, como um país que eles olham como um local de paz e segurança, acolhedor, pode tratar um irmão dessa forma”, contou. A violência armada, de certa forma, não permite ao brasileiro viajar mais pelo país famoso pelas belezas naturais, onde fica a segunda maior floresta tropical do planeta, atrás apenas da Amazônia. Mas o capoeirista sabe exatamente o que responder quando alguém pergunta, sem entender, o que ele ainda faz no Congo. “Muito embora existam tantos problemas aqui no Congo, eu estou aprendendo, na verdade, e eu estou ganhando, crescendo enquanto ser humano, pessoa e profissional. Acredito que a África tem muito a ensinar, sobretudo a brasileiros e toda a diáspora que acabou se afastando de coisas simples”, conclui. 

Portuguese For Listening With Eli And Friends
Episode 183: Talking about Rain

Portuguese For Listening With Eli And Friends

Play Episode Listen Later Aug 4, 2022 43:54


If you would like to have more information about our Conversation Club, please visit: https://portuguesewitheli.com/cah >> Do you want to understand more of what Brazilians say in Portuguese? Do you consider yourself at the intermediate level? Then grab one of our learning guides for free and see for yourself how much more you can understand after just one week. The grab your guide today, please follow this link: https://social.portuguesewitheli.com/convite And here is the monologue for your benefit: Antes, quando morava no Ceará, dificilmente me atentava à previsão do tempo. Era raro eles acertarem, e quando davam uma dentro, o acerto pegava todo mundo de surpresa. E lá não tinha muita variação, sabe? Ou estava um dia lindo, ensolarado, ou era tempo chuvoso. E no Ceará, quando chovia, não era esse chuvisco que os paulistas chamam de garoa. Era um aguaceiro medonho. E nos dias que ficavam que nem chovia nem fazia sol, com o tempo nublado, era um tempo abafado de deixar difícil de respirar. Nos dias de chuva, ali por meados de março, abril, a gente ia toda tomar banho de bica. Tinha que olhar bem para o telhado da casa, para ver se não era sujo. Às vezes, os gatos faziam cocô na calha, e era perigoso tomar banho com aquela água. Mas claro que, quando era um temporal, os pais não deixavam os filhos saírem. Quando me mudei para Salvador, vi que, aqui, a coisa é bem diferente. Primeiro, porque aqui faz um frio danado. A gente até precisa usar agasalho quando faz muito frio. E na época de chuva, cai sempre um toró. Acho que, como o mar é perto, o vento fica mais forte, e venta muito, de ouvir “uivo”, acredita? Pois é. O ruim da chuva em Salvador é que, como muitas casas infelizmente foram construídas em encostas ou perto delas, tem muito deslizamento. Quando a gente dá fé da coisa, vem aquele lamaçal descendo ladeira abaixo. É uma tristeza, porque muitas casas são destruídas assim e famílias perdem o seu lar. Agora, diferente do Ceará, ninguém aqui espera a chuva estiar não. O pessoal coloca uma capa, empunha um guarda-chuva e vai enfrentar o dia. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/portuguesewitheli/message

Convidado
Taiwan: “Ninguém está interessado numa intervenção militar”

