Podcasts about clim

  • 1,090PODCASTS
  • 2,338EPISODES
  • 28mAVG DURATION
  • 2DAILY NEW EPISODES
  • Jan 20, 2023LATEST

POPULARITY

20152016201720182019202020212022

Categories



Best podcasts about clim

Show all podcasts related to clim

Latest podcast episodes about clim

Falando De BBB22
Plantão BBB23: Bruna e Larissa tretam feio; Entenda; Tina arremata o coringa; Climão toma conta

Falando De BBB22

Play Episode Listen Later Jan 20, 2023 70:26


Plantão BBB23: Bruna e Larissa tretam feio; Entenda; Tina arremata o coringa; Climão toma conta

Falando De BBB22
PLANTÃO BBB23: CLIMÃO! BRUNA X KEY; FESTA TEM PEGAÇÃO, JOGO, GENTE SEM NOÇÃO E ARREPENDIMENTO

Falando De BBB22

Play Episode Listen Later Jan 19, 2023 76:33


PLANTÃO BBB23: CLIMÃO! BRUNA X KEY; FESTA TEM PEGAÇÃO, JOGO, GENTE SEM NOÇÃO E ARREPENDIMENTO

Muy Interesante - Grandes Reportajes
Metano ¿una bomba de relojería climática? (Medioambiente)

Muy Interesante - Grandes Reportajes

Play Episode Listen Later Jan 17, 2023 14:17


Es uno de los gases de efecto invernadero más peligrosos: en cantidades similares, su efecto de calentamiento es casi treinta veces más potente que el CO2. Y cada vez hay más en la atmósfera, por lo que se ha convertido en uno de nuestros principales enemigos en la lucha contra la crisis del clima.Hasta ahora hemos hablado de las fuentes de metano naturales, pero, según las conclusiones del Global Methane Budget, este gas se está acumulando en la atmósfera porque las actividades humanas, sobre todo la agricultura, la ganadería y los combustibles fósiles lo producen a un ritmo mucho más rápido que al que se destruye.Desde hace unos años, la ganadería está en el punto de mira por ser una fuente importante de GEI. En cuanto a las emisiones de metano en con- creto, las más conocidas son las de los ru- miantes, que lo generan como subproducto de los procesos digestivos.En ese sentido, si bien la ganadería intensiva es responsable de un mayor volumen de emisiones de CO2, la extensiva libera más metano a consecuencia de una dieta más rica en fibra.Muchas gracias por compartir nuestros contenidos en tus redes sociales.Suscríbete a MUY HISTORIA con un descuento del 50% usando el código especial para podcast - PODCAST1936https://bit.ly/3TYwx9aComparte nuestro podcast en tus redes sociales, puedes realizar una valoración de 5 estrellas en Apple Podcast o Spotify.Suscríbete a la revista MUY INTERESANTE y recíbela en tu casa.https://suscripciones.zinetmedia.es/mz/divulgacion/muy-interesanteGracias por escuchar nuestros 'Grandes reportajes de Muy Interesante'Dirección, locución y producción: Iván Patxi Gómez GallegoContacto de publicidad en podcast: podcast@zinetmedia.es

Brújula Sonora Podcast
Enverdecer el sistema financiero

Brújula Sonora Podcast

Play Episode Listen Later Jan 12, 2023 40:58


Hemos oído hablar de la importancia de la transición energética y la transición económica para una economía baja en carbono, pero poco se menciona la transición financiera: una transformación del sistema financiero en la que se incluya al cambio climático como una variable fundamental en la toma de decisiones. Para conocer cuál es el rol del sector financiero en la acción climática y la conservación de la biodiversidad, y cómo está América Latina en financiamiento verde, hablamos con Alicia Montalvo, experta en cambio climático y gerenta de acción climática en el Banco de Desarrollo de América Latina (CAF), y quien desde Montreal, en el marco de la COP15 de Biodiversidad, atendió nuestra conversación.De Montreal pasamos a Guamal, un municipio en Colombia tradicionalmente petrolero, donde conocimos la historia del hotel y restaurante El Sitio, que le ha apostado a la eficiencia energética con el financiamiento de Bancoldex, un banco de desarrollo colombiano. Liliana Colorado, dueña del hotel, demuestra que la rentabilidad y los negocios verdes no son necesariamente excluyentes.Este episodio fue realizado gracias a la Iniciativa de Divulgación de Activos y Cambio Climático de Colombia (CCADI por sus siglas en inglés), que cuenta con el apoyo de la Alianza para las Transiciones Climáticas Aceleradas (UK Pact) del Ministerio de Asuntos Exteriores, Mancomunidad y Desarrollo del Reino Unido. También se sumó a la producción, la Iniciativa de Divulgación de Activos Climáticos de América Latina (LACADI por sus siglas en inglés), que cuenta con el apoyo de la Iniciativa Internacional de Protección del Clima (IKI) del Ministerio Federal de Asuntos Económicos y Acción Climática (BMWK) del gobierno alemán.Más información sobre las dos iniciativas en https://ccadi.transforma.global/ y https://lacadi.transforma.global/ Sobre la músicaPara la historia de este episodio se usaron los siguientes tracks de dominio público y/o licencias Creative Commons:Canción llanera https://youtu.be/x02x5wgxwuwHopeful Start by John Bartmann is licensed under a CC0 1.0 Universal License.Hopeful Journey by Scott Holmes Music is licensed under a Attribution-NonCommercial 4.0 International License.Contemplation by Maarten Schellekens is licensed under a Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.Dream Come True by Scott Holmes Music is licensed under a Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

NerdCast
Lá do Bunker 78 - Climão na firma

NerdCast

Play Episode Listen Later Jan 9, 2023 39:14


Chegamos ao segundo Lá do Bunker de 2023 falando sobre o incrível trailer de Renfield, filme que tem Nicolas Cage como Drácula e um chefe muito curioso (aprontando altas confusões). Também há um bloco de The Last of Us, com todas as fofocas e alfinetadas recentes de Neil Druckmann, que resolveu hablar mesmo. Comentamos o fato de James Corden ter feito teste para o Sam de O Senhor dos Anéis - e outros personagens que quase foram, mas não foram. Para finalizar o programa, discutimos a onda de cancelamentos da Netflix e como a plataforma tem seu próprio tempo - que não é o mesmo dos espectadores. CITADOS NO PROGRAMA Nicolas Cage mostra as presas como Drácula em primeiro trailer de Renfield: https://jovemnerd.com.br/nerdbunker/renfield-trailer-e-poster/ The Last of Us: “Há mais histórias para contar”, diz Neil Druckmann sobre os games: https://jovemnerd.com.br/nerdbunker/the-last-of-us-mais-historias-para-contar-diz-criador/ The Last of Us não terá histórias além do jogo para “evitar problema de Game of Thrones”: https://jovemnerd.com.br/nerdbunker/the-last-of-us-criador-compara-game-of-thrones/ James Corden diz que fez teste para o Sam de O Senhor dos Anéis: “Não foi nada bom”: https://jovemnerd.com.br/nerdbunker/o-senhor-dos-aneis-james-corden-fez-teste/ Como a taxa de conclusão pode influenciar o cancelamento de séries pela Netflix: https://jovemnerd.com.br/nerdbunker/por-que-a-netflix-cancela-series/ TELEGRAM Entre no nosso grupo do Telegram: https://t.me/CanalNerdBunker APRESENTAÇÃO Camila Sousa -- Instagram / Twitter Pri Ganiko -- Instagram / Twitter EDIÇÃO Doug Bezerra -- Instagram

La Mogolla
Domingos de Guiso | Ana Belén Montes | AI | Tecnofeudalismo | Cambios Climáticos | La Mogolla #101

