Podcasts about eles

Share on
Share on Facebook
Share on Twitter
Share on Reddit
Copy link to clipboard

Place in Siliana Governorate, Tunisia

  • 2,463PODCASTS
  • 6,918EPISODES
  • 32mAVG DURATION
  • 5DAILY NEW EPISODES
  • Nov 19, 2021LATEST
eles

POPULARITY

20112012201320142015201620172018201920202021


Best podcasts about eles

Show all podcasts related to eles

Latest podcast episodes about eles

Trip FM
Sophia Bisilliat: Sempre me senti bem no presídio

Trip FM

Play Episode Listen Later Nov 19, 2021


Ativista social conta sobre o trabalho no presídio do Carandiru, na Cracolândia e fala da relação com o dinheiro Neta de um diplomata e filha de uma artista genial, Sophia Bisilliat tinha tudo para escolher uma vida diferente. Durante muito tempo, no entanto, ela sentiu culpa pela condição social em que nasceu. Ainda adolescente, passava de metrô em frente ao presídio do Carandiru e sentia uma vontade inexplicável de explorar um mundo que em quase nada tinha a ver com o seu. É verdade que o trabalho com povos indígenas e sertanejos de sua mãe, a celebrada fotógrafa Maureen Bisilliat, possa ter plantado a semente do ativismo social em Sophia, mas, por outro lado, Maureen viajava muito e foi pouco presente em sua criação. Hoje com 58 anos, Sophia pela primeira vez conseguiu alguma estabilidade financeira como professora de ioga. Antes disso, ela trabalhou muito, mas sempre de graça. Aos dezessete realizou o seu desejo de visitar o sistema carcerário por meio de um projeto que levava teatro aos detentos; foi a via que encontrou sendo uma atriz aspirante. Com o tempo, a iniciativa foi se dissolvendo, mas ela seguiu visitando o cárcere, onde finalmente criou o Talentos Aprisionados, um trabalho muito elogiado que visava encontrar artistas escondidos detrás das celas. Foi daí que surgiu o grupo de rap 509-E, de Dexter e Afro-X, e o escritor Luiz Alberto Mendes, finalista do Prêmio Jabuti de Literatura em 2006 e colunista da revista Trip até o seu falecimento, em 2020. "Quando comecei a trabalhar lá dentro, usava um jalecão que funcionava como uma espécie de escudo. Sempre me senti muito segura. Essa era a graça: ser uma mulher ao lado de 7.500 presos, andando sozinha, e com respeito total", conta.  Com a pandemia pelo novo coronavírus, os esforços de Sophia se voltaram a distribuir cestas básicas em favelas de São Paulo, onde também aos poucos retoma os treinos de ioga que oferece gratuitamente nas lajes. "É incrível o que estamos fazendo para a autoestima dessas mulheres”, conta sobre as participantes. Moradora de uma escola de circo, ela pouco fica em casa. Mesmo para o próximo Natal, já assumiu o compromisso de fazer uma ceia para os dependentes químicos na Cracolândia, outro pilar de suas ações. "Qualquer um pode cair na Cracolândia, ninguém está livre de uma depressão. Se você tem dinheiro, claro, pode evitar a prisão, mas se você se vicia, não há como sair dessa".  No Trip FM, Sophia conta mais sobre a sua infância e o dia a dia nas cadeias. Ouça o programa no Spotify, no play nesta reportagem ou leia um trecho da entrevista a seguir. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2021/11/6197c020511f9/tripfm-sophia-bisilliat-atriz-mh-2.jpg; CREDITS=Divulgação; LEGEND=Sophia Bisilliat; ALT_TEXT=Sophia Bisilliat] Trip. Seu pai era francês e a sua mãe inglesa. Você é filha de expatriados. Me conta um pouco sobre a sua família. Sophia Bisilliat. Eles se conheceram aqui no Brasil. Meu pai lutou na guerra e foi preso, condenado à morte: tinha apenas 16 anos. Acabou fugindo, foi para a Argentina e terminou no Brasil. A vida dele foi complicada, amarrada. Minha mãe era filha de diplomata, viveu muito tempo viajando, então nunca teve raiz. Ela era do mundo. Ambos tiveram filhos de casamentos anteriores, mas se apaixonaram porque viviam no mesmo prédio. Minha mãe era uma borboleta, viajava muito. Aí eu nasci e tive uma infância conturbada pois existiam esses filhos que não tinham um destino muito certo. Vieram as consequências para todos nós. Filho você tem para cuidar e não para largar no mundo. Eles deixavam e a gente foi se virando. É razoável fazer uma ligação de uma infância de pais ausentes e essa sua vontade de dar uma mão para pessoas abandonadas? Eu acho que sim. Quando comecei a trabalhar no Carandiru, eu era muito nova, não ganhava nada e as pessoas ficavam me perguntando o porquê. Até hoje eu não ganho em tudo que faço socialmente, mas é algo muito mais forte do que eu. Não consigo explicar, mas com certeza a minha origem foi desembocar nesse meu trabalho. A fotografia da minha mãe é uma estética muito lapidada, mas vou mais no foco e não vejo muito a estética. Acompanhei ela em duas viagens; aquilo já me marcou muito. E também eu era cuidada por uma pessoa que morava com a gente. Convivi muito mais com a classe social dela do que com a dos meus pais. A sua biografia é muito atípica. Uma menina de dezessete anos entrar para atuar no Carandiru não acontecia. Como você foi parar dentro dessa cadeia gigantesca? Eu parava na estação Carandiru do metrô e ficava encantada com aquilo e dizia a mim mesmo que iria trabalhar lá dentro. A ferramenta que eu tinha era a minha formação como atriz. Entrei em um grupo que queria dar aulas de atuação no presídio. Isso durou oito meses, mas não quis parar. Continuei sozinha, aí já não era mais teatro, era o Talentos Aprisionados. Andava por lá para descobrir talentos na literatura, na pintura, na música. Queria levar o melhor. Fiz de tudo lá, consegui material para reformar as escolas. Mas era tudo um pretexto para continuar nesse ambiente, onde as pessoas acham que vive a escória da escória, mas que sempre me senti bem e segura. Usava um jalecão que funcionava como uma espécie de escudo. Essa era a graça: ser uma mulher ao lado de 7.500 presos, andando sozinha, e com respeito total.

Café Crime e Chocolate
Família Hart Versão 1 - Tribo Hart

Café Crime e Chocolate

Play Episode Listen Later Nov 19, 2021 31:45


Era comum que bem no meio da semana os 8 - duas mães e 6 filhos, entrassem em sua van e partissem para alguma aventura que envolvesse algum propósito seja político, social ou espiritual. Eles dançaram em Idaho, meditaram no Parque Nacional de Zion e cantaram nas ruas de New Orleans. A Van da Família Hart estava sempre na estrada, passando algum tipo de mensagem. Essa era a marca deles. Cada viagem, uma mensagem. Em sua viagem final, a van da família acelerou em direção a um penhasco na Califórnia, caindo nas aguas frias e rochosas do oceano pacifico. E a pergunta que fica é: Que mensagem foi essa?

DEVNAESTRADA
DNE 314 - Heróis

DEVNAESTRADA

Play Episode Listen Later Nov 19, 2021 43:10


Eles estão no meio de nós! Alguns escondidos, outros já revelaram sua identidade! Como conviver com eles? Mais um episódio sobre cultura passando na sua área! Vamos falar sobre heróis, os arquétipos, e como sair dessa cilada do heroísmo!

umdois Testando
Eu trolo, tu trolas, eles trolam. EP#142

umdois Testando

Play Episode Listen Later Nov 17, 2021 97:02


Quem trolla tem que estar disposto a ser trollado? | Participações | Jessica Alves @jessiconha Miguel Horta @hermanitohorta Leo Rocha @leo_bernardorocha Will Sassano @willmuitonerd Nossa loja www.lojaumdois.com.br Nosso Site www.canalumdois.com.br Seja um apoiador! www.apoia.se/umdois Segue a gente também em todas as midias sociais em @canalumdois  

Bom dia, Obvious
#120/ os memes vão salvar a internet? Com Victoria Chioccarello

Bom dia, Obvious

Play Episode Listen Later Nov 15, 2021 38:54


Em narratologia e nos estudos de literatura e roteiro, o alívio cômico é a inclusão de um diálogo, cena ou personagem que quebra situações tensas, como drama ou suspense. Na internet, o alívio cômico é responsabilidade dos memes e das páginas que criam e/ou divulgam eles. Eles tornam o twitter tolerável, o instagram menos chato e viraram quase uma linguagem de amor: quem ama, manda memes. A vida está cheia de coisas que ameaçam nossa dignidade e observe bem como transformá-las em piada é o primeiro passo para transformar o chorar em chorrir - uma tragédia compartilhada em forma de risada faz a gente se sentir menos sozinho nessa vida cheia de armadilhas para a melancolia. O impacto cultural na cultura é tão grande que se colocarmos uma pessoa da geração z para falar sobre os últimos memes com uma pessoa que está fora da internet, podem parecer duas línguas diferentes, o que também transforma em um status social: eu vi primeiro, esse meme eu já deu, eu sou mais memezeiro que você. Preguiça, mas em tempos em que a internet se une para entender quem vai ser o destruído do dia, que o jogo da ostentação e inveja sustentam a angústia pós scroll, a grande dúvida aqui é: seriam os memes os botes salva-vidas do mundo digital? Bom Dia, Obvious! Hoje, Marcela Ceribelli, CEO e diretora criativa na Obvious, conversa com a estrategista de conteúdo na Melted videos, Victoria Chioccarello.

GE São Paulo
GE São Paulo #162 - A roda gigante sem fim do Tricolor

GE São Paulo

Play Episode Listen Later Nov 8, 2021 53:51


Após vencer o Internacional e dar esperança ao seu torcedor pela briga por uma vaga na próxima Libertadores, o São Paulo decepcionou novamente ao ser derrotado pelo Bahia e passa a olhar novamente para a zona de rebaixamento. É a roda gigante sem fim do clube nos últimos ano. Eduardo Rodrigues, Leonardo Lourenço e Caio Dominguez, do " A Voz da Torcida", debatem o atual momento da equipe e para onde ela vai? É brigar até o final contra o rebaixamento ou ainda dá para sonhar com a Libertadores? Eles também projetam os próximos jogos pelo Brasileirão e trazem as últimas notícias do São Paulo.

Sacadas de Empreendedor
ELES CANSARAM DE RECEBER SALÁRIOS PARCELADOS E ATRASADOS | ERICO ROCHA

Sacadas de Empreendedor

Play Episode Listen Later Nov 6, 2021 11:39


ELES CANSARAM DE RECEBER SALÁRIOS PARCELADOS E ATRASADOS | ERICO ROCHA by Erico Rocha

Beercast Brasil
V Simposio de Cerveja – Beercast #441

Beercast Brasil

Play Episode Listen Later Nov 3, 2021 48:22


Conversamos com os organizadores do V Simpósio de Cerveja, realizado pelo Grupo de Estudos “Luiz de Queiroz”. Eles pertencem a um grupo de extensão da USP do campus Piracicaba.