Convidado

Play Episode Listen Later Aug 4, 2022 16:29


A China começou, esta quinta-feira, manobras militares nas imediações de Taiwan, em resposta à visita da presidente da Câmara dos Representantes americana, Nancy Pelosi. Jorge Tavares da Silva, analista de assuntos chineses da Universidade de Aveiro, explica que a reacção de Pequim era expectável e afasta a possibilidade de invasão chinesa a Taiwan, a não ser que o território declare a independência. A crise económica global também é um travão à guerra. RFI: A China começou manobras militares com fogo real nas imediações de Taiwan que são uma resposta directa à visita da da presidente da Câmara dos Representantes norte-americana, Nancy Pelosi, a Taiwan. Como interpreta esta resposta? Jorge Tavares da Silva, Analista de assuntos chineses da Universidade de Aveiro: Estas reacções por parte da China eram expectáveis. Não é nada de novo. Nós sabemos que sempre que temos acontecimentos políticos que incomodam o poder em Pequim, relacionados com Taiwan, Pequim reage sempre de forma negativa. Basta termos umas eleições em Taiwan que são adversas, como aliás a actual líder Tsai Ing-Wen é uma líder adversa aos interesses de Pequim, e sempre que há acontecimentos, visitas, sobretudo neste caso que ainda é mais incomodativo, há reacção militar. Exibição militar, demonstração de força, envio de navios para a região, para as águas circundantes, mandam sempre porta-aviões, mandam fragatas, há voos de aviões no espaço aéreo restrito de Taiwan. Esse é o tipo de reacções esperáveis, que não são novas e que também estão ligadas a uma liderança muito forte de Xi Jinping. O líder chinês, Xi Jinping, avisou o seu homólogo norte-americano, Joe Biden, na conversa que tiveram por telefone na semana passada, que “quem brinca com o fogo queima-se” em relação a Taiwan. Esta ameaça não ficou aquém da resposta que a China está a ter hoje? Sim, mas quem está a brincar com o fogo é a China. Quem está a demonstrar força, quem está a lançar mísseis, quem está a fazer toda esta demonstração militar é a China, não são os Estados Unidos. Aliás, temos que separar Estados Unidos de uma visita que - eu sei que tem evidentemente importância pelo cargo que ocupa a senhora Pelosi e não deixa de estar associado aos Estados Unidos - mas não deixa de ser também uma acção relativamente individual de alguém que não é muito bem vista pela China por todo o seu percurso pessoal, por todas as afrontas ao longo do tempo que a senhora Pelosi fez em relação à China. É alguém que não é bem vista. Isso não ajuda, mas não deixa de ser uma acção individual. Nancy Pelosi é, ainda assim, a terceira figura política dos Estados Unidos... Neste braço-de-ferro, diz que finalmente é a China quem está a brincar com o fogo por estar a fazer a demonstração militar, mas os Estados Unidos e a China podem entrar em guerra por causa de Taiwan? A China poderá invadir Taiwan ou vamos ficar sempre nas exibições militares e na retórica bélica? Ninguém está interessado numa intervenção militar. A China tenderá sempre, com a velha paciência chinesa, em tentar resolver a questão de Taiwan pela via pacífica. Isso faz parte da matriz chinesa e assim o fizeram ao longo dos anos. Só que a liderança chinesa, já por diversas vezes - não só Xi Jinping mas as várias lideranças anteriores, Jiang Zemin, por exemplo, também já o tinha dito - que a questão de Taiwan não pode ficar para sempre neste impasse e um dia admitiu que a questão de Taiwan pudesse - e eles começaram a admitir mais vezes isso - vir a ser resolvida de maneira militar. Mas só se a ilha declarar a independência, não? Sim, aí é flagrante, aí não há dúvidas. Aliás, estão mais de mil mísseis direccionados para a ilha de Taiwan – e estamos a falar da ilha de Taiwan porque é a principal, o território de Taiwan tem a ilha principal e outras ilhas mais pequenas e muitas delas até muito próximas da costa chinesa. Aí sim, teríamos uma guerra, não há dúvidas absolutamente nenhumas, e atenção que a senhora Tsai tem tendências independentistas. Em caso de afirmação de independência por parte de Taiwan, de maneira unilateral, aí não há dúvidas, haveria um conflito armado, a China faria uma intervenção armada imediatamente. Basta ver o arsenal de mísseis que está preparado para um contexto desses. Não é esse o contexto que está agora. O que temos agora é um princípio de uma só China que os próprios Estados Unidos vieram reafirmar. Durante a visita em que se reuniu com a líder Tsai Ing-Wen, Nancy Pelosi repetiu aquilo que Joe Biden tinha dito que a política norte-americana respeita o “princípio de uma só China”. Isto é suficiente para que o episódio Pelosi não passe disso? É muito bom para os ouvidos de Pequim porque o senhor Trump colocou uma vez em causa o princípio de uma só China e a senhora Tsai também não é muito seguro que defenda o princípio de uma só China. Ela, de vez em quando, não sendo muito clara, não tem muita vontade de defender este princípio de uma só China e, sobretudo, tem uma vontade de defender uma identidade taiwanesa. Isto é um desafio a Pequim que também não ajuda nada neste contexto. Joe Biden, apesar de tudo, veio pôr um bocadinho de água na fervura. Mas Joe Biden disse, há tempos, que estava disposto a defender militarmente o território… Sim, mas são duas coisas. Primeiro, temos o princípio de uma só China que é bom de ouvir para Pequim, ou seja, este princípio de uma só China não é alterado. Eu acho que Joe Biden veio pôr um bocadinho de água na fervura já a pensar nesta nova crise em Taiwan. Mas, simultaneamente, veio advertir – e aí acho que é o efeito Ucrânia – veio advertir a China de que se tentar resolver a questão de Taiwan pela via militar, os Estados Unidos poderiam intervir militarmente. Aí sim, é uma questão que me parece importante precisamente para que a China não tenha o ímpeto imediato de resolver a questão pela via da força. Precisamente, na altura em que a Rússia invadiu a Ucrânia, houve muitas vozes que disseram que esta invasão poderia dar ideias a Pequim de invadir Taiwan… Eu, no início, confesso que fiquei um pouco com essa ideia de haver essa relação… Tanto é que a Rússia também se manifestou contra a visita de Nancy Pelosi a Taiwan. Claro, é o conforto que o senhor Putin encontra agora numa crise entre os Estados Unidos e a China que é-lhe muito útil para poder criticar os Estados Unidos –e a própria NATO, mas aqui essencialmente os Estados Unidos. É-lhe muito útil, muito confortável ter agora aqui um problema para poder defender o seu ponto de vista também. Mas o que é também relevante do ponto de vista da Ucrânia em relação a Taiwan é que a China, no início do conflito, estava com toda a força a apoiar a Rússia. Inclusivamente, do ponto de vista interno, é muito interessante que Putin aparece nos primeiros dias de guerra quase como um herói nos meios de comunicação sociais chineses – aqueles que são possíveis, dirigidos evidentemente. Ele apareceu como um herói na opinião pública interna e a China condenou a NATO, os Estados Unidos de uma maneira muito clara, posicionando-se muito próximo da Rússia. Os dois líderes até disseram, logo no início quando se encontraram nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, que a parceria entre a China e a Rússia era sem limites. Temos que nos lembrar que a China não se compromete muito do ponto de vista internacional e aqui comprometeu-se, era quase uma aliança. Ora, o conflito começa e as coisas começam a não correr muito bem, pela reacção internacional, pelas sanções que começam a ser aplicadas. A China começou, por um lado, a tirar lições para a sua própria situação e começou tacticamente a recuar. Ainda que estrategicamente, continue posicionada politicamente próxima de Moscovo, tacticamente a China remeteu-se um bocadinho ao seu espaço. Mantendo a sua ambiguidade, remeteu-se ao seu silêncio estratégico para não prejudicar os seus interesses. Agora, não lhe toquem é na sua joia da coroa que é efectivamente Taiwan porque aí faz parte do ADN político da liderança de Xi Jinping que é ter a unidade nacional e não ser humilhada pelas potências internacionais, estrangeiras. Isto é algo de sagrado. No início da semana, o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, disse que a Humanidade está “a um erro de cálculo de aniquilação nuclear” porque "as tensões geopolíticas estão atingindo novos patamares”. Este é um alerta verosímil ou apenas um alerta para tentar refrear os ânimos globais? Eu acho que é um bom alerta no sentido que o mundo nos últimos anos está numa grande transformação. É uma ordem nova que eu, às vezes, até lhe chamo uma ordem emergente, uma ordem vinda daquilo que nós chamamos um Sul global, um Sul político: países como a Rússia e como a China que querem transformar uma ordem internacional dominada pelos Estados Unidos. Isto é uma fractura que está a acontecer claramente agora. Está a acontecer na Europa e está a querer acontecer na Ásia. É preciso também perceber que os Estados Unidos, como grande actor internacional do ponto de vista dessa ordem internacional tradicional, deixaram a Ásia um bocadinho a descoberto porque se foram envolver nas questões do Médio Oriente, no Afeganistão e em todos esses cenários. Deixaram a China a fazer um pouco aquilo que queria e a ocupar ilhas do mar do sul da China, a estabelecer ali perímetros de forma unilateral, afirmando-se militarmente em toda aquela região. Agora, os Estados Unidos estão a querer recuperar – porque estamos aqui numa competição forte – aquele papel que tiveram na Ásia. Aquilo que o Presidente Obama dizia do pivô da Ásia é aquilo que Joe Biden está a tentar recuperar. Ora, a China não aceita isto, não aceita que os Estados Unidos tenham um papel activo na Ásia. No fundo, quer a Ásia para os asiáticos, só que a China não é bem a Ásia para os asiáticos, é a Ásia para a China. É este tipo de poder, este tipo de confrontação, este tipo de competição que temos na Ásia, mas que também temos na Europa com a Rússia afrontando um bocadinho a ordem europeia no seu espaço mais circundante. Portanto, são dois grandes espaços de competição que estão em risco, quer dizer, já nem é risco, é guerra porque estamos com uma guerra na Europa e podemos vir a ter outra na Ásia porque é um espaço de imensa competição. Eu, de facto, olhando novamente para as palavras do Secretário-Geral das Nações Unidas, eu acho que ele tem razão. Nós estamos num momento de transição, num momento de mudança e as mudanças são sempre perigosas do ponto de vista internacional. Eu acho que é bem importante ouvir essas palavras porque ele tem bastante razão. Está a falar na vontade dos Estados Unidos recuperarem influência, mas numa altura em que os Estados Unidos enfrentam um risco de recessão económica, limitar ainda mais as relações com a China não é um tiro no pé? É. Acho que o discurso de Joe Biden com o Xi Jinping já foi um pouco a olhar para isso. Discute-se muito nos Estados Unidos se não deverão ser levantadas as tarifas aduaneiras que há desde a era de Trump. Toda a tensão e “guerra comercial” entre os Estados Unidos e a China estão a ser discutidos precisamente porque os Estados Unidos estão à porta de uma recessão económica. Isso, no meu ponto de vista, notou-se já um bocadinho na forma como Joe Biden lidou com Xi Jinping, olhando também para esta questão interna que não será nada positiva para a administração Biden. Se calhar é por aí que vamos ver o atenuar desta questão, abrindo do ponto de vista económico. Há um fortíssimo lobby das empresas americanas para aumentar e intensificar as relações económicas com a China. É preciso também não esquecer que a China está fechada. A China com a covid-zero também se tornou fechada, o que não ajuda muito. Essa é outra razão para a China não querer um conflito armado com Taiwan neste momento porque também está a passar por dificuldades económicas fruto da pandemia. Apesar de tudo, eu acho que o diálogo e a cooperação económica agora seriam muito bem-vindos para atenuar. Esta tal tensão entre a China e os Estados Unidos beneficia naturalmente a posição de Putin, portanto, até por aí seria uma derrota [para Putin] se houvesse um diálogo mais forte entre a China e os Estados Unidos. Abordou, no início da conversa, o perfil de Nancy Pelosi. Ela é uma das principais vozes críticas contra a China e, por isso, “persona non grata” em Pequim por vários motivos. Queria pedir-lhe para nos recordar os principais episódios que o mostram, desde a condenação a Tiananmen, à recepção de activistas pró-democracia de Hong Kong no Capitólio, às referências à situação dos uigures… O episódio mais marcante do percurso de Nancy Pelosi em relação à China, quando ela era ainda uma congressista muito nova, foi a crise de Tiananmen, em 1989, e aquelas vítimas todas. Ela foi uma fervorosa lutadora para que a China fosse condenada, para que fossem aplicadas sanções. Dois anos depois, numa comitiva do Congresso, com outros dois congressistas, vai à Praça Tiananmen, abre uma faixa no meio da praça onde diz “Por aqueles que morreram, pela democracia na China”. Evidentemente, apareceu logo a polícia por todos os lados, tiraram a faixa, afastaram os congressistas, prenderam alguns jornalistas que, entretanto, registaram o momento. Este é o principal incidente entre Nancy Pelosi e a China mas, depois disso, teve sempre intervenções muito críticas em relação, por exemplo, à questão dos direitos humanos. Por exemplo, é muito curioso porque ela é a representante da Califórnia. Ora, a Califórnia tem imensas empresas da área tecnológica – Silicon Valley e por aí fora - que têm no mercado chinês um excelente mercado para desenvolver actividade económica. Mesmo assim, ela insurgiu-se contra a transferência de tecnologia dessas empresas americanas para a China. Também criticou, por exemplo, o estatuto de Nação mais favorecida, que é um estatuto comercial que dá condições muito favoráveis do ponto de vista comercial à China. Depois, mais tarde, criticou a questão do Tibete, tem criticado a questão dos uigures da região do Xinjiang e também é uma voz activa em relação à democracia em Hong Kong estar a ser aniquilada. Nancy Pelosi foi sempre uma voz activa que incomodou Pequim ao longo dos anos e é evidentemente uma figura que Pequim não olha com muito bons olhos. Não ajuda muito o facto de ter este histórico todo de afrontamento ao poder chinês, daí que a China tenha mais um factor para reagir da maneira que está a reagir.

Bendita Sois Vós
Bendita Sois Vós #69 Eleição cor-de-rosa groselha

Bendita Sois Vós

Play Episode Listen Later Aug 3, 2022 54:26


No episódio de hoje, eleição cor-de-rosa groselha. Nesta eleição de 2022, o protagonismo feminino é, no mínimo, duvidoso. As chapas com chances reais de vitória não incluem mulheres e uma delas é abertamente machista. Acho que a essa altura não precisamos ficar aqui relembrando o que Jair Bolsonaro já falou das mulheres. De todo modo, ele tem apelado à esposa. Michelle discursou de maneira emocionada na convenção do PL e fez o marido chorar. A ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos Damares Alves (Republicanos) publicou um vídeo no qual chama Bolsonaro de "presidente mais cor-de-rosa da história". De cor-de-rosa, só uma batida de groselha feita com o que essa senhora fala. E talvez a tática esteja funcionando. Segundo a mais recente pesquisa Datafolha, Lula tem 18 pontos de vantagem sobre Bolsonaro no primeiro turno, mas o atual presidente tem crescido entre as mulheres. Ainda há duas chapas formadas apenas por mulheres: Simone Tebet e Mara Gabrilli, do MDB e PSDB respectivamente; e Vera Lúcia e Sofia Manzano, da aliança do PSTU com o PCB. Além disso, pode ser que Luciano Bivar, do União Brasil, desista da corrida e dê lugar à senadora Soraya Thronicke. É histórico, nunca houve tantas mulheres nessas posições, mas será que isso é relevante de verdade quando nenhuma delas é protagonista? Será que é mais uma mostra do retrocesso a que estamos todos submetidos? Afinal, no início desta semana, houve um recado. Manuela Dávila sofreu uma ameaça que sequer podemos reproduzir. O homem prometia agredir até a filha de Manuela. É esse o lugar que nos cabe na política brasileira?

Papo de Líder
539 – Papo de Líder – Vai encarar?

