Podcasts about eram

  • 438PODCASTS
  • 665EPISODES
  • 31mAVG DURATION
  • 5WEEKLY NEW EPISODES
  • Jan 12, 2023LATEST

POPULARITY

20152016201720182019202020212022

Categories



Best podcasts about eram

Latest podcast episodes about eram

CAUSOS DO GURI DE URUGUAIANA
#154 - O Causo do Vizinho

CAUSOS DO GURI DE URUGUAIANA

Play Episode Listen Later Jan 12, 2023 1:30


Chê! Eu tenho uma guampa que carrego comigo. Quem me deu essa guampa foi o meu vizinho. Eu chego a ficar com as vistas umedecidas, só de me lembrar! Acontece que eu tenho um vizinho que como diz lá na fronteira, está sempre lá em casa, dando uma cobertura. Ele tem uma afinidade muito grande com ela. É bom, porque eu viajo muito, assim como tu. Aí eu fico mais tranquilo que água de poço, pois sei que a SIlvia Helena vai ter companhia, se precisar! Vá que precise Esses tempos eu andava viajando, afastado do meu pago. Eram mais ou menos umas 3 e meia da manhã e eu resolvi ligar pra minha casa. Adivinha quem foi que atendeu? O vizinho! Que cara legal! E ele ainda falou assim: Guri de Uruguaiana, compre um presente que é a tua cara! E me deu essa guampa! Pra quem não sabe, a guampa é um chifre de touro que o gaúcho usa pra levar sua bebida. Pode ser água, canha ou até um suco de clorofila, pros gauderio mais fit. Muita gente me fala, mas Guri de Uruguaiana, tu não fica chateado do teu vizinho ter te dado uma guampa? Mas claro que não, chê! Afinal de contas, guampa é que nem consórcio. Quando tu menos espera é contemplado!

Quarentena - A Geração 80 Chegou Aos 40
#88 - 007 - Quem Eram os Outros Agentes 00?

Quarentena - A Geração 80 Chegou Aos 40

Play Episode Listen Later Jan 6, 2023 19:32


Se existe um 007, certamente devem existir pelo menos outros 6 agentes secretos além de James Bond, certo? Descubra quantos agentes secretos da Rainha já apareceram nos filmes de James Bond e como foram suas participações.

Notícias Agrícolas - Podcasts
Pecuaristas devem se preparar para novo ano fora dos padrões na formação de preços da arroba do boi, com cotações subindo quando eram pra cair e vice-

Notícias Agrícolas - Podcasts

Play Episode Listen Later Dec 27, 2022 32:20


As incertezas podem levar à redução nos investimentos em 2023, no entanto, a dica é só investir naquilo que te garante retorno

Uma Semente
Um perfume e uma essência

Uma Semente

Play Episode Listen Later Dec 23, 2022 4:08


" ... certa mulher daquela cidade, uma ‘pecadora', trouxe um frasco de alabastro com perfume, e se colocou atrás de Jesus, a seus pés." ( Lc 7:37-38a) Era algo tão pequeno, tão frágil, tão precioso. O que havia em seu interior era a doçura, mas também a renúncia de uma história. Eram anos de entrega, anos de desejo, anos de lágrimas depositadas como um perfume em um único frasco. E ali estava. Um pequeno vaso de alabastro. Um presente raro, uma oferta que custava dias e dias de trabalho. Custava sacrifício, trabalho, suor, dedicação excessiva e ao mesmo tempo excelente. Era tudo que aquela mulher tinha. Naquele frasco havia a construção de um destino. Todas as economias para o cumprimento de um sonho caso fosse vendido. A satisfação plena de ser alguém melhor, caso fosse doado para os pobres. Mas nada disso queimava no coração daquela mulher. Ao descobrir a essência mais rara que era Jesus, aquele frasco se tornou desprezível. O que era aquele perfume caro, dentro daquele vaso de alabastro, perto do perfume e da essência mais pura de Jesus. Ela sabia que Ele era a Rosa de Saron. Ele era o Lírio dos Vales. Ele era a personificação do aroma mais precioso e mais raro que ela conhecia e estava ali, à sua frente. Agora, aos seus pés, ela só tinha uma opção: quebrar o alabastro, rachar aquele vaso e derramar todo o seu perfume nos pés da maior obra de perfumista que o céu já havia criado: Jesus!! O que era tão valioso, ali, olhando pra Jesus, se tornava tão insignificante. E hoje permanece assim. O que carregamos em nossa história e as nossas conquistas são tão caras e custam tanto. São nossos perfumes, nossa essência, mas quando estamos aos pés do nosso Grande Amor, se tornam tão pequenos. Os pés de Jesus é o melhor lugar para ofertarmos nossas conquistas e tudo que temos. Olhamos para Ele, e seus olhos carregados de paixão nos constrangem, nos apontam que a conquista mais valiosa é tê-lo como Senhor pessoal. O vaso de alabastro é só um detalhe perto da essência dos seus olhos e do seu amor furioso na cruz. Diante Dele, vale a pena quebrar todos os meus perfumes e entregar como oferta o mérito de todas as minhas conquistas por amor, por ser simplesmente Jesus! Quando eu quebro meu vaso e oferto minhas renúncias um portal se abre e quem perfuma o ambiente é a essência Dele e não o meu vaso ( Jo 12). Minha renúncia ativa a manifestação da sua fragrância e muda a atmosfera do ambiente. A partir daquela entrega, aquela mulher seria conhecida por gerações. O nível da entrega e da renúncia determinarão um novo nível de manifestação na sua história!

Resposta Pronta
Mercado de Carbono. "Expectativas da ZERO já não eram muito positivas"

Resposta Pronta

Play Episode Listen Later Dec 18, 2022 6:27


A ZERO lamenta a falta de ambição das instituições europeias nas negociações sobre o mercado de carbono. Carolina Silva explica que as industrias poluidoras continuam a receber licenças para poluir.See omnystudio.com/listener for privacy information.

Vento da Liberdade
2) Pais Liberados, Filhos Liberados - Cap. 1

Vento da Liberdade

Play Episode Listen Later Dec 17, 2022 31:24


Leitura do capítulo 1 (No Princípio Eram as Palavras) do livro "Pais Liberados, Filhos Liberados - das autoras Adele Faber e Elaine Mazlish.

INVESTIGAÇÃO CRIMINAL
ROUBOU MEU MARIDO E ME MATOU - CASO CANDY MONTGOMERY- INVESTIGAÇÃO CRIMINAL SÉRIES - INVESTIGAÇÃO CRIMINAL #

INVESTIGAÇÃO CRIMINAL

Play Episode Listen Later Dec 15, 2022 63:27


A vida no subúrbio pode ser um refúgio muito procurado por aqueles que querem paz, tradição e uma rotina de vida mais tranquila. E em Collin County, no Texas, essa era a motivação de seus pacatos cidadãos. Junte isso a uma forte influência religiosa das igrejas locais e você tem uma comunidade tradicional, cristã e do bem. Por isso, quando Betty Gore, membro da Igreja Metodista de Lucas, foi encontrada morta em 13 de junho de 1980, todos ficaram estarrecidos. O nível de destruição de seu rosto era tanto que seu marido Alan concluiu que a esposa havia tirado a própria vida com um tiro na cara. Mas aquilo não era resultado de um tiro. Eram machadadas. 41 delas. E a maior #suspeita era a #melhor #amiga de Betty, Candy Montgomery, a professora de evangelização infantil da mesma igreja. Venha descobrir as motivações de Candy, sua relação com a família Gore e a resolução deste crime. Confira mais conteúdos do canal Operação Policial: https://youtube.com/playlist?list=RDCMUCDN9trGkW4NiznUCUhHcSmg&playnext=1 Para ser MEMBRO DO CANAL, clique no link abaixo: https://www.youtube.com/channel/UCDN9trGkW4NiznUCUhHcSmg/join Uma série @medialand

Podcast Faixa Preta | Erico Rocha
DA FAIXA-BRANCA AOS 2 MILHÕES DE FATURAMENTO COM FENG SHUI C/ BRUNA E BÁRBARA | PODCAST FAIXA-PRETA #111

Podcast Faixa Preta | Erico Rocha

Play Episode Listen Later Dec 12, 2022 96:31


Eram sócias de uma cafeteria. Conheceram a FL por um amigo próximo que afirmou que a FL funcionava. Decidiram aproveitar pra fazer a FL da Tailândia, porque tinham o sonho de viajar e venderam a cafeteria. Tentaram atingir o 6em7 sozinhas, sem seguir o Fórmula. Sem sucesso, entraram no Insider e no 3° lançamento fizeram 6em4. Então, em 2022, viraram faixa-preta e entraram para o PLAT. A Bárbara, hoje, é a lançadora e a Bruna é a expert.