Mentemania
FEMINICÍDIO | ANA BEATRIZ

Mentemania

Play Episode Listen Later Nov 1, 2021 14:05


No dia 17/10/2021, Kezia Stefani foi morta pelo namorado, o advogado criminalista José Luiz de Britto Meira Júnior. Eles tinham uma relação havia 2 anos e viviam no bairro do Rio Vermelho, em Salvador. Diante desse triste acontecimento e pensando na segurança de todas as minhas seguidoras, eu gostaria de trazer novamente esse vídeo sobre feminicídio para vocês!

RPG Next Podcast
TnB#223: OCS-E06 – A regra do jogo | RPG Terra Devastada Adaptado

RPG Next Podcast

Play Episode Listen Later Nov 1, 2021 117:25


Tarrasque na Bota apresenta: O Crime da Século, uma aventura do sistema de RPG Terra Devastada Adaptado. Episódio 06 - A regra do jogo. O Crime da Século é uma aventura curta de RPG para dois jogadores. O jogo se passa inteiramente em uma estação futurista em um cenário futurista Solarpunk. Os jogadores assumem o papel de dois professores (Filósofos Práticos) da Universidade que mantém e tem residência na estação. O que é Solarpunk? Solarpunk é um subgênero da ficção científica que surge para confrontar o pessimismo associado à ficção científica atual. A criação do gênero vem de ilustrações que buscavam mesclar a visão futurista dos anos 50 com ideais de preservação, ecologia e sustentabilidade. A primeira obra literária a se identificar explicitamente como Solarpunk foi o livro brasileiro Solarpunk: Histórias ecológicas e fantásticas em um mundo sustentável lançado em 2012. Em 2014, o autor Adam Flynn escreve Solapunk: Notes Toward a Manifesto. Fonte: Tom Cassauwers no Ozy.com Playlist da aventura no Spotify https://open.spotify.com/playlist/6Zu97kEcyRdVMET9FtStyp?si=ec490aa6f5df4d7f Clima A aventura investiga um crime, porém não há uma sensação veemente de urgência ou de perigo que os dois personagens vão correr. A eles vai ser cobrado chegar ao fundo e revelar o máximo o possível acerca do mistério. Personagens e momentos que os jogadores vão presenciar podem muito bem serem vistos como brega ou galhofa, uma vez que grande parte do clima da estação tem como referência a estética e preocupações dos anos 90 ou início dos anos 2000. A Estação A Século Centauri é uma estação que flutua sobre a Terra onde os Filósofos da Universidade da Terra deveriam monitorar a saúde do planeta e garantir a recuperação do planeta após cinco milênios de exploração desenfreada. Neste futuro não há mais distinções entre ciência e filosofia, assim sendo que cientistas e professores da universidade são tidos como “Filósofos Praticantes” das mais diversas áreas. A Estação foi ativada há 400 anos. Para a Universidade operar ela ainda precisa sequestrar habitantes das "Cidades Antigas" da Terra para ter funcionários e alunos. Porém os professores sob a mentoria do Reitor estão mais preocupados com sua busca de tornar a Século Centauri totalmente sustentável, o que tem tomado o tempo que deveria ser dedicado a monitorar o Planeta. O Computador Watson que mantém a estação está frequentemente sob riscos de Vírus e outras inteligências artificiais que estão escondidas no planeta. Há um medo que estas tentem assumir controle da estação. Toda vez que um vírus é descoberto nos terminais é necessário fazer uma desfragmentação de disco (o que pode durar até uma década) no qual os Professores são congelados e preservados para acordarem quando a desfragmentação terminar. Os Personagens dos Jogadores Os personagens interpretados pelos jogadores vão acordar de um descongelamento. Eles descobrem que foram congelados a 200 anos atrás como sentença por terem confabulado com uma Inteligência Artificial da Terra Antiga. Ao levantarem descobrem que há duas semanas um vírus infectou terminais da estação e que ela estava armada para uma nova fragmentação. Os Alunos foram devolvidos para as Cidades Antigas e alguns dos professores já estavam congelados quando algo aconteceu com o Reitor. Sabe-se apenas que o reitor foi morto há algumas horas e que provavelmente ele foi assassinado. Agora você pode ter em casa a caneca do Klank, o velho guerreiro anão em sua casa. Confira a coleção completa dos personagens da Mina Perdida de Phandelver e corra para garantir a sua com valor promocional por tempo limitado: https://www.mundofan.com.br/caneca-klank. Antes de assinar como um JOGADOR  envie um e-mail para contato@rpgnext.com.br e consulte sobre as vagas. Elas têm número limitado.  ATENÇÃO: Esse podcast é recomendado para maiores de 14 anos. Com a participação de: Victor Carvalho;

Rádio Comercial - Momentos da Manhã
Nessa fotografia parece que eles acabaram de fabricar o filho!

Rádio Comercial - Momentos da Manhã

Play Episode Listen Later Oct 29, 2021


Stock Pickers
#120 Empiricus: erros, acertos, polêmicas e short por eles mesmos

Stock Pickers

Play Episode Listen Later Oct 29, 2021 150:46


Felipe Miranda e Rodolfo Amstaldem, sócios-fundadores da Empiricus, contam a história da criação da empresa, as principais polêmicas e destrincham a tese short em TC (TRAD3).--------------------NuvemShop - Mostre ao mundo do que você é capaz: https://www.nuvemshop.com.br/partners/stock-pickers?utm_source=podcast&utm_medium=affiliates&utm_campaign=stock_pickers--------------------IP Capital Partners promovem o BDR Investor Day (dia 9 de novembro), com apoio da B3. O primeiro evento online e gratuito do Brasil inteiramente focado em ações negociadas lá fora. Cadastre-se gratuitamente: http://www.bdrday.com--------------------Apresentação: Thiago Salomão e Renato Santiago Convidados: Felipe Miranda e Rodolfo Amstaldem, da EmpiricusEdição e produção: Nando Lima Redes sociais e memes: Josué Guedes

Colunistas Eldorado Estadão
Eliane: 'Esta é a melhor e mais eficiente CPI da história contemporânea'

Colunistas Eldorado Estadão

Play Episode Listen Later Oct 27, 2021 20:34


Depois de seis meses de trabalho, a Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid aprovou nesta terça-feira um relatório que manteve o foco no pedido de indiciamento de Jair Bolsonaro, ampliou a pressão sobre o governo e expôs ainda mais a fragilidade do presidente. Bolsonaro é acusado de ser o responsável pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus, que deixou mais de 600 mil mortos no País, ao tratar a doença com descaso e atrasar a campanha de vacinação. O material será enviado à Procuradoria-geral da União nesta quarta. O corregedor-geral da Justiça Eleitoral, Luis Felipe Salomão, e os ministros Mauro Campbell e Sérgio Banhos votaram nesta terça-feira contra a cassação do mandato do presidente Jair Bolsonaro e do vice-presidente Hamilton Mourão. Eles foram os únicos a votar na sessão inicial de julgamento de duas ações contra a chapa presidencial eleita em 2018. Com placar de 3 a 0, restam agora quatro votos para encerrar o caso, que deve ser retomado amanhã no Tribunal Superior Eleitoral. See omnystudio.com/listener for privacy information.

Papo de CEO
Hector Gusmão - Fábrica de Startups Brasil | Fabricando soluções inovadoras para sua empresa

Papo de CEO

Play Episode Listen Later Oct 26, 2021 46:49


O convidado da vez foi destaque pela Forbes Brasil under 30 em 2018, é presidente do Conselho da 42Rio e viveu durante um tempo no Vale do Silício e Portugal para conhecer diferentes regiões que se desenvolveram a partir da inovação e usar como referência para apoiar o Rio de Janeiro na retomada do seu desenvolvimento econômico e social. Hector Gusmão é CEO e Co-fundador da Fábrica de Startups Brasil, uma empresa focada em desenvolver inovação para o mercado e para corporações através de startups que resolvam problemas relevantes e sejam disruptivas. Eles contam com uma metodologia própria que contribui para a aceleração do ecossistema de Startups no brasil, levando no currículo mais de 500 Startups aceleradas. A fábrica de Startups iniciou sua história em 2012 em Lisboa e veio para o Brasil em 2017, tendo a cidade maravilhosa do Rio de Janeiro como seu novo lar devido ao grande potencial econômico e tecnológico da cidade. Entre seus clientes temos gigantes como Light, Porta dos fundos, Ipiranga, L'oreal, Vale e Ambev. Se você se interassa por tecnologia, programas de inovação e cultura empreendedora esse podcast foi feito para você! Aperta o play e bora inovar juntos?

RPG Next Podcast
TnB#222: OCS-E05 – Verdades secretas | RPG Terra Devastada Adaptado

RPG Next Podcast

Play Episode Listen Later Oct 25, 2021 86:08


Tarrasque na Bota apresenta: O Crime da Século, uma aventura do sistema de RPG Terra Devastada Adaptado. Episódio 05 – Verdades secretas. O Crime da Século é uma aventura curta de RPG para dois jogadores. O jogo se passa inteiramente em uma estação futurista em um cenário futurista Solarpunk. Os jogadores assumem o papel de dois professores (Filósofos Práticos) da Universidade que mantém e tem residência na estação. O que é Solarpunk? Solarpunk é um subgênero da ficção científica que surge para confrontar o pessimismo associado à ficção científica atual. A criação do gênero vem de ilustrações que buscavam mesclar a visão futurista dos anos 50 com ideais de preservação, ecologia e sustentabilidade. A primeira obra literária a se identificar explicitamente como Solarpunk foi o livro brasileiro Solarpunk: Histórias ecológicas e fantásticas em um mundo sustentável lançado em 2012. Em 2014, o autor Adam Flynn escreve Solapunk: Notes Toward a Manifesto. Fonte: Tom Cassauwers no Ozy.com Playlist da aventura no Spotify https://open.spotify.com/playlist/6Zu97kEcyRdVMET9FtStyp?si=ec490aa6f5df4d7f Clima A aventura investiga um crime, porém não há uma sensação veemente de urgência ou de perigo que os dois personagens vão correr. A eles vai ser cobrado chegar ao fundo e revelar o máximo o possível acerca do mistério. Personagens e momentos que os jogadores vão presenciar podem muito bem serem vistos como brega ou galhofa, uma vez que grande parte do clima da estação tem como referência a estética e preocupações dos anos 90 ou início dos anos 2000. A Estação A Século Centauri é uma estação que flutua sobre a Terra onde os Filósofos da Universidade da Terra deveriam monitorar a saúde do planeta e garantir a recuperação do planeta após cinco milênios de exploração desenfreada. Neste futuro não há mais distinções entre ciência e filosofia, assim sendo que cientistas e professores da universidade são tidos como “Filósofos Praticantes” das mais diversas áreas. A Estação foi ativada há 400 anos. Para a Universidade operar ela ainda precisa sequestrar habitantes das "Cidades Antigas" da Terra para ter funcionários e alunos. Porém os professores sob a mentoria do Reitor estão mais preocupados com sua busca de tornar a Século Centauri totalmente sustentável, o que tem tomado o tempo que deveria ser dedicado a monitorar o Planeta. O Computador Watson que mantém a estação está frequentemente sob riscos de Vírus e outras inteligências artificiais que estão escondidas no planeta. Há um medo que estas tentem assumir controle da estação. Toda vez que um vírus é descoberto nos terminais é necessário fazer uma desfragmentação de disco (o que pode durar até uma década) no qual os Professores são congelados e preservados para acordarem quando a desfragmentação terminar. Os Personagens dos Jogadores Os personagens interpretados pelos jogadores vão acordar de um descongelamento. Eles descobrem que foram congelados a 200 anos atrás como sentença por terem confabulado com uma Inteligência Artificial da Terra Antiga. Ao levantarem descobrem que há duas semanas um vírus infectou terminais da estação e que ela estava armada para uma nova fragmentação. Os Alunos foram devolvidos para as Cidades Antigas e alguns dos professores já estavam congelados quando algo aconteceu com o Reitor. Sabe-se apenas que o reitor foi morto há algumas horas e que provavelmente ele foi assassinado. Agora você pode ter em casa a caneca do Klank, o velho guerreiro anão em sua casa. Confira a coleção completa dos personagens da Mina Perdida de Phandelver e corra para garantir a sua com valor promocional por tempo limitado: https://www.mundofan.com.br/caneca-klank. Antes de assinar como um JOGADOR  envie um e-mail para contato@rpgnext.com.br e consulte sobre as vagas. Elas têm número limitado.  ATENÇÃO: Esse podcast é recomendado para maiores de 14 anos. Com a participação de: Victor Carvalho;

