Podcasts about meio ambiente

  • 810PODCASTS
  • 2,487EPISODES
  • 26mAVG DURATION
  • 1DAILY NEW EPISODE
  • Nov 14, 2022LATEST

POPULARITY

20152016201720182019202020212022

Categories



Best podcasts about meio ambiente

Show all podcasts related to meio ambiente

Latest podcast episodes about meio ambiente

O Antagonista
Cortes do Papo - Crusoé: Lula surfa a onda da terra arrasada

O Antagonista

Play Episode Listen Later Nov 14, 2022 13:37


A reportagem de capa da nova edição da Crusoé fala sobre o bom clima que Lula deverá encontrar na COP27, mas destaca que o presidente eleito terá desafios para achar um caminho entre preservação e desenvolvimento. Leia um trecho: "Lula pousará na próxima semana em Sharm el-Sheik, no Egito, para participar da 27ª Conferência das Partes da ONU para as Mudanças Climáticas, a COP27. Sua presença, na prática, será como uma posse antecipada, pois o petista ocupará o lugar vago deixado pelo presidente Jair Bolsonaro, reunindo-se com vários líderes mundiais." "[...] No Egito, o futuro presidente buscará convencer a plateia de que o seu governo estará comprometido com a preservação do meio ambiente e com a redução das emissões dos gases de efeito estufa. De volta ao Brasil, Lula terá de se articular com diversos grupos de interesse, como os do agronegócio, da mineração em larga escala, da indústria energética, dos governadores, dos prefeitos, dos indígenas e dos ambientalistas — os quais foram tratados de maneiras desiguais em seus dois primeiros mandatos, de 2003 a 2010." "Quando Lula iniciou seu primeiro mandato, ele vendia no exterior a imagem de que o Brasil promovia um desenvolvimento sustentável, com fontes de energia limpas e um agronegócio responsável. Internamente, ele e outros petistas entravam em batalhas constantes com os ambientalistas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, o Ibama. A demora em aprovar o licenciamento de grandes obras era vista como um entrave ao crescimento." LEIA MAIS AQUI; assine a Crusoé e apoie o jornalismo independente. Inscreva-se e receba a newsletter:  https://bit.ly/2Gl9AdL Confira mais notícias em nosso site:  https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais:  https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista ​https://www.instagram.com/o_antagonista https://www.tiktok.com/@oantagonista_oficial No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Estadão Notícias
Lula na COP-27 e o futuro da política ambiental brasileira

Estadão Notícias

Play Episode Listen Later Nov 8, 2022 25:54


O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), figura como uma das principais atrações da COP-27, que é a conferência sobre o clima da Organização das Nações Unidas (ONU). O novo governo deve mostrar ao mundo o potencial de geração de energia limpa do País. O presidente eleito, Lula, também pretende usar a COP-27 para realizar encontros bilaterais considerados cruciais para a sua retomada ao comando do Palácio do Planalto. O petista pretende se reunir com os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da França, Emmanuel Macron. Jair Bolsonaro (PL) se queixou da decisão do presidente eleito de ir à conferência climática da Organização das Nações Unidas, em um desabafo que foi testemunhado por auxiliares. O atual presidente chamou o petista de “usurpador” e o acusou de vestir a faixa presidencial antes da hora. Mais de 190 países vão participar da cúpula, incluindo o Brasil. Cerca de 90 chefes de Estado confirmaram sua presença, porém, alguns líderes mundiais não devem comparecer ao evento, enviando representantes do seu governo, como Vladimir Putin, presidente da Rússia. No ‘Estadão Notícias' de hoje, vamos conversar sobre esse assunto com o secretário executivo do Observatório do Clima, Marcio Astrini, que está na COP-27, no Egito. O ‘Estadão Notícias' está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg, Gabriela Forte e Gabriel Lara Sonorização/Montagem: Moacir Biasi.See omnystudio.com/listener for privacy information.

Rádio Gaúcha
Giane Guerra com Marjorie Kauffmann, secretária Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Nov 5, 2022 14:10


Giane Guerra com Marjorie Kauffmann, secretária Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura by Rádio Gaúcha

Rádio Gaúcha
Germano Bremm - 03/11/2022

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Nov 3, 2022 18:53


Secretário Municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade de Porto Alegre, Germano Bremm, fala da construção do prédio mais alto de Porto Alegre e do plano diretor do 4º Distrito.

Roda Viva
Roda Viva | Marina Silva | 31/10/2022

Roda Viva

Play Episode Listen Later Nov 1, 2022 97:04


No clima das eleições 2022, o Roda Viva recebe a ex-ministra do Meio Ambiente e deputada federal eleita por São Paulo com 237 mil votos, Marina Silva. Ex-ministra da pasta durante o governo Lula, Marina Silva é professora e ambientalista filiada ao partido Rede Sustentabilidade. Ao lado do ambientalista Chico Mendes, liderou movimentos sindicais e em defesa do meio ambiente e da Floresta Amazônica. Marina Silva foi vereadora em Rio Branco, deputada estadual pelo Acre e, aos 36 anos, tornou-se a mais jovem senadora do país. O Roda Viva contará com uma bancada de entrevistadores formada por Afra Balazina, da Fundação SOS Mata Atlântica; Catia Seabra, repórter especial da Folha de S. Paulo; Cristiane Agostine, repórter de política do jornal Valor Econômico; Rodrigo Piscitelli, repórter da TV Cultura; e Sérgio Roxo, repórter da sucursal de São Paulo do jornal O Globo. A apresentação é de Vera Magalhães. #RodaViva #Eleições2022 #TVCultura

O Antagonista
Cortes do Talks - Revogação de cargos comissionados deixou máquina "enxuta demais", diz Bolsonaro

O Antagonista

Play Episode Listen Later Oct 19, 2022 1:18


Em entrevista ao Claudio Dantas Talks, o podcast de O Antagonista, o presidente Jair Bolsonaro (foto) disse que a ideia de diminuir a máquina pública tomada ainda durante a transição par seu governo, após as eleições de 2018, acabou por deixá-la menor que o necessário — o que gerou dificuldades em seu governo. "Quando nós assumimos na transição, nós revogamos em torno de 30 mil cargos em comissão", disse o presidente a Claudio Dantas.  "Não é que houve um arrependimento, mas ficou enxuto demais. Tanto que, quando criamos o Ministério das Comunicações, tivemos que cata cargos de comissão em outros ministérios para formar o ministério do Fábio Faria". A pasta foi criada em 2020. Bolsonaro chamou de "loucura minha" uma proposta de fundir o Ministério do Meio Ambiente com a Agricultura. "Num primeiro momento, parecia algo fantástico. Depois, descobrimos que era impossível", disse. Inscreva-se e receba a newsletter:  https://bit.ly/2Gl9AdL Confira mais notícias em nosso site:  https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais:  https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista ​https://www.instagram.com/o_antagonista https://www.tiktok.com/@oantagonista_oficial No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

O Antagonista
Cortes do Talks - Jair Bolsonaro diz que orientou Salles a diminuir poder de ação de fiscais ambientais

O Antagonista

Play Episode Listen Later Oct 19, 2022 1:03


Jair Bolsonaro — que participa nesta quarta-feira (19) do Claudio Dantas Talks, podcast de O Antagonista — disse que orientou seu então ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, a     enfraquecer os poderes de fiscalização dos fiscais de crimes e infrações ambientais. "Eu falei 'Salles, tem que reduzir. A multa tem que existir, mas você tem que reduzir o poder do fiscal para ele não sair multando de qualquer maneira'", disse o presidente a Claudio Dantas. "Em que pese a maioria dos fiscais serem boas pessoas", acrescentou. Segundo o presidente, sua ordem foi atendida pelo então ministro, agora eleito deputado federal por São Paulo. "Ele resolveu o assunto. Como? Não entendo da legislação ambiental, é algo muito complexo, mas sei que ele resolveu o assunto." Inscreva-se e receba a newsletter:  https://bit.ly/2Gl9AdL Confira mais notícias em nosso site:  https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais:  https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista ​https://www.instagram.com/o_antagonista https://www.tiktok.com/@oantagonista_oficial No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Rádio Gaúcha
Entrevista CH1 - Gaúcha Zona Sul - 18/10/2022 - Pedro F. Fruet, Secretário De Meio Ambiente De RG

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Oct 18, 2022 10:39


Entrevista CH1 - Gaúcha Zona Sul - 18/10/2022 - Pedro F. Fruet, Secretário De Meio Ambiente De RG by Rádio Gaúcha

Estância de Emmanuel - Espiritismo
Meio ambiente e nossa relação com o planeta.