Bola Ao Ar
Lakers: nem eram tão maus, nem agora são tão bons

Bola Ao Ar

Play Episode Listen Later Dec 8, 2022 46:07


No segundo episódio desta semana, que até calha a um feriado e tudo, João Dinis e Lucas Niven conversam sobre: O momento dos Lakers e a forma calibre MVP de Anthony Davis; Os Nets, que parecem estar a começar a entrar nos eixos. Tudo isto, com o apoio dos nossos amigos da Betano.pt, os patrocinadores oficiais de Benfica, Sporting, Porto, Braga, Marítimo, Belenenses e aqui do Bola ao Ar, claro.

Matraquilhos - Um Podcast de Futebol
Futebolítico #19 - O boicote africano ao Mundial-1966

Matraquilhos - Um Podcast de Futebol

Play Episode Listen Later Dec 8, 2022 5:32


Eram 15 seleções em campo mas não havia garantia de uma vaga na fase final de Inglaterra. A inflexibilidade da FIFA forçou a CAF a cumprir a ameaça de boicote à qualificação, abrindo uma autoestrada para o apuramento da Coreia do Norte e para a mudança de acessos a partir de 1970.

Debates da Musical
Quem eram os “filhos de Deus” em Gênesis 6?

Debates da Musical

Play Episode Listen Later Dec 7, 2022 96:15


Debate da Musical com Jeremias Netto em 06-12-22 Tema: Quem eram os “filhos de Deus” em Gênesis 6? Convidados: Pastor Elias Soares e Pastor Sezar Cavalcante http://fmmusical.com.br/