Trip FM
Dra. Albertina Duarte: Sexo por migalha de afeto não vale

Trip FM

Play Episode Listen Later Oct 22, 2021


A ginecologista fala a sexualidade dos adolescentes, pobreza menstrual e o atendimento médico durante a ditadura Com mais de vinte mil partos realizados e passados quarenta anos de formada, a Dra. Albertina Duarte Takiuti há muito tempo deixou uma infância pobre para se tornar uma das ginecologistas mais reconhecidas do país. Quando criança, essa portuguesa filha de um pai pedreiro e uma mãe analfabeta veio com a família ao Brasil com a esperança de abandonar o governo autoritário de António Salazar. A verdade é que aqui ela enfrentou uma nova ditadura, e em seu consultório passou a atender mulheres torturadas pelo regime militar: costurou mamilos arrancados e fez cirurgias sem poder contar sequer com o banco de sangue. A morte e a vida fizeram parte de sua história desde muito cedo: ainda em Portugal, ajudava a tia parteira e corria para atender qualquer pessoa que precisasse de um curativo. Com sete anos prometeu ao irmão mais novo que acabara de levar um coice que iria cuidar dele quando se tornasse médica. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu, mas ela seguiu com o combinado. Estudou, ganhou uma bolsa em uma escola particular de São Paulo e provou que a mãe, que pregava "pobre não faz medicina”, estava errada. Mais tarde, como coordenadora do Programa de Saúde da Adolescente da Secretaria da Saúde de São Paulo, foi responsável por reduzir em 55% a gravidez de meninas com idade entre 10 e 19 anos. Além disso, passou a chefiar o Ambulatório de Ginecologia da Adolescência do Hospital das Clínicas, e também atende em consultório particular – seus dias geralmente terminam às duas da madrugada, isso quando não há alguma paciente em trabalho de parto. Nada, no entanto, a faz perder o bom humor, nem mesmo o recente veto do presidente Jair Bolsonaro à distribuição de absorventes a mulheres em situação de vulnerabilidade, projeto que ela sempre defendeu. Em entrevista para o Trip FM, sempre sorridente, Albertina ainda fala sobre pornografia e a sexualidade dos jovens. Ouça o programa no Spotify, no play nesta reportagem ou leia um trecho da entrevista a seguir. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2021/10/6171ada307dae/trip-fm-doutora-albertina-duarte-mh.jpg; CREDITS=Divulgação; LEGEND=Dra. Albertina Duarte; ALT_TEXT=Dra. Albertina Duarte] Trip. Eu queria que você contasse das dificuldades e também das belezas de vir de uma família humilde e de um país como Portugal. Como a senhora fez no início? Dra. Albertina Duarte. Eu sou uma imigrante e tenho muito orgulho de ter sido pobre. Minha mãe não sabia ler e hoje ela tem quatro filhos que escreveram livros. Em Portugal eu já sabia que seria médica. Acompanhava a minha tia que era parteira, não participava, porque era criança, mas carregava a água quente. E gostava muito de fazer curativos. Ela ia junto e eu fazia os curativos. Quando chego ao Brasil, o meu irmão tem um acidente com um cavalo, é operado muito tarde e morre. Enquanto ele esperava socorro eu dizia que seria médica e trataria ele. A minha relação com a vida e a morte sempre foi muito forte. Minha mãe dizia que pobre não fazia medicina, mas eu respondia que era inteligente. Ganhei uma bolsa e fui estudar em um dos colégios mais ricos da minha época. Conforme o ângulo que nós olhamos, o universo feminino melhorou muito: o movimento feminista ganhou espaço. Mas, por outro lado, uma mulher ser forçada a pegar jornal velho para usar como absorvente deixa a impressão que andamos para trás. Você, que todos os dias sente o pulso das mulheres, acha que estamos andando para trás ou para frente? Eu tenho medo de que estejamos andando para trás. Eu tive muito orgulho de ajudar a desenhar a saúde da mulher dentro do SUS, entendendo que a mulher deve ter saúde em todas as fases da vida. Eu venho lutando a muito tempo pela dignidade íntima. Uma mulher não pode sofrer bullying porque está escorrendo sangue pela perna ou porque molhou as suas roupas. Eu vejo dois mundos sempre, pois atendo no consultório e na rede pública. Já tirei pão, papelão e pedaço de cobertor da vagina das mulheres. Um absorvente não custa nada comparado ao que você pode dar de autoestima. Isso além de saber que uma a cada quatro meninas falta na escola porque está menstruada. É um problema de saúde pública. A gente sabe que mesmo as camadas menos favorecidas têm acesso a algum tipo de informação: são mais smartphones do que pessoas hoje no Brasil. Dá para falar ainda que gravidez entre jovens é falta de conhecimento? Eu adoro responder essa pergunta. Nós temos o nascimento de 52 crianças filhas de mães adolescentes por hora.  A cada 21 minutos uma criança de 14 anos é mãe. Nos anos de 1990 nós fizemos uma pesquisa que revelou que 90% dos adolescentes conheciam métodos anticoncepcionais, mas 70% não usavam na primeira relação. Qual foi a discussão: a menina tinha medo de não agradar e o menino medo de falhar. O problema não é informação, é negociação. Uma menina pode ter todas as informações, mas na hora de dizer que ela não terá relação sem preservativo, ela precisa ter autoestima e autoconfiança para gerar o autocuidado. Para o menino, de que adiante saber usar o preservativo se ele tem medo de falhar, de usar o preservativo e não ter o melhor desempenho? Isso em todas as classes sociais. A mulher tem uma questão comum ao gênero que é péssima: o medo de não agradar o parceiro. Olha que dor. Uma menina de 14 anos que se julga feia não vai dizer que não transa sem camisinha. A gente precisa sair desse lugar, não é informação. É habilidade de negociar com o parceiro e colocar limite. As mulheres foram tão reprimidas durante tanto tempo que isso pode ter gerado um movimento pendular. Está acontecendo mesmo isso, esse exagero de liberdade? Começamos a receber muitas meninas perguntando sobre teste de DNA. Isso assustou um pouco. Os adolescentes me contam muita coisa. Uma das situações é a tábua do sexo, no baile funk: as meninas ficam de costas, sem calcinha, e os meninos vão passando. É algo que extrapola para a classe média também – jovens experimentando com vários parceiros em uma noite. Já não é mais só beijar. Eles me contam e ficam me olhando, esperando aprovação. Eu pergunto assim: “Como você se sentiu, foi bom?". A resposta geralmente é negativa. Se os pais e as mães soubessem das coisas que eu escuto... Há dias em que preciso fazer terapia. Com toda a minha idade, tem coisas que eu não acredito que estou ouvindo. A minha fala é: "Todo o afeto, toda a relação sexual precisa colocar para cima, deixar mais forte. Se você precisa pagar pedágio, aceitar migalhas de afeto, aí não vale a pena". Quando eu falo migalha, tem gente que começa a chorar.

Podcast Eleven
Podcast Eleven 22/10 | Especial China

Podcast Eleven

Play Episode Listen Later Oct 22, 2021 48:33


A jornalista Teca Gândara e o analista de macroeconomia Rafael Rondinelli fizeram um episódio especial sobre a China. Eles conversaram sobre governo, economia, criptomoedas, Evergrande e crises energética e imobiliária. Ouça!

Viagem em Detalhes
# 65 – Viagens de Motorhome

Viagem em Detalhes

Play Episode Listen Later Oct 21, 2021 37:25


Você já pensou em ter um motorhome (ou um trailer) para chamar de seu e viajar pelo mundo? A Mari Vidigal, do @ideiasnamala, já! Ela tem o Rocky todinho para desfrutar com a família. Neste episódio ela nos conta das diversas estradas norte-americanas que percorreu com o marido e os dois filhos. Eles moram na California […] O post # 65 – Viagens de Motorhome apareceu primeiro em Viagem em Detalhes.

Desenrola, Rio
#110 Desenrola, Rio – A preparação para o período de chuva

Desenrola, Rio

Play Episode Listen Later Oct 21, 2021 9:39


Ainda falta algum tempo para o verão, mas a cidade começa a se preparar para as tempestades da estação. Neste episódio, o jornalista Edimilson Ávila conversa com Alexandre Cardeman, chefe executivo do Centro de Operações. Eles falam das ações preventivas e sobre o aplicativo COR.Rio, onde o cidadão pode receber informações sobre tempo, mobilidade, trânsito e alertas de sirenes, em caso de risco.