La Mogolla

Play Episode Listen Later Jan 9, 2023 47:37


En esta ocasión se cubrió la liberación de la prisionera política puertorriqueña, Ana Belén Montes Badillo, después de 21 años detenida por espiar a favor del gobierno cubano. Se habló sobre la cancelación de miles de vuelos por las condiciones climáticas y escasez de empleados. Cubrí el tema de la inteligencia artificial, la introducción de la robótica en la policía y el tribunal, y cómo estoy notando una reconfiguración del sistema capitalista a uno tecno-feudal. Mencioné los cambios climáticos manifestándose en California y el noreste de Estados Unidos. Cerré el episodio con la cartelera de Showtime Boxing analizando cada pelea.Una sesión entre los MOGOLLEROS:Paul (Pablito)Síguenos en:Instagram: https://www.instagram.com/lamogollapr/Spotify: La Mogolla PRApple Podcast: La Mogolla PR

Hágase la luz
Elisa Sainz de Murieta: "Los fenómenos extremos han acelerado los acuerdos contra la crisis climática"

Hágase la luz

Play Episode Listen Later Jan 8, 2023 11:51


La doctora en geología e investigadora de EHU y BC3, Elisa Sainz de Murieta, ha hecho balance del 2022, y nos ha explicado cuáles serán los retos de cara al 2023. Habrá nuevas cumbres para luchar contra la crisis climática (COP28) y por la preservación de la biodiversidad (COP16) entre otras....

Las mañanas de RNE con Íñigo Alfonso
Las Mañanas de RNE - Francisco Vera, activista climático: "Tenemos 365 días para cambiar esta sociedad a mejor"

Las mañanas de RNE con Íñigo Alfonso

Play Episode Listen Later Jan 6, 2023 7:53


Francisco Vera tiene 13 años, es activista climático y ambiental, y tiene un movimiento llamado ‘Guardianes por la vida’ que, como él mismo define, “es un movimiento de niños que buscan defender la vida con sus voces”, y que fue fundada cuando apenas tenía 9 años. “Hay que luchar con una sonrisa para dar esperanza”, ha señalado Francisco, haciendo referencia a la “eco ansiedad” y el miedo que sufren muchos jóvenes ante la evidencia del cambio climático. Además, como deseo de Reyes, Francisco pide que este sea un año “para actuar y para cambiar la sociedad a mejor”. Escuchar audio

Primeiro Café
#462 Marina volta ao Meio Ambiente para frear a passagem da boiada | Quinta Internacional: Diversidade no Itamaraty

Primeiro Café

Play Episode Listen Later Jan 5, 2023 47:52


Quinta-feira, 5 de janeiro de 2023: A deputada eleita Marina Silva, da Rede, tomou posse ontem como ministra do Meio Ambiente e da Mudança Climática do Governo Lula. A cerimônia foi a mais concorrida entre as posses de ministros e ministras até agora. O Palácio do Planalto ficou lotado e teve gente que não conseguiu entrar para assistir.Marina falou por 40 minutos, criticou os antecessores, exaltou os servidores públicos do Ibama e de outros braços do Meio Ambiente, lembrou Dom e Bruno, Chico Mendes e prometeu tirar o Brasil da posição de pária internacional na questão ambiental. No final, fez o L de Lula, exaltou o presidente e se juntou aos gritos de “olê, olê, olê, olá, Lula, Lula”.QUINTA INTERNACIONAL, com Ana PrestesAs presenças internacionais na posse de Lula e as primeiras agendas internacionais do presidente dão o tom da nova política externa brasileira. A cientista política Ana Prestes comenta o assunto.SAIBA MAIS: https://primeiro.cafe/APOIE: https://apoia.se/primeirocafe Como ouvir o Primeiro Café ao vivo? - Baixe o aplicativo do Spreaker (logo da estrela)!Acesse o site primeiro.cafe/noar às 8h da manhã. Em podcast, estamos em todos os tocadores. ÁUDIOS:Kaê Guajajara e Nelson D - Essa Rua é Minha https://www.youtube.com/watch?v=1E-o77Dmx80 Camarada Janderson - Bom dia, classe operária https://www.youtube.com/watch?v=jj_QxmvBUtQ

Meio Ambiente
Falta de neve para esqui na Europa, compensada com neve artificial, é novo alerta da crise climática

Meio Ambiente

Play Episode Listen Later Jan 5, 2023 10:38


Depois de dois anos marcados pela Covid-19, os europeus estavam ansiosos para retomar a frequentação normal das estações de esqui nas férias de fim de ano em dezembro – mas a desregulação do clima atrapalhou os planos. Sem neve, metade das pistas na França estiveram fechadas no fim do ano, e uma parte considerável das que puderam abrir só funcionaram graças ao uso de neve artificial. O país, assim como os vizinhos alemães ou austríacos, viveu uma rara onda de calor no período. “Nós ultrapassamos índices recordes em várias regiões da França e do leste da Europa, principalmente nos dias 31 de dezembro e 1° de janeiro, datas simbólicas. As temperaturas estavam de 1°C a 2°C acima do normal, e chegaram a passar de 22°C no sudoeste francês – mas também na região central, no norte, no leste, as temperaturas chegaram a números totalmente excepcionais para a estação”, explica o climatologista Robert Vautard, diretor do Instituto Pierre-Simon Laplace (IPSL), que reúne especialistas das ciências climáticas. As altas temperaturas, associadas à chuva também atípica, levaram ao derretimento da pouca neve que cobria as estações em baixa e média altitude, como em Mont Dore, no centro da França, onde a decoradora Amandine Pernelle tinha escolhido passar as férias com a família. No local, uma camada de neve de cultura (fabricada a partir da pulverização de água) havia sido aplicada em novembro, à espera dos primeiros flocos da temporada, no início de dezembro. Mas com os termômetros subindo a mais de 10°C, só as crianças puderam aproveitar. “Estou acostumada com a neve artificial. Sempre que eu fui esquiar, tinha na parte baixa das estações, então isso não me choca. E sem contar que, para o clima, é melhor ficar na França e esquiar na neve artificial que pegar avião em busca de calor nos trópicos”, comenta a francesa. Cada vez mais neve artificial O recurso à neve de cultura é recomendado para prorrogar a duração da neve natural que cairá nos meses frios – e que, segundo os especialistas, tende a se tornar mais rara. A prática é comum nos países europeus e se tornou indispensável a partir dos anos 2000, com a subida progressiva das temperaturas devido às mudanças climáticas. Entretanto, os ecologistas criticam o alto volume de água utilizada para ser transformada em neve: 1m³ de água resulta no dobro de neve artificial, num total de pelo menos 20 milhões de metros cúbicos de água usada por ano para este fim, na França. Hoje, mais de um terço das pistas francesas e a metade ou mais das suíças e austríacas usam essa solução, principalmente a menos de 1,5 mil metros de altitude. “A água é retirada do meio natural na primavera quando é abundante. Se ela não é recuperada após o derretimento da neve e estocada em lagos artificiais, ela seria perdida”, rebate Jean-Luc Boch, presidente da France Montagnes, que reúne os principais organismos de turismo nas montanhas da França. “Essa água correria pelos riachos, depois nos rios, afluentes e enfim no Mar Mediterrâneo. Estocá-la no momento em que ela é muito abundante significa poder devolvê-la para todo o nosso território, lembrando que ela também pode servir para consumo humano e animal, se necessário”, afirma. Incertezas sobre o futuro Boch ressalta que ainda “há muita variação” entre os anos e “não há certezas absolutas” sobre o futuro: o inverno com mais neve em décadas ocorreu há cinco anos, relembra. Mas outro ator importante do setor, o secretário-geral do Domaines Skiables de France, Laurent Reynaud, analisa a situação com mais cautela e diz que o tema “é levado muito a sério”. “Sabemos que, no futuro, deveremos enfrentar uma incerteza ainda maior sobre a ocorrência de neve e também sobre a cobertura de neve, principalmente nas estações de baixa altitude. Cada uma delas vai precisar elaborar um planejamento para os 15, 20, 50 ou 80 próximos anos. Essas projeções já existem e foram determinadas pelo IPCC [Painel da ONU de cientistas especialistas nas mudanças climáticas]”, indica Reynaud. As estações mais vulneráveis são estimuladas a diversificar as atividades, de modo a atrair turistas durante todo o ano, com foco não só no inverno, mas também no verão. Quanto ao uso da neve artificial, Reynaud destaca que a transição ecológica também está em curso no setor. “Hoje, em todos os processos industriais, teremos medidas de sobriedade energética e eco-concepção, para conseguirmos aproveitar ao máximo um litro de água ou 1kw/h. Dividimos por três o consumo elétrico necessário nos compressores de água, para a produção de um metro cúbico de neve, e conseguimos reduzir 10% do consumo de eletricidade dos teleféricos, responsáveis pela maior parte do consumo elétrico nas estações”, pondera o representante das pistas de esqui francesas. Falta de neve na primavera gera prejuízos agrícolas  O climatologista Robert Vautard observa ainda que a falta de neve prejudica a atividade econômica e o turismo nas montanhas, mas também atinge a natureza como um todo e, em especial, a agricultura. “Organismos que criam doenças nas árvores e plantas são eliminados no inverno, com o gelo. Sem frio, eles acabam se reforçando na primavera e isso altera a produção agrícola, em especial de frutas”, aponta o especialista em fenômenos meteorológicos extremos. “O fato de que a vegetação começa mais cedo do que o previsto faz com que os brotos fiquem expostos a eventuais geadas em abril. É um fenômeno em que todo ciclo da natureza começa mais cedo porque está quente demais.” Por essa razão, graves prejuízos agrícolas têm sido frequentes no país: aconteceram em 2022, 2021 ou 2017, relembra o pesquisador. Este mês de janeiro já se anuncia mais seco que os padrões, o que pode ser um indício de mais um ano marcado por temperaturas em alta. “De forma geral, se observarmos as variações das temperaturas em 2022 na França, em relação aos padrões, há muito poucos episódios – apenas três ou quatro, e muito curtos – em que as temperaturas estiveram abaixo do normal. Em todas os outros, elas estiveram acima”, destaca Vautard. “É claro que sempre teremos variações meteorológicas, mas nos próximos anos, devemos esperar a mesma tendência de alta verificada em 2022.” O pesquisador frisa ainda que seria um erro comparar este início de inverno ameno na Europa com as nevascas que atingiram os Estados Unidos no mesmo período. Na América do Norte, explica, as variações de temperaturas sempre foram “extremamente fortes” e mais intensas que no continente europeu, e não são uma consequência das mudanças climáticas, mas sim da geografia. Enquanto as massas de ar frio que descem do Midwest americano não encontram uma zona marítima que amenizaria a temperatura, este não é o caso em países como a França, onde os Alpes são influenciados pelo clima mediterrâneo.