Papo de Líder

Play Episode Listen Later Aug 2, 2022 4:11


Oie! Bom dia Quantas vezes você perdeu oportunidades porque não teve coragem de encarar o desafio? Tinha medo... Não se sentia pronto... Achava que não merecia... Não tinha tempo... Desculpas não faltam para ficar parado, né? E a vida passa com o um sopro diante dos nossos olhos... Hoje irei fazer uma palestra e participar de lima mesa de discussão sobre carreira e auto desenvolvimento. Seria moleza ... Se fosse na minha língua nativa...rs... Farei isso falando espanhol, língua que a mais de 10 anos não pratico! Mas escolhi encarar ! E tenho certeza que irei mandar bem! Estou 100% pronto? NÃO ! Mas será que algum dia estarei? Acho que também não... Conto um pouco mais sobre isso e trago mais reflexões na minha #provocaçãdodia.... Mas é meu jeito de enxergar isso... E você? O que pensa a respeito? Bora conversar? *Ahhh... dois assuntos importante: 1) Finalizei ontem o DESAFIO smart work QUE ADOREI CONDUZIR... Foram muitas discussões ricas que podem ajudar muito quem quer trabalhar de forma inteligente construindo resultados sem se matar... Qualidade de vida com resultados... Dá pra assistir as aulas até sexta feira... Corre lá! Clica na aula 1 abaixo e vai navegando ... São 6 aulas ! https://www.desenvolvimentodelideres.com.br/dsw-aula1 2) Estão abertas as inscrições para o MÉTODO REALIZA, onde estarei bem p´roximo ajudando um grupo de no máximo 50 pessoas a construir seu próprio caminho de realizações em alta performance. Também só até sexta feira (ou quando completar as 50 vagas). Saiba mais aqui: https://allanpimenta.kpages.online/metodorealiza Abração #relacionamento #liderança #liderançahumanizada #gestãodepessoas #altaperformance #produtividade #rh #carreiras #protagonismo #autodesenvolvimento

Uma horinha sobre grana
Horinha #67 - Acho que dá

Uma horinha sobre grana

Play Episode Listen Later Jul 28, 2022 26:00


Amigos! Episódio de contação de caso (com um pezinho na psicologia econômica) e um tanto de perguntas e respostas. Tá na hora de comprar dólar? Como se preparar para a chegada de um bebê? Tesouro direto caiu, eu faço o que? Só dar o play! Material Complementar: https://www.amuri.com.br/financas-para-criancas  -- Um convite especial: Em outubro abro vagas para os meus programas de acompanhamento, o Dinheiro Sem Medo e o Finanças para Autônomos. Para ser avisado com antecedência e ganhar 25% de desconto na matrícula, acesse: https://www.amuri.com.br/me-avisa/  Links importantes: Assine minha newsletter e receba semanalmente conteúdo original sobre inteligência financeira → https://www.amuri.com.br/lista  Instagram→ https://www.instagram.com/eduardoamuri/  Telegram → https://t.me/canaldoamuri

CAUSOS DO GURI DE URUGUAIANA
#98 - Presente Mães

CAUSOS DO GURI DE URUGUAIANA

Play Episode Listen Later Jul 26, 2022 1:30


Chê! E esse ano eu já sei o presente que vou dar pra minha mãe. Um celular novo. Porque o celular dela tá que nem bolo de diabético! Não tem cobertura nenhuma! E pra vingar a minha infância, eu vou levar ela numa loja e falar assim: "Pode escolher o celular que tu quiser..." Depois que ela escolher eu vou dizer: "Vamos. Na volta a gente compra!" Que barbaridade! O problema de dar um celular novo pra ela é que aí sim que ela não vai mais sair do WhatsApp. Ela tá viciada em WhatsApp. Ela é daquele tipo de veia que dá bom dia às 6 da manhã com um gif animado de gatinho no Grupo da família! Que falta de opção. E depois que ela descobriu os emoji então… piorou! Ela escreve uma frase bota uns 10 emoji pra enfeitar… Oi filho, Leva o guarda chuva… Aí ela bota os emoji… guarda chuva, chuva, gota, peixe, baleia, jet ski, prancha de surfe… e mais uns nada a ver que ela bota pra enfeitar porque acha bonito.. umas florzinha lá. Acho que a veia passa uma meia hora só catando emoji pra decorar a frase! E ela não enxerga direito, aí ela digita ciscando… Só to com medo dela ganhar um celular novo e baixar esses joguinho de Candy Crush, não sei o que lá! Aí já viu… ninguém come mais lá em casa! Que barbaridade!

Sexo Explícito
Como usar o BDSM para sair da rotina

Sexo Explícito

Play Episode Listen Later Jul 25, 2022 38:32


Olá taradinhes, tudo bem com vocês? No episódio de hoje, a gente continua falando de BDSM, em homenagem ao Dia Mundial do BDSM, que foi no dia 24 de julho. Conversamos novamente com o Lucas Ares, dessa vez para falar sobre como podemos inserir o BDSM na nossa rotina para apimentar a relação. Acho que […] O conteúdo Como usar o BDSM para sair da rotina aparece primeiro em Sexo Explícito.

A Mesa
A Mesa #187 - A demissão de Turco no Galo: “O Problema não é o técnico, é o nosso analfabetismo”, diz PVC

A Mesa

Play Episode Listen Later Jul 22, 2022 36:57


Rizek, PVC e Junior analisam a saída de Turco Mohamed, mais um técnico estrangeiro no futebol brasileiro. A rodada, que ainda teve o Verdão se mantendo na liderança e conquistando simbolicamente o primeiro turno do Brasileirão, também foi pauta: “O Palmeiras foi evoluindo de acordo com o trabalho do Abel, que tem que ser ressaltado, essa é a demonstração da capacidade do treinador e da equipe”. A janela de transferências aberta na semana apresenta um Campeonato mais competitivo de caras novas. “Acho que este segundo turno vai ser melhor que o primeiro, no sentido da qualidade técnica”, destaca Junior.

Rádio Comercial - Momentos da Manhã
Eu acho que fazíamos um casal muito bonito. Parabéns Nuno Markl!

Rádio Comercial - Momentos da Manhã

Play Episode Listen Later Jul 21, 2022


Eu acho que fazíamos um casal muito bonito. Parabéns Nuno Markl!Full2249http://podcastmcr.iol.pt/rcomercial/7QXEK73F-21Q4-29PQ-NYEI-ADGSO3U6604C.mp3

Portuguese For Listening With Eli And Friends
Episode 181: Talking about Financial Losses

Portuguese For Listening With Eli And Friends

Play Episode Listen Later Jul 21, 2022 43:39


If you would like to have more information about our Conversation Club, please visit: https://portuguesewitheli.com/cah >> Do you want to understand more of what Brazilians say in Portuguese? Do you consider yourself at the intermediate level? Then grab one of our learning guides for free and see for yourself how much more you can understand after just one week. The grab your guide today, please follow this link: https://social.portuguesewitheli.com/convite Quando minha cunhada me convidou para participar de uma reunião de negócios, fiquei alvoroçado: fazia dois meses que tinha perdido o emprego e estava vendo minha poupança sendo corroídapelas despesas da casa. Uma chance de ter alguma receita entrando não podia me escapar pelos dedos, ainda mais quando até a sapatariaestava ameaçando protestar o meu nome. No dia da reunião, fui vestido mais formalmente, de terno, mas tive uma surpresa: todo mundo estava vestido bem casualmente. Tinha algo a ver com o fato de quererem “proporcionar uma atmosfera receptiva” ou coisa que o valha. De todo modo, eu estava dando na vista. Mas aí o figurão lá começou a apresentar a oportunidade de investimento – era para vender suplementos e outros produtos de alimentação equilibrada. Como ele mesmo disse, todo mundo quer perder peso, ganhar peso, ou manter o peso, então tinha cliente em todo lugar. Bom, até fiquei interessado, mas quais eram os termos do investimento? Afinal, não podia colocar meu dinheiro em qualquer lugar e ficar no prejuízo, especialmente agora que o que tinha mal dava para quitar as contas do mês. Depois que falei isso, o “presidente” – era assim que o chamavam – disse que eu sossegasse. Com um investimento módico de dez mil reais, eu adquiriria um estoque inicial de produtos. Poderia abrir um Espaço de Alimentação Saudável, vender tudo rapidinho e faturar até 35% limpossobre o valor de venda. Reinvestindo parte do montante do lucro, podia vender mercadoria suficiente para me garantir pelo menos seis mil reais de lucro líquido todos os meses. Um feito e tanto, concordei. E fui logo assinando. Uma semana depois, chegaram à minha casa vinte e cinco caixas com produtos diversos – potes, frascos e garrafas de suplemento e comida. Duas caixas vieram avariadas e os produtos, danificadose irrecuperáveis. Tudo bem. Já tinha alugado um Espaço e comecei a vender, mas os produtos eram muito caros. Meu bairro era popular. Fiquei triste, mas continuei. Um mês depois, meu negócio foi para o buraco. Tinha despesademais para pagar, e o que arrecadava mal cobria o aluguel do ponto. Agora estou aqui em casa, com quase oito mil reais empatados e um rombo enorme na minha conta. Acho que vou acabar entregando os pontos. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/portuguesewitheli/message

Rádio Comercial - O Homem que Mordeu o Cão, Temporada 3
O que se passou com aquele periquito, e será que ele foi atencioso com o velhinho? Acho bem que tenha sido

Rádio Comercial - O Homem que Mordeu o Cão, Temporada 3

Play Episode Listen Later Jul 20, 2022


FHOXCast
Sebastião Salgado: ‘Foto instantânea de celular não tem valor estético'

FHOXCast

Play Episode Listen Later Jul 20, 2022 8:41


O título aqui deste conteúdo foi a chamada da entrevista de Sebastião Salgado para a edição mais recente da Veja Rio dessa semana

O Antagonista
Bolsonaro, horas antes de anúncio sobre gasolina: "Petrobras vai dar boa notícia"

O Antagonista

Play Episode Listen Later Jul 19, 2022 0:49


Jair Bolsonaro (PL) disse a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada que a Petrobras "vai achar seu rumo" e "começar a dar boas notícias". A declaração foi dada horas antes do anúncio feito pela estatal sobre a redução no preço do gasolina. "Acho que a Petrobras vai achar seu rumo agora, [com um] novo presidente. Vai começar a dar boa notícia para a gente", afirmou o presidente. A redução será de R$ 0,20 no preço da gasolina vendido para distribuidoras e entrará em vigor amanhã. O anúncio foi feito três semanas após Caio Paes de Andrade assumir a presidência da estatal. Bolsonaro (foto) vinha pressionando a Petrobras pela redução nos preços dos combustíveis, o que ocasionou na queda de José Mauro Coelho, antecessor de Caio. Após o anúncio oficial da estatal sobre a queda no preço da gasolina, Bolsonaro escreveu no Twitter: "Brevemente o Brasil terá uma das 'gasolina' mais barata do mundo." Cadastre-se para receber nossa newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Brasil-África
Brasileira vivendo em Ruanda conta que nem tudo é “cor de rosa” no mundo das organizações na África