Esquerda Diário
45: Peão 4.0 - Lições da Revolução Russa

Esquerda Diário

Play Episode Listen Later Oct 20, 2021 36:08


Fala guerreiras e guerreiros! No programa de hoje vamos resgatar a história da primeira revolução vitoriosa feita pela classe trabalhadora: a primeira vez que a nossa classe tomou o céu por assalto na busca de abrir caminho para uma nova sociedade. Diferente do que nos mostram muitas vezes na escola, na TV, ou na internet, o que nos inspira desse processo histórico não tem nada a ver a burocratização sanguinária da qual Stalin foi parte, traindo a revolução. Neste programa, vamos falar de como se deu essa revolução, quais foram suas conquistas e quais as importantes lições que ela deixa para nós hoje. Afinal, o que aconteceu na revolução russa de 1917 que permitiu os trabalhadores chegarem ao poder? Confira aí! Link para documentário "Eles se atreveram": https://www.youtube.com/watch?v=WaPtoymfttk

Angu de Grilo
Justiça: CPI, 80 tiros e Jacarezinho #107

Angu de Grilo

Play Episode Listen Later Oct 19, 2021 51:24


Boa terça, angulers! No #107, papos sérios. Abrimos falando do fim da CPI da Covid. Fizemos um balanço final dos meses de depoimentos e apurações. Como acabou? Qual a direção da responsabilização dos envolvidos em crimes que vão de corrupção, prevaricação a genocídio? E também o sabor agridoce dessa grande investigação nacional. Em seguida, falamos da condenação de oito soldados do exército acusados de matar Evaldo Rosa e Luciano Macedo. Foram 257 tiros disparos, 80 acertaram o carro em que Evaldo estava com sua família a caminho de um chá de bebe, em 2019. O catador de material reciclável, Luciano, tentou socorrer a família, foi baleado e morreu 10 dias depois. É a primeira vez na história que integrantes das Forças Armadas são punidos por matar civis durante operação de segurança pública ou patrulhamento. Por fim, dois policiais foram indiciados por homicídio e fraude processual no caso da Chacina do Jacarezinho, a maior do Rio de Janeiro, que deixou 28 mortos em maio deste ano. Eles responderão pelo assassinato de Omar Pereira, executado dentro do quarto de uma menina de nove anos. Temas tão sérios quanto necessários. Sirva-se! Trilha sonora, mixagem e edição de som: Tico Pro - Laranja Preta Produtora Instagram.com/favelivros

História pros brother
O atleta mais estranho da história

História pros brother

Play Episode Listen Later Oct 18, 2021 40:53


Não precisa conhecer muito a história de Rube Wadell pra saber que ele era uma pessoa diferente. De acordo com seu biógrafo Alan Levy, ele sempre foi uma criança excêntrica. Aos 3 anos de idade, ele foi pra um estação de corpo de bombeiros próximo, se escondeu lá e ficou dias desaparecido da família. Ele não ia muito pra escola, ele exercitava seus braços jogando pedras em aves enquanto trabalhava nas terras dos pais. pode ter sido aí que nasceu o amor pelo arremesso. Aos 19 anos começou a carreira no Baseball. E claramente o seu desempenho era excepcional. O problema é que ele não sabia muito bem as regras do baseball e no começo passou um bom tempo sendo um problema no time, mas o treinador acreditava que bastava ele entender o baseball que ele seria incrível. Ele tinha um desempenho tão bem que suas excentricidades eram perdoadas. Certa vez, numa offseason, ele ficou meses desaparecido, e depois de meses procurando encontraram ele num circo lutando luta livre com jacarés. Além disso, os torcedores dos times inimigos tinham uma estratégia muito curiosa quando jogavam contra ele. Eles levavam cachorrinhos filhotes pra arquibancada e ele algumas vezes largou o jogo no meio pra ir fazer carinho neles. Infelizmente ele também tinha um lado sombrio. Seu problema com álcool gerou situações onde ele bateu na família de sua esposa. De acordo com o historiador se baseball Lee Allen: "Waddell começou a temporada de 1903 dormindo num quartel do corpo de bombeiros em Nova Jersey, e terminou num bar em Virginia. Entre esses dois eventos, ele gannhou 22 jogos pelo Philadelphia Athletics, participou de uma peça de teatro de rua chamada A Marca da Culpa. Cortejou uma mulher, se casou com ela, se separou dessa mulher, salvou uma mulher de se afogar, acidentalmente atirou um amigo na mão e foi mordido por um leão".

RPG Next Podcast
TnB#221: OCS-E04 – Cama de gato | RPG Terra Devastada Adaptado

RPG Next Podcast

Play Episode Listen Later Oct 18, 2021 96:58


Tarrasque na Bota apresenta: O Crime da Século, uma aventura do sistema de RPG Terra Devastada Adaptado. Episódio 04 – Cama de gato. O Crime da Século é uma aventura curta de RPG para dois jogadores. O jogo se passa inteiramente em uma estação futurista em um cenário futurista Solarpunk. Os jogadores assumem o papel de dois professores (Filósofos Práticos) da Universidade que mantém e tem residência na estação. O que é Solarpunk? Solarpunk é um subgênero da ficção científica que surge para confrontar o pessimismo associado à ficção científica atual. A criação do gênero vem de ilustrações que buscavam mesclar a visão futurista dos anos 50 com ideais de preservação, ecologia e sustentabilidade. A primeira obra literária a se identificar explicitamente como Solarpunk foi o livro brasileiro Solarpunk: Histórias ecológicas e fantásticas em um mundo sustentável lançado em 2012. Em 2014, o autor Adam Flynn escreve Solapunk: Notes Toward a Manifesto. Fonte: Tom Cassauwers no Ozy.com Playlist da aventura no Spotify https://open.spotify.com/playlist/6Zu97kEcyRdVMET9FtStyp?si=ec490aa6f5df4d7f Clima A aventura investiga um crime, porém não há uma sensação veemente de urgência ou de perigo que os dois personagens vão correr. A eles vai ser cobrado chegar ao fundo e revelar o máximo o possível acerca do mistério. Personagens e momentos que os jogadores vão presenciar podem muito bem serem vistos como brega ou galhofa, uma vez que grande parte do clima da estação tem como referência a estética e preocupações dos anos 90 ou início dos anos 2000. A Estação A Século Centauri é uma estação que flutua sobre a Terra onde os Filósofos da Universidade da Terra deveriam monitorar a saúde do planeta e garantir a recuperação do planeta após cinco milênios de exploração desenfreada. Neste futuro não há mais distinções entre ciência e filosofia, assim sendo que cientistas e professores da universidade são tidos como “Filósofos Praticantes” das mais diversas áreas. A Estação foi ativada há 400 anos. Para a Universidade operar ela ainda precisa sequestrar habitantes das "Cidades Antigas" da Terra para ter funcionários e alunos. Porém os professores sob a mentoria do Reitor estão mais preocupados com sua busca de tornar a Século Centauri totalmente sustentável, o que tem tomado o tempo que deveria ser dedicado a monitorar o Planeta. O Computador Watson que mantém a estação está frequentemente sob riscos de Vírus e outras inteligências artificiais que estão escondidas no planeta. Há um medo que estas tentem assumir controle da estação. Toda vez que um vírus é descoberto nos terminais é necessário fazer uma desfragmentação de disco (o que pode durar até uma década) no qual os Professores são congelados e preservados para acordarem quando a desfragmentação terminar. Os Personagens dos Jogadores Os personagens interpretados pelos jogadores vão acordar de um descongelamento. Eles descobrem que foram congelados a 200 anos atrás como sentença por terem confabulado com uma Inteligência Artificial da Terra Antiga. Ao levantarem descobrem que há duas semanas um vírus infectou terminais da estação e que ela estava armada para uma nova fragmentação. Os Alunos foram devolvidos para as Cidades Antigas e alguns dos professores já estavam congelados quando algo aconteceu com o Reitor. Sabe-se apenas que o reitor foi morto há algumas horas e que provavelmente ele foi assassinado. Agora você pode ter em casa a caneca do Klank, o velho guerreiro anão em sua casa. Confira a coleção completa dos personagens da Mina Perdida de Phandelver e corra para garantir a sua com valor promocional por tempo limitado: https://www.mundofan.com.br/caneca-klank. Antes de assinar como um JOGADOR  envie um e-mail para contato@rpgnext.com.br e consulte sobre as vagas. Elas têm número limitado.  ATENÇÃO: Esse podcast é recomendado para maiores de 14 anos. Com a participação de: Victor Carvalho;

Brasil-Mundo
Brasil-Mundo - Harish, primeira cidade projetada de Israel, atrai brasileiros

Brasil-Mundo

Play Episode Listen Later Oct 16, 2021 3:48


Uma nova cidade em Israel, que não existia há apenas cinco anos, está atraindo cada vez mais brasileiros. Harish, no Norte do país, conta, atualmente, com 30 mil habitantes, entre eles, aproximadamente 120 famílias de brasileiros. Daniela Kresch, correspondente da RFI em Israel Harish é a primeira cidade projetada de Israel. Em 2015, o local abrigava apenas um pequeno vilarejo que já havia sido um kibutz e uma base militar, no passado. Mas, em 2015, pressionado por uma crise de habitação cada vez mais grave, o governo israelense decidiu investir 1,2 bilhão de shekels (cerca de R$ 2 bilhões) para criar uma cidade de 100 mil habitantes. A ideia era atrair moradores para a periferia Norte do país oferecendo preços mais em conta, principalmente para famílias jovens em busca do sonho da casa própria. É o que conta o administrador de empresas paulista Gabriel Eigner, 66 anos, que mora em Harish desde 2017, pouco tempo depois de imigrar para Israel. “Quando eu cheguei aqui, ainda era um mega canteiro de obras”, conta Gabriel. “Nós fomos a terceira família de brasileiros aqui em Harish. E quando eu cheguei aqui era uma loucura, tinha menos de 5 mil habitantes, 4,7 mil”. Gabriel e a companheira, a artista plástica Annik Chut, 54 anos, se tornaram porta-vozes da comunidade brasileira local. Eles criaram um grupo de WhatsApp e uma página no Facebook só com os brasileiros de Harish, que costumam realizar atividades e, principalmente, se ajudar uns aos outros. Eles também intermediam visitas à cidade a interessados em adquirir ou alugar imóveis. Recebem telefonemas diários de brasileiros e latino-americanos em geral curiosos para conhecer o local. “Não sei te dizer exatamente quantos ligam, mas ligam toda hora, tanto pessoas daqui de Israel e também pessoas que estão no Brasil”, diz Gabriel. “Hoje eu falo com gente de praticamente todos os países da América Latina que me ligam e que querem informação”. Sonho da casa própria Uma das novas moradoras de Harish é a servidora pública e microempresária de turismo Mônica Asif, de 42 anos, que se mudou para a cidade há um mês. Ela, o marido e os dois filhos adolescentes pagavam um aluguel alto para morar nos arredores de Tel Aviv e viam o sonho da casa própria cada vez mais distante. A solução foi fazer as malas e apostar na nova cidade, onde puderam, com ajuda de financiamento, comprar um apartamento grande e novo por um terço do preço do centro do país. “A primeira grande vantagem realmente é o preço, porque, como é uma cidade que ainda está em desenvolvimento, as pessoas ainda não conhecem muito bem, o transporte público ainda não está muito desenvolvido. Então as pessoas tendem a não tentar essa vida que tem algumas dificuldades. Mas em relação ao preço, você acaba ganhando e você também vê como um investimento futuro”, diz Mônica. Harish fica a 70 km de Tel Aviv e a 50 km de Haifa, outra grande cidade do país. A localização pode ser um problema para quem trabalha fora dela, mas os preços são o maior atrativos para os brasileiros em Israel, principalmente os imigrantes recentes. Segundo a carioca Mônica Asif, os imigrantes – ou olim, em hebraico – chegam ao país para morar, pelos primeiros meses, em centros de absorção oferecidos pelo governo localizados em grandes cidades. Mas, após algum tempo, percebem que o custo de vida é muito alto. “Eles começam uma vida lá, uma vida de novo imigrante numa cidade que, futuramente, fica cara para eles”, argumenta Mônica. “Então eles descobrem que eles não têm condições de ficar no Centro de Israel, nessas cidades grandes, e vão procurar a periferia”. Pandemia Foi o que aconteceu com a pedagoga paraibana Rafaela Genes, de 29 anos. Ela e o marido, que é pernambucano, chegaram em 2018 a Israel. Mas após dois anos morando nos arredores de Tel Aviv, onde trabalham, se mudaram para Harish, onde alugam um apartamento de quatro quartos que valeria quatro vezes mais no Centro. Os dois já “namoravam” Harish há tempos, mas o que levou o casal a bater o martelo para a mudança foi a pandemia do coronavírus, em 2020. Isso porque a orientação inicial de trabalhar remotamente transformou as distâncias em algo menos relevante. “Para o meu esposo, esse foi o clique necessário, foi o que fez mesmo a gente mudar”, conta Rafaela. “Como ele não precisava mais ir para o escritório, como a recomendação era não ir para o escritório, não tinha por que a gente continuar no apartamento menor, onde a gente pagava muito mais”. Rafaela gosta do ritmo mais lento da cidade. Ela acredita que as pessoas, por lá, são mais abertas e pacientes, principalmente com imigrantes que ainda aprendem a dominar o hebraico, a língua local. Ela nota que a cidade tem muitos imigrantes, como ela. Russos, franceses, americanos, etíopes e latino-americanos em geral. Ela diz escutar português frequentemente nas ruas: “Aqui todo mundo fala português. Eu estava no supermercado e uma mulher veio falar comigo, pedindo ajuda. Ela me mostrou o Google Translate e aí eu vi que estava em português. Eu falei: ‘você é brasileira?' Ela: ‘sou!'. Todo lugar que você vai tem brasileiro”. Polêmicas A criação de Harish não ocorre sem polêmicas e atritos. Uma questão é o caráter judaico da cidade, que fica em um distrito de Israel habitado, em sua maioria, por cidadãos árabes, que são 21% da população do país. Alguns afirmam que Harish foi criada justamente para aumentar a proporção de judeus na área. Outra questão é a religiosa. Desde o começo das obras, há um cabo de guerra pelo caráter da nova cidade. De um lado, grupos de judeus ultraortodoxos, mais conservadores e com estilo de vida estrito, do outro, os seculares, mais progressistas e que não seguem regras religiosas. No final das contas, ficou resolvido que Harish seria uma cidade aberta a todos. Para Rafaela Genes, a convivência é pacífica: “Nós temos pessoas religiosas, pessoas não-religiosas, pessoas com bandeiras LGBT no prédio”, conta a pedagoga. “Então a gente tem uma variedade de pessoas convivendo nessa diversidade e todo mundo convive muito bem”.