Estância de Emmanuel - Espiritismo

Play Episode Listen Later Oct 14, 2022 28:26


Expositora convidada: Sônia Gonçalves trabalhadora da sociedade espírita Vinha de Luz de Gravataí/RS

Meio Ambiente
Bruno Latour, as ‘mutações' do clima e a armadilha do ser humano para si mesmo

Meio Ambiente

Play Episode Listen Later Oct 13, 2022 20:39


Um dos principais pensadores da ecologia, Bruno Latour, morreu no último domingo (9). O sociólogo, antropólogo e filósofo era um dos pesquisadores franceses mais influentes do mundo. Ele deixa uma vasta obra que será lembrada como pioneira na compreensão das transformações pelas quais passa o planeta – ele teorizou o que chamou de novo regime climático que a humanidade atravessa, uma vez que o homem “mudou o mundo”. Um dos seus discípulos, o professor de sociologia Dominique Cardon, diretor científico do laboratório criado por Latour na respeitada Sciences Po de Paris, explicou que antes de ser um pensador sobre a ecologia, Bruno Latour refletiu sobre as relações entre as nossas sociedades e as ciências e a tecnologia. O seu projeto intelectual foi compreender que não há separação entre a política e a natureza ou entre a ciência e a sociedade: estamos constantemente nas articulações entre o que chamávamos de política e o que chamávamos de natureza. "Isso o levou a uma reflexão profunda sobre os desafios da ecologia, afinal as nossas sociedades só existem porque estão articuladas ao solo, ao ar, à terra– e hoje sabemos disso da forma mais cruel. Nós transformamos o nosso meio ambiente, e Latour veio nos lembrar disso com força”, disse Cardon em entrevista à RFI. Incansável na busca pela “verdade" na ciência, na política ou na natureza, Latour era um filósofo transdisciplinar. O francês foi homenageado com alguns dos prêmios mais prestigiosos da ciência, como Holberg, considerado o Nobel das "ciências humanas”, em 2013. "O que é novo é que nos tornamos responsáveis por uma tal transformação industrial que o efeito do que você fez recai em cima de você. A Terra em si, no sentido geológico, reage às suas ações e isso muda tudo. Esse é o fenômeno, e não é um fenômeno ecológico, mas sim uma transformação existencial”, afirmou Latour em uma das entrevistas que concedeu à emissora France Culture, em 2020. "Isso nos situa diferentemente. Antes, estávamos no universo, ou na natureza, onde estávamos num espaço infinito. E agora, estamos neste espaço. Então, a amplitude das suas atividades e as precauções que você toma para mantê-lo, mudam. Se você não compreende que isso muda alguma coisa, é porque você está, politicamente, nos declarando guerra – a nós, os terrestres". Covid-19 e as 'mutações' do clima O filósofo também ficará conhecido pela irreverência e as conferências surpreendentes. Não era raro que ele convidasse o mundo das artes para tornar a sua mensagem mais acessível ao grande público e provocar reações. Em outra entrevista recente, em janeiro deste ano, ao programa La Terre au Carré, da France Inter, ele falou sobre a pandemia de Covid-19, associada ao que preferia chamar de “mutações" do clima. "Se você acrescenta micróbios na sociedade, você tem uma outra sociedade. Você acrescenta um vírus, como o que temos agora, ou você acrescenta o CO2, você tem uma outra sociedade. A grande ilusão é acreditar que vamos manter a mesma sociedade se não temos as mesmas associações”, analisou. "É interessante ver que o Estado é perfeitamente capaz de nos impor regulamentações bem restritivas na questão sanitária, mas sobre outras questões, que são bem mais importantes a longo prazo, como a climática, o Estado não tem essa capacidade de nos proibir de fazer isso ou aquilo, como utilizar combustíveis ou energia nuclear. Faço essa comparação com a Covid-19 para mostrar a enorme diferença política que há entre os dois.” Legado humanista Latour era reconhecido no meio intelectual francês, mas era sobretudo celebrado no exterior, em especial nos Estados Unidos, onde foi conferencista em Harvard. No Brasil também, ele teve diversos livros publicados, como os paradigmáticos Jamais fomos modernos, Onde Aterrar? e  Diante de Gaia: Oito conferências sobre a natureza no Antropoceno. Este último inspirado nas conclusões de outro brilhante cientista das transformações da Terra, o fisiologista e químico britânico James Lovelock, que em A Terra é um Ser Vivo – A hipótese Gaia afirmou que os seres vivos fabricam as suas próprias condições de existência. "Bruno Latour foi um grande sociólogo e antropólogo da ciência, mas para além disso, eu costumo dizer que ele faz parte de uma tradição de humanistas, de pensadores que, sem comprometer a especificidade da ciência, tentam expandir o campo da ciência o máximo possível”, comenta o filósofo e escritor Rodrigo Petronio, professor da FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado), em São Paulo. “O mais importante em Latour é a chamada teoria do ator rede: nenhum problema social, político, econômico, ecológico, natural pode ser separado dos seus problemas congêneres. Quando nós separamos os elementos, os fenômenos, e tentamos compreendê-los isoladamente, nós geramos respostas parciais”, completa. É por isso, para além da sua morte, a obra do intelectual francês vai ser cada vez mais evocada nas reflexões sobre os desafios no século 21, na visão de Petronio. "Para ele, vivemos uma mutação antropológica, que diz respeito ao ser humano, o sapiens. Estamos entrando no Antropoceno, uma nova época da Terra. Estamos saindo do Holoceno, que tem 12 mil anos, e é o momento em que todas as formas de vida da Terra se estabeleceram e nós vivemos uma espécie de grande paz da vida na Terra, sem cataclismos, extinção de dinossauros ou movimento de placas tectônicas. Essa saída decorre do impacto negativo que o humano está exercendo sobre a Terra”, explica o professor da FAAP. "Latour dizia que os seres humanos foram sendo superanimados, ou seja, foram se colocando cada vez mais no centro, e a natureza foi sendo desanimada – pela extração dos recursos. E agora, como se houvesse uma gangorra, a natureza está se superanimando e os seres humanos estão acuados, como se estivéssemos diante da iminência de um ataque, de um monstro. Só que é um monstro que nós mesmos ajudamos a criar”, salienta Petronio. Bruno Latour faleceu aos 75 anos, após uma longa batalha contra um câncer. 

Notícias MP
MPAC conhece iniciativa para reciclagem e logística reversa de embalagens

Notícias MP

Play Episode Listen Later Oct 13, 2022 1:16


O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio da Promotoria de Justiça de Defesa de Meio Ambiente do Baixo Acre, participou, na manhã desta sexta-feira (07), de uma reunião com a empresa EuReciclo. A reunião, realizada via videoconferência, teve a participação do promotor de Justiça Luis Henrique Corrêa Rolim, do analista pericial Paulo Henrique da Silva Souza, e das representantes da empresa, Victoria Rocha Castro e Martha Maria Damasceno Fialho.