Alberto Mayol en medios
Conversación de Tomás Ariztía y Manuel Antonio Garretón sobre sociología y crisis climática

Alberto Mayol en medios

Play Episode Listen Later Jan 4, 2023 41:59


Un diálogo con Tomás Ariztía (Académico escuela de Sociología/ Investigador asociado ICSO · Universidad Diego Portales) para reflexionar sobre la crisis climática y los desafíos colectivos que impone. 'Tras las Líneas. Conversaciones con Manuel Antonio Garretón' es una propuesta semanal de análisis y divulgación en ciencias sociales, presentado por el Departamento de Sociología de la Universidad de Chile, y con el auspicio del COES (Centro de Estudios de Cohesión y Conflicto Social). Este programa también llega a Ud. gracias al financiamiento del Fondo de Fomento de Medios de Comunicación Social del Gobierno de Chile y del Consejo Regional. Recomendamos revisar y compartir el archivo de 123 conversaciones. Tenemos la seguridad de que encontrarán temas no sólo interesantes o coyunturales sino también de mayor permanencia. Ejes para el análisis sobre las estructuras societales de nuestra época en clave Chilena, Latinoamericana y global.

Podcasts do Portal Deviante
Chute 288 – Sociedade Civil, mudanças climáticas e segurança alimentar

Podcasts do Portal Deviante

Play Episode Listen Later Dec 30, 2022 58:57


Conversamos com Maureen Santos (FASE) e André Luzzi (CSSAN) sobre o nexo entre mudanças climáticas, biodiversidade e segurança alimentar e nutricional. Para apoiar o Chutando a Escada, acesse chutandoaescada.com.br/apoio Comentários, críticas,...

AL MEDIODIA CHICAGO
Cumbre Global Climática Aquí y Ahora

AL MEDIODIA CHICAGO

Play Episode Listen Later Dec 30, 2022 2:54


En este fin de año quizá deberíamos plantearnos la pregunta de qué hicimos para preservar nuestro planeta en 2022, y qué podemos hacer en 2023 para mejorarlo… bueno pues estas…nuestra compañera Maritza Peña asistió a una cumbre sobre este tema en la Universidad de Denver, Colorado

Meio Ambiente
Em 2022, emergência climática se tornou mais ‘visível', mas países recuaram nas ações