Vida em França
“Entrelinhas” da criação teatral em cena em Paris

Vida em França

Play Episode Listen Later Dec 7, 2022 16:59


Até 17 de Dezembro, o actor português Tónan Quito sobe ao palco da sala Christian-Bérard do Théâtre de l'Athénée, em Paris, com a peça “Entrelinhas”, de Tiago Rodrigues. Sozinho em palco e com a cumplicidade do público, Tónan Quito põe a nu, numa aparente simplicidade, a essência da criação teatral. Uma matriosca de histórias que parte de uma “grande amizade” entre um actor e um autor e que mostra que errar talvez seja a melhor das histórias. Oiça aqui a entrevista a Tónan Quito. RFI: “Logo no início da peça, o Tónan Quito dirige-se ao público e pergunta, em francês ‘Quando é que a gente perdeu as palavras? Quando é as palavras se tornaram tão difíceis para nós ou quando é que se tornaram tão fáceis que deixaram de ser nossas?' Esta peça é afinal uma homenagem à palavra e ao texto. Durante hora e meia, está num palco quase vazio que enche apenas com a sua presença e com a palavra. É isto a essência do teatro?” Tónan Quito, Actor: “A essência do teatro é haver uma pessoa que comunica com outras. O teatro é feito destes dois espaços, o espaço do público e o espaço do actor ou dos actores que supostamente deveria funcionar como uma grande assembleia, como se fosse só um espaço e, lá está, com duas dimensões que se encontram no mesmo espaço. Foi assim, com esta simples ideia, quer dizer com outras ideias, que eu e o Tiago nos fomos atirando para este falhanço que foi construir este espectáculo.” “Ou suposto falhanço… Inicialmente, era suposto a peça ser um monólogo em torno de Édipo Rei, de Sófocles, mas vai bem mais longe. Consegue dizer-nos em poucas linhas do que fala ‘Entrelinhas'?” “O ‘Entrelinhas' é uma peça de uma grande amizade entre um autor e um actor que juntos tentam construir um espectáculo que não é possível acontecer, que falhou. Há muitas coisas dentro da peça, mas aquilo que realmente faz a peça é este encontro de duas pessoas que têm dois ‘métiers' diferentes, que querem construir um espectáculo e aquilo que acaba por ser revelado é esta ligação muito forte entre estas duas pessoas que vai originar uma criação, um objecto artístico.” “A história começa com um projecto de peça entre o Tónan e o encenador, Tiago Rodrigues, que se atrasa a entregar o texto e, a dada altura, fica com problemas de visão que o impedem de terminar o texto. Depois, tudo fica nas mãos do actor, Tonan Quito, que vai ter de criar a peça...” “É! É um clássico do Tiago, não é? Estou a brincar! Quer dizer, ele atrasa-se a entregar os textos, mas depois a coisa acaba a correr bem [Risos].” “Falámos há quase meio ano em Lisboa, quando encenou uma peça de Molière, nos 400 anos do dramaturgo francês. Molière tem outra peça, “O Impromptu de Versalhes”, sobre a criação de uma obra que nunca fica terminada. Este espectáculo também fala sobre a impossibilidade de se terminar uma peça, mas é uma peça em si. Este espectáculo é o próprio processo de criação dramatúrgica e teatral a ser encenado?” “Sim, foi uma coisa que descobrimos ao início, sobre o que é que seria a peça. Havia esta ideia, que o Tiago já tinha, de uma carta escrita nas entrelinhas do Édipo e depois todo o processo de encenação e de escrita do texto - porque com o texto começou a surgir logo a encenação do que é que seria o espectáculo. Mas interessava-nos muito colocar em cena o erro que é criar, a impossibilidade que é construir um espectáculo e expor isso. Nós criámos o espectáculo em 2013, já lá vai algum tempo e às vezes a memória também cria, portanto, já nem sabemos bem o que é que foi verdade e o que é que foi mentira neste processo. Mas a ideia, se calhar, nem passava por um espectáculo, passava só por uma espécie de conversa com o público sobre o processo de criação e como é que podemos expor o erro que é uma coisa que nas criações tentamos sempre esconder para estar tudo perfeito ali para apresentar ao público. Como é que podíamos mostrar as imperfeições e como é que nos podemos permitir errar - que é uma coisa que é comum aos dois na nossa maneira de trabalhar. O ‘Entrelinhas' acabou por surgir dessa necessidade nossa de falar sobre como é que nós trabalhamos, como é que nos relacionamos, o que é que nos inquieta na criação dos espectáculos e, sobretudo, esta possibilidade de nos atirarmos mesmo para o erro e falar sobre isso.” “Nesta peça, em que tempos, espaços, textos se confundem, questiona-se o próprio acto de criação. Quem cria é apenas quem escreve? Mas o criador é também o actor. Tanto é que a dada altura, não se sabe quem é o autor da peça: se o dramaturgo/encenador que fica cego e não pode escrever, se o actor obrigado a continuar a peça. O objectivo é também questionar a própria autoria de uma peça de teatro?” “Eu acho que essa não foi tanto uma preocupação, ou seja, se calhar a preocupação é realmente o esbater dessas fronteiras.” “Dinamitar as fronteiras?” “Exactamente, porque aquilo que nós queremos fazer, e que fizemos, era uma co-criação. O Tiago tem esta característica dele: ele escreve para os actores. Já tinha trabalhado com ele, antes de criarmos esta peça, e ele escolhe as pessoas com quem quer trabalhar e depois escreve para elas. Ele não está em casa a escrever e depois ‘toma, toma, toma tu fazes isto, tu fazes aquilo'. Não. Ele traz o texto, vê-nos a trabalhar e nós vamos discutindo as ideias que vêm no texto. Esta, tratando-se da nossa relação e quando surgiu a ideia de fazermos esta peça juntos, só teria interesse se nós falássemos de nós: como é que eu e o Tiago trabalhamos juntos. Claro que depois ficcionámos uma quantidade de coisas, mas aquilo que interessa ao Tiago trabalhar e a mim ao trabalhar com ele também é este diálogo em que o texto chega, pensamos, mastigamos, está bom, não está bom, podemos ir para aqui, podemos ir para acolá, o Tiago vai para casa escrever, depois cancela os ensaios porque precisa ainda de mais tempo para escrever e depois telefona à noite a dizer ‘Já sei o que é que vou fazer'. No outro dia encontramo-nos e continuamos sempre assim. E aqui é que as coisas se tornam indefinidas. Para mim, é muito claro que é o Tiago quem escreve e eu não escrevo. Eu trabalho assim em criação e com o Tiago também. É uma mútua provocação. Depois, o que é que cada um faz, isso não interessa tanto.” “Na peça avisa que este é o seu primeiro monólogo, que nunca quis fazer um monólogo porque para si o teatro é estar em palco com outros. Diz que o Tiago Rodrigues o convenceu com a frase ‘Vai ser uma descoberta para ti', mas admite que a descoberta é apenas pessoal porque somos simplesmente ‘exploradores que mais parecem turistas a pisar terrenos que outros já descobriram'… Como tem sido esta descoberta e porque é que ‘o medo e a dúvida nos fazem sentir que vale a pena'?” “Para nós, para mim e para o Tiago, sim, a gente gosta sempre de se colocar em situações desconfortáveis e das quais não vamos saber sair. Eu próprio também nos meus trabalhos procuro isso, mas sempre que trabalhei com o Tiago era muito evidente colocarmo-nos em situações de desconforto. Aqui, a gente sabia que íamos fazer um monólogo. Para mim, realmente dá-me muito medo porque não há jogo, portanto, o jogo é sempre comigo e com o público, não há defesas, não havia uma personagem a que me agarrar, não havia nada. Mas tem sido mais surpreendente e mais prazeroso do que eu pensava. Mas, pronto, medo tenho sempre.” “O medo alimenta?” “O medo alimenta e, sobretudo, o que é incrível é sempre este diálogo constante que temos com o público, como é que à medida que o espectáculo vai avançando - e, neste caso, estou a falar numa língua que não é minha, é o francês - há aqui uma grande necessidade também minha de sobreviver e de conseguir comunicar a história com o público. Eu tenho que estar sempre a alimentar-me do público e precisar dele para construir o próprio espectáculo. Às vezes falho, outras vezes acerto, outras vezes faço parvoíces. Há sempre aqui um lado que não é controlável dentro deste espetáculo, apesar de eu saber o texto, apesar de saber mais ou menos o que é que vou fazer, mas há sempre aquelas pessoas que naquele dia estão lá que são sempre diferentes das do dia anterior.” “Além de um jogo de actor já louvado pela crítica francesa, fala em francês durante a peça, a não ser quando lê excertos do livro… Porque esta opção e de onde vem esse francês tão bem falado?” “Bem falado mais ou menos [risos]! Acho que foi em 2014 quando fomos convidados para ir a um festival, que é o Terre de Paroles, na Normandia, e o Tiago já tinha uma coisa que era fazer, em peças mais simples, uma versão na língua para onde a gente vai, francês ou inglês, que são as línguas que nós estudamos em Portugal e poderemos saber melhor para comunicar e para o espectáculo poder circular mais e poder ir a mais sítios. E foi assim que surgiu a questão de fazer em francês. Em Portugal temos até ao nono ano de francês. Eu ainda eu estive na Alliance Française também três anos e depois foi a Cristina Vidal, que era ponto no teatro Nacional que me ajudou....” “A personagem principal de ‘Sopro'...” “Do ‘Sopro', exactamente. Tenho que estar eternamente grato à Cristina Vidal porque realmente foi ela quem me pôs a fazer o espectáculo em francês.” “Uma das principais histórias das tantas histórias que estão em palco gira em torno de uma carta de um prisioneiro à mãe, escrita entre as linhas de um volume de Édipo Rei a partir de uma cela de prisão. Como nasceu esta ideia? E também a ideia de que o livro não é apenas a história que conta mas também a história pessoal de todos os que o lêem?” “Pois, isso é uma pergunta complicada. A ideia da carta do prisioneiro nas entrelinhas do Édipo já existia. O Tiago já tinha escrito essa pequenina história que foi a partir daí que nós começámos a trabalhar. Eram três, quatro páginas, não sei, que ele tinha escrito para um encontro de novas dramaturgias em Lisboa. Portanto, acho que interessava ao Tiago essa fricção daquela história do Édipo, que é uma história fundadora da nossa cultura ocidental e que é um marco do teatro, e depois essa história pessoal de um prisioneiro que, por coincidência, matou o pai e que está a escrever a carta à mãe. Depois, a partir daí, como é que isso se reflecte na história pessoal de cada um, eu acho que foi o que ficou por descobrir, que foi o que nós criámos à volta, a partir de coisas autobiográficas - que é uma coisa que é comum nos trabalhos do Tiago que é  partir sempre de histórias verdadeiras – tentar partir da nossa história pessoal e que isso possa vibrar nas outras pessoas. E quantas histórias é que nós não escrevemos nas entrelinhas da nossa própria história, não é? Acho que a ideia veio um bocado daí, das várias camadas:  como é que poderíamos complicar ainda mais.” “E criar uma nova camada em palco junto do público e ter todas as noites uma história, se calhar, diferente. Justamente, estamos a falar de um clássico, Édipo Rei. O Tónan também diz na peça que acha completamente estúpido perguntarmo-nos se um texto antigo ainda faz sentido hoje em dia, se é oportuno ou pertinente porque, na verdade, no caso dos grandes clássicos, dos grandes textos como Édipo deveria funcionar no sentido inverso. Ou seja, ‘somos nós que nos devemos questionar se a nossa época faz sentido à luz destes textos'. Porquê levantar esta questão tão política e tão actual?” “Eu lembro-me desse dia. Estávamos nas nossas manhãs de ensaios, sentados à mesa a falar sobre tudo e mais alguma coisa.” “São tertúlias filosóficas, imagino...” Sim, era basicamente isso, e falar de coisas da vida que não tinham nada a ver com o teatro. Eu enceno clássicos sobretudo e gosto muito de ler romances e o Tiago também gosta e falámos do que é que gostávamos e não gostávamos. Houve um dia que realmente começámos a pensar nisso. Fazemos peças com 300 ou 400 anos e as questões de hoje em dia acabam por ser mais ou menos as mesmas: o amor, o poder, a ambição, os conflitos, a violência. Começamos a pensar: o que é que a gente aprendeu há 400 anos quando lemos Shakespeare, por exemplo, e agora olhamos para o nosso mundo no estado das coisas e, quando lemos essas peças, há sempre aquela tendência de dizer ‘é muito actual esta peça ainda'. Claro que é actual, está publicado, está nas livrarias, portanto existe hoje. E o Tiago saiu-se com essa um dia: ‘Não devíamos estar a pegar neste texto e ver o nosso mundo através disto'. E é uma coisa que ainda nos continua a fazer sentido e é uma coisa que eu tenho sempre na minha cabeça sempre que estou a ler um texto só por ler ou a pensar qual é o sentido de o encenar hoje em dia. E, às vezes, parece que a realidade é toda uma grande encenação a partir ainda destes grandes textos.” “A história de ‘Entrelinhas' é uma história que deveria acontecer mas não aconteceu - enfim, aconteceu muito mais do que isso. Você pergunta ao público se ‘uma coisa que não aconteceu pertence ao passado da mesma forma que uma coisa que aconteceu'? Ou se ‘fica eternamente no futuro, condenada a nunca pertencer ao passado'? Ou seja, a tal peça - que não aconteceu no passado nem no futuro - gera a peça que acontece no presente. Então, a encenação é a invenção do real?”  “Pois, é isso tudo e aquilo que ainda está por descobrir porque o suposto monólogo sobre o Édipo que o Tiago deveria ter escrito para mim não aconteceu. Mas por que é que isso não há-de pertencer ao passado? Por que é que esse espectáculo não terá acontecido? A peça torna-se muito ‘borgiana', de uma grande ficção que se torna realidade e que passa para outras coisas e é esta nossa prisão de ‘Ok, não aconteceu, então não aconteceu, mas por que é que não aconteceu? Só por não ter acontecido?' Claro que é uma questão filosófica...” “Mas está a acontecer porque estamos a vê-la...” “Mas está a acontecer, estamos a vê-la e estamos a construir e estamos a falar sobre ela. Eu acho que essa pergunta, no final do espectáculo, abre muitas possibilidades. O espectáculo no final já é tudo, já é uma matriosca, e eu acho que essa pergunta no final é só mais uma explosão que atira as coisas um bocado para o universo e depois quem quiser que apanhe as partículas...” “Uma matriosca porque é um texto dentro de um texto dentro de um texto, nas entrelinhas… Porquê este jogo de levar o espectador para um labirinto? Para mostrar que somos ‘os exploradores de terras já descobertas?' ou ainda há coisas a descobrir?” “Claro que há coisas a descobrir. Acho que em cada um de nós há muita coisa a descobrir e enquanto nos conseguirmos espantar uns com os outros, como seres humanos que somos, há muito para descobrir dentro das coisas que nos atormentam ou que nos fascinam. E como acho que ainda está tudo por fazer, em diversas áreas, enquanto houver esta nossa curiosidade e a nossa vontade de avançar, há muita coisa por descobrir.”