Brasil-África

Play Episode Listen Later Jul 17, 2022 7:45


Desmotivada a continuar trabalhando no meio corporativo, e “cansada de contar diariamente milhares de mortos por causa da Covid-19 no Brasil”, em novembro do ano passado Caroline Haddad resolveu se mudar para Ruanda, pequeno país do leste africano com uma população equivalente a da cidade de São Paulo. Vinicius Assis, correspondente da RFI na África do Sul Ela não veio fazer voluntariado, mas o objetivo era trabalhar com algo mais focado em questões sociais, em vez de continuar apenas “vendendo pasta de dente”, como ela disse durante a entrevista na casa compartilhada onde mora atualmente na capital, Kigali. “Eu nunca tinha pisado em um país do continente (africano)”, destacou. Ela reconheceu que a imagem que tinha em mente era a do estereótipo associado ao genocídio contra os Tutsis, em 1994. “Ruanda, acho que é um ponto fora da curva no continente. Pegando especificamente Kigali, é uma cidade super organizada, limpa, arborizada. Não é aquele ‘mar de gente' andando pela rua, que é o que você imagina em uma capital, principalmente em um país em desenvolvimento”, conta ao falar sobre o que mais a surpreendeu aqui. Caroline nasceu em São Paulo. Cresceu em Araraquara, no interior, e voltou para a capital mais tarde, onde se formou em Comunicação com ênfase em Marketing. Também fez mestrado em Comunicação de Marcas, na França. O cansaço com o ambiente em que trabalhava a fez tomar uma decisão no fim de 2017: era hora de dar uma pausa. No ano seguinte começou a viajar, trabalhando remotamente com consultorias. “Essa é a vantagem de não ter emprego fixo: eu poderia ficar quatro ou cinco meses viajando (e trabalhando)'', lembrou. Descoberta do trabalho de Oranizações Internacionais Assim foi entre 2018 e 2019. A ideia para os meses seguintes já era conhecer países do leste africano, mas veio a pandemia. Foi neste período que ela conversou, em São Paulo, com um brasileiro que morava em Kigali sobre o trabalho dele em uma organização internacional sem fins lucrativos que assiste pequenos agricultores ruandeses. Caroline trabalha nesta empresa atualmente. A experiência a tem feito refletir sobre este setor, que ela não conhecia. “Trabalhar para uma organização que tem um propósito mais social eu acho que é diferenciador”, disse. Mas ela contou o que a surpreendeu e pode decepcionar algumas pessoas que também querem vir trabalhar com o foco no lado social no continente africano. “Algumas questões acabam passando normalmente pela mesma estrutura que você passa trabalhando para uma grande empresa. Tem toda a coisa do corporativo, das relações interpessoais, da burocracia do escritório, principalmente se você trabalha em grandes organizações. Talvez a gente idealize muito, por entender que (o trabalho) é um propósito maior. A gente idealiza aquela estrutura e ela também acaba passando por questões que são sistemáticas no mundo que a gente vive”, esclareceu. A brasileira destaca que essas grandes organizações vivem de financiamentos, principalmente, de grandes fundações bilionárias e na maioria das vezes beneficiam organizações internacionais em países africanos, em vez das locais. Boa parte dos recursos é usada para manter essas grandes estruturas funcionando. Ou seja: nem sempre a maior parte do orçamento é usada em benefício direto da população. “Existe um fluxo grande de financiamento que vem, na teoria, para redistribuir riquezas, mas ele acaba voltando para organizações que são também internacionais, que têm a maior parte da liderança de pessoas estrangeiras morando em África”, lembra. Choque de culturas Caroline ainda fala do choque de pensamentos, ao enfatizar que, em vez de respeitar culturas locais, muitas vezes essas lideranças estrangeiras trazem um jeito de pensar e agir que é de fora e, mesmo assim, tentam adaptar isso à realidade local, o que nem sempre funciona. “Eu não contava com isso. Acho que isso é uma questão a ser levada em conta (por quem quer vir para cá fazer o mesmo). Não sei se trabalhando em uma organização brasileira no Brasil eu teria este tipo de observação e crítica. Gera uma certa confusão. Estou aqui para um bem social, mas por outro lado beneficiando uma organização que é estrangeira e que lida com milhões, bilhões de dólares, e de que modo que isso é revertido para a população local”, desabafou. Nem sempre ela vai às áreas rurais onde estão os pequenos agricultores, regiões com infraestruturas bem diferentes das que se vê na capital. É neste ambiente que ela se dedica mais às pesquisas, tem um contato direto com a população que mais precisa de ajuda para se desenvolver economicamente. “Quando converso com os agricultores acabo esquecendo um pouco o que está acontecendo no mundo dos escritórios”, diz. A maior parte das tarefas ela desenvolve remotamente, mas também já esteve em países como Tanzânia, Zâmbia e Quênia por conta do trabalho. No dia da entrevista, a brasileira levou a reportagem para um tour gastronômico em Nyamirambo, uma popular região de Kigali onde vivem muitos muçulmanos. A capital ruandesa faz jus a fama de mais limpa do continente africano, embora os desafios urbanos existam aqui também. A vida em Ruanda Caroline se considera uma pessoa bem crítica e destaca a influência do autoritário governo de Ruanda no dia a dia da população. O país é comandado pelo mesmo homem há mais de 20 anos. O presidente Paul Kagame tem influência na política de Ruanda desde os anos 1990, quando houve o genocídio contra uma das três etnias do país. Fala-se em quase um milhão de mortos naquele sangrento ano de 1994. Este ainda é um assunto delicado para se tocar com quem não se conhece bem por aqui. A pele bronzeada e os lisos cabelos escuros que fariam Caroline ser chamada de morena no Brasil a fazem ter um tratamento privilegiado, como uma branca estrangeira em Ruanda. Ela ressalta que Kigali é uma cidade muito segura, o que para ela também tem a ver com este autoritarismo do governo. É comum ver policiais e até seguranças privados armados com fuzis nas ruas. Apesar das críticas ao chamado terceiro setor, ela recomenda a experiência, mas com cautela. “Se a pessoa tem interesse em conhecer esse mundo do desenvolvimento internacional é uma experiência importante, inclusive para ter essa percepção mais de perto. Mas tem de vir com a consciência de que não é tudo lindo, ‘cor de rosa', que existem questões mais complexas que passam por essa questão de, alguma forma, ainda se hierarquizar o que é ocidente, europeu, americano, e o que é ‘não ocidente', o sul global. No caso, a África, mas pode ser a América do Sul. Então é preciso ter consciência de que isso ainda existe, esse predomínio do norte global sobre o sul global”, conta. Ela considera a atual experiência “válida”, mas continua se fazendo perguntas como “a quem estou beneficiando com meu trabalho? A quem estou dedicando minha energia?”. A brasileira deixa transparecer que Ruanda não é onde pretende passar o resto da vida. Quer voltar ao Brasil um dia e acredita que esta experiência também a ajudará quando este momento chegar. “A gente, sim, tem questões muito sérias no nosso país, mas a gente tem a clareza de onde a gente deveria ou poderia ir. E isso de alguma forma até me dá mais motivação talvez em voltar para o Brasil em algum momento e também saber qual o nosso papel, o que a gente pode fazer pelo país”, finalizou. 

College Football Live
BIG 12 MEDIA DAYS - DAY 2

College Football Live

Play Episode Listen Later Jul 14, 2022 52:22


Wendi Nix, Sam Acho, Dusty Dvoracek and Andre Ware break down Day 2 of Big 12 Media Days. Steve Sarkisian talks Texas' impending move to the SEC, Brent Venables discusses Year 1 at Oklahoma and Acho gives us his ultimate Big 12 player. Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Convidado Extra
Saramago pelo teatro amador não é um Contra-Senso

Convidado Extra

Play Episode Listen Later Jul 12, 2022 34:08


Sónia Castro e Marina Subtil, do Teatro Contra-Senso, falam de “P.S. Acho que deves continuar a escrever.”, peça construída a partir de textos seleccionados de uma dezena de obras de José SaramagoSee omnystudio.com/listener for privacy information.

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Should KD want to reunite with Steph Curry? + Would Kyrie Irving help or hurt the Lakers? + Wiley & Acho's Top 5 Duos in the NFL

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later Jul 4, 2022 91:35


Baseball fans - listen to Flippin' Bats w/ Ben Verlander: https://listen.foxaud.io/FlippinBats?sid=sfynew 00:00 Should Kevin Durant want to reunite with Steph Curry? 16:30 Would Kyrie Irving help or hurt the Lakers? 28:21 Can Tua Tagovailoa “re-establish” the culture in Miami? 36:58 Wiley & Acho's Top 5 Duos in the NFL 49:18 Would Kyrie Irving make the Lakers title contenders? 1:05:20 Should the Warriors have interest in a KD reunion? 1:15:45 Confident Zion Williamson will live up to his max deal? 1:25:39 Will Davante Adams regret leaving Aaron Rodgers? 1:28:32 Baker Mayfield Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Wiley & Acho react to Kevin Durant requesting a trade from the Nets

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later Jun 30, 2022 81:10


Baseball fans - listen to Flippin' Bats w/ Ben Verlander: https://listen.foxaud.io/FlippinBats?sid=sfynew Report: Kevin Durant requests a trade from the Nets Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Meio Ambiente
Conferência do Oceano busca avanços para acordo global de proteção