Reportagem
Em meio à possibilidade de reeleição de Bolsonaro, indígenas vão à Europa pedir ‘socorro'

Reportagem

Play Episode Listen Later Oct 13, 2022 5:15


Um grupo de indígenas de várias etnias da Amazônia está na Europa para pedir ‘socorro', depois que os resultados do primeiro turno das eleições no Brasil apontaram um segundo turno apertado entre o atual presidente, Jair Bolsonaro, e o petista Luiz Inácio Lula da Silva. Apoiados por organizações ambientalistas francesas, o grupo participa de eventos em Paris e em Bruxelas, onde fica a sede da Comissão Europeia. Os indígenas querem chamar a atenção para as violações dos seus direitos, como invasões de terras demarcadas, aumento do desmatamento, da contaminação dos rios e dos assassinatos, e exigir ações dos europeus para pressionar o governo brasileiro a protegê-los. Um dos principais eixos de ação é pelas relações comerciais, a exemplo do projeto que tramita nas instâncias europeias para proibir o chamado “desmatamento importado” no bloco – ou seja, interditar a compra de produtos oriundos de áreas desmatadas ilegalmente em outros países externos à União Europeia. “Mexer na economia é o primeiro passo para cobrar do Brasil que ele tenha compromisso com as nossas pautas socioambientais e tenha responsabilidade. Os nossos direitos precisam ser garantidos de fato, não só no papel”, disse Val Munduruku, que veio do Pará e participou de uma conferência na manhã desta quinta-feira (13). "A gente precisa, muitas vezes, ter que sair do nosso país, como a gente está fazendo agora, para levar a nossa luta a um patamar que as pessoas conseguem escutar. Dentro do nosso país, na grande maioria das vezes, a gente não tem um espaço de fala”, lamenta Tukumã Pataxó, da Bahia.  Batalhas no Congresso Sam Sataré Mawé, do Amazonas, lembra que, das cerca de 30 candidaturas indígenas para a Câmara e o Senado, apenas duas candidatas conseguiram um assento para defender os direitos dos povos originários – Sônia Guajajara e Célia Xacriabá. O perfil mais conservador do Congresso recém-eleito promete tornar ainda mais difícil a luta dos indígenas contra projetos de lei como o PL 490, relativo ao marco temporal, o PL 2633, que facilita a grilagem em terras indígenas, e o PL191, que abre caminho para a mineração. Neste contexto, a possibilidade de reeleição de Bolsonaro, no dia 30 de outubro, é vista como uma ameaça ainda maior. “Se ele for reeleito, é como se o próprio povo brasileiro estivesse assinando um genocídio dos povos indígenas e de seu próprio povo”, aponta. Thaline Karajá, também do Pará, observa que, além das questões ambientais, que despertam maior interesse dos europeus, o desmantelamento dos órgãos de atuação ambiental pelo governo federal levou à piora do quadro de outros problemas, como o descaso com a saúde indígena. Segundo ela, no seu território, 12 crianças morreram só nesse ano por doenças evitáveis – número que se elevaria a 3 mil no conjunto dos biomas brasileiros, durante o atual governo. "A Funai era responsável pela saúde dos povos indígenas, mas ela foi desmontada nesse governo genocida de Bolsonaro. Não temos assistência médica, acesso à saúde. Toda a vez que vou num território, não vejo nenhum aparelho de pressão. Não vejo um antibiótico, remédios básicos”, conta. "Se a gente se machucar, a gente não tem como se cuidar. Se for algo muito sério, a gente morre.” Assédio a ‘índios de iPhone' Os indígenas relatam que, pelas redes sociais, têm recebido críticas por viajarem à Europa – mas argumentam que não recebem a atenção que deveriam dos políticos, da imprensa ou da população brasileira. "Tem muita gente lá no Brasil que está falando: ‘olha aí esses índios lá na França, usando iPhone. Eles não são indígenas'. Somos sim, e a gente usar um iPhone, usar a tecnologia para nos proteger não nos faz menos indígenas, não vai mudar o nosso DNA. A gente está pedindo socorro para o planeta, para a vida”, denunciou Thaline Karajá. “Temos o arco e flecha, mas também temos o celular como arma, para filmar e divulgar as violações que sofremos todos os dias. Faz parte das nossas ferramentas para o mundo ver”, complementa Tukumã, antes de Sam Sataré Mawé afirmar que nenhum deles está em Paris para uma viagem romântica. "É uma questão de luta e resistência. O fato de a gente estar aqui é porque a gente precisa sair porque senão a nossa voz não sai do Brasil. Não estamos aqui porque queremos”, ressalta Sam. "Não é fácil pegar dias de barco, horas de voo, estar em um país diferente, com uma língua diferente, uma alimentação diferente, para falar para as pessoas que as consequências das ações delas nos afetam e influenciam o nosso povo”, insiste.   Os indígenas realizarão neste sábado (15) uma manifestação em Paris. Na semana que vem, em Bruxelas, devem ser recebidos pelo ministro do Meio Ambiente belga e por autoridades do Parlamento e da Comissão Europeia.

Rádio MPSC
Direito Animal e Medicina Legal Veterinária são temas de evento do MPSC

Rádio MPSC

Play Episode Listen Later Oct 10, 2022 2:01


Programação foi estruturada para instigar a reflexão sobre a correlação entre a proteção dos animais e o seu valor social. Ouça a Promotora de Justiça Luciana Cardoso Pilati Polli, Coordenadora do Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente.

Rádio Terra FM
ENTREVISTA: Certel recebe licença de instalação para início das obras da Hidrelétrica Bom Retiro

Rádio Terra FM

Play Episode Listen Later Oct 7, 2022 14:38


A Certel recebeu da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura, a licença de instalação para construção da Hidrelétrica Bom Retiro, no Rio Taquari, entre Bom Retiro do Sul e Cruzeiro do Sul. A medida foi destacada pelo presidente da Certel, Erineo José Hennemann, em entrevista ao programa Terra em Uma Hora, da Terra FM, nesta sexta-feira, dia 7. Hennemann destacou pela agilidade na liberação da licença, visto que o projeto da hidrelétrica foi lançado a cerca de um mês. Também enfatizou sobre a importante contribuição que será dada pela usina, ampliando a capacidade energética da região e proporcionando também o fortalecimento da cooperativa. A usina hidrelétrica da Barragem Eclusa de Bom Retiro do Sul terá sua casa de máquinas instalada na margem do Rio Taquari que pertence ao município de Cruzeiro do Sul. A capacidade de vasão será de 440 metros por segundo. Para efeitos de comparação, a bacia do Rio Forqueta tem capacidade de oferecer 22 metros cúbicos por segundo. Serão dez metros de queda de água proporcionada pela Eclusa para a geração de energia. A transmissão da energia gerada no local será direcionada para a subestação da Certel, localizada em Estrela. A expectativa da cooperativa é de abranger, aproximadamente, 100 mil clientes com eletricidade oriunda da nova usina. Para a construção da obra, a Certel contará com a parceria da empresa Bom Retiro Energia. O orçamento do projeto é de R$ 250 milhões. Durante os três anos de obra, a Certel projeta a criação de 500 vagas de emprego. A Cooperativa Certel, é a maior e mais antiga cooperativa de energia do país, tendo iniciado suas operações em 1956, sua sede fica no município de Teutônia.

Rádio Gaúcha
O inadmissível abandono do Olímpico: desapropriar o estádio é uma saída?

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Oct 7, 2022 56:29


A região da Azenha nunca mais foi a mesma desde que o Grêmio trocou de casa. Desativado há quase 10 anos, o Estádio Olímpico agoniza enquanto aguarda resolução do problema jurídico envolvendo o Grêmio, a OAS, o Ministério Público e a prefeitura de Porto Alegre. O abandono também trouxe insegurança e problemas sanitários, ambientais e sociais para o entorno. Tem como resolver? Conversamos com Germano Bremm, secretário de Urbanismo, Meio Ambiente e Sustentabilidade da Capital, e Bruno Martins da Costa Silva, advogado especialista em direito patrimonial, para entender a situação e encontrar soluções.