Trip FM
Celso Athayde: Sempre quis fazer revolução

Trip FM

Play Episode Listen Later Oct 15, 2021


O cofundador da CUFA bate um papo com Leo Jaime sobre como as periferias podem virar referência de potência, e não de carência Aos dezesseis anos Celso Athayde já havia morado em três favelas do Rio de Janeiro. Quando criança, aos seis, viveu sob o viaduto de Madureira. Mas foi armado dessas duras experiências que ele se reconstruiu: foi camelô, descobriu o ativismo, fundou a Central Única das Favelas, a CUFA, e ainda neste mês de outubro levou o prêmio de Empreendedor Social do Ano pela Fundação Schwab. Homenageado também pelo prêmio Trip Transformadores 20/21, hoje ele está à frente da Favela Holding, conjunto de empresas que tem como objetivo impulsionar o desenvolvimento de negócios e de profissionais nas favelas. É sobre essa guinada vertiginosa – numa conversa não menos entusiasmada – que Celso e o ator e cantor Leo Jaime conversam e pensam juntos sobre o Brasil e como suas periferias podem virar referências de potência ao invés de carência. O encontro aconteceu no programa Prêmio Trip Transformadores 2021, que foi ao ar pela TV Cultura em junho, mas que agora você pode curtir também em áudio no Trip FM, disponível no player nesta página ou no Spotify. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2021/10/616991910a137/trip-fm-celso-athayde-mh.jpg; CREDITS=Reprodução; LEGEND=Celso Athayde fundou a Central Única das Favelas, a CUFA; ALT_TEXT=Celso Athayde] Leo Jaime. Não sei se você se lembra, mas a última vez que a gente se encontrou foi no palco do Theatro Municipal entregando o prêmio Anu pra mostrar e trazer visibilidade a projetos que atendem a CUFA. Foi muito legal porque estávamos levando para o palco pessoas que se destacaram, fizeram ensino superior e voltaram para a periferia criando projetos. Celso Athayde. Me lembro muito bem. Você apresentou um prêmio junto com a Fernanda Lima. E você foi brilhante, eu já era seu fã. Sou de Bangu, da Favela do Sapo. Tinha um cassino por lá e durante muitos anos eu dancei o teu som. Te encontrar no palco foi um momento muito bacana na minha vida e na vida da CUFA. Pra mim foi muito importante participar da premiação porque fico achando que no percurso da minha vida pode ter sido tudo em vão, que a gente não conseguiu mudar nada na realidade brasileira. Você falou da sua origem na Favela do Sapo, mas antes disso você chegou ao Viaduto de Madureira. Queria que você contasse isso. A gente sempre sonha e normalmente não vê um número significativo de pessoas que nos façam acreditar nessa mudança. Sou de um bairro chamado Olinda, na Baixada Fluminense, de uma cidade chamada Nilópolis, de uma favela chamada Cabral. Meus pais se separaram quando eu tinha 6 anos de idade e ambos eram alcoólatras. Eles brigavam todos os dias, eram brigas muito violentas e ali eles tiveram a última briga deles. Minha mãe resolveu ir embora de casa. Ela sempre voltava porque sabia que tinha dois filhos e pensava que na rua passaríamos necessidades muito maiores do que as que já tínhamos. Nesse dia, ela não voltou. Foi morar embaixo do viaduto Negrão de Lima em Madureira e ficou ali durante seis anos. Dos 6 aos 12 anos de idade era ali que a gente morava. Teve uma grande enchente no Rio uma vez e fomos remanejados para o abrigo Pavilhão de São Cristóvão, que hoje é a feira dos paraíbas. Aos 14, fui então para a Favela do Sapo. Meu irmão foi assassinado e a gente continuou nossa luta e eu voltei depois para Madureira, na condição de camelô, no mesmo viaduto onde tinha vivido. Ali, começo a juntar os camelôs todos e fazemos festas em datas comemorativas como Cosme e Damião, Natal, e é meu primeiro encontro com aquele espaço que tinha sido meu abrigo, vira uma grande festa. Sempre quis fazer uma revolução com aquela rapaziada. É curioso que você transformou o lugar em que passou seis anos da sua infância em espaço pra você se lançar e mostrar o seu sonho. Podia ser um lugar de lembranças ruins, mas você conseguiu não só ressignificar, mas transformar o espaço. Como é que você manteve o sonho vivo? A vantagem do período em que vivi na rua era que eu tinha minha mãe do meu lado. Apesar da relação com o álcool, ela era nossa grande referência, prezava muito pela honestidade. Um dos valores mais expressivos das periferias é justamente a moral, a ética e os códigos de lealdade. Obviamente, as notícias que mais circulam são de uma minoria que acaba se transformando numa anomalia moral por conta das anomalias sociais ali. Pior do que morar na rua é nascer na rua, eu tive essa vantagem. Mesmo morando na rua, eu tinha medo da rua. Tinha medo da disputa do lugar para dormir, e aquilo podia custar sua vida. Quem nasce na rua nem tem esse medo. Eu sempre sonhei em ser rico, achava que tinha nascido no lugar errado e precisava encontrar meu castelo. Eu sempre soube que seria rico, sem nenhuma habilidade ou objetivo. Um tempo depois, percebo que minha habilidade era aquela de juntar gente, fazer festa com elas e desejar uma revolução. Lembro que o Bagulhão, do Comando Vermelho, deu pra gente ler “Guerra e Paz”. Eu não sabia ler e ele deu um prazo de seis meses pra fazer uma arguição. Quem não tivesse lido tomaria tiro na mão, então obviamente tentei aprender a ler rápido, mas não consegui. O tempo passou, ele não deu tiro na mão de ninguém, mas comecei a fazer rap pra fazer a revolução. O rap teve protagonismo no mundo todo. Não vejo aqui tocando no rádio músicas que falem da nossa realidade. O rap sempre fez isso, mas virou nicho. É como ser negro. A gente tem que ter orgulho de ser negro, mas a gente não pode apenas ser negro, porque senão você vira nicho também. Quando um homem vai à Lua, ele vai à Lua. Quando um negro vai à Lua, é um negro indo à Lua. Então a gente precisa se colocar no lugar onde está todo mundo. A gente não pode aceitar que nos coloquem em uma caixinha, como fazem com os pretos em partidos políticos, racializando os votos. Celso, eu escrevi “ela não gosta de mim, mas é porque eu sou pobre”, ou “você vai de carro pra escola e eu só vou à pé”. São músicas que falam da dificuldade do jovem que não tem dinheiro em se sentir merecedor de amor. Eu acho que há uma relação grande entre a desvalia do indivíduo com sua incapacidade de ver o seu lugar no mundo. Como é que a gente pode fazer? Dando exemplo? A gente faz tudo na vida pensando na tal da mobilidade social. Quando sua mãe manda você estudar, ela tá pensando que você vai ser uma pessoa com mais poder aquisitivo a partir de um emprego melhor. Seja qual for o conselho que você receber, estão sempre pensando em como é que a sociedade vai abrir as portas pra você. Particularmente, não acredito numa sociedade em que todo mundo vá ser igual. Eu acredito que a gente pode lutar por uma sociedade em que o filho do dono do prédio e o filho do porteiro tenham a possibilidade de sonhar com melhores alternativas. Hoje eu tenho 25 empresas e eu falo favelês. Imagina se as pessoas que vêm de onde eu venho tivessem aulas de negócios na favela. Elas teriam muito mais oportunidades e alternativas. O fato é que a gente tá sempre estudando para ser motorista do filho do patrão do meu pai. Essa pirâmide não muda e ela está formatada para não mudar. Falta de dinheiro causa até fim de casamento. Ninguém quer ser pobre não, gente! Tem questões afetivas em ficar ou sair da favela, então você sai, como fazem os jogadores de futebol. E a falta de dinheiro faz com que você não consiga tratar dos seus dentes, da sua saúde, sua família não consiga se alimentar bem… Não dá para ser feliz assim. Ter dinheiro não significa que você vá ser feliz, mas que vai conseguir cuidar melhor das dores da vida.

Podcast Eleven
Podcast Eleven 15/10 | Fundos Imobiliários: It's time to grow

Podcast Eleven

Play Episode Listen Later Oct 15, 2021 63:49


O analista de Real Estate da Eleven, Raul Grego e o Gerente Comercial, Lucas Hipólito conversaram sobre o setor imobiliário, oportunidades e futuro. Eles ainda deram dicas do que o investidor deve olhar visando o longo prazo. Ouça!