Meio Ambiente

Play Episode Listen Later Jun 30, 2022 26:21


A Conferência do Oceano acontece nesta semana em Lisboa, cinco anos depois do último encontro de alto nível promovido pela ONU para abordar a proteção dos ecossistemas marinhos. Adiado dois anos pela pandemia, o evento busca acelerar um consenso quanto à importância de um acordo global para proteger os ecossistemas marinhos, a exemplo de outros temas ambientais que chegaram a tratados entre os países, como o clima. A última grande conferência da ONU sobre o assunto tinha acontecido em 2017, e esta agora é a apenas a segunda. Mas esse quadro está se revertendo, inclusive no âmbito da ONU. A relevância do tema é cada vez menos questionada: os oceanos cobrem 70% da superfície do planeta e geram mais de 50% do oxigênio que os seres vivos respiram sobre a Terra. "A emergência climática só não está mais grave porque o oceano foi barrando isso enquanto conseguia, removendo CO2 da atmosfera”, ressalta o professor Ronaldo Christofoletti, do Instituto do Mar da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e presente em Lisboa. "Mas enquanto ele segurou, ele começou a cansar. Já começamos a ter sinais muito claros disso: o oceano está pedindo ajuda. E ainda há tempo de fazermos diferente." A Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável, fixada pelas Nações Unidas entre 2021 e 2030, foi crucial para aumentar a mobilização em torno do assunto. Mas um amplo acordo global sobre o oceano ainda parece distante. "Quem sabe na próxima conferência, em 2025. Acho que todos os arranjos necessários para que esse acordo vá sendo construído coletivamente estão sendo feitos”, avalia Christofoletti. "A gente teve um exemplo recente, sobre os plásticos, com um acordo especificamente para o lixo no mar. Já é um grande avanço, mas ainda teremos de trabalhar mais um pouco por um tratado global.” Áreas protegidas Em março, os países reunidos na Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente no Quênia chegaram às bases de um texto para limitar a poluição por plásticos, que mata a cada ano 100 mil mamíferos marinhos. A expectativa é de que um pacto formal sobre o tema seja assinado em 2024. A cúpula em Lisboa, com representantes de cerca de 100 países, empresas e a sociedade civil, também pretende avançar rumo a um compromisso para frear a pesca excessiva. Hoje, um terço das espécies selvagens de peixes são pescados além dos limites que garantem a sua sobrevivência. Passar dos atuais menos de 10% de áreas marinhas protegidas para 30% é outro grande desafio, que a ONU se coloca para 2030. Nesta quarta-feira (29), uma centena de países se comprometeram com este objetivo em Lisboa – pouco mais da metade dos 193 que compõem as Nações Unidas. "São tantas frentes: plásticos, produtos químicos, fertilizantes, que chega a dar um desespero. Mas tudo isso tem duas raízes: as atividades humanas, que podem ser regulamentadas, e colocar em prática o que a gente combinar, pelas leis”, observa Alexander Turra, professor titular do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo e coordenador da Cátedra Unesco para a Sustentabilidade do Oceano no Brasil. "Não há antagonismo entre a natureza e a economia, o desenvolvimento. Outro aspecto é a pobreza: ela é um sintoma de um modo insustentável da sociedade”, sublinha o especialista. “Racismo oceânico" A maneira como o oceano é tratado reflete o nível de desenvolvimento de cada país. O velho embate entre nações desenvolvidas e em desenvolvimento também emerge nos temas relacionados aos oceanos: como exigir dos países pobres mais cuidado com a gestão do mar sem ajudá-los a financiar os mecanismos mais adaptados, menos nocivos ao ambiente marinho? “A gente precisa de um sentimento de empatia, de cooperação. A vulnerabilidade a que milhões de pessoas estão expostas precisa ser combatida, inclusive aquelas que estão morando no que chamamos de aglomerados subnormais, que são áreas de risco como encostas, áreas de manguezal – que são, também, mais sujeitas aos efeitos das mudanças do clima”, salienta Turra. “Isso nos remete ao racismo oceânico, o racismo ambiental. As pessoas que acabam sofrendo desproporcionalmente mais com essa situação são as pobres, as negras, todas as que estão à margem da sociedade hoje.” Para ouvir o podcast Planeta Verde, clique no alto

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Kyrie's return to Brooklyn, Baker Mayfield's future, Wiley & Acho's Top 5 NBA Duos

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later Jun 28, 2022 72:42


Baseball fans - listen to Flippin' Bats w/ Ben Verlander: https://listen.foxaud.io/FlippinBats?sid=sfynew 00:00 How should the Nets feel about Kyrie's decision to opt-in to the $36.5M player option with Brooklyn? 13:44 How does Baker look after his comments about Cleveland? 25:30 Wiley & Acho's Top 5 NBA Duos 35:58 Kyrie Irving  50:14 Belle & Peterson boxing exhibition 1:00:06 Are the Bills the best team in the AFC? 1:04:59 Who should feel better right now: Lakers or Nets? 1:09:30 John Wall + Clippers Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Deshaun Watson latest, Should LeBron want to reunite with Kyrie Irving?, Wiley & Acho's Top 5 Scariest QBs

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later Jun 27, 2022 94:39


Baseball fans - listen to Flippin' Bats w/ Ben Verlander: https://listen.foxaud.io/FlippinBats?sid=sfynew 00:00 Deshaun Watson latest 19:54 Should LeBron want to reunite with Kyrie Irving? 29:30 Sha'Carri Richardson 46:55 Wiley & Acho's Top 5 Scariest QBs 57:05 Kevin Durant 1:14:00 Are the Lakers a better option for Kyrie than the Nets? 1:19:56 Colin Kaepernick 1:24:39 AFC West vs. AFC North Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Meio Ambiente
Reportagem: como a Suécia se tornou um laboratório mundial de bairros sustentáveis

Meio Ambiente

Play Episode Listen Later Jun 24, 2022 23:14


A Suécia, um dos países mais desenvolvidos do mundo, também está na ponta da inovação para tornar as cidades mais sustentáveis. O país é pioneiro no planejamento de bairros ecológicos – da reciclagem e reutilização do lixo ao tráfego urbano, da autossuficiência em energia à ampliação dos espaços verdes, tudo é pensado para limitar as emissões de CO2 e a degradação ambiental. Lúcia Müzell, enviada especial a Estocolmo A RFI visitou dois bairros modelos de Estocolmo, escolhida a primeira capital verde europeia em 2010. A transformação do primeiro deles, Hammarby Sjöstad, se iniciou há 30 anos e já passa por novas modernizações, para se tornar neutro em emissões de gases de efeito estufa até o fim da década. O segundo, Stockholm Royal Seaport, ainda está em construção e almeja ser ambientalmente positivo até 2040. Isso significa estar livre dos combustíveis fósseis e produzir mais energia do que consome, graças aos painéis fotovoltaicos espalhados pelos telhados e fachadas dos prédios, a uma maior eficiência energética e à transformação do lixo em biocombustível, utilizado para o aquecimento dos imóveis durante os dias frios. Em um país nórdico com temperaturas glaciais durante boa parte do ano, a melhor época para visitar os dois bairros é a primavera, quando uma parte crucial dos projetos, ter ao menos 40% de áreas verdes, pode ser apreciada. Em poucos metros de caminhada, a diferença é sentida pelos olhos e ouvidos. Bicicletas, patinetes e carrinhos de bebê tomaram, literalmente, o espaço outrora ocupado por carros e ônibus barulhentos. No Stockholm Royal Seaport, a meta é cortar a circulação de veículos motorizados em pelo menos 40% – e a maioria deles já são elétricos. Numa tarde ensolarada, os suecos se dão ao direito de trabalhar nas praças, que se sucedem a cada esquina nestes bairros. Os longos trechos à beira do Mar Báltico são os preferidos dos praticantes de esportes e para passeios em família. "Estamos mais próximos da água, da natureza, o que é muito bom. Todos estamos muito preocupados com o que está acontecendo com o meio ambiente”, comenta Katarina, funcionária de uma multinacional sediada em Estocolmo e que escolheu morar em Hammarby Sjöstad há sete anos. "Aqui é bacana. Nós temos um ótimo transporte, então não precisamos de carro”, diz a moradora Daiana, enquanto passeia com as duas filhas pequenas. "Sabemos o quanto as pessoas estão estragando a natureza, então é muito importante para mim ser consciente sobre isso e tomar atitudes para diminuir o nosso impacto ambiental.” Ruas em escala humana Nesta lógica em que os carros e caminhões não são bem-vindos, as ruas foram planejadas para receber mais pedestres. Elas não têm meio-fio nas calçadas, que dificultam a circulação das pessoas, e os acessos aos transportes públicos são facilitados. Os espaços para estacionamento são limitados – para dar lugar às ciclovias.  A rua assume a escala humana, e não mais das máquinas. Os acessos aos transportes públicos também são facilitados: em vez de escadas, rampas, escadas rolantes. A dinâmica de proximidade é outro ponto alto dos bairros sustentáveis, planejados para ter serviços e comércios a no máximo 200 ou 400 metros de distância de qualquer residente – assim, os deslocamentos a pé acabam privilegiados. A economia circular também é estimulada, com hortas comunitárias e lojas de revenda de produtos usados. "É muito bom morar aqui, especialmente para as crianças. Você tem tudo: comércios, parquinhos, a natureza. E é muito perto do centro da cidade”, atesta Jacob, há três anos em Royal Seaport. “Acho que ainda não reciclamos o suficiente e que podemos comprar menos. Eu tenho tentado comprar cada vez mais objetos de segunda mão”, afirma Daiana. Quatro lixeiras em casa Em casa, os moradores já se habituaram a separar o lixo em quatro diferentes compartimentos: papéis e plásticos, metais, dejetos alimentares e os que não se enquadram nas categorias anteriores, como fralda descartável. "Estamos tentando combater o problema da poluição cuidando do nosso lixo de uma maneira sustentável”, observa o desenvolvedor Léon Martinez, outro morador de Hammarby Sjöstad, afirmando ter sido fácil se adaptar ao sistema. Separados, os resíduos são aspirados por uma rede quilométrica subterrânea, que encaminha cada tipo de material para o respectivo centro de tratamento. Os caminhões de lixo circulando na superfície pertecem, portanto, ao passado. O projeto prevê um máximo de 1,5 quilo de lixo residual – que não pode ser reciclado – por habitante, por semana. Os restos de alimentos viram biocombustível. O calor dos líquidos residuais do lixo é reaproveitado na rede de calefação e como adubo para as plantas. Da mesma forma, a água usada é reaproveitada para a irrigação dos jardins, dentro do objetivo de o uso de água ser 30% menor nestes bairros, na comparação com o resto da cidade. "Você tem fazer com que seja algo legal separar o lixo, que seja fácil. Você tem que fazer ser possível trabalhar mais de casa”, recomenda Sofie Pandis Iveroth, autora de uma tese de doutorado que se tornou referência nos estudos sobre o bairro pioneiro de Estocolmo, e especialista sênior em cidades sustentáveis do grupo Anthesis. "Você pode fazer com que seja possível plantar alguns legumes ali mesmo no seu bairro e, desta forma, você talvez encurte a distância entre os humanos e a sua dependência da natureza”, exemplifica. Melhorias em curso É claro que nem tudo saiu como planejado – após 20 anos, a queda de consumo energético em Hammarby Sjöstad não foi de ao menos 40% por morador, como esperado, mas de cerca de 30%. As falhas no projeto original deram origem a iniciativas cidadãs para aumentar a ambição ambiental, como o Electricity. A organização, que reúne associações de moradores, especialistas e empresas públicas e privadas, é focada em dar mais ênfase à transição para a mobilidade elétrica – menos poluente – e à economia circular. "Quando fomos morar lá, achamos que não era tão bom quanto poderia ser. Então iniciamos o projeto Hamarby Sjöstad 2.0, trazendo as últimas inovações climáticas e tentando torná-lo ainda melhor do que já era”, conta Rickard Dahlstrand, CTO da organização. Até os anos 1990, toda a região era uma zona portuária poluída e degradada da cidade. Atualmente, cerca de 25 mil pessoas vivem no bairro, que continua a se expandir.  "Analisamos a questão energética das bases do prédio até o telhado. Tinha muitas coisas erradas, que fomos conseguindo consertar e resultaram em economias para todos. Diminuiu muito, por exemplo, o desperdício de aquecimento dos apartamentos”, sublinha, referindo-se ao gasto que mais pesa não só na conta de energia, como na pegada de carbono das famílias. O isolamento térmico de vários prédios passou por reformas, que incluíram ainda um novo sistema de reaproveitamento e estocagem do próprio calor. "Microrredes” foram estabelecidas para compartilhar a calefação entre um grupo de imóveis vizinhos, explica Dahlstrand. Os moradores podem acompanhar os detalhes do consumo energético em tempo real, por um aplicativo no celular. Cada cidade encontra o seu modelo Para Sofie Pandis Iveroth, o grande legado do primeiro bairro ecológico da Suécia, e um dos primeiros do mundo desenvolvido, foi introduzir uma visão holística sobre os desafios ambientais em uma área urbana. Cada cidade, insiste, tem seus próprios potenciais a serem desenvolvidos. “Nós temos que pensar em como sustentar todo o sistema, e não só os prédios. As soluções em Hamarby e Royal Seaport são tecnicamente focadas – e é claro que você precisa de técnicas para desenvolver um bairro sustentável, mas eu acho que tudo depende de como você está olhando para este bairro para torná-lo mais sustentável do que ele é”, indica a especialista. "Muitas vezes, pega-se uma solução de uma parte do mundo e tenta-se transportá-lo para um outro contexto, sem parar para pensar no que já tem ali e o que pode ser feito.”