Meio Ambiente
Indígenas aumentam participação no Congresso, em meio a avalanche conservadora

Meio Ambiente

Play Episode Listen Later Oct 6, 2022 14:57


As eleições para o Congresso marcaram um passo histórico para os povos indígenas, que passaram a ter três deputadas federais eleitas, além de dois descendentes de indígenas. As vitórias também refletem a polarização política que impera no país: uma das eleitas é aliada do presidente Jair Bolsonaro e defende pautas “antiambientais” como a ampliação da mineração. Duas das novas deputadas – Sônia Guajajara e Célia Xacriabá, do Psol de São Paulo e Minas Gerais – encabeçaram a campanha pela criação de uma “bancada do cocar”, para aumentar a representatividade dos povos originários e contrabalançar a poderosa bancada do boi, ligada ao agronegócio. Por outro lado, perderão o apoio de Joênia Wapichana, eleita em 2018 mas que não conseguiu se reeleger. Até hoje, apenas dois indígenas haviam conseguido uma vaga na Câmara dos Deputados: antes de Joênia, o pioneiro foi Mario Juruna, em 1983. A eleição de 2022 teve o maior número já registrado de candidaturas indígenas, num total de 60. “Isso é um feito em termos de política indígena no Brasil. Tratam-se de duas lideranças importantes, de dois grandes Estados da federação. Acho que demonstra uma tendência, que na verdade é mundial, do protagonismo das mulheres indígenas na política e isso acontece não só no Brasil, como em diversos outros países do mundo”, celebra o professor da Universidade Federal de Viçosa Leonardo Barros Soares, especialista no assunto. “A população indígena é bastante pequena no Brasil, em termos proporcionais, e o fato de ter duas representantes lá, tão aguerridas e articuladas politicamente, mostra uma grande evolução do ponto de vista da articulação política dos povos indígenas e uma maior receptividade da população brasileira com relação à candidatura dessas lideranças.” Indígenas bolsonaristas A terceira deputada eleita é Silvia Waiãpi, do PL no Amapá e defensora do atual governo. Correligionária do presidente, ela representa uma corrente minoritária entre os indígenas: os que apoiam o desmonte ambiental promovido por Bolsonaro. “O fenômeno dos indígenas bolsonaristas ainda é pouco estudado e pouco compreendido. Todos os grupos humanos são diversos politicamente e não é diferente com os povos indígenas. Quando olhamos para eles como um grupo homogêneo, é um traço racista que vem da nossa formação colonial”, ressalta o pesquisador. “Acho que temos que prestar atenção no grupo de agricultores indígenas, no Mato Grosso, um grupo muito próximo do presidente, nos indígenas que contam com uma forte presença de missões evangélicas nos seus territórios, e também os que têm relações com as Forças Armadas, que é o caso da própria Silvia Waiãpi”, explica. Em um de seus vídeos de campanha, ela apontava as leis ambientais “severas demais” como entrave para o desenvolvimento do seu Estado. Pauta ambiental sob pressão A nova configuração do Congresso, amplamente conservador, tende a favorecer a agenda de liberalização ambiental adotada pelo atual governo – independentemente de quem será o presidente eleito em 30 de outubro. No Senado, que costuma impor freios aos projetos mais agressivos que vêm da Câmara, o partido do presidente abocanhou 9 das 27 cadeiras disputadas. Assim, a direita terá 66 do total de 81 assentos na Casa. O petista Luiz Inácio Lula da Silva se comprometeu a promover um “revogaço” de medidas de Bolsonaro, inclusive na pasta de Meio Ambiente. Mas, neste contexto, a promessa se anuncia difícil de cumprir, na visão de Leonardo Soares. “No meu ponto de vista, o desmatamento e outras atividades ilícitas foram, de certa forma, chanceladas pelas urnas. Isso tem que ser uma matéria de reflexão nossa, como sociedade, e do campo da esquerda como um todo”, sublinha o docente, integrante do Observatório das Eleições, ligado à UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). “Temos o caso do ex-ministro Ricardo Salles que teve uma votação expressiva em São Paulo. A Marina Silva também teve, mas de um modo geral, a balança pendeu mais para uma pauta que, no limite, é antiambiental”, antecipa.  

Rádio Gaúcha
Germano Bremm, Secretário municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Oct 5, 2022 10:52


Jornal da USP
Ambiente é o Meio #58: Lagos da Amazônia capturam carbono da atmosfera

Jornal da USP

Play Episode Listen Later Oct 5, 2022 29:36


Matéria orgânica acumulada no fundo dos lagos poderia causar o aumento de temperatura no planeta, afirma pesquisador

TSF - Mundo Digital - Podcast
Plano "circular" da Nokia aposta no meio ambiente

TSF - Mundo Digital - Podcast

Play Episode Listen Later Oct 4, 2022


Edição de 04 de Outubro 2022

Meio Ambiente
Alta da destruição da Amazônia reflete “liquidação” ante o possível fim de governo Bolsonaro

Meio Ambiente

Play Episode Listen Later Sep 29, 2022 21:53


A destruição da Amazônia se acelera neste segundo semestre, com um mês de setembro que já tem as piores queimadas da floresta em 12 anos, conforme novos dados revelados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Também a área ocupada ilegalmente pelo garimpo nunca foi tão grande, quase dobrando entre 2010 e 2021, apontou o Mapbiomas na semana passada. Lúcia Müzell, da RFI Esses e outros números refletem o que pode ser o apagar das luzes do governo que “passou a boiada” da regulamentação e fiscalização ambientais. Para ficar na analogia feita pelo ex-ministro do Meio Ambiente em plena pandemia, agora, a porteira pode estar prestes a se fechar – e os atores que protagonizam a ilegalidade nos biomas brasileiros aceleram para conquistar novas terras. “A gente não via fogo em grandes quantidades na região de Lábrea, por exemplo, ou no sul do Amazonas. Não era um tema naquela região, e a gente está vendo um fogo que as pessoas nunca viram antes. Tem uma nova frente de desmatamento muito grande por ali, especialmente no entorno da estrada que liga Porto Velho a Manaus, a BR-319”, explica Tasso Azevedo, coordenador-geral do Mapbiomas, plataforma de referência no monitoramento de queimadas em tempo real. “Nesse ano, particularmente, como o desmatamento está crescente, tem bastante material combustível. Nesses lugares, a gente está vendo muito fogo.” Recorde atrás de recorde Os recordes de queimadas se sucedem a registros igualmente alarmantes de desmatamento em agosto – um processo é a sequência do outro, no ciclo da ocupação ilegal de terras da Amazônia. O sistema Deter do Inpe mostrou que, em um ano, a devastação aumentou 81%. No acumulado de janeiro a meados de setembro, os incêndios já superam o total registrado em 2021. O ambientalista João Paulo Capobianco, presidente do Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS), lembra que, historicamente, o desmatamento tende a crescer em época eleitoral, em consequência ao relaxamento da atenção aos crimes ambientais no período. “Os únicos anos em que isso não aconteceu foram nos anos de atuação reforçada do PPCDAM (Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento da Amazônia), em 2005, 2009 e 2013. Em geral, existe uma correlação, mas o que nós estamos vendo neste ano é uma explosão”, ressalta. “Há uma perspectiva de que não haverá punição, portanto ocorre uma espécie de liquidação, ou seja, os agentes grileiros, principalmente, correndo para tentar obter a maior área possível de grilagem.” ‘Revogaço' à vista Existe a expectativa de que a direção poderá mudar 180° em um eventual governo com Lula, que assumiu um conjunto de propostas de Marina Silva para a pauta ambiental. O candidato já antecipou a intenção de promover um “revogaço” de medidas do governo Bolsonaro, que deve incluir instruções normativas, decretos e portarias ambientais. “Isso está levando a uma verdadeira correria por lá, uma espécie de Black Friday do desmatamento. É uma coisa inacreditável, mas infelizmente, nós estamos verificando isso mesmo”, salienta Capobianco. Anulação do cancelamento de multas ambientais, reforço do Ibama e o ICMBio, aceleração das verificações dos Cadastros Ambientais Rurais, embargo comercial das áreas suspeitas de desmatamento ilegal, desobstrução de áreas indígenas invadidas por garimpo e de exploração ilegal. O rol de medidas que podem estar na mira do revogaço é amplo. “É um pouco o fim de festa. Se o presidente Bolsonaro for reeleito, temos a tranquilidade de que qualquer coisa que a gente faça agora não será penalizada. Mas se há uma alternância de poder, então é a nossa última chance de criar o fato consumado e depois contar com algum tipo de anistia que vai acontecer mais à frente", observa Azevedo. Entretanto, em caso de mudança de presidente, o clima não vai mais ser tão favorável para a redução do desmatamento quanto foi nos primeiros anos do governo Lula, salienta Capobianco. “Na época, houve um certo efeito surpresa, com uma ação muito incisiva e rápida do governo, integrada, com vários ministérios. Hoje, espera-se que haverá muita reação, por parte de lideranças que tiveram muitas vantagens nesses últimos três anos e vão querer mantê-las”, frisa o presidente do IDS, que coordenou a criação do PPCDAM em 2003. “Há também a questão da liberação do acesso a armas, que permitiu que as armas se espalhassem de forma descontrolada no Brasil inteiro e na Amazônia em particular. E a criminalidade, de forma geral, aumentou muito na Amazônia”, lamenta. Para saber mais, ouça o podcast