Tecnocast
Os Windows mais odiados (ou apenas incompreendidos?)

Tecnocast

Play Episode Listen Later Dec 7, 2022 51:04


Em 2022, o Windows 8 fez aniversário de dez anos. Mas dificilmente você verá alguém comemorando. Uma das versões mais controversas do sistema operacional da Microsoft, ele é a prova de que boas ideias nem sempre levam a bons produtos. Mas o Windows 8 está longe de ser o único Windows com uma legião de detratores. No episódio de hoje, relembramos algumas das versões mais detestadas do Windows: 8, Vista e ME. Eram tão ruins assim ou nossa memória exagera? Quais eram seus aspectos mais problemáticos? E será que, no fim das contas, alguma dessas versões não foi apenas incompreendida? Para descobrir, dá o play e vem com a gente! ParticipantesThiago MobilonPaulo HigaFelipe VenturaEmerson AlecrimCréditosProdução: Josué de OliveiraSonorização: Ariel LiborioEdição: Raquel IgneArte da capa: Vitor Pádua

Rádio Ponto UFSC
Episódio Extra: mais sobre a Fase 4 da Marvel!

Rádio Ponto UFSC

Play Episode Listen Later Dec 4, 2022 17:42


Todo filme da Marvel que se preze tem uma cena pós-créditos, não é mesmo? Pois é! Eram tantas séries e filmes para comentar no último programa que não deu tempo de falar de tudo. Por isso, nossa apresentadora Amanda Gabrielly chamou nossos convidados Marcelo Pedrozo e Victor Lebarbenchon para mais uma rodada de perguntas sobre a Fase 4! Pega a pipoca e aperta o play, cineponter!

Comentario Biblico
Os primeiros cristãos eram comunistas? Atos 4 e 5 - Mario Persona

Comentario Biblico

Play Episode Listen Later Dec 2, 2022 15:40


Publicado primeiro nos podcasts: shows.acast.com/comentario - GooglePodcast ApplePodcasts Deezer iHeartRadio Stitcher ListenNotes Player.fm Podtail Podbean MyTuner-Radio Castbox iVoox Chartable HubHopper Spotify Hosted on Acast. See acast.com/privacy for more information.

Rhema Colubandê
EBD PROF RENAN FREITAS - OS FILHOS DE DEUS ERAM ANJOS?

Rhema Colubandê

Play Episode Listen Later Nov 27, 2022 52:45


"Rhema" vem do grego: Palavra FALADA ou VIVA. É nela que cremos e nos apoiamos. Junte-se a nossa família agora! Inscreva -se no nosso canal: https://www.youtube.com/channel/UCx3QEE90MfDdkQVnB4h2hyg/featured

Bate Pé
O Amor é Cego, Comentar Para Marcar Território, Dizer que não, Saber Perder, Queimar o Sofá

Bate Pé

Play Episode Listen Later Nov 27, 2022 52:31


Este episódio tem o apoio da Pleno. O amor é cego? Uma das muitas questões respondidas neste episódio. Eram capazes de fazer um cartão de crédito numa bomba de gasolina? Outra grande questão. É mesmo ouvir.

Podcast da Mariologia
#170 Podcast da Mariologia - A Medalha Milagrosa: origem e difusão