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Does KD need another ring to validate his legacy? + Wiley & Acho's Top 5 AFC Teams

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later Jun 22, 2022 93:26


Baseball fans - listen to Flippin' Bats w/ Ben Verlander: https://listen.foxaud.io/FlippinBats?sid=sfynew 00:00 Does Kevin Durant need another ring to validate his legacy? 20:54 Is Lamar Jackson smart betting on himself? 32:10 Wiley & Acho's Top 5 AFC Teams 42:42 Can Russell Wilson lead the Broncos to the Super Bowl? 53:48 Has Steph Curry surpassed Kevin Durant in all-time rankings? 1:07:50 Does Kyler Murray get enough respect? 1:16:21 KD & Kyrie 1:21:20 Is Trey Lance more Aaron Rodgers or Jordan Love? 1:26:20. Who was Tom Brady's greatest teammate? Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Warriors win the NBA Finals, Tracy McGrady joins the show, Wiley & Acho's Top 5 PGs of All Time

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later Jun 17, 2022 93:23


Football fans - listen to The Number One Ranked Show w/ RJ Young for FOX Sports' USFL & College Football coverage: https://listen.foxaud.io/NumberOneRankedShow?sid=sfy 00:00 Warriors win the NBA Finals 15:50 Were the Finals a bad look for Jayson Tatum? 29:53 Where does Steph Curry rank all time? 45:18 Impressed with the Warriors or disappointed in the Celtics? 55:33 Wiley & Acho's Top 5 PGs of All Time 1:06:58 Is this the beginning of another Warriors dynasty? 1:17:56 Does this Warriors title impact Kevin Durant's legacy? 1:21:54 What did you learn about Tatum? 1:26:29 Klay Thompson calls Jaren Jackson Jr. a “bum" Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Would a win tonight cement Steph as a top 10 player all-time? + Wiley & Acho's Top 5 players in the NFL

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later Jun 16, 2022 91:13


Football fans - listen to The Number One Ranked Show w/ RJ Young for FOX Sports' USFL & College Football coverage: https://listen.foxaud.io/NumberOneRankedShow?sid=sfy 00:00 Would a win tonight cement Steph as a top 10 player all-time? 22:14 Do you trust Jayson Tatum with the season on the line? 30:14 Should Lamar Jackson play without a new deal? 38:17 Would Steph Curry surpass Kevin Durant with another ring? 51:01 Wiley & Acho's Top 5 Players in the NFL 59:32 Would this be the Warriors' most impressive Finals win? 1:11:55 More pressure tonight: Steph Curry or Jayson Tatum? 1:22:33 Confident the Celtics will force a Game 7 tonight? 1:27:58 Can Andrew Wiggins steal Finals MVP tonight? Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Deshaun Watson allegations, Warriors' Game 5 win, Wiley & Acho's Most Valuable Non-QBs

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later Jun 14, 2022 49:11


00:00 Deshaun Watson allegations 14:45 Did the Warriors lock up the Finals with their Game 5 win? 23:30 Steph Curry 32:33 Wiley & Acho's Most Valuable Non-QBs Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
NBA Finals Game 4: Must-win for the Warriors? + Wiley & Acho's Top 5 NFC Teams

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later Jun 10, 2022 45:32


Football fans - listen to The Number One Ranked Show w/ RJ Young for FOX Sports' USFL & College Football coverage: https://listen.foxaud.io/NumberOneRankedShow?sid=sfy 00:00 Is tonight a must-win game for the Warriors? 11:18 Is Draymond Green under the most pressure tonight? 24:44 Wiley & Acho's Top 5 NFC Teams 35:00 Can the Warriors still win this series? 40:40 Keep It 99 Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

O Antagonista
“Se afundar a economia, afunda todo mundo”, diz Bolsonaro, sobre ‘teto do ICMS'

O Antagonista

Play Episode Listen Later Jun 9, 2022 0:41


Em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada na terça-feira, mas divulgada apenas hoje, Jair Bolsonaro disse que os governadores serão solidários ao projeto que estabelece um teto para o ICMS de combustíveis, gás de cozinha e serviços de comunicações. Hoje, o Senado começou a discutir a proposta. Os estados são contra o projeto, pois geraria uma perda de arrecadação de R$ 83,5 bilhões. O texto deve ser votado na segunda-feira que vem. A proposta também zera as alíquotas de PIS/Cofins sobre os combustíveis. “O projeto já passou na Câmara, passou com 3 votos contrários. Está no Senado. Mas os governadores sempre exerceram uma influência no Parlamento. Não vi os governadores estarem contra isso, porque só salva a economia do Brasil. Se afundar a economia, afunda presidente, governadores, prefeitos e todo mundo. Acho que os governadores vão ser solidários, vão perder alguma coisa também. Vão perder não, mas deixar de arrecadar”, disse Bolsonaro. Cadastre-se para receber nossa newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Is tonight already a must-win for the Celtics?, Does Steph dominate like MJ? Wiley & Acho's Top One-Team Stars

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later Jun 9, 2022 45:33


Football fans - listen to The Number One Ranked Show w/ RJ Young for FOX Sports' USFL & College Football coverage: https://listen.foxaud.io/NumberOneRankedShow?sid=sfy 00:00 Is tonight already a must-win for the Celtics? 12:35 Does Steph Curry dominate like Jordan? 29:20 Wiley & Acho's Top One-Team Stars 38:57 Curry vs. Tatum 42:25 Draymond Green Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

O Antagonista
CORTES DO PAPO: Ciro Gomes: "Eu e Simone mandamos uns 'zaps' um para o outro"

O Antagonista

Play Episode Listen Later Jun 4, 2022 2:18


Em entrevista a Claudio Dantas no Papo Antagonista, o pré-candidato à presidência pelo PDT, Ciro Gomes, revelou nesta sexta-feira (3) que mantém contato com a também pré-candidata à presidência Simone Tebet, do MDB. Questionado sobre uma possível articulação, ele demonstrou que ambos se mantém em diálogo constante. "Aqui e acolá, eu e a senadora Simone mandamos um zapzinho um com o outro", disse Ciro gomes a Cláudio Dantas no Papo Antagonista. "Mas não é nada de entendimento ou de acordo." Ciro defendeu que o debate nas eleições tenha de ser sobre crise econômica e de governo pela qual o Brasil passa - e isso poderia contar com a visão da senadora, desde que o MDB fosse mais claro sobre até onde irá a sua campanha e o apoio dos seus líderes partidários. "A rigor, eu não sei o que a senadora Simone pensa de todos esses gravíssimos assuntos do país", afirmou. "Acho que ela é uma boa pessoa, e nunca deixei de dizer isso - mas para mim ela é uma grande incógnita, assim como o que ela pensa para o Brasil." Cadastre-se para receber nossa newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