Meio Ambiente

Play Episode Listen Later Dec 29, 2022 14:42


Em um tema em que as más notícias se transformaram na regra nos últimos anos, 2022 trouxe uma série de alertas particularmente flagrantes sobre a emergência climática – mas também sobre as incoerências entre o discurso e as práticas para combater as mudanças do clima. Já em fevereiro, a guerra na Ucrânia levou a Europa para um cenário de incertezas sobre o futuro do abastecimento de gás natural russo, até então crucial para países como a Alemanha, a Hungria e a Eslováquia. Mas como a transição energética rumo ao fim dos combustíveis fósseis está mais lenta do que deveria, diversos países não viram outra alternativa a não ser ativar as usinas a carvão, as mais nocivas para o meio ambiente. Face ao risco de apagões e de ficar sem aquecimento nos meses de frio, os europeus deixaram de lado os compromissos ambientais e as promessas de acabar com as centrais a carvão até 2030. Estas usinas respondem por mais de 40% das emissões mundiais de gases de efeito estufa, que provocam o aquecimento global. Até os países menos dependentes do gás, como a França, dona da mais vasta rede de usinas nucleares da Europa, também não conseguiram evitar o retrocesso. Para Neil Makaroff, coordenador da seção Europa da Rede Ação pelo Clima, hub de organizações ambientais francesas, o contexto geopolítico deveria representar uma oportunidade para o bloco: "Diante da crise exacerbada pela guerra na Ucrânia, a energia nuclear pode parecer uma solução, ao não emitir CO2. Mas não podemos esquecer que para construir uma central nuclear, precisamos de 15 a 20 anos. Por demorar tanto, essa opção não atende aos nossos objetivos climáticos até 2030, de reduzir pelo menos 55% das nossas emissões até o fim da década”, explica. “A única solução facilmente aplicável e barata são as energias renováveis, eólica, solar e biogás. Elas precisam decolar para substituir o gás, o petróleo, mas também o carvão russos." Calorão mais cedo, intenso e persistente Na sequência, como um golpe de ironia do destino, o verão castigou os europeus com temperaturas historicamente elevadas, as segundas mais altas desde o início das medições, em 1900. Os termômetros começaram a subir já em maio, algo totalmente excepcional. Privada de gás, a Europa passou a conviver também com racionamento de água e com incêndios florestais fora de controle, levando a graves prejuízos agrícolas. Em dois meses, a França teve 33 dias de calor além dos padrões. O agricultor francês David Peschard, instalado em Loir-et-Cher, na região central do país, jamais tinha vivido uma situação parecida. “Algumas plantações não estão recebendo água suficiente. Podemos ser otimistas e achar que é apenas uma fase e que voltaremos a períodos mais úmidos. Mas, se enfrentarmos essa situação com frequência, será necessário nos adaptarmos rapidamente”, observa. “Infelizmente, temos uma lição a aprender, e estamos aprendendo muito lentamente. O milho, por exemplo, está condenado a nã ser mais cultivado na nossa região", lamenta. No continente africano, a seca prolongada nas regiões do Sahel e do Chifre da África, além de países como Quênia e Nigéria, acentuou a insegurança alimentar. O Unicef alerta que mais de 20 milhões de crianças africanas chegaram ao fim do ano sob a ameaça da fome e da sede devido às mudanças climáticas, à falta de cereais, aos conflitos e à inflação mundial. Paquistão sob a água A elevação das temperaturas globais também leva ao aumento dos fenômenos extremos como enchentes, que devastaram o Paquistão em agosto. O país teve um terço de seu território inundado, com 33 milhões de pessoas atingidas. As chuvas de 2022 foram quase três vezes mais fortes do que a média dos últimos 30 anos, segundo levantamento da ONU. Em seguida, veio o outono mais quente registrado em décadas na Europa – para mostrar, mais uma vez, que algo está errado com o clima do planeta. Em outubro, os termômetros marcaram de 3 a 7 graus acima do normal para a estação. Em entrevista ao Planeta Verde, o economista ambiental Matthieu Glachant avaliou que, em relação à tomada de consciência sobre o problema, haverá um antes e um depois de 2022. "Eu acho que foi importante o que aconteceu porque, do nada, a mudança climática se transformou em uma experiência pessoal. Há muito tempo, conhecemos os relatórios do IPCC que nos alertavam sobre tudo isso – até que chegamos no momento em que as previsões se realizaram diante dos nossos olhos”, constatou. "Acho que isso provocará um verdadeiro impacto nos cidadãos e, por consequência, nos políticos." No Brasil, foco no desmatamento Já no Brasil, na área ambiental, foram os recordes de desmatamento e queimadas, sempre atualizados para pior durante o governo de Jair Bolsonaro, que continuaram a ocupar as manchetes no país e internacionais. Meses como setembro e outubro foram os piores registrados em 12 e sete anos, respectivamente. No período de um ano, 11,6 mil km² da Amazônia foram desmatados, o segundo pior índice desde 2009, de acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). “O desmatamento está crescente nos últimos quatro anos e está se propagando por lugares onde não ocorria antes. A gente não via fogo em grandes quantidades na região de Lábrea, por exemplo, ou no sul do Amazonas. Não era um tema naquela região”, apontou Tasso Azevedo, coordenador-geral do Mapbiomas, plataforma de referência no monitoramento de queimadas. “É um crescimento consistente que é resultado dos sinais que são dados no nível federal que, no fundo, diz que vai acabar com as punições e vai reinar a impunidade em relação aos crimes ambientais.” Esse quadro tem consequências não só para o clima, mas também para a economia. Em 2022 o Brasil deu um passo a mais rumo à perda de mercados para as suas exportações de matérias-primas, em represália à política ambiental destrutiva. Em dezembro, a União Europeia chegou a um acordo sobre uma nova lei para proibir a compra de produtos oriundos de áreas de florestas desmatadas ilegalmente. A medida atinge em cheio alguns dos carros-chefes do comércio internacional brasileiro, como a carne, a soja e a madeira. “É uma legislação muito bem-vinda e esperada por toda a comunidade de cientistas e socioambientalistas. De forma transversal, vejo que o grande impacto vai ser minar a pressão de especulação de terras no Brasil”, disse o cientista de uso da terra Tiago Reis, coordenador na América do Sul da Trase, uma iniciativa internacional especializada em rastrear a origem e o destino das matérias-primas no comércio mundial. “De 90 a 99% do desmatamento global de 2015 a 2019 foi para a agropecuária. Mas de 35 a 55% desse desmatamento foi improdutivo, ou seja, ele foi motivado pela perspectiva de lucro com a venda da terra, de olho nos preços futuros das commodities agropecuárias. Quando a UE define que não vai importar produtos de áreas desmatadas, ela está dizendo que essa terra não vai mais valer tanto assim, já que vai encontrar restrições de mercado”, salientou Reis. Neste contexto, a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva, em outubro, foi a melhor noticia ambiental do ano para o Brasil. Em sua primeira viagem internacional após o pleito, Lula foi à Conferência do Clima da ONU em Sharm el-Sheikh, no Egito (COP27), anunciar ao mundo o seu comprometimento com a preservação da maior floresta tropical do planeta. “Não há segurança climática para o mundo sem uma Amazônia protegida. Não mediremos esforços para zerar o desmatamento e a degradação de nossos biomas até 2030”, ressaltou. “Os crimes ambientais, que cresceram de forma assustadora durante o governo que está chegando ao fim, serão agora combatidos sem trégua.” Outra boa notícia para o país foi a eleição de duas deputadas indígenas, Sônia Guajajara e Célia Xacriabá, importantes defensoras das causas dos povos originários. “Estaremos juntas, comprometidas com a bancada do cocar, para fortalecer o futuro Ministério dos Povos Indígenas [a ser chefiado por Guajajara]. Se nós somos a solução número 1 para conter as mudanças climáticas, como afirma a própria ONU, nós queremos e precisamos marcar presença nos outros ministérios: no Meio Ambiente, na Cultura, na Educação”, afirmou Célia à RFI, em uma conversa em Sharm el Sheikh. “Nós chegamos para ‘mulherizar' e ‘indigenizar' a política, porque onde existe indígena, existe floresta.” COP27 tem avanço para países pobres, mas falha em responder à altura os desafios A conferência ambiental mais importante do ano ocorreu em novembro. O evento resultou na decisão de criar um financiamento específico para os países em desenvolvimento serem compensados, com recursos das nações desenvolvidas, pelas perdas e danos já sofridos devido às mudanças do clima – uma demanda história dos países pobres. Por outro lado, a conferência, abalada pelos efeitos da guerra na Ucrânia e realizada em um país que deixa a desejar na pasta ambiental, falhou ao paralisar os esforços por reduções de emissões de CO2 e encaminhar a diminuição do uso de combustíveis fosseis. Nos dois aspectos, essenciais para o cumprimento do Acordo de Paris, o texto final da COP27 apenas manteve o que já havia sido acordado na conferência anterior, em Glasgow.