Podcast da Mariologia

Play Episode Listen Later Nov 23, 2022 41:57


A Segunda aparição da Virgem Enquanto estourava a revolução de 1830 de 27 a 29 de julho, celebravam-se os Três Dias Gloriosos, o rei destronado e todas as guerras sangrentas que haviam sido anunciadas. Até o arcebispo de Paris foi objeto de furor popular, pensava-se ver ressurgir os maus dias de 1793. Mas ocorreu a proteção dos Lazaristas e das Filhas da Caridade como tinha sido profetizado. As ameaças dos jovens desordeiros paravam na porta da casa das Comunidades de São Vicente de Paula. A Medalha Milagrosa Está tudo acabado? Não. Quatro meses depois, ela era portadora de uma ordem precisa: mandar cunhar uma medalha com a imagem da Imaculada Conceição, que ela via radiante com os dons de Deus. No dia 27 de dezembro ficou com um grande desejo de ver a Santa Virgem: Um desejo tão forte que me convenceu que a veria tão bela como no seu dia mais belo. Eu vi a Santíssima Virgem na mesma altura do quadro de São José [...]. De pé, vestida de branco, de estatura mediana, com uma aparência tão bela que me seria impossível descrever a sua beleza. Ela usava um vestido de seda branca da cor da aurora» (Vida, 90-91). Eram cinco e meia da tarde, durante a oração, «em profundo silêncio». O confessor Padre Aladel recebe muito mal essa narração e não vai escrever nada sobre o acontecido, ficando apenas a seguinte memória da confidência de Catherine: «Durante a oração a noviça viu uma imagem que representava a Virgem Santíssima como costuma ser representada com o título da Imaculada Conceição, de pé, com os braços estendidos. [Ela estava] vestida com um vestido branco e manto azul prateado, com um véu de aurora. Das suas mãos saíam raios, como que em faixas, cuja luz arrebatava. [A freira ouviu] ao mesmo tempo, uma voz que dizia: "Estes raios são o símbolo das graças que Maria obtém para os homens". Ao redor do quadro havia lido, em caracteres dourados, a seguinte invocação: “Ó Maria concebida sem pecado! Rogai por nós que recorremos a vós”» (Vida, 91). As memórias de Catherine especificam os seus sentimentos naquele momento: «A esse respeito, não posso me expressar sobre o que senti e o que vi: a beleza e a luz cintilante, os raios [...]. “Eu distribuo [estas graças] às pessoas que as pedem” [ouvia dizer Catherine]. Ela me fez entender o quanto ela era generosa com as pessoas que rezam para ela. Quantas graças concede às pessoas que lhe pedem e quanta alegria sente ao concedê-las. Naquele momento, onde estava ou não, regozijava-me, não sei" (Vida, 91-92). Padre Aladel continua a sua história resumidamente na linha de Catherine: «Alguns momentos depois, esta pintura vira-se e no verso ela distingue a letra "M" e em cima uma pequena cruz, e abaixo, os Sagrados Corações de Jesus e Maria. Depois que a religiosa refletiu cuidadosamente sobre tudo isso, a voz lhe disse: “É necessário fazer uma medalha neste modelo e as pessoas que a usarem e fizerem esta breve oração com piedade, terão uma proteção muito especial da Mãe de Deus”». --- Send in a voice message: https://anchor.fm/locus-mariologicus/message

O Antagonista
”As criadoras do candomblé no Brasil eram escravistas”, diz Antonio Risério | Cortes CD Talks

O Antagonista

Play Episode Listen Later Nov 22, 2022 10:08


O antropólogo recupera o passado para questionar as demandas por reparação histórica. Assista ao programa na íntegra: https://youtu.be/-zPBh4n54II Inscreva-se e receba a newsletter:  https://bit.ly/2Gl9AdL Confira mais notícias em nosso site:  https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais:  https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista ​https://www.instagram.com/o_antagonista https://www.tiktok.com/@oantagonista_oficial No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Malhete Podcast
1717 - UM MITO?

Malhete Podcast

Play Episode Listen Later Nov 21, 2022 4:52


Por Anders Omberg É uma crença geral e uma verdade estabelecida que a Maçonaria moderna começou em 24 de junho de 1717 em Londres, quando quatro lojas se juntaram, formando a primeira Grande Loja na Inglaterra. Estudos mais detalhados realizados por vários pesquisadores maçônicos estão agora levantando sérias questões sobre essa narrativa, e os argumentos são convincentes. Mas, antes de tudo, a Maçonaria não tem fundador ou data de fundação. O que hoje reconhecemos como Maçonaria se desenvolveu ao longo do tempo em diferentes direções e de diferentes origens. O que sabemos com certeza é que por volta do ano 1600 duas formas distintas de Maçonaria puderam ser identificadas na Inglaterra e na Escócia, respectivamente. Na Inglaterra esta Maçonaria estava ligada aos chamados "Old Charges", e na Escócia estava ligada aos "Estatutos de William Schaw". Eram manuscritos, leis e regras que serviam para regular o que podemos chamar de grêmios de artesãos. Os detalhes rituais que cercam essas lojas maçônicas são amplamente desconhecidos da posteridade, mas está documentado que essa maçonaria se desenvolveu ao longo do século XVII e recrutou mais homens dos estratos sociais superiores da sociedade. Em 1723, James Anderson publicou o livro “Constitutions”. Este foi o primeiro livro maçônico a ser publicado, e este livro, juntamente com uma exposição chamada “ Masonry Dissected” por Samuel Prichard em 1730, formou a base para a unificação da Maçonaria na Inglaterra e, como resultado, a sua disseminação da Maçonaria inglesa para o continente e outras partes do mundo. Mas então, para minha pergunta inicial; passou a ser Maçonaria fundada em 24 de junho de 1717 em Londres? A resposta provavelmente é não! Na edição original de 1723 das “Constituições” esta data não é mencionada em um único lugar, não há sequer um indício de tal coisa. Além disso, sabemos que a edição americana do livro de Benjamin Franklin, de 1734, também não menciona isso com uma única palavra. É apenas na edição de 1738 das “Constitutions” de James Anderson que esta data é mencionada pela primeira vez. Não há documentos, atas, avisos, artigos, entradas de diário ou declarações de testemunhas que possam substanciar tal alegação. Além disso, sabemos que em um anúncio descrevendo a instalação do Duque de Montague como Grão-Mestre em junho de 1721, ele também especifica que as outras lojas neste contexto renunciam ao direito de estabelecer outras Grandes Lojas, ou seja, uma renúncia à autoridade que não seria necessário se a Grande Loja já estivesse estabelecida. Isso, juntamente com a aprovação do “The General Regulations of a Free Mason” de George Payne como leis para as lojas afiliadas em 1721, a evidência é esmagadora de que o a Grande Loja Inglesa foi estabelecida em 1721, e não em 1717. Por que James Anderson, quase 20 anos após os eventos, escolhe datar isso para 1717 só pode ser especulado, e levaria muito tempo para discutir isso em detalhes, mas é provavelmente sobre a batalha entre o protestantismo inglês e o catolicismo escocês. Em 1666, Londres queimou até o chão e, como resultado, houve um influxo de trabalhadores irlandeses e escoceses que fizeram florescer a vida da loja em Londres. A Casa Protestante de Hanover assumiu o poder com George como Rei da Inglaterra em 1714. Nessa época, Londres foi amplamente reconstruída e os trabalhadores deixaram a capital em favor do trabalho em outro lugar, portanto, as lojas perderam muito de sua base de membros e a Igreja Católica base. É nesse cenário que as lojas tiveram a necessidade de redefinir sua base de existência e, ao mesmo tempo, mostrar lealdade ao poder real protestante. O que aconteceu em 1717 foi uma reorganização da estrutura da loja existente, enquanto a própria grande loja foi fundada em 1721, com a entrada do primeiro líder aristocrático, o Duque de Montague como Grão-Mestre. Isso deu à organização proteção, status e relevância na sociedade da época, e o resto é história, como dizem. Fontes: Frimurerbladet --- Send in a voice message: https://anchor.fm/malhete-podcast/message

Devocional Florescer
2 Cor 11:1–15 Paulo alerta sobre os falsos Profetas - Devocional 646