Serifacast
Quais os planos para o Meio Ambiente dos candidatos à Presidência da República do Brasil - Desenrolando as Eleições

Serifacast

Play Episode Listen Later Sep 29, 2022 26:37


O que esperar, referente ao Meio Ambiente, do candidato ou candidata a Presidência da República que você vai votar nesses Eleições de 2022? Não sabe ou não se interessa? ts ts ts! Dá tempo você dedicar 26 minutinhos para saber a ideia central de cada Plano de Governo dos quatro primeiros colocados nas intenções de votos. Sim, é o que vamos te oferecer neste que é o último episódio da série Desenrolando as Eleições. Lemos e relemos as propostas depositadas no Tribunal Superior eleitoral (TSE) para te ajudar a conhecer melhor o que esperar sobre o tema nos próximos quatro anos, caso quem você votar for eleito ou eleita, sobre Meio Ambiente. Confirma o play nesta urna auditiva e comemore a vitória do conhecimento e consciência a mais sobre política, que é muito mais do que Eleições! O Desenrolando as Eleições é uma iniciativa de um coletivo formado por cinco podcasts nordestinos para divulgar conceitos relacionados à política institucional e debater os programas de governo no que se refere à cultura, saúde, educação, igualdade de gênero e meio ambiente. Além do SerifaCast (Ceará), fazem parte da "bancada do podcast", os Podcasts Federais @podcastcalumbi (Bahia), o @desteoriza (Pernambuco), o @elaspesquisam (Ceará) e o @perdidosnaparalaxe (Ceará). Playlist com todos os episódios: https://open.spotify.com/playlist/3n3qkIDhwxKE5xnlWrkakI?si=9CXw48cJT-OBxN_rUhJaaw Os Planos de Governo: Lula: https://divulgacandcontas.tse.jus.br/candidaturas/oficial/2022/BR/BR/544/candidatos/893498/5_1659820284477.pdf  Bolsonaro: https://veja.abril.com.br/wp-content/uploads/2022/08/Plano-de-Governo-2023-2026-Jair-Bolsonaro.pdf Ciro: https://divulgacandcontas.tse.jus.br/candidaturas/oficial/2022/BR/BR/544/candidatos/882713/5_1659989903215.pdf  Simone: https://divulgacandcontas.tse.jus.br/candidaturas/oficial/2022/BR/BR/544/candidatos/280001607833/pje-c6a5300b-Proposta%20de%20governo.pdf  /// No canal do Serifacast no Youtube estão os cortes dos episódios e uma playlist sobre produção de podcast na prática: https://www.youtube.com/channel/UC008Eo3hRa2R8ow56VK4ceg?view_as=subscriber // Onde mais ouvir Spotify: https://open.spotify.com/show/4boBd4AWLmd9YT2joLIjoy  Apple Podcast: https://podcasts.apple.com/us/podcast/serifacast/id1075700365  // Quer ajudar o SerifaCast?  Avalie o SerifaCast no aplicativo que você nos escuta; Deixe um comentário sobre o SerifaCast nas redes sociais; Compartilhe os episódios do SerifaCast e nos marque nas redes sociais; // Mão na massa Autor, roteirista, apresentador, editor e identidade visual e sonora: Andreh Jonathas https://twitter.com/andrehjc  Criador da nossa logo: Anderson Chaves https://www.instagram.com/anderson_luis_chaves/ // Cada canal, um conteúdo especial GRUPO DE OUVINTES DO TELEGRAM: https://t.me/joinchat/QCSEIdr-Ph8xMGVh Instagram: https://www.instagram.com/serifacast/ Twitter: https://twitter.com/serifacast  Facebook: https://www.facebook.com/serifacast/ Nosso site: http://serifacast.libsyn.com/#  Medium: https://medium.com/@andrehjc

Jornal da USP
Ambiente é o Meio #56: Áreas protegidas demandam diferentes ações frente às mudanças climáticas

Jornal da USP

Play Episode Listen Later Sep 21, 2022 23:59


Ecólogo explica a relação do desmatamento, a emissão de carbono e as mudanças climáticas, a partir de estudo de áreas protegidas em todo o Brasil

Angu de Grilo
Funeral, voto útil e Viola Davis #153

Angu de Grilo

Play Episode Listen Later Sep 20, 2022 81:12


Boa terça, angulers! No #153, abrimos falando da viagem do presidente Bolsonaro ao funeral da Rainha Elizabeth II. Depois, comentamos as novas pesquisas eleitorais e os indícios de migração de voto útil. E, claro, detalhes do encontro de Flávia com a magnânima atriz Viola Davis! Sirva-se! Edição e mixagem: Tico Pro - Laranja Preta Produtora - Indicações do #153 - Quilombo dos Parlamentos https://quilombonosparlamentos.com.br/ - Aldear a Política https://campanhaindigena.info - Candidaturas trans https://antrabrasil.org/eleicoes2022/ - Campanha ReWild Brazil (comprometimento com o Meio Ambiente) https://www.globalcitizen.org/en/action/brazilian-candidates-climate-action/ - A Mulher Rei (filme) - Marte Um (filme) - Lançamento do livro “Um defeito de cor”, dia 24/09, às 16h, no Bafo da Prainha (RJ) - Lei 7510/22 (RJ) - Direito à intérprete de LIBRAS acompanhando gestantes e parturientes

Rádio Gaúcha
Promotora de Justiça do Meio Ambiente de Porto Alegre, Annelise Monteiro Steigleder

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Sep 14, 2022 2:06


Promotora de Justiça do Meio Ambiente de Porto Alegre, Annelise Monteiro Steigleder by Rádio Gaúcha

Rádio Gaúcha
Secretário Municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade de Porto Alegre, Germano Bremm

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Sep 14, 2022 2:20


Secretário Municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade de Porto Alegre, Germano Bremm by Rádio Gaúcha

Jornal da USP
Ambiente é o Meio #55: Óbitos pela covid-19 foram maiores entre indígenas que vivem em áreas urbanas

Jornal da USP

Play Episode Listen Later Sep 14, 2022 26:44


Para filósofo, medicina e conhecimentos indígenas foram capazes de salvar povos que vivem em territórios longínquos

A Terra é redonda (mesmo)
Pária ou potência?