Rádio PT
LULA PRESIDENTE - DA PERSEGUIÇÃO POLÍTICA À ESPERANÇA RENOVADA - Eps 10 - (29-12-22)

Rádio PT

Play Episode Listen Later Dec 29, 2022 2:20


Neste último episódio, a Rede Povo de Comunicação fala da vitória de Lula nas eleições de 2022 e o trabalho do novo governo para garantir os seiscentos reais do Bolsa Família e mais cento e cinquenta reais extras para crianças de até 6 anos. O capítulo traz, também, as viagens internacionais de Lula, como a sua ida ao Egito para participar da COP-27, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. Se você perdeu algum episódio ou que maratonar, acesse PT.ORG.BR ou acesse o spotify da RÁDIO PT e confira a trajetória do nosso presidente Lula. radio.pt.org.br

Durma com essa
Como a nevasca nos EUA fecha um ano de extremos climáticos

Durma com essa

Play Episode Listen Later Dec 27, 2022 14:12


O número de mortos em decorrência da tempestade de inverno que atinge os Estados Unidos e o Canadá desde o Natal passou de 50. O fenômeno acontece ao fim de um ano marcado por eventos climáticos extremos que bateram recordes em vários países, como secas, ciclones e chuvas torrenciais. O Durma com Essa desta terça-feira (27) relembra os principais episódios, que tiveram impacto mais grave nos países em desenvolvimento, e explica a discussão sobre o financiamento de perdas e danos causados pela mudança climática iniciada na COP27, no Egito. O episódio também tem participação da redatora Mariana Vick, que fala sobre uma nova plataforma sobre dados de desigualdade racial no Brasil. Assine o podcast: Spreaker | Apple Podcasts | Deezer | Google Podcasts | Spotify | Outros apps (RSS)Edição de áudio Pedro Pastoriz

Corrección Climática Podcast
Finalizando 2022 - Conoce al equipo VoLo

Corrección Climática Podcast

Play Episode Listen Later Dec 26, 2022 18:53


En este último episodio de la primera temporada del podcast Corrección Climática, estamos llegando a usted en vivo desde nuestras oficinas en Palm Beach Gardens, FL.  Hoy tengo el placer de presentarles a nuestro talentoso y variado equipo. Sólo por diversión, este episodio se presenta en spanglish. Nos sentamos para mantener una conversación informal y cada uno nos contó por qué le apasiona trabajar por soluciones climáticas. También hablamos de cómo ven que el clima está cambiando a su alrededor. Para conocer a nuestro equipo -y poner caras a los nombres- visita nuestra página web: https://volofoundation.org/mission/  Ahora ponte cómodo, relájate y disfruta del espectáculo.  

ONU News
Mudança climática transforma o Ártico deixando a região mais quente em anos

ONU News

Play Episode Listen Later Dec 23, 2022 0:02


ONU News
Banco Mundial aprova projeto de financiamento climático para o Brasil

ONU News

Play Episode Listen Later Dec 22, 2022 0:02


Notícias Agrícolas - Podcasts
Exportações de frutas foram impactadas por desafios climáticos no Nordeste e Sul do Brasil em 2022, diz presidente da Abrafrutas

Notícias Agrícolas - Podcasts

Play Episode Listen Later Dec 22, 2022 14:44


Setor tem boas perspectivas para 2023, com abertura de novos mercado e ampliação de parcerias comericais com outros países

Sur-Urbano
Capitalismo, la Crisis Climática y la Planificación en Puerto Rico - Mesa Redonda

Sur-Urbano

Play Episode Listen Later Dec 21, 2022 58:35


Bienvenides a un episodio muy especial de Sur-Urbano sobre Puerto Rico. En vez del formato de entrevista que normalmente hacemos, hicimos una mesa redonda para explorar la relación entre el colonialismo, el capitalismo y el cambio climático en la isla. Lo interesante es que, como este es un podcast sobre ciudades, lo hacemos desde el punto de vista de la planificación. En otras palabras, exploramos sobre cómo la historia de Puerto Rico, desde el colonialismo hasta los ajustes estructurales neoliberales, se cristalizaron en las instituciones de planificación en Puerto Rico, y así afectaron la respuesta ante el huracán María y su reconstrucción. Para ello tenemos dos invitados de lujo. El primero es David Josué Carrasquillo Medrano, quien fue el pasado presidente de la Sociedad Puertorriqueña de Planificación, y lleva años trabajando en temas de ordenamiento – u ordenación, como lo dicen en Puerto Rico - territorial, además de haber trabajando con los Planes de Ordenación Territorial y Planes de REcuerpación de múltiples municipios. También tenemos a Omar Pérez Figueroa, quien obtuvo su doctorado en la universidad de California Irvine del departamento de planificación urbana y política pública, y es el autor de textos como “La geografía de la crisis del agua: ¿Dónde está Puerto Rico?” y demás que pueden consultar aquí: https://www.omarperez.me/bio

Ideias Feitas
Marcelo: 33 carros contra as alterações climáticas

Ideias Feitas

Play Episode Listen Later Dec 20, 2022 9:02


Alberto Gonçalves comenta a renovação da frota presidencial.See omnystudio.com/listener for privacy information.

EN POCAS PALABRAS
Anuncian una Cumbre sobre la Ambición Climática

EN POCAS PALABRAS

Play Episode Listen Later Dec 19, 2022 4:24


En la ONU el Secretario General convocó para septiembre una cumbre en la que exigirá a los líder mundiales que acudan con medidas nuevas, tangibles y creíbles con las que acelerar el ritmo de la lucha contra el cambio climático. La Cumbre sobre la Ambición Climática “Será una cumbre sin tonterías. Sin excepciones. Sin componendas. No habrá lugar para detractores, lavados de cara ecológicos, o reempaquetadores de compromisos antiguos”, aseguró António Guterres.

24 horas
24 horas - Joaquín Araujo, naturalista: "La pérdida de la biodiversidad es nuestra mayor amenaza, por encima de la catástrofe climática"

24 horas

Play Episode Listen Later Dec 19, 2022 5:08


La Cumbre de la Biodiversidad de Montreal (Canadá), la llamada COP15, ha terminado con el compromiso de proteger al menos un 30% de la superfície del planeta en 2030. Para el especialista en diversidad Joaquín Araujo, divulgador y naturalista, el acuerdo "es manifiestamente insuficiente". Araujo define la pérdida de biodiversidad como la mayor amenaza, "incluso por encima de la catástrofe climática". Explica que "en los últimos cien años, el mundo ha perdido cerca del 90% de sus zonas naturales" y advierte de que el ser humano necesita estas ofras formas de vida para subsistir. Escuchar audio

En primera persona
En primera persona - Innovación climática en el Cartuja Qanat - 18/12/22

En primera persona

Play Episode Listen Later Dec 18, 2022 31:30


En ciudades como Sevilla se está intentando innovar con espacios climáticamente adaptados dónde invitar a la ciudadanía a hacer uso de ellos. El Cartuja Qanat es un ejemplo de ello y un prototipo que , si funciona, se puede replicar en otros espacios de la ciudad. Pero ahora hay que conseguir que la ciudadanía lo use y lo haga suyo. ¿Qué es más efectivo? ¿Construir primero un espacio y luego invitar a que vengan o que la ciudadanía reclame el espacio y pueda hacerlo suyo con la complicidad y ayuda del ayuntamiento? Sea como sea, está claro que las ciudades, los barrios, sus vecinos necesitan de espacios públicos y que el ayuntamiento tiene que ser un aliado para que la convivencia, climática también, mejore el día a día de las personas. En este espacio financiado por Europa se ha intentado combinar el método persa antiguo para climatizar con tecnología nueva.  Escuchar audio

Capital
Capital Intereconomía 11:00 a 12:00 16/12/2022

Capital

Play Episode Listen Later Dec 16, 2022 52:59


En Foro directivos nos visita Ana Muñoz, consejera independiente de varias empresas cotizadas y familiares; consejera de International Womens Forum, y de los alumni de la Escuela de Negocios IMD. Y también miembro del Consejo de AED en Cataluña. Valladolid elegida entre las 100 ciudades Climáticamente neutras para el 2030. Hablamos con Charo Chávez, concejala de Innovación, Desarrollo Económico, Empleo y Comercio. Y Foro empleo con Marisa Cruzado, socia en CVA; Luis Pérez, director de relaciones institucionales de Randstad y entrevistamos a María Obispo, Directora de Talent Engagement en LLYC sobre su último informe de tendencias de empleo.