Devocional Florescer

Play Episode Listen Later Nov 17, 2022 8:47


Os f a l s o s m e s t r e s haviam chegado a Corinto. Eles eram judeus e proclamavam-se apóstolos de Cristo. Traziam cartas de recomendação e ostentavam suas credenciais. Quanto ao talento, eram oradores profissionais. Quanto ao desempenho, gabavam-se de feitos miraculosos. Quanto à personalidade, eram arrogantes. Quanto à integridade, eram impostores, avarentos e aproveitadores do rebanho, buscando o dinheiro do povo, e não o seu bem-estar espiritual. Paulo os chama de falsos apóstolos e obreiros fraudulentos. Quem eram esses falsos apóstolos que ameaçavam a igreja de Corinto? Alguns estudiosos entendem serem os mesmos judaizantes que atacaram as igrejas da Galácia (G1 1.6-9). Esses falsos mestres exigiam dos gentios rituais adicionais à fé para ser salvos. Eles negavam a salvação pela graça e impunham sobre o povo pesados fardos da lei. Eram legalistas que pregavam outro evangelho, diferente e oposto ao evangelho de Cristo. Outros eruditos, porém, defendem que os falsos apóstolos, confrontados pelo apóstolo Paulo nessa carta, eram hereges de outro estofo. Esses falsos apóstolos pregavam um evangelho sem cruz. Vangloriavam-se em seus feitos, e não em suas fraquezas. A ênfase que encontramos aqui são eloquência e conhecimento (11.6), exibição de autoridade (11.20), visões e revelações (12.1) e execução de sinais apostólicos (12.12,13). Diante do ataque insolente desses falsos apóstolos a Paulo e sua mensagem, Paulo faz uma eloquente defesa do seu apostolado. Obviamente, o propósito do apóstolo não é apenas resgatar sua imagem diante da igreja de Corinto, mas restabelecer a verdade do evangelho que estava sendo atacada naquela igreja. Não se trata de uma defesa meramente personalista. Mas da defesa da fé, uma vez, entregue aos santos. Hoje, como naquele tempo, a verdade de Deus tem sido também atacada por muitos falsos mestres. Precisamos nos acautelar e defender, com firmeza, a fé evangélica que nos foi confiada. Paulo era o pai espiritual dos crentes de Corinto (ICo 4.15). Não podia ver passivamente seus filhos na fé serem atacados pelos falsos mestres. O que estava em jogo não era apenas sua reputação como apóstolo, mas o próprio evangelho de Cristo. Paulo inicia sua defesa, dizendo: “Quisera eu me suportásseis um pouco mais na minha loucura. Suportai-me, pois” (11.1). A loucura a que Paulo se refere nesse versículo é a de empregar os mesmos métodos dos falsos mestres para combatê-los; ou seja, destacar seus próprios feitos e adotar um princípio que ele mesmo já havia reprovado: “Porque não é aprovado quem a si mesmo se louva, e sim aquele a quem o Senhor louva” (10.18). Paulo considera a exibição de suas credenciais (11.21-12.13), uma verdadeira insensatez. Mas dadas as circunstâncias de Corinto, ele é forçado a fazê-lo. Destaco quatro aspectos importantes acerca do cuidado pastoral de Paulo pela igreja: Em primeiro lugar, seu zelo (11.2). “Porque zelo por vós com zelo de Deus; visto que vos tenho preparado para vos apresentar como virgem pura a um só esposo, que é Cristo” (11.2). Paulo assume aqui a posição de um pai que vela pela pureza da filha até o dia do casamento. Em segundo lugar, seu temor (11.3). “Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também seja corrompida a vossa mente e se aparte da simplicidade e pureza devidas a Cristo” (11.3). Os falsos apóstolos estavam pregando em Corinto uma nova versão do evangelho. Eles eram servos de Satanás, e não de Deus. Estavam a serviço da mentira, e não da verdade. Em terceiro lugar, sua denúncia (11.4). “Se, na verdade, vindo alguém, prega outro Jesus que não temos pregado, ou se aceitais espírito diferente que não tendes recebido, ou evangelho diferente que não tendes abraçado, a esse, de boa mente, o tolerais” (11.4).

Portuguese For Listening With Eli And Friends
Episode 198: A "Pleasant" Day on the Beach

Portuguese For Listening With Eli And Friends

Play Episode Listen Later Nov 16, 2022 56:08


To grab a free learning guide, please go to https://portuguesewitheli.com/school-invitation And here is the monologue for your benefit: Acho um pecado eu morar em Salvador e não ir para a praia com frequência, sabe? Mas isso não é por mim: é mais por minha esposa. Sempre que vou, quero que ela vá, mas ela não gosta de ir. No fim de semana passado, porém, decidi que ia pegar uma praia sem ela. “Olha, que estou sentindo uma coisa ruim” – foi o que ela disse quando soube que eu ia. Ah, meu amor, vai agourar outro! Claro, disse isso para mim mesmo, porque o que eu disse a ela foi: “Não se preocupe, meu amor. Vou ter cuidado.” E tive mesmo. Como queria pegar um bronze, escolhi uma sunga em vez de um calção de banho. É mais chamativo, mas é melhor. Minha esposa sempre ia de biquini e chamava atenção dos marmanjos da praia; eu não me importava de chamar atenção também. E para me bronzear melhor, peguei uma espreguiçadeira que estava acumulando poeira no quintal. Ia ficar show na orla! Também não queria ficar com queimaduras de sol, então peguei um protetor solar melhorzinho na farmácia antes de ir. Separei também uma garrafinha para a água, porque não posso descuidar da hidratação, né? E, como uma coisa leva a outra, também coloquei umas latinhas de cerveja na caixa térmica. Antes de sair, ainda me certifiquei de que ela não queria mesmo ir. “Pode ir, meu anjo,” ela disse. “Só estou com um pressentimento...” “Vire essa boca para lá,” eu disse em tom de brincadeira. Mesmo com a praga dela, estava decidido a ir. E fui. Chegando lá, céu limpo. Nem sinal de chuva. Então coloquei minha espreguiçadeira na areia, estendi minha toalha e me deitei. Daí, ouvi uma gritaria vindo de perto. Quando olhei, era um monte de gente correndo. Era um arrastão! Levaram tudo que eu tinha deixado à mostra. Mas pelo menos deixaram a cadeira. Eu devia ter voltado para casa nesse instante, mas estava decidido a curtir a praia — além do quê, não ia dar o braço a torcer e dizer que minha esposa tinha razão. Então fiquei. Comprei um queijo no espeto. Chegaram outras pessoas ao redor. Então começaram os gritos. Dessa vez, eram crianças. Depois, os adultos. Eram os farofeiros. Não tinha nada contra eles, mas eles começaram a emporcalhar o ambiente e era chato ver a praia assim. No fim das contas, o dia na praia foi uma droga. Mas ó: boca de siri. Se minha esposa souber, ela não vai mais parar de falar. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/portuguesewitheli/message

HQueiros
HQueiros 179 | Meus Heróis Eram Todos Viciados

HQueiros

Play Episode Listen Later Nov 15, 2022 34:20


Avante HQueiros, hoje temos mais uma obra da dupla Ed Brubaker e Sean Phillips, dessa vez vai para uma história que se passa no mesmo universo da série Criminal mas que corre de forma independente e que expande o universo da trama original.Então venha com a gente conhecer mais uma obra excepcional da dupla criativa que atualmente mais chama a atenção por aqui.Participe do nosso podcast, mande sua mensagem para contato@hqueiros.com.br ou envie um áudio, de até um minuto, para o nosso Whatsapp: (11) 96244-9417.