SocialMediaCast
SMC#291: Eu te acho uma (galinha) gatinha

SocialMediaCast

Play Episode Listen Later Jun 2, 2022 57:50


:: Tik Tok, Insta e Youtube são a nova sala de aula da geração Z:: Youtube melhorando (ainda mais) a experiência de busca:: Whatsapp poderá ter botão de edição:::: Google vai unir meet e duo:: A batalha da atenção e a aula da Anitta

O Antagonista
“Quando tiver interesse, eu converso com o mercado”, diz Lula

O Antagonista

Play Episode Listen Later May 31, 2022 0:48


Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o pré-candidato do PT à Presidência da República, Lula, afirmou que vai conversar com o mercado apenas no momento “em que tiver interesse”. Segundo ele, o PT tem quase 100 pessoas trabalhando em um programa de governo. “O mercado precisa conversar com o candidato a presidente. E na hora que eu tiver interesse vou conversar com o mercado. Eu tenho 90 economistas participando do grupo de trabalho. Tem gente do mercado. Eu não vou queimar um ou outro economista”, declarou o petista. Lula também foi questionado sobre uma eventual participação de Pérsio Arida e Lara Resende, que trabalharam na elaboração do Plano Real, na formatação de um programa de governo petista. O ex-presidente disse que tudo não passou de apenas uma conversa com Alckmin. “O Pérsio Arida foi indicado pelo companheiro Alckmin para conversar com a Fundação Perseu Abramo, e ele foi conversar. Acho que é razoável que se conversa. Nós não somos donos da verdade. Queremos conversar com todo mundo. O programa de governo não pode ser do PT. Tem que ser desses sete partidos que estão conosco e mais a sociedade”, declarou.  Cadastre-se para receber nossa newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.youtube.com/c/OAntagonista https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Does Steph need a Finals MVP to validate his legacy? + Wiley & Acho's Top NBA Finals Sidekicks

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later May 31, 2022 95:15


Football fans - listen to The Number One Ranked Show w/ RJ Young for FOX Sports' USFL & College Football coverage: https://listen.foxaud.io/NumberOneRankedShow?sid=sfy 00:00 Does Steph need a Finals MVP to validate his legacy? 18:52 Bad look for KD & Kyrie that their former teams are in the Finals? 34:49 Worried the Cowboys took a step back this offseason? 44:32 Wiley & Acho's Top NBA Finals Sidekicks 53:18 Is the Baker Mayfield saga on the Browns or Baker? 1:09:20 Ric Bucher joins 1:20:34 Think Aaron Donald would actually retire? 1:24:45 KD on Draymond's claim that Steph saw more double-teams 1:28:48 Favorite offseason storyline? Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Do the Celtics have any chance against the Warriors? + Top 5 Players Wiley & Acho Would Want in the Finals

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later May 30, 2022 94:43


Football fans - listen to The Number One Ranked Show w/ RJ Young for FOX Sports' USFL & College Football coverage: https://listen.foxaud.io/NumberOneRankedShow?sid=sfy 00:00 Do the Celtics have any chance against the Warriors? 19:14 What's at stake for Steph Curry? 35:55 Impressed with Tatum's ECF performance? 53:07 Top 5 Players We'd Want in the NBA Finals 1:03:55 What did you learn from the ECF? 1:13:35 OK with Jerry Jones saying CeeDee Lamb will be an upgrade over Amari Cooper? 1:20:26 Agree with Jimmy Butler's 3-pt decision? 1:23:54 Did the league get Max Strus' reversed call right? 1:28:17 Is Darvin Ham the right hire for the Lakers? Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Família e Fé
Evangelho de João 19:1-16 - Não Acho Nele Motivo de Acusação (A Soberania e o Cuidado de Deus em Momentos de Injustiça)

Família e Fé

Play Episode Listen Later May 27, 2022 15:09


Junte-se a nós na leitura do Evangelho de João! Nossa fé será aumentada e conheceremos mais de Deus durante essa jornada de 40 dias meditando e orando juntos.

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Steve Kerr's pregame news conference, Do the Mavs have any chance at winning the series? Wiley & Acho's Top 5 Brightest Futures in the NFL

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later May 25, 2022 94:17


Football fans - listen to The Number One Ranked Show w/ RJ Young for FOX Sports' USFL & College Football coverage: https://listen.foxaud.io/NumberOneRankedShow?sid=sfy 00:00 Steve Kerr's pregame news conference 24:19 Do the Mavs have any chance at winning the series? 31:30 Should the Cardinals wait to pay Kyler Murray? 44:52 Should Steve Kerr have put the starters back in earlier? 57:13 Wiley & Acho's Top 5 Brightest Futures in the NFL 1:08:50 Ric Bucher joins 1:18:51 Report: Colin Kaepernick working out with the Raiders today 1:23:35 What should the 49ers do with Jimmy Garoppolo? 1:27:54 Are we buying Tyreek Hill's praise of Tua Tagovailoa? Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
What would another Finals appearance mean for Steph Curry?, Baker Mayfield and Kyler Murray skipping OTAs, Wiley & Acho's QB Confidence Scale

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later May 24, 2022 94:48


Football fans - listen to The Number One Ranked Show w/ RJ Young for FOX Sports' USFL & College Football coverage: https://listen.foxaud.io/NumberOneRankedShow?sid=sfy 00:00 What would another Finals appearance mean for Steph? 26:12 What do you make of Baker skipping OTAs?  36:30 Who's the better team: Heat or Celtics? 51:02 Wiley & Acho's QB Confidence Scale 1:01:40 What have you learned about Luka this series? 1:11:15 Is Kyler skipping OTAs something or nothing? 1:17:32 What has the Warriors performance this series told you? 1:22:20 Buying Russ on his “non-emotional” return to Seattle? 1:27:58 Should the Lakers be interested in Doc Rivers? Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Trip FM
Renato Meirelles: Terceira via nesta eleição é uma ilusão

Trip FM

Play Episode Listen Later May 20, 2022


Fundador do Instituto Locomotiva, o especialista em pesquisa analisa o cenário político brasileiro e fala sobre eleições e o futuro do país Aos 16 anos, Renato Meirelles saiu de um colégio particular tradicional de São Paulo para se matricular em uma escola pública contra o desejo dos pais e apesar da condição financeira privilegiada da família. Publicitário de formação, ele levou a experiência mais afundo em diversos momentos de sua vida, tento se instalado na periferia em várias ocasiões. A intenção? Aprofundar seu conhecimento sobre pessoas. Hoje, ele está à frente de dois grandes órgãos de pesquisa: o Instituto Locomotiva e o Data Favela, onde se tornou referência nacional na pesquisa das classes sociais mais pobres ao mesmo tempo em que conseguiu a simpatia de ONGs ligadas à promoção da igualdade social. Especialista também em entender o comportamento do Brasil consumidor, que ele acredita ser muito mais diverso do que o empresariado imagina, Renato conversou com o Trip FM sobre a performance de João Dória nas pesquisas eleitorais, falou por que não acredita no surgimento de uma terceira via e deu seu prognóstico para o futuro do Brasil. Leia um trecho a seguir, confira a entrevista completa no play aqui em cima ou ouça o programa no Spotify. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2022/05/6286aa264a000/renato-meirelles-tripfm-mh.jpg; CREDITS=Divulgação; LEGEND=Renato Meirelles; ALT_TEXT=Renato Meirelles] Trip FM. Além de agilizar as entregas da vacina da Covid-19, o governo João Dória tem alguns outros dados positivos. Ao que se dá a falta de popularidade desse candidato? Renato Meirelles. O João Dória ajudou na chegada da vacina através do confronto político direto. Essa lógica foi vista como um aparelhamento da vacina, o que afastou parte do eleitor. Essa maneira pouco empática de defender bandeiras somente por interesses próprios e não porque elas vão mudar a vida das pessoas aliada ao fato de que a política odeia traidores fez com que ele fosse odiado por petistas e bolsonaristas, as maiores forças políticas do Brasil. É por isso que ele tem esse índice de rejeição. Por que o Brasil não conseguiu encontrar a tal da terceira via? Nós temos duas figuras bastante conhecidas nas eleições. Bolsonaro construiu uma estratégia de consolidar a sua base eleitoral acreditando que o antipetismo será maior que o antibolsonarismo no segundo turno. Acho que tem um erro de avaliação nisso. O ex-presidente Lula está levando essa eleição na base da comparação, perguntando ao eleitor se a vida dele está melhor agora ou se estava antes, fugindo também das discussões. Para existir uma terceira via era necessário não ter essas figuras tão fortes. Essa não é uma eleição de mudança, como a passada. É uma eleição de avaliação. É uma ilusão achar que exista uma candidatura que vá unir aspectos da política tão diferentes. Quem quer uma figura nova é o mercado. Os líderes das corporações estão, em alguns casos, muito assustados e sem saber que posições tomar. O que você tem encontrado nas empresas? Na história, depois de todas as pandemias nós tivemos modelos de crescimento econômico e cultural: o Renascimento, o Iluminismo. Talvez o século XXI só esteja começando agora. Os empresários estão começando a entender que o que os trouxe até aqui não vai levá-los adiante. Eles não estão conseguindo lidar nem mesmo com a postura dos filhos, que serão herdeiros dessas empresas. Eles estão sentindo uma pressão enorme dos acionistas em relação às questões de diversidade e estão sendo, às vezes à fórceps, convencidos de que é necessário mudanças. É um processo que está no gerúndio.

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Who's under more pressure: Steph Curry or Luka Dončić?, Wiley & Acho's Top 5 Players left in the NBA Playoffs, Has Chris Paul's legacy taken a hit?