Chutando a Escada
Sociedade Civil, mudanças climáticas e segurança alimentar

Chutando a Escada

Play Episode Listen Later Dec 16, 2022 58:57


Conversamos com Maureen Santos (FASE) e André Luzzi (CSSAN) sobre o nexo entre mudanças climáticas, biodiversidade e segurança alimentar e nutricional. The post Sociedade Civil, mudanças climáticas e segurança alimentar appeared first on Chutando a Escada.

Capital
Valladolid elegida entre las 100 ciudades climáticamente neutras para el 2030

Capital

Play Episode Listen Later Dec 16, 2022 8:17


Hoy en Capital Intereconomía hemos hablado con Charo Chávez, concejala de Innovación, Desarrollo Económico, Empleo y Comercio del Ayuntamiento de Valladolid

Desenrola, Rio
169 Desenrola, Rio - A conta das tragédias climáticas

Desenrola, Rio

Play Episode Listen Later Dec 15, 2022 9:06


Todo ano é a mesma situação: temporais que terminam com tragédias. São enchentes, alagamentos e desmoronamentos com época marcada para acontecer no Rio. O assunto é tão grave que, inclusive, foi debatido na COP-27, no Egito. A Casa Fluminense fez as contas e viu quanto isso custa aqui no estado em número de mortes e também em prejuízo financeiro. Para desenrolar o assunto, o jornalista Edimilson Ávila conversa com o economista Vitor Mihessen, que coordena a Casa Fluminense.

Ideias Feitas
Confinar lisboetas para achatar a curva climática

Ideias Feitas

Play Episode Listen Later Dec 13, 2022 8:15


Alberto Gonçalves comenta as limitações à circulação em Lisboa por causa das cheiasSee omnystudio.com/listener for privacy information.

Programa Cujo Nome Estamos Legalmente Impedidos de Dizer
O psicodrama de Ronaldo e o resto (inclui alterações climáticas)

Programa Cujo Nome Estamos Legalmente Impedidos de Dizer

Play Episode Listen Later Dec 10, 2022 50:07


O mundo anda agitado. Putin avisa que o perigo de um conflito nuclear está a aumentar. O presidente do Peru, a quem o poder que tinha não chegava, quis tornar-se ainda mais poderoso com um golpe de Estado. Um príncipe alemão de extrema-direita também achou que estava na altura de tomar o poder pela força. Houve um temporal em Lisboa, com inundações que só surpreendem quem tem a memória fraca, mas desta vez com uma justificação de pronto-a-vestir: as alterações climáticas. E com tudo isto a acontecer, o protagonista da semana foi… Cristiano Ronaldo. E se o psicodrama de Cristiano Ronaldo fosse ter-se convencido de que é… Cristiano Ronaldo?See omnystudio.com/listener for privacy information.

Lado B do Rio
Lado B do Rio #260 - A fome, o agro e o clima (com Junior Aleixo)

Lado B do Rio

Play Episode Listen Later Dec 10, 2022 51:43


No penúltimo Lado B do ano, recebemos o pesquisador Junior Aleixo, doutorando de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, e especialista em Justiça Climática, para explicar como a fome, o agronegócio e as mudanças climáticas se interligam na dinâmica do capitalismo.– Com Caio Bellandi e Daniel Soares;– Apoie o Lado B na Orelo por pix ou cartão de crédito.

Ideias Feitas
Lisboa está cheia de “alterações climáticas”

Ideias Feitas

Play Episode Listen Later Dec 9, 2022 7:47


Alberto Gonçalves comenta as explicações para as cheias de Lisboa.See omnystudio.com/listener for privacy information.

English in Brazil Podcasts - sua dose de inglês a qualquer momento
Starting Up | Episode 94 - Previsão do Tempo em Inglês e Termos Climáticos

English in Brazil Podcasts - sua dose de inglês a qualquer momento

Play Episode Listen Later Dec 9, 2022 9:48


Você que não sai de casa sem se informar sobre a previsão do tempo, vai gostar de aprender esse vocabulário sobre o clima em inglês! Tempo ensolarado…………sunny Weather I'm so glad today we have a sunny weather! Tempo nublado…………….cloudy weather - Oh, come on! Cloudy weather again? Tempo com chuva…………rainy weather - I just hope this summer we don't have the typical rainy weather! Tempo com tempestade…..stormy weather - Don't go outside because of the stormy weather! Tempo com ventanias…….windy weather - I hate windy Weather! Tempo seco………………… dry weather I'm sick of this dry weather! Quente………………………hot Calor/abafado…………….warm Frio…………………………cool Muito frio (de zero pra baixo)…………cold Trinta graus……………..thirty degrees Cinco graus negativo…. five below zero Baixe nosso e-book gratuito Roteiro de Estudos - https://eibrazil.com/re-podcast NOSSO PERFIL OFICIAL NO INSTAGRAM: www.instagram.com/englishinbrazil

Hablemos de Derecho Internacional (HDI)
#99: Prof. Natalia Ochoa Ruiz -Migrantes Climáticos (Premium)

Hablemos de Derecho Internacional (HDI)

Play Episode Play 60 sec Highlight Listen Later Dec 8, 2022 27:17


En este episodio Edgardo Sobenes conversa con la Prof. Natalia Ochoa Ruiz  acerca de los migrantes climáticos. La Profesora inicia ofreciendo sus valoraciones generales sobre el cambio climático, la elevación del nivel del mar y su impacto en las pequeñas islas en el Pacífico. Posteriormente elabora sobre el cuerpo de soft law relacionado al aumento de los niveles del mar y su impacto. Nos habla acerca de los refugiados climáticos, los migrantes climáticos, los desplazamientos por motivos climáticos sin opción de retorno, las islas artificiales, la soberanía, y los desafíos reales y jurídicos que se enfrentan. Nos conversa sobre los conflictos domésticos causados por el cambio climático que han llevado a poblaciones masivas de desplazados internos y refugiados, y comparte sus reflexiones sobre el reconocimiento de los desplazados por motivos climáticos.Membresía del Podcast (https://www.hablemosdi.com/contenido-premium) Acerca de la Prof. Natalia Ochoa Ruiz En la actualidad es profesora en la Universidad Camilo José Cela de Madrid y Secretaria Académica de la Escuela Internacional de Doctorado (EID-UCJC). Anteriormente ha sido profesora de Derecho Internacional Público y Organizaciones Internacionales en las Universidades de Zaragoza y Europea de Madrid y consultora en la Universitat Oberta de Catalunya, y ha impartido docencia en la Universidad Complutense de Madrid, en el marco de una Beca de Formación del Profesorado Universitario concedida por el Ministerio de Educación y Ciencia, en el marco de la cual realizó su tesis doctoral. Support the showAdquiere aquí el libro " Hablemos de Derecho Internacional Volumen I" https://www.hablemosdi.com/libros

SBS Portuguese - SBS em Português
A erosão provocada pelas alterações climáticas avança na costa portuguesa

SBS Portuguese - SBS em Português

Play Episode Listen Later Dec 7, 2022 2:21


A erosão costeira está a ser um problema sério que afeta um quinto do litoral português.

O Tempo Virou
#56 Justiça climática - com Thuane Nascimento

O Tempo Virou

Play Episode Listen Later Dec 6, 2022 33:33


Giovanna recebe no último episódio da terceira temporada, completando o arco de temas sobre futuro, Thuane Nascimento, a Thux. A conversa foi sobre justiça ambiental, o papel fundamental dos jovens na luta pelo clima, em especial da juventude periférica. Thux questiona também a responsabilidade que jogam sobre o colo das populações periféricas do planeta os problemas que na verdade deveriam ser endereçados aos governantes e às elites dominantes dos países que mais contribuem para a crise climática planetária.

Mamilos
COP27: para onde estamos caminhando?