Spin de Notícias | Deviante
Como eram as “Copas” antes da Copa do Mundo? – 8 Maian (Spin#1829 – 13/11/2022)

Spin de Notícias | Deviante

Play Episode Listen Later Nov 13, 2022 15:40


Sejam bem-vindos ao milésimo octogentésimo vigésimo nono Spin de Notícias, o seu giro diário de informações científicas... em escala sub-atômica. E nesse Spin de Notícias falaremos sobre...Futebol! *Este episódio, assim como tantos outros projetos vindouros, só foi possível por conta do Patronato do SciCast. Se você quiser mais episódios assim, contribua conosco!*

Podcasts do Portal Deviante
Como eram as “Copas” antes da Copa do Mundo? – 8 Maian (Spin#1829 – 13/11/2022)

Podcasts do Portal Deviante

Play Episode Listen Later Nov 13, 2022 15:40


Sejam bem-vindos ao milésimo octogentésimo vigésimo nono Spin de Notícias, o seu giro diário de informações científicas... em escala sub-atômica. E nesse Spin de Notícias falaremos sobre...Futebol! *Este episódio, assim como tantos outros projetos vindouros, só foi possível por conta do Patronato do SciCast. Se você quiser mais episódios assim, contribua conosco!*

Underdog Podcast
Underdog Podcast #128 - Não eram apenas 20 centavos mesmo

Underdog Podcast

Play Episode Listen Later Nov 12, 2022 90:35


UNDERDOG TEAM - https://t.me/+hOm9xflaSho1NDcx Você poderá encontrar esse podcast nas seguintes plataformas: Youtube, Spotify, Rumble, APP de podcast da Apple, Anchor, Google Podcast, Breaker, Overcast, Pocket Cast, Castbox, Deezer e Radio Public. E-mail: underdogpodcast@outlook.com Underdog FM: https://t.co/aQI9ntNAwI?amp=1 Link para baixar: https://archive.org/details/underdog-podcast-128-nao-eram-apenas-20-centavos-mesmo

Comentario Biblico
Quem eram os Filipenses a quem Paulo escreveu sua carta? Segunda Parte - Mario Persona

Comentario Biblico

Play Episode Listen Later Nov 11, 2022 12:46


Publicado primeiro nos podcasts: shows.acast.com/comentario - GooglePodcast ApplePodcasts Deezer iHeartRadio Stitcher ListenNotes Player.fm Podtail Podbean MyTuner-Radio Castbox iVoox Chartable HubHopper Spotify Hosted on Acast. See acast.com/privacy for more information.

Saldo do Dia
LULA E O MERCADO VÃO FAZER AS PAZES?

Saldo do Dia

Play Episode Listen Later Nov 11, 2022 6:07


A boa vontade do mercado, acusada nos ativos logo após a eleição, não teve reciprocidade nesta semana. Eram favas contadas que o teto de gastos seria ignorado, de novo, em 2023. Mas, para anos seguintes, investidores parecem ter se cansado de esperar sinais concretos de que a responsabilidade social andará ao lado da fiscal

Comentario Biblico
Quem eram os Filipenses a quem Paulo escreveu sua carta? Primeira Parte - Mario Persona

Comentario Biblico

Play Episode Listen Later Nov 10, 2022 9:59


Publicado primeiro nos podcasts: shows.acast.com/comentario - GooglePodcast ApplePodcasts Deezer iHeartRadio Stitcher ListenNotes Player.fm Podtail Podbean MyTuner-Radio Castbox iVoox Chartable HubHopper Spotify Hosted on Acast. See acast.com/privacy for more information.

Sobre Carris
A Suíça soube manter a sua via estreita e levou-a a bater recordes

Sobre Carris

Play Episode Listen Later Oct 31, 2022 27:48


Eram exactamente 14 horas e 20 minutos deste Sábado quando um comboio com quase dois quilómetros de comprimento se pôs em movimento e partiu do túnel de Preda, no cantão de Graubünden (Suíça), para bater o recorde da maior composição ferroviária do mundo, com carruagem de passageiros, numa linha de via estreita. Neste Sobre Carris vamos até à Suíça à boleia da Ferrovia Rética. O Sobre Carris viajou a convite do Turismo da Suíça.

PAPO DE BODES
O EGITO ANTIGO #119

PAPO DE BODES

Play Episode Listen Later Oct 29, 2022 51:07


PAPO DE BODES #119 Considerada a civilização que mais perdurou na humanidade, é, sem dúvidas, a mais enigmática e a que mais desperta curiosidades até os dias de hoje. O tema do nosso episódio de hoje é : O EGITO ANTIGO. E o nosso convidado é o Irmão e historiador THOMAS HENRIQUEDE TOLEDO STELLA. Quando começa essa civilização? Eram eles de fato os maiores construtores da Antiguidade? Qual a importância dos seus rituais e simbologia? Há ainda Mistérios que a ciência não desvendou desse povo? E, o principal, o que essa cultura tem a ver com a Maçonaria? Venha, pode entrar, que o sarcófago lhe aguarda! Apresentação: CLÁUDIO NOGUEIRA Locução: Márcia Amada e Antony Arroyo Edição de som: Pellicano APOIO CULTURAL: www.comotal.com.br www.editorareligare.com.br CAMPANHA BENEFICENTE Construção da Casa de Apoio FILHOS DE HIRAM: https://copodagua.com/casa-de-apoio-filhos-de-hiram/ http://bit.ly/FilhosDeHiram Gratidão

Trip FM
Bettina Bopp: Convivendo com o coma

Trip FM

Play Episode Listen Later Oct 28, 2022


Escritora reuniu cartas para o irmão em livro sobre a vida, a morte e o dia a dia de uma família lidando com o luto A professora e escritora Bettina Bopp viveu intensamente uma internet muito diferente da que conhecemos hoje. Quando começou um blog no qual imaginava conversas com o irmão que estava em coma, tudo o que ela encontrou foi apoio e amor na caixa de comentários. Como uma espécie de terapia, ela seguiu escrevendo e neste ano fez da empreitada um livro: “Pra Quando Você Acordar”. Com o lançamento, vieram alguns comentários agressivos mais condizentes com o estado atual das coisas nas redes sociais, mas a essa altura a luta de Bettina - juntamente com passagens lindas sobre o dia a dia de sua família - já estava registrada em palavras. “Quando comecei a escrever, a internet era ingênua e doce. Isso mudou: agora as pessoas julgam sem saber. Ninguém é obrigado a saber de tudo, mas se esquecem de que é possível perguntar.” Em um papo com o Trip FM, a escritora conta mais a fundo a história do irmão Itamar, que entrou em coma após sofrer uma série de paradas cardíacas aos 41 anos: “O luto em vida é muito difícil porque você não se permite perder a esperança, pois parece que você está desistindo da pessoa”. Ela também fala de morte, de vida e de como e ser a mãe da Maria Bopp, a Bloguerinha do Fim do Mundo. Confira no play abaixo, leia um trecho a seguir ou procure o programa no Spotify. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2022/10/635c389c31e48/betina-bopp-escritora-irmao-15-anos-em-coma-livro-tripfm-mh.jpg; CREDITS=Arquivo Pessoal; LEGEND=Bettina Bopp; ALT_TEXT=Bettina Bopp]  Trip. O que aconteceu exatamente com o seu irmão Itamar, para que a gente entenda a gênese do livro? Aos 41 anos ele teve um infarto. Ele teve dores de cabeça e no braço e foi dirigindo para o hospital. Lá ele teve uma parada cardíaca: foi e voltou durante quarenta minutos, o que causou danos neurológicos. Depois disso, entrou em coma e ficou em estado vegetativo por quinze anos. Foi uma pessoa muito especial. Eu aprendi o que era carisma com ele, pois em pouco tempo já ficava amigo de quem fosse. Ficou noivo sete vezes e nunca casou. Era um cara da vida - em quarenta anos anos ele viveu oitenta. Podia ser uma terça-feira que ele ficava acordado para ver o sol nascer. O que segurou muito a gente no começo foi a quantidade de gente que foi vê-lo. Como ficou a sua relação com a medicina tendo vivido esses 15 anos com vários tipos de profissionais da saúde? Nós tivemos um médico incrível, que em nenhum momento falava o que a gente queria ouvir, mas o que ele falava era de um jeito muito especial. Já os neurologistas foram muito frios: eles querem dar conta de algo desconhecido, que é o cérebro, e muitas vezes não conseguem explicar o que está acontecendo. É claro que eu acredito na ciência, mas existem maneiras de falar: ali não é mais um paciente, é o meu irmão. Vocês viveram alguma situação de enganação? Indicaram uma pessoa para ver o Itamar, um guru famoso que já teria levantado muitos pacientes e que cobrava uma fortuna. Uma amiga se ofereceu para pagar e ele foi, ficou andando em volta da cama como um ser supremo. De repente ele colocou um óleo na testa do Itamar e o meu irmão gritou: fazia muito tempo que ele não tinha nenhuma interação. Dez dias depois ele voltou e nós achamos muito bacana, pois tínhamos ficado muito impressionados. Nessa ocasião, o guru falou que eu veria luzes saindo da cabeça do Itamar, mas logo percebi que ele tirou um daqueles anéis de festa que piscam do bolso. Me deu tanta raiva que ele me perguntava se eu estava vendo alguma luz e eu falava que não. Eram tantas pessoas que visitavam que você começa achar que não é merecedora, que é você que não reza direito.