A Terra é redonda (mesmo)

Play Episode Listen Later Sep 13, 2022 48:18


O Brasil teve papel de protagonista desde o início da história das negociações climáticas. Com as medidas tomadas durante o governo Bolsonaro, o país foi se isolando e recebeu um novo título: pária. Afinal, qual a vocação do Brasil na diplomacia do clima?   Convidados: - Rubens Ricupero, diplomata, ex-embaixador do Brasil na Itália e nos Estados Unidos e ex-ministro do Meio Ambiente e da Fazenda no governo Itamar Franco; - Natalie Unterstell, especialista em políticas públicas ambientais e presidente do Instituto Talanoa; - Izabella Teixeira, bióloga, ambientalista e ex-ministra do Meio Ambiente nos governos Lula e Dilma Rousseff; - Eduardo Viola, sociólogo e cientista político especializado em negociações climáticas, pesquisador da Universidade de Brasília; - Ana Toni, economista, ambientalista e diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade;

Primeiro Café
#407 Marina Silva declara apoio a Lula no 1° turno #Eleições2022 | Bolsonarismo sente o Ipec: Lula 46% x 31% Bolsonaro

Primeiro Café

Play Episode Listen Later Sep 13, 2022 49:01


TERÇA, 13/09/2022: O ex-presidente Lula tem apoio de quatro presidenciáveis que disputaram a eleição em 2018. Além de Haddad, Alckmin, Boulos e, agora, Marina Silva, apoiam o voto em Lula já no primeiro turno.A ex-ministra do Meio Ambiente, que tinha simpatia pela campanha de Ciro, decidiu apoiar Lula já agora. O anúncio foi feito ontem em coletiva de imprensa. Marina entregou contribuições para o programa de governo do petista, entre elas a proposta de criação de uma autoridade nacional para a emergência climática.Marina tinha rompido com Lula e com PT por causa dos ataques que sofreu em campanhas passadas. Apesar disso, ela disse que a relação entre os dois continuou nos bastidores. O encontro com Lula era esperado há muito tempo e o anúncio de apoio foi muito comemorado entre os eleitores do ex-presidente.Outro motivo de comemoração foi a pesquisa Ipec divulgada pelo Jornal Nacional ontem. O resultado mostra estabilidade no cenário, mas Lula oscilou dois pontos para cima, enquanto Bolsonaro segue estagnado. Lula cresceu um pouco em vários segmentos e só perde para Bolsonaro entre evangélicos e entre os mais ricos. Bolsonaro, por outro lado, sentiu a pesquisa e o sabor amargo da derrota mesmo depois dos atos de 7 de setembro. Ontem, participando de podcasts evangélicos, ele pela primeira vez disse que se arrependeu de falas insensíveis durante a pandemia. Também pela primeira vez, Bolsonaro admitiu que, se perder a eleição, vai passar a faixa para Lula.SAIBA MAIS: https://primeiro.cafe/APOIE: https://apoia.se/primeirocafe

Jornal da USP
Momento Tecnologia #76: A Escola Politécnica trabalha para disseminar o BIM no Brasil

Jornal da USP

Play Episode Listen Later Sep 13, 2022 10:00


O uso da imagem virtual na construção civil possibilita projetar todos os elementos de uma edificação

revista piauí
Pária ou potência?

revista piauí

Play Episode Listen Later Sep 13, 2022 48:17


O Brasil teve papel de protagonista desde o início da história das negociações climáticas. Com as medidas tomadas durante o governo Bolsonaro, o país foi se isolando e recebeu um novo título: pária. Afinal, qual a vocação do Brasil na diplomacia do clima?   Convidados: - Rubens Ricupero, diplomata, ex-embaixador do Brasil na Itália e nos Estados Unidos e ex-ministro do Meio Ambiente e da Fazenda no governo Itamar Franco; - Natalie Unterstell, especialista em políticas públicas ambientais e presidente do Instituto Talanoa; - Izabella Teixeira, bióloga, ambientalista e ex-ministra do Meio Ambiente nos governos Lula e Dilma Rousseff; - Eduardo Viola, sociólogo e cientista político especializado em negociações climáticas, pesquisador da Universidade de Brasília; - Ana Toni, economista, ambientalista e diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade;

O Antagonista
Cortes do Papo - Após 14 anos de afastamento, Marina fala em "reencontro" com Lula

O Antagonista

Play Episode Listen Later Sep 12, 2022 6:51


Após 14 anos de rompimento com o PT, Marina Silva selou seu apoio público à campanha de Lula à Presidência da República. Em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (12), a ex-ministra do Meio Ambiente e presidenciável nas três últimas eleições disse que, politicamente, se reencontrou com o petista. "Estamos vivendo um reencontro político e programático", disse Marina, "porque, do ponto de vista das nossas relações pessoais, tanto eu quanto o presidente Lula nunca deixamos de estar próximos e de nos conversar mesmo em momentos dolorosos das nossas vidas." "Nesse momento crucial da história , quem reúne as maiores e melhores condições para derrotar Bolsonaro e a semente maléfica do bolsonarismo que está se implementando no seio da nossa sociedade, é a sua candidatura", concluiu a candidata a deputada federal. Lula deu mesmo tom à sua fala: "Há muito tempo tempo havia a expectativa de Lula e Marina iriam conversar. Nós nunca deixamos de nos conversar: nós nos desencontramos e nos encontramos - nos encontramos não apenas para tratar da política ambiental mas para tratar desse país", disse o ex-presidente. Apesar de Marina ter entregue um plano com medidas de combate às mudanças climáticas, o petista evitou dar detalhes de medidas práticas que tomaria no curto prazo, caso eleito. Ele se limitou a dizer que a política ambiental será "transversal" em seus ministérios e que questões como garimpo e desmatamento seriam cortados a zero. Marina, por sua vez, esqueceu um passado de intensas campanhas de difamação do PT contra suas campanhas eleitorais. A mais notável ocorreu em 2014. Na época, Marina era líder das pesquisas e sua candidatura minguou após o PT insinuar que o Bolsa Família seria encerrado em um evento governo da ex-ministra. A amnésia política terá um preço. Como antecipamos, Marina exigiu a criação, num eventual governo Lula, de uma Autoridade Nacional de Mudança Climática, que seria ligada ao Ministério do Meio Ambiente e responsável pelo cumprimento das metas de redução de emissão de CO2. Marina também defende a reestruturação e blindagem de órgãos que foram sucateados pelo atual governo, como Ibama, ICMBio e Funai. O retorno da ex-ministra à esfera de influência do PT ocorre depois de 14 anos. Em 2008, ela deixou o governo Lula após atritos com Mangabeira Unger (Assuntos Estratégicos) e Reinhold Stephanes (Agricultura). Na ocasião, ela se indispôs com o próprio Lula, que entregou a Unger a coordenação do Plano Amazônia Sustentável e deu aval a Stephanes para brigar pela flexibilização da regra que restringia o crédito agrícola de quem desmatou sem licença ambiental. Também se desgastou com Dilma Rousseff por causa do processo de liberação das licenças ambientais para obras no rio Madeira, em Rondônia. Meses depois de deixar o governo, Marina se desfiliou do PT. A mágoa se intensificou na campanha de 2014, quando foi bombardeada pelo marketing de guerrilha de João Santana. Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Durma com essa
O afastamento e a reaproximação entre Lula e Marina

Durma com essa

Play Episode Listen Later Sep 12, 2022 20:15


A ex-senadora e candidata a deputada federal por São Paulo Marina Silva (Rede) declarou apoio à candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva ao Palácio do Planalto nesta segunda-feira (12). Ela foi ministra do Meio Ambiente entre 2003 e 2008, durante a maior parte do mandato do petista no governo federal. Desde 2009 estava rompida com o PT, de quem foi adversária nas três últimas eleições presidenciais. O Durma com Essa conta como a adesão de Marina à campanha de Lula fortalece o discurso de frente ampla contra Bolsonaro. O episódio também tem participação da pesquisadora Priscila de Carvalho, que fala de protestos e ações coletivas no pleito de 2022, e da redatora Ana Elisa Faria, que que fala sobre o que cada cargo em disputa na eleição pode fazer com relação às mudanças climáticas. O clima é um tema-chave da Ponto Futuro, editoria do Nexo dedicada a refletir sobre os próximos anos.Materiais de referência:Ensaio: Ação coletiva, políticas e democracia, por Priscila de CarvalhoLink: https://www.nexojornal.com.br/ensaio/2022/O-que-est%C3%A1-em-jogo-nas-elei%C3%A7%C3%B5es-a%C3%A7%C3%A3o-coletiva-pol%C3%ADticas-e-democraciaExpresso: O que cada cargo em disputa na eleição pode fazer pelo clima, por Ana Elisa FariaLink: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2022/09/11/Elei%C3%A7%C3%B5es-2022-o-que-cada-cargo-em-disputa-pode-fazer-pelo-climaConfira outros textos sobre Clima na Ponto FuturoLink: https://www.nexojornal.com.br/pontofuturo/

Jornal da USP
Ambiente é o Meio #54: Plantio indiscriminado de árvores descaracteriza savanas