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later May 17, 2022 93:56


00:00 Who's under more pressure: Steph Curry or Luka Dončić? 17:10 Has the Chris Paul criticism gone too far? 32:51 Like KD's definition of what determines the best player? 46:40 Wiley & Acho's Top 5 Players left in the NBA Playoffs 58:27 Has Chris Pauls legacy taken a hit? 1:12:32 Should the Saints want Drew Brees back? 1:18:02 More confident in the Bucks or Suns getting back to the Finals? 1:22:48 More on the line: Jayson Tatum or Jimmy Butler? 1:27:30 Antonio Brown Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Wiley & Acho's Biggest NBA Winners & Losers, Best Teams Left in the Playoffs, What Did Luka Dončić prove?

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later May 16, 2022 92:50


00:00 Wiley & Acho's Biggest NBA Winners 13:54 What did Luka Dončić prove? 31:11 Impressed by the Celtics or disappointed in the Bucks? 44:33 Wiley & Acho's Biggest NBA Losers 57:27 Can the Suns recover from this loss? 1:11:12 Best team remaining in the playoffs? 1:18:20 Is Luka Dončić the best player remaining in the playoffs? 1:23:15 Who do you feel worse for: Giannis or Chris Paul? 1:28:20 Should the Sixers commit long-term to James Harden? Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Did the Bucks win it or did the Celtics blow it? + Wiley & Acho's Top 5 Difference Makers

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later May 12, 2022 93:46


Listen to the Number One Ranked Show with RJ Young: https://listen.foxaud.io/NumberOneRankedShow?sid=und 00:00 Did the Bucks win it or did the Celtics blow it? 17:38 Is Josh Allen the best QB in the NFL? 37:00 What has Giannis proven this series? 52:24 Wiley & Acho's Top 5 Difference Makers 1:01:56 Is the Bucks-Celtics series over? 1:13:48 OK with Draymond dancing to “Whoop That Trick”? 1:19:29 What should college football do about athletes getting paid? 1:24:08 NBA's new Conf. Finals MVP awards 1:27:30 Would it be crazy for the Lakers to trade LeBron? Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Bucks/Celtics Game 4, James Harden, Wiley & Acho's Top 5 Scariest Offenses, Baker Mayfield latest

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later May 10, 2022 94:24


Listen to Skip Bayless break down why he never prepares for debates on Undisputed:  https://listen.foxaud.io/SkipBaylessShow?sid=sfy Listen to Shannon Sharpe's interview with Michael Blackson: https://listen.foxaud.io/ClubShayShay?sid=sfy 00:00 Bucks/Celtics Game 4 17:10 Expect vintage James Harden again tonight? 28:10 Should the Warriors be proud of their close win? 39:46 Wiley & Acho's Top 5 Scariest Offenses 52:33 Worried about the Bucks? 1:10:25 Baker Mayfield latest 1:17:35 Who's under more pressure: Suns or Heat? 1:24:45 More confident in the Bucks or the Celtics? 1:27:38 Keep It 99 Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Aww Shift
Emmanuel Acho - Living Limitless

Aww Shift

Play Episode Listen Later May 10, 2022 27:14


In this episode, our guest is Emmanuel Acho. He is one of New York's Bestselling Authors and also the creator of Uncomfortable Conversations with the Blackmen.                  Emmanuel Acho is part of the people who don't set defense. He knows what he stands for and what he stands against. He is not just someone with a strong opinion but with a strong set of experiences that leads to opinions that have weight.   [2:53] WHY SHOULD WE LISTEN TO YOU?   I picked up a football and I made it into the National Football League. I picked up a pen and I became a NO. 1 New York Best Selling Author. I picked up a microphone and I won an army. So, my works and credentials truly speak for me. I barely talk but when I do, then I must be saying something very important.   [6:00] WHERE WAS YOUR IDENTITY CREATED?   While growing up, I watched my parents work hard and progress through their hard work so I can say that is where my identity came from. To me, success is oftentimes a more committed dedication and opportunity while luck is when operation meets opportunity. While luck is relevant without operation, it is also irrelevant without opportunity. I don't believe my identity is in my athlete. My identity is truly in my character and work ethic.   [11:45]  Whenever things fall apart, why was it one of the most painful moments, and what do you take from it?   I learned that it is important to keep going to work, keep excelling and keep getting better. Sometimes in life, you have to choose not to see what you see. You just have to choose not to believe your eyes in some situations.   [14:13]  I do not believe in it that all your goals kind of fall apart, what is your perception about this?   Chapter 11 of  Illogical, my latest book in partnership with Oprah is called goals are dumb. Goals are stupid. If you set a goal and achieve it, congratulations but what if you could have done more? If you set a goal and do not achieve it, you will ruin your self-esteem and self-efficacy. Instead of setting goals, have an objective with no limitations.     [22:18] Where do you know when to listen to some people?   It takes a lot of discernment. The apple air pod has a transparency function and a noise cancellation function so do we humans too. We have to ultimately live life with both. Sometimes, you have to completely cancel out any form of noise while sometimes you just have to let in some feedback so that you can improve as a human being.   [25:30]  What promise did God make to the world when he created you?   I am not super talented, or super skilled but I'm obedient and I think God's promise is that he is going to bring forth someone obedient enough to use his skills to try to change the world.   KEY QUOTES   [17:40-17:41] A goal is an end at which energy is aimed while an objective is simply energy aimed in a direction.   [20:35-20:36] All we focus on in life is what we can see and what we can quantify not realizing that some of our biggest hardship moments are unquantifiable.   Learn more about Emmanuel Acho   Twitter - https://twitter.com/EmmanuelAcho YouTube - https://www.youtube.com/c/Acho/featured Instagram- https://www.instagram.com/emmanuelacho/?hl=en Linkdin- https://www.linkedin.com/in/emmanuel-acho-ba35a2b9/  

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Did Jokić deserve to win MVP?, James Harden's 31-pt game, Morant's injury, Wiley & Acho's Most Improved NFL Teams

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later May 9, 2022 94:48


Listen to Skip Bayless break down his official exercise routine, plus why he hasn't missed a cardio workout since 1998: https://listen.foxaud.io/SkipBaylessShow?sid=sfy 00:00 Did Nikola Jokić deserve to be MVP? 19:28 James Harden's 31-pt performance 32:25 Any issue with how Ja Morant handled his injury? 49:25 Bucks' Game 3 win 59:16 Wiley & Acho's Most Improved NFL Teams 1:07:13 Chris Paul incident 1:17:51 Whose career would you rather have: Jordan or Brady's? 1:23:10 Ja Morant 1:28:02 Keep It 99 Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Should the Sixers regret trading for James Harden?, Dillon Brooks' suspension, Jalen Hurts' future, Wiley & Acho's Top 5 NFL Duos

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later May 5, 2022 90:23


Listen to Skip Bayless break down his official exercise routine, plus why he hasn't missed a cardio workout since 1998: https://listen.foxaud.io/SkipBaylessShow?sid=sfy 00:00 Should the Sixers regret trading for James Harden? 17:36 Should Dillon Brooks have been suspended? 32:01 Has this series been a bad look for Draymond? 45:50 Are the Eagles making the right decision building around Jalen Hurts? 54:36 Can Joel Embiid save the Sixers? 1:04:30 Wiley & Acho's Top 5 NFL Duos 1:15:15 Can anyone stop the Suns? 1:22:12 Are Kyrie Irving's comments fair or foul? 1:27:29 Keep It 99 Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Café Brasil Podcast
Café Brasil 817 - Exibicionismo moral

Café Brasil Podcast

Play Episode Listen Later Apr 13, 2022 24:57


Acho que você já é que uma das grandes crises que não tem objetivos é uma crise moral, Certos foram atingidos em valores em cheque, ao que parece que entram onde vale tudo, desde que o seja. O povo só quer saber de trocar seus produtos por dinheiro e vice-versa, sem distração moral com troca. Pois é. Mas é aí que se abre espaço para o exibicionismo moral. Para a arrogância moral. Vamos nessa hoje https://cafebrasilpremium.com.br/app/podcast-cafe-brasil-premium/cafe-brasil-premium-817-exibicionismo-moral

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
Lakers out of the playoffs: LeBron's GOAT status, Frank Vogel, AD & more + Acho & Joy's NFL Offseason Winners

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later Apr 6, 2022 94:33


Get ready for MLB Opening Day by subscribing to FOX Sports' baseball podcast, Flippin' Bats w/ Ben Verlander: https://listen.foxaud.io/FlippinBats?sid=sfy 00:00 Is LeBron James taking too much criticism? 19:34 Does this season hurt LeBron in the GOAT debate? 31:11 Expect the Nets to “rise” come playoffs? 40:42 Scale of 1-10: How much does the Lakers' season fall on Frank Vogel? 50:20 Would you be OK with LeBron chasing the scoring title? 1:04:48 Acho & Joy's NFL Offseason Winners 1:12:45 What should the Lakers do with Anthony Davis? 1:21:50 How much does this season hurt LeBron James' legacy? 1:28:33 Not What You Want To Hear on LeBron Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley
LeBron's season, Colin Kaepernick's workout, Lamar's contract, Acho: Nets should move on from Kyrie Irving

Speak For Yourself with Whitlock & Wiley

Play Episode Listen Later Apr 4, 2022 93:30


Get ready for MLB Opening Day by subscribing to FOX Sports' baseball podcast, Flippin' Bats w/ Ben Verlander: https://listen.foxaud.io/FlippinBats?sid=sfy Listen to the latest episode of Club Shay Shay, where Shannon Sharpe interviews Edgerrin James: https://listen.foxaud.io/ClubShayShay?sid=sfy 00:00 Any problem with LeBron James' season? 20:21 Is it too little too late for Colin Kaepernick? 36:51 Who will win the contract standoff: Lamar Jackson or the Ravens? 50:36 Should the Nets move on from Kyrie Irving? 1:03:44 Is the Lakers' season over? 1:14:00 Worried Patrick Mahomes will take a step back? 1:19:04 Is Colin Kaepernick worth the distraction? 1:23:48 More disappointing season: Nets or Lakers? 1:26:55 Acho: Nets should move on from Kyrie Irving Learn more about your ad choices. Visit megaphone.fm/adchoices