Mamilos

Play Episode Listen Later Dec 5, 2022 54:56


Mamileiros e mamiletes, a Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP27) foi realizada entre os dias 6 e 18 de novembro, em Sharm el-Sheikh, no Egito. O Mamilos, em mais uma parceria com Pacto Global da ONU no Brasil, teve a oportunidade de mediar conversas nesse encontro e acompanhar importantes discussões sobre os movimentos realizados para mitigar as mudanças climáticas. No programa de hoje, vamos trazer um apanhado geral sobre o evento e o resultado que essas conversas têm provocado no Brasil e no mundo. No início do programa, você vai ouvir a apresentação de Thelma Krug, matemática, professora e pesquisadora brasileira com atuação na área de mudanças climáticas. Ela é vice-presidente do IPCC (sigla em inglês para o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), uma organização criada pela ONU, desde 2015. Quem também participou do episódio foi Maitê Padovani Leite, gerente de Clima do Pacto Global da ONU Brasil, que esteve presente em diversas plenárias e nos contou o que mais chamou sua atenção no evento. Para entender o acordo oficial firmado na COP27 e como o documento foi construído, a gente conversou com Diego Casaes, diretor de campanha na Avaaz, rede para mobilização social global através da Internet. A gente sabe que para alcançar os objetivos traçados na COP27, muitas ações precisam acontecer no setor privado. Por isso, a gente vai ouvir exemplos práticos de empresas brasileiras que estão comprometidas com o Acordo de Paris e com as metas climáticas propostas na COP. Ouvimos Paulo Pianez, diretor de Sustentabilidade e Comunicação Corporativa América do Sul na Marfrig Global Foods, e André Ferretti, gerente sênior de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Mas de onde pode vir o dinheiro necessário para financiar as mudanças urgentes? Para falar sobre esse tópico do investimento, vamos entender como acontece a mobilização de capital para transição climática e econômica com Gustavo Montezano, que atualmente ocupa o cargo de presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES. Aperta o play e vamos juntos nesse debate tão urgente! _____ FALE CONOSCO . Email: mamilos@b9.com.br _____ SADIA A Sadia é uma marca parceira em todos os momentos, do café da manhã ao jantar, do dia a dia àquela data especial. E agora, durante os jogos do mundial, você também pode contar com Sadia quando pensar naquele petisco delicioso para servir durante todos os jogos. A marca tem uma variedade de produtos que trazem muito sabor e praticidade à sua vida. Tem presunto, salame, nuggets, pizza, linguiça toscana, salsicha, lasanha bolonhesa e muitos outros produtos com várias possibilidades de preparo! É por isso que o Mamilos e a Sadia querem tornar os jogos do mundial um momento ainda mais inesquecível. É ano de hexa, é hora de se unir pra torcer e pra comemorar esse evento que a gente tanto ama e só acontece de quatro em quatro anos. E pra melhorar o clima, a Sadia disponibilizou em seu site a receita de Samosa, com o preferido dos brasileiros, o presunto Sadia, a pesquisa da Kantar Insights comprova! E se você também quer um petisco pra comer com a galera na sua casa, não fique só na vontade também, acesse o site da Sadia e confira essas e outras receitas em: www.sadia.com.br/receitas. Nesse mundial não importa sua rotina, sua torcida pede Sadia. _____ CONTRIBUA COM O MAMILOS Quem apoia o Mamilos ajuda a manter o podcast no ar e ainda participa do nosso grupo especial no Telegram. É só R$9,90 por mês! Quem assina não abre mão. https://www.catarse.me/mamilos _____ Equipe Mamilos Mamilos é uma produção do B9 A apresentação é de Cris Bartis e Ju Wallauer. Pra ouvir todos episódios, assine nosso feed ou acesse mamilos.b9.com.br Quem coordenou essa produção foi a Beatriz Souza. Com a estrutura de pauta e roteiro escrito por Eduarda Esteves. A edição foi de Mariana Leão e as trilhas sonoras, de Angie Lopez. A capa é de Helô D'Angelo. A coordenação digital é feita por Agê Barros, Carolina Souza e Thallini Milena. O B9 tem direção executiva de Cris Bartis, Ju Wallauer e Carlos Merigo. O atendimento e negócios é feito por Rachel Casmala, Camila Mazza, Greyce Lidiane e Telma Zenaro.

ONU News
Jovens de Moçambique querem ter voz em decisões sobre mudanças climáticas

ONU News

Play Episode Listen Later Dec 2, 2022 0:03


Radiocable.com - Radio por Internet » Audio
Juan López Uralde: “El negacionismo climático no tiene evidencia científica, es postureo político”

Radiocable.com - Radio por Internet » Audio

Play Episode Listen Later Nov 29, 2022 0:01


La contaminación del agua es un problema global. El agua de lluvia ya no es apta para consumo humano en ninguna parte del

Lado B do Rio
Lado B do Rio #258 - Racismo ambiental e justiça climática

Lado B do Rio

Play Episode Listen Later Nov 25, 2022 69:05


O Lado B recebe Marcele Oliveira, comunicadora e ativista da “Agenda Realengo 2030” e da coalizão “O Clima é De Mudança”. Na conversa, os conceitos de justiça climática e racismo ambiental, como as ações globais impactam nas periferias do mundo e as possibilidades de uma nova forma de sociedade para tentar frear a catástrofe climática.– Com Caio Bellandi, Daniel Soares e Luara Ramos;– Apoie o Lado B na Orelo por pix ou cartão de crédito;– Música de Encerramento: Gilberto Gil - Aquele Abraço

CarneCruda.es PROGRAMAS
Activismo climático: la protesta que molesta (CARNE CRUDA #1128)

CarneCruda.es PROGRAMAS

Play Episode Listen Later Nov 24, 2022 60:39


La semana pasada concluyó la última Conferencia de Naciones Unidas sobre el Cambio Climático sin acuerdos relevantes para mitigar las catastróficas consecuencias de la crisis climática. Ante esa situación, activistas de todo el mundo no se resignan e ingenian formas de protesta cada vez más impactantes: ¿La acción directa es necesaria cuando el poder no atiende a las demandas de la ciudadanía? Lo hablamos con Azahara Palomeque de la revista Climática, el científico Fernando Valladares y Lis Gaibar, periodista de El Salto. Y repasamos la reciente COP celebrada en Egipto con Raúl Rejón, redactor de clima en eldiario.es Más información aquí: https://bit.ly/ActivistasClima1128 Haz posible Carne Cruda: http://bit.ly/ProduceCC

Aleixo FM
COP 27

Aleixo FM

Play Episode Listen Later Nov 23, 2022 4:41


A Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2022, comummente designada por COP 27, acrónimo para 27th Conference of the Parties (também podia ser CP 27 ou COTP 27)

O Assunto
A COP e o preço das mudanças climáticas

O Assunto

Play Episode Listen Later Nov 22, 2022 31:27


Depois de duas semanas de negociações na Conferência do Clima da ONU, representantes de mais de 200 países chegaram a um acordo para criar um fundo de compensação às nações mais vulneráveis a eventos extremos. Por outro lado, a COP 27 falhou ao não firmar uma meta de desaceleração de emissão dos gases causadores do efeito estufa. Neste episódio, Natuza Nery conversa com Daniela Chiaretti, repórter especial do jornal Valor Econômico que acompanhou a COP no Egito, e José Eli da Veiga, professor do Instituto de Estudos Avançados da USP. Você irá ouvir: - Daniela relembra a resistência histórica de países ricos em aceitar a criação do fundo de perdas e danos, e detalha os três principais motivos para isso; - A jornalista explica o que levou à maior “derrota" da COP-27: a ausência de acordo na diminuição até zerar o uso de combustíveis fósseis; - José Eli da Veiga avalia que o fundo é "uma espécie de reconhecimento de fracasso", e lamenta que, ao não dar centralidade à redução das emissões, os debates hoje sejam apenas sobre “como é que vamos salvar as primeiras vítimas"; - Ele aponta os erros históricos nas negociações pelo clima e explica por que, a partir do momento que o sistema financeiro entrou nas discussões sobre redução de emissões, foram criados os mecanismos de compensação que “animaram” o setor privado.