Jornal da USP

Play Episode Listen Later Sep 7, 2022 28:57


No Brasil, áreas savânicas estão no cerrado, bioma ameaçado, principalmente, pela fronteira agrícola que preocupa pela complexidade de ser restaurado

Notícia no Seu Tempo
PIB cresce 1,2% no trimestre e melhora expectativa para ano

Notícia no Seu Tempo

Play Episode Listen Later Sep 2, 2022 10:18


No podcast ‘Notícia No Seu Tempo', confira em áudio as principais notícias da edição impressa do jornal ‘O Estado de S. Paulo' desta sexta-feira (02/09/22): Num desempenho que superou as estimativas dos economistas, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 1,2% no segundo trimestre, ante os três primeiros meses do ano, segundo o IBGE. A combinação de normalização dos serviços mais afetados pela pandemia, melhora do mercado de trabalho e medidas do governo para incrementar a renda das famílias impulsionou a economia. Na média, economistas esperavam uma alta de 0,9%, conforme pesquisa do Projeções Broadcast.  E mais: Política: Ciro e Tebet sobem e chance de decisão no 1º turno cai, diz Datafolha Economia: Consumo tem avanço recorde, mas não supera oito anos de estagnação Metrópole: Amazônia tem recorde de queimadas e pior agosto em 12 anos Internacional: Veto à nova Constituição em referendo amplia risco de instabilidade no Chile Especial Mobilidade: Motos elétricas ganham espaço nas entregasSee omnystudio.com/listener for privacy information.

Primeiro Café
#397 Na família que comanda o governo da morte, só o dinheiro é vivo | Cartas do Rio Tietê: Meio ambiente nas #Eleições2022

Primeiro Café

Play Episode Listen Later Aug 31, 2022 60:12


QUARTA, 31/08/2022: Qual é o problema de comprar 51 imóveis em dinheiro vivo? Foi a reação de Bolsonaro ao escândalo revelado pelo UOL de que ele e a família compraram metade dos imóveis que possuem com cash. A resposta dele é, primeiro, a confissão e a confirmação do que a reportagem diz. Segundo, é mais uma tentativa de normalizar o absurdo. Fazer grandes transações fora do sistema bancário levanta suspeitas sobre lavagem de dinheiro. Será que esse escândalo será capaz de modificar alguma coisa nas pesquisas para a eleição presidencial?O início da propaganda eleitoral nada gratuita no rádio e na televisão não alterou em nada os resultados das pesquisas eleitorais. Hoje saiu a Quaest, que fez entrevistas entre quinta e domingo. E o resultado é o mesmo: Lula segue na liderança com 12 pontos na frente de Bolsonaro. Essa pesquisa foi feita no calor dos acontecimentos políticos da semana passada, que teve entrevistas dos candidatos e da candidata no JN e o início das inserções das candidaturas. A pesquisa ainda não pegou o efeito do primeiro debate entre os presidenciáveis, realizado domingo à noite. Porém, se o JN e o horário eleitoral não alteraram os resultados, é provável que o debate também não tenha grande efeito. Vamos saber nesta quinta, quando sairá a pesquisa Datafolha que está entrevistando eleitores esta semana.Enquanto isso, Lula segue sua agenda de encontros. Ontem, apresentou suas propostas para a área da segurança e prometeu a criação de um ministério da Segurança Pública, além de retomar o estatuto do desarmamento. Bolsonaro está acuado pela reportagem do UOL que mostrou que ele e a família gostam de comprar imóveis milionários em dinheiro vivo. Ciro segue esquentando a cabeça e depois tendo que pedir desculpas. Ontem ele admitiu que foi "duro demais" ao publicar tweet com texto em caixa alta questionando a saúde de Lula. E acabou a paz para Simone & Soraya. Reportagem do Estadão revela que tanto Soraya, do União Brasil, quanto a vice de Simone, Mara Gabrilli, do PSDB, foram beneficiadas com emendas do orçamento secreto.Em resumo: Lula segue sua campanha como se nada tivesse acontecido, Bolsonaro continua tendo que se explicar dia sim, dia também, Ciro segue destemperado e a dupla Simone & Soraya experimenta os efeitos do sucesso no debate da Band: agora que muita gente sabe quem elas são, elas têm que se explicar sobre o que fizeram no verão passado. Fato é que as pesquisas indicam um marasmo político a um mês da eleição. Em contraponto do que indicam as redes sociais e a cobertura da mídia, onde a campanha está pegando fogo e tem quem jure que tudo pode mudar. A estabilidade dos resultados das pesquisas persiste há um ano e, mesmo com escândalos do governo Bolsonaro, nada mudou significativamente nos números. Difícil acreditar que uma grande virada possa acontecer em 30 dias.A grande questão é se Lula vai ganhar no primeiro ou no segundo turno. Isso sim é dúvida, já que o ex-presidente até mantém vantagem acima de 50% dos votos válidos sobre todos os adversários, mas essa vantagem é muito pequena. Haverá o movimento de voto útil nas vésperas da eleição? Ou as candidaturas nanicas roubarão mais votos dos nem-nem e forçarão um segundo turno? Vai depender do poder de comunicação das campanhas. Entre os nanicos, o discurso é de que eles são melhores e merecem ir para o segundo turno. Para Lula, seria bom explicar para o eleitor que ao votar em candidatos sem chance, estão ajudando Bolsonaro a levar a eleição para o segundo turno. E para Bolsonaro, bem, nesse caso não há o que ele faça que diminua a sua rejeição. Assim, a derrota do atual presidente é uma certeza, seja em primeiro ou segundo turno, isso sem um novo evento fora da curva como foi a facada em 2018.CARTAS DO RIO TIETÊ, com Paula BianchiSAIBA MAIS: https://primeiro.cafe/APOIE: https://apoia.se/primeirocafe

Jornal da USP
Ambiente é o Meio #53: Ações humanas são responsáveis pela emergência climática

Jornal da USP

Play Episode Listen Later Aug 31, 2022 28:18


Ecóloga e socióloga defende que a emergência climática seja abordada sob uma perspectiva interdisciplinar, com destaque para as ciências sociais

Estadão Notícias
O apelo da agenda ambiental nessas eleições

Estadão Notícias

Play Episode Listen Later Aug 29, 2022 32:43


A busca por fontes de energia mais limpa, o combate ao desmatamento, a redução da emissão de gases de efeito estufa e a fiscalização de crimes ambientais. Essas pautas são importantes para o País, mas o que será que os candidatos à Presidência da República realmente estão planejando em seus planos de governo? A agenda ambiental vai ganhar o protagonismo que merece? A retórica pode até iludir, especialmente em período de campanha, mas o retrato do governo Bolsonaro na área ambiental é o pior possível. Os recordes de desmatamento na Amazônia e no Cerrado, o afrouxamento na fiscalização, o desmonte de órgãos que atuam na área são alguns pontos que tendem a fragilizar o discurso do presidente. Ainda assim, seu plano de governo traz algumas linhas sobre política ambiental e promete conciliar a preservação com o desenvolvimento econômico.Já o candidato mais bem colocado nas pesquisas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) dá ênfase a “defender a Amazônia da política de devastação posta em prática pelo atual governo”. O candidato do PDT, Ciro Gomes, aposta na transformação da Petrobras em uma empresa de desenvolvimento de energia limpa entre suas metas. A candidata Simonet Tebet (MDB) diz que em seu governo o Brasil lideraria a geopolítica mundial com base na sustentabilidade e na economia verde.  No episódio do Estadão Notícias desta segunda-feira, 29, vamos falar sobre as prioridades ambientais do País e os temas que devem ser levados em conta pelos candidatos numa conversa com a jornalista de meio-ambiente e ciência, autora do podcast Tempo Quente (Rádio Novelo), Giovana Girardi. O Estadão Notícias está disponível no Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google podcasts, ou no agregador de podcasts de sua preferência. Apresentação: Emanuel Bomfim Produção/Edição: Gustavo Lopes, Jefferson Perleberg e Gabriela Forte  Montagem: Moacir BiasiSee omnystudio.com/listener for privacy information.