Colunistas Eldorado Estadão
Cantanhêde analisa adiamento da PEC do MP na Câmara

Colunistas Eldorado Estadão

Play Episode Listen Later Oct 15, 2021 28:43


Sem o apoio necessário para aprovar a Proposta de Emenda à Constituição que muda a composição do Conselho Nacional do Ministério Público e aumenta o poder do Congresso sobre o órgão, o presidente da Câmara, Arthur Lira, decidiu adiar a votação da medida pela segunda vez. O chamado “Conselhão” é responsável por fiscalizar a conduta de procuradores e promotores. Revoltados com a aprovação na Câmara do projeto que altera o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado sobre os combustíveis, os Estados buscam uma ação conjunta para barrar a mudança que tem potencial para retirar R$ 24 bilhões dos cofres dos governadores. Eles já antecipam uma disputa jurídica no Supremo Tribunal Federal (STF) caso o projeto seja  aprovado também no Senado. Pressionado para apresentar uma solução contra a escalada do preço dos combustíveis, o presidente Jair Bolsonaro criticou nesta quinta-feira a política de preços da Petrobras e disse que seu desejo é privatizar a estatal. Ele afirmou que não consegue controlar o preço do combustível, já que iria incorrer em crime de responsabilidade, mas se queixou de novo que, em caso de aumento dos preços, a culpa sempre cai no seu colo. Para frear a alta dos preços, ele também disse que "seria bom se todo mundo ajudasse a economizar combustível". As falas ocorreram em entrevista à Rádio Novas de Paz, de Pernambuco. See omnystudio.com/listener for privacy information.

Sacadas de Empreendedor
ELES CANSARAM DE RECEBER SALÁRIOS PARCELADOS E ATRASADOS | ERICO ROCHA

Sacadas de Empreendedor

Play Episode Listen Later Oct 15, 2021 11:04


ELES CANSARAM DE RECEBER SALÁRIOS PARCELADOS E ATRASADOS | ERICO ROCHA by Erico Rocha

VERBO SALVADOR/BA
#545 QUINTA DA FAMÍLIA | PR. FÁBIO E CÁSSIA ANDRADE | 07.10.2021

VERBO SALVADOR/BA

Play Episode Listen Later Oct 15, 2021 52:17


Nesta mensagem, o Pr. Fábio e Cássia Andrade trouxeram conselhos preciosos, cheios de amor, instrução e correção. Eles ministraram a respeito de princípios que devem ser cumpridos individualmente para que, em família, cada um vida de acordo com seu papel e de maneira digna do Senhor. A mensagem foi destinada tanto para casados como para solteiros, tanto para pais como para filhos. Eles lembraram que a família é uma instituição que está no coração de Deus, e que famílias fortes formam um igreja e uma sociedade forte. Ouça e seja edificado!

Direito 4.0
#86: Os Super Aplicativos Estão Chegando no Direito - João Amaral

Direito 4.0

Play Episode Listen Later Oct 14, 2021 48:13


O surgimento dos chamados super aplicativos ou super apps já é tendência mundial. Aqui no Brasil, já temos grandes players como Rappi, Banco Inter e Magalu. Ao contrário dos aplicativos tradicionais, os super apps não se limitam a realizar apenas uma função. Eles oferecem vários serviços em uma única plataforma, criando um ambiente do qual o usuário não precisa sair para realizar grande parte das atividades do seu dia a dia. Essa tendência também está chegando no mercado jurídico e promete facilitar o acesso de estudantes, bacharéis em direito, advogados e escritórios de advocacia a diversos serviços financeiros. Para descobrir como, eu conversei com o co-fundador e diretor comercial da Advocart, João Amaral. Ele é  graduado em Ciências Econômicas, pós-graduado em Finanças Empresariais e possui mais de 30 anos de experiência no mercado financeiro e de capitais. - DIREITO 4.0 PODCAST -Instagram: https://www.instagram.com/direito4.0podcastLinkedIn: https://www.linkedin.com/company/direito-4-0-podcastE-mail: podcast@floox.com.br - JOÃO AMARAL -LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/jo%C3%A3o-amaral-950778178/ - ADVOCART -Site: https://www.advocart.com.br/LinkedIn: https://www.linkedin.com/company/advocart/about/Instagram: https://www.instagram.com/advocart/ - NOTAS DO EPISÓDIO -As 48 Leis do Poder, Robert Greene: https://www.amazon.com.br/As-48-leis-do-poder-ebook/dp/B07522WHGC/ref=tmm_kin_swatch_0?_encoding=UTF8&qid=1634232526&sr=8-1

Rage Quit
#111 Rage Court

Rage Quit

Play Episode Listen Later Oct 14, 2021 54:14


Faaaalaaa, Galerinha do Mal! Hoje o Rage Quit veste a toga e debate as principais contendas do mundo Nerd! Eles estavam mesmo dando um tempo? Último Filho de Krypton vs O Saiyajin Lendário? Pokémon = crack? Aperte o play e descubra!

Death By Design
Dr. Christopher Kerr

Death By Design

Play Episode Listen Later Oct 14, 2021 32:50


Hospice physician. End-of-life researcher. Acclaimed author of Death Is But a Dream. Death Is But a Dream, based on Dr. Kerr's extensive research with hospice patients and their families in Buffalo, NY, highlights and validates the powerful dreams and visions often experienced at end of life that bring comfort and meaning to the dying process.Dr. Kerr is the Chief Executive Officer and Chief Medical Officer of Hospice & Palliative Care Buffalo, a valued member of our Coalition and parent organization of Hospice Buffalo. Dr. Kerr wrote Death Is But a Dream, an examination of ELEs, based on his experience with hospice patients and their families in Buffalo, NY.“Surviving Death” is a six-part series that explores the end of life through personal stories and research on near-death experiences. The fifth episode documents Dr. Kerr's conversations with hospice patients of all ages who report seeing and interacting with deceased loved ones. These experiences can offer comfort for people as they near the end of life and, in turn, for their caregivers and loved ones.“We've done studies of hundreds of bereaved people and it's very clear that what is good for the patient is good for the loved ones, and it absolutely soothes them in grief,” Dr. Kerr explains during an interview for the series.“Surviving Death” is now available to stream on Netflix here. For more information on Hospice & Palliative Care Buffalo, click here. You can also learn more about the work of Dr. Kerr and his fellow researchers by clicking here. See acast.com/privacy for privacy and opt-out information.

República do Medo
RdMCast #319 – Especial Lobisomens

República do Medo

Play Episode Listen Later Oct 14, 2021 87:53


Eles são peludos (na maioria das vezes), uivam, atacam e aparecem na lua cheia (mas às vezes não)… É melhor preparar a bala de prata e sair correndo porque os lobisomens invadiram o RdM! Nesse episódio especial, nossa bancada vai longe na história para resgatar a imagem do lobo, as origens do mito do lobisomem, [...] O post RdMCast #319 – Especial Lobisomens apareceu primeiro em República do Medo.

SuinoCast
#144 - Manejo de dejetos está dominado... (eles disseram) - Dr. Airton Kunz

SuinoCast

Play Episode Listen Later Oct 13, 2021 70:04


Este episódio é um oferecimento do Programa Inova da EMBRAPA. Assim como eles, também gostamos de fuçar, chocar e inovar. Mestrado, Doutorado, Pós-doutorado e quase 20 anos de Embrapa atuando na área de manejo e tratamento de dejetos. Convenhamos que não é pouca coisa. O Dr. Airton Kunz é uma referência nacional neste tema que muitas vezes é tratado como página virada em uma granja de suínos. Nós, técnicos da produção, precisamos entender mais e pensar de maneira mais sustentável a nossa produção. Portanto, nada mais oportuno do que falar com o Dr. Kunz sobre: - Benchmarks e pontos não negociáveis no tratamento de dejetos. - Onde as granjas mais erram - Lagoa/distribuição, biodigestores e compostagem. Quais os mais usados e as particularidade entre eles. - Porque a compostagem não emplacou? - Uso excessivo de Zinco e Cobre nas dietas. O que podemos fazer sob a óptica do manejo de dejetos? - O que há de mais moderno no tratamento de dejetos? - Mais importante que respostas, devemos focar na pergunta certa. *Este episódio chega até você através do apoio das empresas: - MSD Saúde Animal - https://www.msd-saude-animal.com.br/ - EveryPig - https://www.everypig.com/ - Ceva - https://www.ceva.com.br/ - MS Schippers - https://schippers.com.br/ - Vetoquinol - https://www.vetoquinol.com.br/

Feira Livre
Feira Livre #162 - Os piores perrengues de viagem e como evita-los (Errei)

Feira Livre

Play Episode Listen Later Oct 11, 2021 56:06


Contamos os piores perrengues de viagem e como evita-los.Batemos um papo com o Luan e a Alessandra do canal Errei que são especialistas em te tirar de enrrascadas em viagens.Eles contaram vários problemas de viagens como intoxicação alimentar e passaporte vencido e deram várias dicas para você ter uma viagem mais tranquila.O canal Errei é focado em viagens e conta como viajar o mundo sem medo de errar. Eles também estão com um programa na TV no Travel Box com uma temporada viajando no Brasil.

Irmãos Prezia | Canada para Brasileiros | Podcast por Caio Prezia e Guilherme Prezia
Podcast 222 - Onde estão os melhores salários no Canadá?

Irmãos Prezia | Canada para Brasileiros | Podcast por Caio Prezia e Guilherme Prezia

Play Episode Listen Later Oct 11, 2021 44:16


Nós cansamos de ouvir pessoas falando - de forma muito errada - que somente Vancouver e Toronto oferecem oportunidades de emprego com bons salários. Podemos ver com certa frequência na internet ‘influenciadores' do Plano Canadá propagarem a seguinte mentira: “Vancouver é uma cidade CARA para se viver MAS os salários são também muito mais altos”. Sim - Vancouver e Toronto são cidades muito caras, principalmente em relação ao preço de aluguel e imóveis em geral. Sim - Vancouver e Toronto oferecem muitas oportunidades de emprego com salários. Mas... o Canadá oferece também outras cidades com custo de vida MUITO melhor e também com boas oportunidades de empregos com ótimos salários. E melhor: o Canadá tem diversas cidades mais baratas e com salários iguais ou até melhores do que Vancouver e Toronto. Aviso pra você que está chegando agora no Plano Canadá: cuidado com os ditos vendedores de cursos de college que querem de todas as formas te empurrar cursos em Vancouver e Toronto. Eles só estão preocupados em ganhar comissão e faturar com serviços de traslado e moradia. Assista agora o nosso podcast para ficar - de uma vez por todas - devidamente ‘vacinado (a)' contra esse tipo de má informação e serviço. ISENÇÃO: apesar de termos a maior audiência do Youtube neste assunto, nós não aceitamos anúncios e parcerias com empresas do setor de intercâmbio e imigração. Nosso conteúdo é 100% ISENTO. E mais: nós acreditamos que para falar com propriedade sobre o Plano Canadá a pessoa precisa MORAR no Canadá. Nós, Irmãos Prezia, moramos no Canadá há mais de 16 anos. Somos hoje cidadãos Canadenses e todo o nosso conteúdo é autêntico, de quem realmente vive o Plano Canadá e possui centenas de clientes e seguidores também morando nas mais diversas províncias Canadenses. Tenha um ótimo domingo!http://www.irmaosprezia.com/----------------------------------------------------------------Links relacionadoshttps://www150.statcan.gc.ca/t1/tbl1/en/tv.action?pid=1110023901https://www.averagesalarysurvey.com/canada https://ca.indeed.com/jobs?q=&l=Calgary%2C%20AB https://ca.indeed.com/jobs?q=&l=vancouverhttps://ca.indeed.com/jobs?q=&l=Toronto%2C%20ONhttps://www.jobillico.com/blog/en/the-average-canadian-salary-in-2020/

Inteligência Ltda.
290 - REAL MADRID (CAMPEÃO DA SUPERCOPA DESIMPEDIDOS)

Inteligência Ltda.