Enfoque internacional
El Estado de Vanuatu busca abrir un litigio climático para limitar el calentamiento global

Enfoque internacional

Play Episode Listen Later Nov 21, 2022 2:57


La Cop27 en Egipto cerró sus sesiones con un acuerdo para indemnizar a los países más afectados por el cambio climático. Pero varias voces estiman que el acuerdo firmado en la conferencia climática es insuficiente para limitar el calentamiento global. Un Estado insular lanzó una iniciativa para solicitar la Corte Internacional de Justicia. Desde Sharm El Sheij, por nuestro enviado especial a la COP27. En las sucesivas cumbres climáticas, las naciones insulares del océano Pacifico han sido históricamente las más exigentes para proteger el clima. Ante el riesgo de ver sus costas y sus tierras agrícolas sumergidas por el incremento del nivel del mar –un efecto del cambio climático – Vanuatu, uno de estos Estados, decidió elevar la lucha al plano judicial: ante la lentitud de los grandes emisores de gases de efecto invernadero en reducir sus emisiones, sus gobernantes quieren llevar el caso del cambio climático a la corte internacional de justicia en La Haya.   “La crisis climática no consiste simplemente en manejar toneladas de emisiones de CO2, se trata de la equidad entre generaciones y de proteger los derechos fundamentales de personas que están perdiendo sus recursos para subsistir alrededor del mundo, y sus vidas”, justificó Ralph Regenvanu, ministro de cambio climático del Estado de Vanuatu en la COP27 en Egipto. La iniciativa ha ido sumando cada vez más apoyos de otros Estados, y en las próximas semanas se sabrá si Vanuatu logra reunir los 92 votos necesarios en la asamblea general de Naciones Unidas para lanzar una consulta a la Corte Internacional de Justicia de La Haya en Países Bajo. La consulta “busca que se precisen cuáles son las obligaciones que tienen los países en relación al cambio climático, para los derechos humanos”, explica a RFI Javier Dávalos, abogado experto en derechos humanos y coordinador del programa de clima de la Asociación Interamericana para la Defensa del Medio Ambiente AIDA. “Sabemos que la crisis climática es el principal motivo de violación de derechos de las personas en términos de desplazamiento, de pérdida de medios de vida, de afectación a la salud”, recuerda Dávalos. Según el jurista, “contar con una consultiva de la Corte Internacional de Justicia permitiría tener un instrumento más a nivel de derecho internacional”, sin descartar un posible juicio posterior para emplazar a los países a reducir significativamente sus emisiones de gases de efecto invernadero. La táctica de los litigios climáticos consiste en utilizar “las obligaciones del Acuerdo de París para llevar adelante procesos de defensa de los derechos de las personas. No solo desde la perspectiva de la violación especifica del derecho de un ser humano, sino de cómo ciertas acciones u omisiones están llevando a aumentar las emisiones de gases de invernadero”, detalla Javier Dávalos, desde la COP27. Alrededor del mundo ya existen cerca de 50 litigios ambientales. Uno de los casos más famosos fue la condena del estado neerlandés por jueces nacionales que obligaron al gobierno a reducir un 25 por ciento sus emisiones de gases con efecto invernadero. 

Música Cristiana (Gratis)
El Estado de Vanuatu busca abrir un litigio climático para limitar el calentamiento global

Música Cristiana (Gratis)

Play Episode Listen Later Nov 21, 2022 2:58


La Cop27 en Egipto cerró sus sesiones con un acuerdo para indemnizar a los países más afectados por el cambio climático. Pero varias voces estiman que el acuerdo firmado en la conferencia climática es insuficiente para limitar el calentamiento global. Un Estado insular lanzó una iniciativa para solicitar la Corte Internacional de Justicia.

O Antagonista
Cortes do Papo - O uso político dos indígenas na Bolívia

O Antagonista

Play Episode Listen Later Nov 18, 2022 8:47


O presidente eleito do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, anunciou várias vezes que criará o Ministério dos Povos Originários, lembra o jornalista boliviano Humberto Vacaflor Ganam, na Crusoé desta semana. "A última delas foi na 27ª Conferência das Partes da ONU para as Mudanças Climáticas, no Egito. 'Os povos originários e aqueles que residem na região amazônica devem ser os protagonistas da sua preservação', disse Lula na COP27. O termo 'originário', contudo, não é de uso corrente entre os brasileiros." "Embora o Dicionário Houaiss aceite o seu uso como 'nativo do lugar onde se encontra' e como sinônimo de 'indígena', ele é empregado mais para dizer que alguém é proveniente de um lugar. Pode-se falar, por exemplo, do turista originário de Minas Gerais. A palavra, assim, aparece na linguagem popular normalmente com um complemento. Em seu novo emprego, difundido pelo presidente eleito, 'originário' é um adjetivo com um fim em si mesmo. Nessa nova acepção, o termo ainda está engatinhando no Brasil, mas a palavra já tem uma larga trajetória em outros países da América Latina, principalmente em meu país, a Bolívia." LEIA MAIS AQUI; assine a Crusoé e apoie o jornalismo independente. Inscreva-se e receba a newsletter:  https://bit.ly/2Gl9AdL Confira mais notícias em nosso site:  https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais:  https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista ​https://www.instagram.com/o_antagonista https://www.tiktok.com/@oantagonista_oficial No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Assunto
O Brasil de volta à agenda climática

O Assunto

Play Episode Listen Later Nov 17, 2022 24:20


Desde que o país recusou sediar a COP-25 – uma das primeiras decisões do então presidente-eleito Jair Bolsonaro (PL, então no PSL) – a política climática brasileira foi rebaixada à posição de pária global. Durante os últimos quatro anos, a Amazônia registrou recordes de desmatamento e o Brasil se tornou o quinto maior emissor de gases de efeito estufa. Nesta quarta-feira, o “discurso contundente” do presidente-eleito Lula (PT) na 27ª Conferência do Clima atraiu os olhos de “observadores e negociadores de todo o mundo”. É o que testemunhou, diretamente de Sharm El Sheikh, no Egito, a administradora pública especialista em mudanças climáticas Natalie Unterstell. Em entrevista a Julia Duailibi, ela, que é também presidente do Instituto Talanoa, relata a expectativa dos representantes em relação à volta do país aos compromissos climáticos. “Há esperança, mas também cobrança”, diz. Na agenda política interna, Lula sinalizou a necessidade de “fortalecer alianças” com estados e municípios para avançar em direção a uma “economia descarbonizada”. Para os agentes internacionais, avalia Natalie, foram bem recebidos o compromisso de zerar o desmatamento de todos os biomas até 2030 e a “tímida” pressão sobre os países desenvolvidos para “cumprirem os acordos que podem conter a crise climática”.

Es la Mañana de Federico
Federico a las 6: Sánchez y los líderes mundiales deliran y hablan de "apocalipsis climático"

Es la Mañana de Federico

Play Episode Listen Later Nov 8, 2022 37:57


Sara Sanz comenta toda la actualidad nacional e internacional centrada en la cumbre del clima en Egipto y otros asuntos.

Es la Mañana de Federico
Federico a las 8: La estupidez climática se instala en España

Es la Mañana de Federico

Play Episode Listen Later Nov 8, 2022 31:36


Federico comenta cómo la religión climática se ha instalado en España y, especialmente, en las grandes ciudades y otros asuntos de la actualidad.