Rádio Gaúcha
Secretário de Urbanismo, Meio Ambiente e Sustentabilidade de POA, Germano Bremm - 28/08/2022

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Aug 29, 2022 14:56


Secretário de Urbanismo, Meio Ambiente e Sustentabilidade de Porto Alegre, Germano Bremm. Balanço do primeiro mês de 5G em Porto Alegre

Jornal da USP
Ambiente é o Meio #52: Como as cidades podem se adaptar aos impactos provocados pelas mudanças climáticas?

Jornal da USP

Play Episode Listen Later Aug 24, 2022 28:12


De acordo com professora da USP, cidades são suscetíveis a impactos mais severos das mudanças climáticas

Durma com essa
A devastação da Amazônia em ano de eleições

Durma com essa

Play Episode Listen Later Aug 17, 2022 16:57


O Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) anunciou nesta quarta-feira (17) que a área de floresta desmatada da Amazônia Legal em 2022 foi a maior dos últimos 15 anos. Dados recentes divulgados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) também sinalizam um aumento da área do bioma que foi devastada nos últimos meses. O “Durma com essa” fala sobre os dados dos sistemas que monitoram a destruição da região, como a disputa eleitoral de 2022 ajuda a explicar o avanço do desmate e as propostas dos principais candidatos à Presidência para o meio ambiente. O programa também tem a participação do redator Marcelo Roubicek, que comenta a inserção dos trabalhadores de aplicativos no discurso dos candidatos, e de Cesar Gaglioni, que fala sobre os efeitos dos cortes nas pesquisas científicas. Conheça a Ponto Futuro, nova editoria do Nexo, clicando aqui: https://www.nexojornal.com.br/pontofuturo

A Terra é redonda (mesmo)

O Ministério do Meio Ambiente está de pé, mas todo comido por dentro. Está na hora de começar a descupinização e discutir as medidas que temos que tomar já para reconstruir a política ambiental brasileira. Convidados: - Natalie Unterstell, especialista em políticas públicas ambientais e presidente do Instituto Talanoa; - José Olímpio Augusto Morelli, engenheiro agrônomo e agente do Ibama; foi o fiscal que multou Jair Bolsonaro em Angra dos Reis em 2012; - Suely Araújo, advogada e ambientalista, ex-presidente do Ibama e especialista sênior em políticas públicas do Observatório do Clima; - Adriana Ramos, ambientalista, coordenadora de política e direito socioambiental no Instituto Socioambiental; - João Paulo Capobianco, biólogo e ambientalista, ex-secretário executivo do Ministério do Meio Ambiente; foi um dos autores do plano de combate ao desmatamento na Amazônia adotado a partir de 2004; - Carlos Nobre, climatologista, pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo; é um dos autores dos estudos que alertam para a iminência dos pontos de não-retorno da Amazônia.

revista piauí
Os cupins

revista piauí

Play Episode Listen Later Aug 16, 2022 59:06


O Ministério do Meio Ambiente está de pé, mas todo comido por dentro. Está na hora de começar a descupinização e discutir as medidas que temos que tomar já para reconstruir a política ambiental brasileira. Convidados: - Natalie Unterstell, especialista em políticas públicas ambientais e presidente do Instituto Talanoa; - José Olímpio Augusto Morelli, engenheiro agrônomo e agente do Ibama; foi o fiscal que multou Jair Bolsonaro em Angra dos Reis em 2012; - Suely Araújo, advogada e ambientalista, ex-presidente do Ibama e especialista sênior em políticas públicas do Observatório do Clima; - Adriana Ramos, ambientalista, coordenadora de política e direito socioambiental no Instituto Socioambiental; - João Paulo Capobianco, biólogo e ambientalista, ex-secretário executivo do Ministério do Meio Ambiente; foi um dos autores do plano de combate ao desmatamento na Amazônia adotado a partir de 2004; - Carlos Nobre, climatologista, pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo; é um dos autores dos estudos que alertam para a iminência dos pontos de não-retorno da Amazônia.

Spin de Notícias | Deviante
Política Pública dos Estados Unidos: Inflação, Meio Ambiente e Saúde Pública – 26 Helian (Spin#1735 – 11/08/2022)

Spin de Notícias | Deviante

Play Episode Listen Later Aug 11, 2022 20:19


Sejam bem-vindos ao milésimo septingentésimo trigésimo quinto Spin de Notícias, o seu giro diário de informações científicas... em escala sub-atômica. E nesse Spin de Notícias falaremos sobre...Política! *Este episódio, assim como tantos outros projetos vindouros, só foi possível por conta do Patronato do SciCast. Se você quiser mais episódios assim, contribua conosco!*

Podcasts do Portal Deviante
Política Pública dos Estados Unidos: Inflação, Meio Ambiente e Saúde Pública – 26 Helian (Spin#1735 – 11/08/2022)

Podcasts do Portal Deviante

Play Episode Listen Later Aug 11, 2022 20:19


Sejam bem-vindos ao milésimo septingentésimo trigésimo quinto Spin de Notícias, o seu giro diário de informações científicas... em escala sub-atômica. E nesse Spin de Notícias falaremos sobre...Política! *Este episódio, assim como tantos outros projetos vindouros, só foi possível por conta do Patronato do SciCast. Se você quiser mais episódios assim, contribua conosco!*

Foro de Teresina
Ouça o convite de Bernardo Esteves

Foro de Teresina

Play Episode Listen Later Aug 9, 2022 2:50


Vem aí A Terra é redonda (mesmo), o podcast de ciência e meio ambiente da revista piauí apresentado por Bernardo Esteves. A segunda temporada é produzida por Trovão Mídia e Instituto Talanoa, por meio da iniciativa Clima e Desenvolvimento. Estreia 16 de agosto, terça-feira. 

Rádio Gaúcha
Gaúcha Hoje - Gaúcha Serra - Cristine Steffens - Secretária do Meio Ambiente de Gramado - 03/08/2022

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Aug 3, 2022 6:45


Entrevista com Cristine Steffens, Secretária adjunta do Meio Ambiente de Gramado. Para falar sobra a aprovação do projeto que acaba com as sacolinhas plásticas nos estabelecimentos de Gramado.

Espiritismo Brasil Chico Xavier
QUEIMADAS, PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E O ESPIRITISMO #cortes

Espiritismo Brasil Chico Xavier

Play Episode Listen Later Jul 31, 2022 2:55


QUEIMADAS, PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E O ESPIRITISMO #cortes --- Send in a voice message: https://anchor.fm/espiritismobrasil/message

Rádio Gaúcha
Eduardo Vélez, Biólogo e membro da Equipe Pampa do MapBiomas - 28/07/2022

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Jul 29, 2022 11:33


O Rio Grande do Sul teve um aumento de 92,1% de perda do bioma Pampa em 2021 em comparação com o ano anterior, segundo Relatório Anual de Desmatamento no Brasil. No país, o Pampa é exclusivo do Rio Grande do Sul e, segundo a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema), representa 68,86% do território gaúcho

Rádio Gaúcha
Debate sobre o plano diretor de Torres - 28/07/2022

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Jul 28, 2022 20:50


secretária municipal do Meio Ambiente e Urbanismo, Fernanda Brocca de Matos presidente do Conselho do Plano Diretor, Cassiano Machado da Silva presidente do Fórum Empresarial de Torres, Eraclides Maggi arquiteta e participante do grupo Praia Limpa Torres, Roberta Cechim Nova proposta de Plano Diretor gera polêmica em Torres

Rádio Gaúcha
5G é realidade o que vai mudar?

Rádio Gaúcha

Play Episode Listen Later Jul 26, 2022 25:13


A nova geração de internet móvel, o famoso 5G, já está funcionando em alguns lugares do país e chegando em Porto Alegre. A conexão promete mais velocidade e um menor tempo de resposta entre aparelho e servidores. Para explicar como vai funcionar a nova tecnologia na Capital e as suas potencialidades, a gente conversa com o Secretário do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade de Porto Alegre, Germano Bremm.