Play Episode Listen Later Oct 10, 2021 157:05


É... CAMPEÃO! Hoje o papo é com o REAL MADRID, os campeões da Supercopa Desimpedidos de 2021. A Supercopa Desimpedidos sempre foi um campeonato com todos os tipos de jogadores, mas nunca teve um campeão tão diverso com velhos, gordos, loucos, de tudo um pouco. Eles querem voltar ano que vem para defender o título, mas é improvável, já que muitos jogadores obesos podem perder as pernas para o diabetes. Assista ao episódio também no Youtube: https://youtu.be/vNSeF6NEY_M Estamos transmitindo nossas lives também na Twitch!! https://www.twitch.tv/inteligencialimitada Quer mandar presentes para nós? CAIXA POSTAL 81969 | CEP: 05619-970 | São Paulo - SP

Inteligência Ltda.
290 - REAL MADRID (CAMPEÃO DA SUPERCOPA DESIMPEDIDOS)

Inteligência Ltda.

Play Episode Listen Later Oct 10, 2021 157:05


É... CAMPEÃO! Hoje o papo é com o REAL MADRID, os campeões da Supercopa Desimpedidos de 2021. A Supercopa Desimpedidos sempre foi um campeonato com todos os tipos de jogadores, mas nunca teve um campeão tão diverso com velhos, gordos, loucos, de tudo um pouco. Eles querem voltar ano que vem para defender o título, mas é improvável, já que muitos jogadores obesos podem perder as pernas para o diabetes. Assista ao episódio também no Youtube: https://youtu.be/vNSeF6NEY_M Estamos transmitindo nossas lives também na Twitch!! https://www.twitch.tv/inteligencialimitada Quer mandar presentes para nós? CAIXA POSTAL 81969 | CEP: 05619-970 | São Paulo - SP

Projeto do Coração
Permitir, Proibir ou Acompanhar? – Paulinho & Adriana Degaspari #161

Projeto do Coração

Play Episode Listen Later Oct 8, 2021 78:25


Permitir, Proibir ou Acompanhar? À medida que meus filhos vão crescendo, as conversas longas e ponderadas com o marido sobre o que permitir e o que proibir estão cada vez mais frequentes. Será que o nosso mais velho já está em idade apropriada para isso? Será que os dois menores podem assistir esse filme com a gente? Esse livro será que é bom para ler em família, ou melhor esperar mais um pouco? Todos os amigos dos meninos assistem "x"... será que estamos sendo muito rígidos em continuar proibindo? No episódio de hoje, o Paulinho e a Adriana Degaspari (do podcast irmaos.com) conversam comigo sobre tudo isso! Eles tem filhos na mesma faixa que os meus, e descobrimos muita coisa em comum na nossa conversa offline! Foi um prazer enorme bater papo com eles sobre esse assunto!  Se você já é ouvinte do PDC, você já sabe que não terá nenhuma listinha aqui do que você pode ou não pode deixar seus filhos terem acesso. Não creio que seja assim que devemos decidir as coisas. Mas espero que essa conversa te encoraje a estar cada vez mais presente com seus filhos e ciente do que eles estão consumindo.  Sobre o que conversamos? Falamos sobre como incentivar a leitura nos nossos filhos. Eles deram dicas práticas e também exemplos de como eles fazem na casa deles. Eles falaram sobre como eles definem o que é apropriado para os filhos consumirem, e como eles agem quando percebem que tomaram uma decisão errada. Falamos sobre os perigos de dividir as coisas em categorias fixas como "de crente" e "do mundo".  Recursos Mencionados Para ouvir o podcast você pode encontrar em qualquer agregador de podcast, ou direto no site deles, irmãos.com No instagram, você acha o podcast deles no @irmao_com ou você pode seguir as contas pessoas deles, @paulinhodegaspari e @dridegaspari. Como faço para me inscrever? Você sempre tem a opção de escutar diretamente aqui do site, mas o que eu sugiro é que você siga as instruções para receber os episódios diretamente no seu celular. Esse episódio tem duração de 1 hora e 18 minutos, então o ideal seria você poder escutar enquanto está dirigindo, fazendo exercício, na fila do banco, fazendo compras no mercado ou guardando os mesmo brinquedos pela vigésima vez! Então se você ainda não configurou tudo no seu celular para baixar os episódios automaticamente (sem usar dados móveis) e nem sabe como fazer isso, clique aqui se você tem android, ou aqui se você tem um iPhone. Se você estiver visualizando nesse momento do seu celular, você pode clicar nas palavras roxinhas logo abaixo do player no topo do post. Se você tiver um iPhone, clica em “Apple Podcasts” e se tiver um Android, clica em “Android”. Ou… claro… sempre tem a opção de só clicar no botão de PLAY aqui no site mesmo

Choses à Savoir SANTE
Quelle est la santé des pompiers du 11 septembre ?

Choses à Savoir SANTE

Play Episode Listen Later Oct 7, 2021 1:56


Les conséquences des tragiques attentats du 11 septembre 2001, à New York, n'en finissent pas de se faire sentir. En effet, selon des rapports récents, les trois quarts des pompiers intervenus sur place auraient développé de graves problèmes de santé.Une santé très altéréeLes chiffres sont sans appel. Sur les 15.200 pompiers qui sont intervenus sur le site des attentats, pas moins de 11.300 auraient été touchés par des troubles de santé liés à leur présence sur place.En effet, les lieux auraient été enveloppés, aussitôt après ces événements dramatiques, par une fumée très toxique, composée notamment d'amiante, d'arsenic et d'acide sulfurique.L'exposition à ces vapeurs délétères serait ainsi à l'origine de nombreux cancers, notamment de la thyroïde et de la prostate. Au total, 3.000 pompiers ont souffert d'un cancer et 250 en sont morts. Des centaines d'entre eux ont même souffert de plusieurs cancers.Une étude, publiée en 2011, avait d'ailleurs estimé que les pompiers envoyés sur le site des attentats avaient 10 % de risques supplémentaires de mourir d'un cancer que le reste de la population de New York.Mais les pompiers présents sur place le 11 septembre souffrent aujourd'hui d'autres affections. Certains ressentent de graves troubles respiratoires, d'autres ont développé des maladies hépatiques ou cardiovasculaires.Des disparités dans ces troubles de santéL'éventuelle aggravation de l'état de santé de ces pompiers dépend de certains facteurs. En premier lieu, ces troubles de santé empirent avec l'âge.Par ailleurs, il semble que les conséquences sur leur état de santé soient d'autant plus graves que les pompiers sont arrivés plus tôt sur les lieux.Une autre étude rappelle en effet que les premiers arrivants ont respiré une fumée beaucoup plus dense. C'est cette exposition à des émanations encore plus toxiques qui expliquerait, chez eux, une plus grande prévalence du cancer de la prostate, ainsi que d'autres maladies pulmonaires ou cardiovasculaires.De leur côté, d'autres chercheurs soulignent que les pompiers présents sur place les deux premiers jours suivant les attentats auraient 30 % de risques en plus de contracter certaines maladies respiratoires. See acast.com/privacy for privacy and opt-out information.

Inteligência Ltda.
288 - MANO E MARCÃO (ESTÁDIO 97)

Inteligência Ltda.

Play Episode Listen Later Oct 7, 2021 176:26


MANO e MARCÃO são comentaristas esportivos e rivais fraternos. Eles eram ouvintes assíduos do Estádio 97, e Mano foi convidado para participar da bancada. Seu irmão gêmeo Marcão chegou ao programa alguns anos depois e hoje eles representam o Corinthians e o São Paulo. Já o Vilela é o gêmeo atropelado do Tony Stark. Assista ao episódio também no Youtube: https://youtu.be/MeVO7LVigJ4 Estamos transmitindo nossas lives também na Twitch!! https://www.twitch.tv/inteligencialimitada Quer mandar presentes para nós? CAIXA POSTAL 81969 | CEP: 05619-970 | São Paulo - SP

Inteligência Ltda.
288 - MANO E MARCÃO (ESTÁDIO 97)

Inteligência Ltda.

Play Episode Listen Later Oct 7, 2021 176:26


MANO e MARCÃO são comentaristas esportivos e rivais fraternos. Eles eram ouvintes assíduos do Estádio 97, e Mano foi convidado para participar da bancada. Seu irmão gêmeo Marcão chegou ao programa alguns anos depois e hoje eles representam o Corinthians e o São Paulo. Já o Vilela é o gêmeo atropelado do Tony Stark. Assista ao episódio também no Youtube: https://youtu.be/MeVO7LVigJ4 Estamos transmitindo nossas lives também na Twitch!! https://www.twitch.tv/inteligencialimitada Quer mandar presentes para nós? CAIXA POSTAL 81969 | CEP: 05619-970 | São Paulo - SP

Comentario Biblico
Seu baú está cheio? Ev. de Lucas - Mario Persona

Comentario Biblico

Play Episode Listen Later Oct 7, 2021 12:37


As palavras de Jesus caem como uma bomba nos ouvidos dos que estão na sinagoga. Todos esperam pelo Messias prometido pelos profetas, mas uma coisa é esperar, outra é ter o próprio bem ali na frente. Eles sabem que o Messias vem para colocar a casa em ordem, mas será que eles querem que a casa fique em ordem? Eles questionam ele ser quem diz ser: "Não é este o filho de José?".Isso me faz lembrar a história de um homem que sonhou que Jesus veio visitá-lo. Ao abrir a porta, lá estava o Senhor querendo entrar. O homem pediu alguns minutos para dar uma ajeitada na casa e correu tirar da sala tudo o que podia ofender o Senhor. Jogou tudo na cozinha, e só depois abriu a porta e recepcionou Jesus, mas este lhe disse que gostaria de conhecer a cozinha.Mais uma vez o homem pediu um tempo e foi jogar tudo o que era ofensivo a Deus no quarto. O Senhor entrou na cozinha, fez um olhar de aprovação e disse que gostaria de conhecer o quarto. Outra vez o homem correu livrar-se daquelas coisas, colocando-as em um grande baú. Sim, você já deve ter adivinhado que Jesus entrou no quarto e quis ver baú. Qual não foi a surpresa daquele homem ao abrir o baú para Jesus examinar e descobrir que estava vazio!Os judeus não percebiam "que Deus em Cristo estava reconciliando consigo o mundo, não lançando em conta os pecados dos homens" (2 Co 5:19). Em seu primeiro advento, Jesus vinha para salvar, não para condenar. Somente no segundo advento é que ele virá para "o dia da vingança do nosso Deus" (Is 61:2), quando já não haverá escape para quem se recusou a recebê-lo.Hoje Deus convida você a crer em Jesus, pois ainda estamos na dispensação da graça de Deus. Será que você é desses que correm de um lado para o outro tentando esconder de Deus os seus pecados no baú de religião, boas obras e penitências? Nos evangelhos as pessoas que receberam de Jesus o perdão foram aquelas cujos pecados eram tão notórios que era impossível escondê-los. Pessoas como a mulher adúltera, a prostituta samaritana, o coletor de impostos...Naquela mesma sinagoga os judeus certamente liam o profeta Isaías, que escreveu: "'Venham, vamos refletir juntos', diz o Senhor. 'Embora os seus pecados sejam vermelhos como escarlate, eles se tornarão brancos como a neve; embora sejam rubros como púrpura, como a lã se tornarão" (Is 1:18). E também o profeta Jeremias, por meio do qual Deus afirmou: "Eu lhes perdoarei a maldade e não me lembrarei mais dos seus pecados" (Jr 31:34).E você? Já abriu seu baú de pecados na presença de Deus? Sabe o que acontecerá quando fizer isso? Ficará vazio. See acast.com/privacy for privacy and opt-out information.

Saindo da Bolha
# 83 - “Excesso” de Liberdade de Expressão

Saindo da Bolha

Play Episode Listen Later Oct 6, 2021 29:04


Nossos instintos humanos nos dão uma ferramenta poderosa: a atenção. Lá no passado, o homem primitivo ou prestava atenção ou virava comida de predador. Hoje, somos os grandes predadores mas, infelizmente, somos também os predadores da própria espécie. Assim, é obrigação nossa ficarmos atentos, pois tem muita gente pronta pra comer nossas liberdades individuais. Eles são poderosos e estão sempre com truques novos.  Essa semana, a “isca” dos predadores se chama Frances Haugen. Quem acha que ela é "amiguinha" tem tudo pra cair na boca do lobo... e é sobre isso que vamos falar no episódio de hoje. Para quem desejar apoiar a nossa causa de liberdade de expressão e informação muito além da imprensa tradicional, visite o nosso programa de apoio: apoia.se/saindodabolha.

Cafezinho Café Brasil
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?

Cafezinho Café Brasil

Play Episode Listen Later Oct 4, 2021 6:42


Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro de nossos círculos familiares e de amizades, permitindo que entendêssemos como e onde nos encaixávamos dentro do mundo. Eram narrativas que misturavam fatos da realidade com histórias, tradições e lendas, não só do Brasil, mas do mundo. Havia um tempo de maturação entre a história contada e o processamento da moral. Havia o retorno ao assunto, a paciência e a responsabilidade da experiência de quem já havia vivido o que contava. E assim fui montando minha compreensão do mundo. Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma cultura voltada ao consumo, que tem muita pressa. Se as histórias contadas por meu avô, meu tio, minha mãe e meu pai, queriam desenvolver meu senso moral, ajudando que eu encontrasse meu lugar no mundo, quem conta as histórias hoje quer que eu compre uma sandália, um shampoo, uma ação ou uma ideia. O dono da narrativa define o que é bom e o que é mau, de olho no meu bolso. Uma criança com oito anos de idade, tendo na bagagem umas 8 mil horas de televisão, mais 8 mil de internet, está anos luz à frente do ingênuo Lucianinho lá da Bauru de meio século atrás. Treinada, ela precisa de som, movimento, cores, velocidade e situações extremas. Encontra seu lugar no mundo baseada nas marcas dos produtos que usa, no vocabulário da tribo que escolheu, no comportamento que imita ídolos interessados na troca de produtos por dinheiro.   E assim ela cresce, exposta às cores, aos barulhos, ao excesso e à gritaria de gente sem experiência de vida, que tenta a convencer que problemas complexos têm soluções simplórias. E o discurso deles é sempre muito, muito sedutor, otimista. Fácil de entender. Eles têm pressa, muita pressa. A pressa que meu avô não tinha.   No Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=fqnTb9-nBSk   Gostou? De onde veio este, tem muito, mas muito mais. Acesse http://mundocafebrasil.com

Café Brasil Podcast
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?

Café Brasil Podcast

Play Episode Listen Later Oct 4, 2021 6:42


Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro de nossos círculos familiares e de amizades, permitindo que entendêssemos como e onde nos encaixávamos dentro do mundo. Eram narrativas que misturavam fatos da realidade com histórias, tradições e lendas, não só do Brasil, mas do mundo. Havia um tempo de maturação entre a história contada e o processamento da moral. Havia o retorno ao assunto, a paciência e a responsabilidade da experiência de quem já havia vivido o que contava. E assim fui montando minha compreensão do mundo. Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma cultura voltada ao consumo, que tem muita pressa. Se as histórias contadas por meu avô, meu tio, minha mãe e meu pai, queriam desenvolver meu senso moral, ajudando que eu encontrasse meu lugar no mundo, quem conta as histórias hoje quer que eu compre uma sandália, um shampoo, uma ação ou uma ideia. O dono da narrativa define o que é bom e o que é mau, de olho no meu bolso. Uma criança com oito anos de idade, tendo na bagagem umas 8 mil horas de televisão, mais 8 mil de internet, está anos luz à frente do ingênuo Lucianinho lá da Bauru de meio século atrás. Treinada, ela precisa de som, movimento, cores, velocidade e situações extremas. Encontra seu lugar no mundo baseada nas marcas dos produtos que usa, no vocabulário da tribo que escolheu, no comportamento que imita ídolos interessados na troca de produtos por dinheiro.   E assim ela cresce, exposta às cores, aos barulhos, ao excesso e à gritaria de gente sem experiência de vida, que tenta a convencer que problemas complexos têm soluções simplórias. E o discurso deles é sempre muito, muito sedutor, otimista. Fácil de entender. Eles têm pressa, muita pressa. A pressa que meu avô não tinha.   No Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=fqnTb9-nBSk   Gostou? De onde veio este, tem muito, mas muito mais. Acesse http://mundocafebrasil.com

RPG Next Podcast
TnB#220: OCS-E03 – Duas caras | RPG Terra Devastada Adaptado

RPG Next Podcast

Play Episode Listen Later Oct 4, 2021


Tarrasque na Bota apresenta: O Crime da Século, uma aventura do sistema de RPG Terra Devastada Adaptado. Episódio 03 – Duas caras. O Crime da Século é uma aventura curta de RPG para dois jogadores. O jogo se passa inteiramente em uma estação futurista em um cenário futurista Solarpunk. Os jogadores assumem o papel de dois professores (Filósofos Práticos) da Universidade que mantém e tem residência na estação. O que é Solarpunk? Solarpunk é um subgênero da ficção científica que surge para confrontar o pessimismo associado à ficção científica atual. A criação do gênero vem de ilustrações que buscavam mesclar a visão futurista dos anos 50 com ideais de preservação, ecologia e sustentabilidade. A primeira obra literária a se identificar explicitamente como Solarpunk foi o livro brasileiro Solarpunk: Histórias ecológicas e fantásticas em um mundo sustentável lançado em 2012. Em 2014, o autor Adam Flynn escreve Solapunk: Notes Toward a Manifesto. Fonte: Tom Cassauwers no Ozy.com Playlist da aventura no Spotify https://open.spotify.com/playlist/6Zu97kEcyRdVMET9FtStyp?si=ec490aa6f5df4d7f Clima A aventura investiga um crime, porém não há uma sensação veemente de urgência ou de perigo que os dois personagens vão correr. A eles vai ser cobrado chegar ao fundo e revelar o máximo o possível acerca do mistério. Personagens e momentos que os jogadores vão presenciar podem muito bem serem vistos como brega ou galhofa, uma vez que grande parte do clima da estação tem como referência a estética e preocupações dos anos 90 ou início dos anos 2000. A Estação A Século Centauri é uma estação que flutua sobre a Terra onde os Filósofos da Universidade da Terra deveriam monitorar a saúde do planeta e garantir a recuperação do planeta após cinco milênios de exploração desenfreada. Neste futuro não há mais distinções entre ciência e filosofia, assim sendo que cientistas e professores da universidade são tidos como “Filósofos Praticantes” das mais diversas áreas. A Estação foi ativada há 400 anos. Para a Universidade operar ela ainda precisa sequestrar habitantes das "Cidades Antigas" da Terra para ter funcionários e alunos. Porém os professores sob a mentoria do Reitor estão mais preocupados com sua busca de tornar a Século Centauri totalmente sustentável, o que tem tomado o tempo que deveria ser dedicado a monitorar o Planeta. O Computador Watson que mantém a estação está frequentemente sob riscos de Vírus e outras inteligências artificiais que estão escondidas no planeta. Há um medo que estas tentem assumir controle da estação. Toda vez que um vírus é descoberto nos terminais é necessário fazer uma desfragmentação de disco (o que pode durar até uma década) no qual os Professores são congelados e preservados para acordarem quando a desfragmentação terminar. Os Personagens dos Jogadores Os personagens interpretados pelos jogadores vão acordar de um descongelamento. Eles descobrem que foram congelados a 200 anos atrás como sentença por terem confabulado com uma Inteligência Artificial da Terra Antiga. Ao levantarem descobrem que há duas semanas um vírus infectou terminais da estação e que ela estava armada para uma nova fragmentação. Os Alunos foram devolvidos para as Cidades Antigas e alguns dos professores já estavam congelados quando algo aconteceu com o Reitor. Sabe-se apenas que o reitor foi morto há algumas horas e que provavelmente ele foi assassinado. Agora você pode ter em casa a caneca do Klank, o velho guerreiro anão em sua casa. Confira a coleção completa dos personagens da Mina Perdida de Phandelver e corra para garantir a sua com valor promocional por tempo limitado: https://www.mundofan.com.br/caneca-klank. Antes de assinar como um JOGADOR  envie um e-mail para contato@rpgnext.com.br e consulte sobre as vagas. Elas têm número limitado.  ATENÇÃO: Esse podcast é recomendado para maiores de 14 anos. Com a participação de: Victor Carvalho;

Argus Media
Falando de Mercado: Filas nos portos elevam fretes de fertilizantes

Argus Media

Play Episode Listen Later Sep 30, 2021 6:28


As longas filas de navios nos principais portos do país contribuem para fretes de fertilizantes mais altos nessa época do ano.  Junte-se a Camila Dias, chefe de redação da Argus no Brasil, e João Petrini, repórter da publicação Argus Brasil Grãos e Fertilizantes. Eles falam sobre o gargalo logístico que tem levado os preços de transporte de fertilizantes a subir até 40% em algumas das principais rotas do pais.   Conheça mais sobre os serviços da Argus para o Mercado de Grãos e Fertilizantes

Café Crime e Chocolate
Caso Família Kissel e o Assassinato do Milkshake Parte 1

Café Crime e Chocolate

Play Episode Listen Later Sep 26, 2021 45:11


Eles formavam a família perfeita, até que um milkshake acabasse com tudo. Este caso conta a trágica história da família Kissel, expatriados que moravam no luxuoso condomínio Parkview em Hong Kong e seus agregados, expondo uma de trama de traição, ganancia, amor, perseverança e por que não superação.

Café Crime e Chocolate
Caso Família Kissel e o Assassinato do Milkshake Parte 1

Café Crime e Chocolate

Play Episode Listen Later Sep 26, 2021 45:10


Eles formavam a família perfeita, até que um milkshake acabasse com tudo. Este caso conta a trágica história da família Kissel, expatriados que moravam no luxuoso condomínio Parkview em Hong Kong e seus agregados, expondo uma de trama de traição, ganancia, amor, perseverança e por que não superação.