Fain & Simplu Podcast
TATA VLAD: “DACĂ NU ERA B.U.G. MAFIA, ERAM LA PUȘCĂRIE”. | Fain & Simplu Podcast cu Mihai Morar 088

Fain & Simplu Podcast

Play Episode Listen Later Oct 6, 2022 102:56


Tata Vlad vorbește astăzi cu Mihai Morar despre cum a ajuns BUG Mafia să crească de la tarife de 75.000 lei vechi la cel mai scump artist din România.'Underground nu înseamnă necomercial' ne spune omul care a reușit să facă din pasiune o afacere rentabilă și dintr-o trupă ascultată de golanii anilor '90, una ascultată de toată lumea, 30 de ani mai târziu. O trupă plătită cu cel puțin 20.000 E per show. O adevarată lecție de viață și bussines spusă de cel care s-a ocupat de destinele BUG Mafia în mai multe etape. Despre cele mai controversate momente ale celor 3, planurile înainte de aniversarea a 30 de ani sau revenirea în țară a lui Tataie afli astăzi, la Fain & Simplu, cu Mihai Morar. 

Papo de Trilha
Ep 85: Ennio Morricone & Sergio Leone - Trilogia Era uma vez

Papo de Trilha

Play Episode Listen Later Sep 19, 2022 103:47


Voltamos à programação normal –– que de normal não tem nada. Concluímos a nossa retrospectiva Leocone com uma trilogia de milhões de dólares a mais. Eram três vezes: uma no Oeste, outra no México, e a última na América. Silêncio porque a Edda Dell'Orso vai começar a cantar.

Víðsjá
Kerfið, Hallsteinn Sigurðsson, Þeramín, Javier Marías og Á eigin vegum

Víðsjá

Play Episode Listen Later Sep 19, 2022


Leikverkið Á eigin vegum var frumsýnt í Borgarleikhúsinu síðastliðið laugardagskvöld. Leikgerðin byggir á skáldsögu metsöluhöfundarins Kristínar Steinsdóttur sem kom út árið 2006, en bókin var tilnefnd til Bókmenntaverðlauna Norðurlandaráðs og hlaut Fjöruverðlaunin árið 2007. Eva Halldóra Guðmundsdóttir rýnir í verkið. Hallsteinn Sigurðsson myndhöggvari á að baki langan feril prýddan fjölbreyttum verkum. Frá því hann kom úr námi í byrjun sjöunda áratugarins hefur hann unnið þvívíð verk, fyrst og fremst í steypu, stál, járn og ál. Mörg útiverka hans eru kunnugir félagar í borgarlandslaginu, en þekktust eru sennilega álverkin 16 sem standa í Gufunesi. Listamaðurinn hafði sjálfur frumkvæði að þeim garði og gaf borginni síðar öll verkin. Víðsjá heimsótti Café Pysju í Grafarvogi þar sem nú stendur yfir sýning sem kallast Í Hallsteins nafni. Einn fremsti rithöfundur Spánar, Javier Marías, féll frá í síðustu viku, sjötugur að aldri. Marías, sem lengi hefur verið orðaður við bókmenntaverðlaun Nóbels, gaf út sextán skáldsögur og hafa verk eftir hann verið þýdd á 46 tungumál. Marías var einnig afkastamikill þýðandi, auk þess að vera fastur penni í spænska dagblaðinu El País. Gauti Kristmannsson fjallar um Javier Marias í þætti dagsins. Síðustu átt ár hefur Elvar Örn Kjartansson, ljósmyndari, unnið að umfangsmiklu ljósmyndaverkefni þar sem hann hefur heimsótt fyrirtæki og stofnanir á Íslandi og myndað þar ýmis rými. Um er að ræða sto?rt og flo?kið kerfi sem samanstendur af mannvirkjum, stofnunum og þjónustufyrirtækjum og o?teljandi pörtum sem eru innviðir þess. Hvert og eitt þeirra þjo?nar sínum sérstaka tilgangi og sér til þess að þjo?ðfe?lagið nær að ganga sinn vanagang frá degi til dags og við lifum og hrærumst i? því nánast óafvitandi. Víðsjá heimsótti ljósmyndasýninguna Kerfið og við heyrum af því í lok þáttar. Umsjón: Halla Harðardóttir og Melkorka Ólafsdóttir

Víðsjá
Kerfið, Hallsteinn Sigurðsson, Þeramín, Javier Marías og Á eigin vegum

Víðsjá

Play Episode Listen Later Sep 19, 2022


Leikverkið Á eigin vegum var frumsýnt í Borgarleikhúsinu síðastliðið laugardagskvöld. Leikgerðin byggir á skáldsögu metsöluhöfundarins Kristínar Steinsdóttur sem kom út árið 2006, en bókin var tilnefnd til Bókmenntaverðlauna Norðurlandaráðs og hlaut Fjöruverðlaunin árið 2007. Eva Halldóra Guðmundsdóttir rýnir í verkið. Hallsteinn Sigurðsson myndhöggvari á að baki langan feril prýddan fjölbreyttum verkum. Frá því hann kom úr námi í byrjun sjöunda áratugarins hefur hann unnið þvívíð verk, fyrst og fremst í steypu, stál, járn og ál. Mörg útiverka hans eru kunnugir félagar í borgarlandslaginu, en þekktust eru sennilega álverkin 16 sem standa í Gufunesi. Listamaðurinn hafði sjálfur frumkvæði að þeim garði og gaf borginni síðar öll verkin. Víðsjá heimsótti Café Pysju í Grafarvogi þar sem nú stendur yfir sýning sem kallast Í Hallsteins nafni. Einn fremsti rithöfundur Spánar, Javier Marías, féll frá í síðustu viku, sjötugur að aldri. Marías, sem lengi hefur verið orðaður við bókmenntaverðlaun Nóbels, gaf út sextán skáldsögur og hafa verk eftir hann verið þýdd á 46 tungumál. Marías var einnig afkastamikill þýðandi, auk þess að vera fastur penni í spænska dagblaðinu El País. Gauti Kristmannsson fjallar um Javier Marias í þætti dagsins. Síðustu átt ár hefur Elvar Örn Kjartansson, ljósmyndari, unnið að umfangsmiklu ljósmyndaverkefni þar sem hann hefur heimsótt fyrirtæki og stofnanir á Íslandi og myndað þar ýmis rými. Um er að ræða sto?rt og flo?kið kerfi sem samanstendur af mannvirkjum, stofnunum og þjónustufyrirtækjum og o?teljandi pörtum sem eru innviðir þess. Hvert og eitt þeirra þjo?nar sínum sérstaka tilgangi og sér til þess að þjo?ðfe?lagið nær að ganga sinn vanagang frá degi til dags og við lifum og hrærumst i? því nánast óafvitandi. Víðsjá heimsótti ljósmyndasýninguna Kerfið og við heyrum af því í lok þáttar. Umsjón: Halla Harðardóttir og Melkorka Ólafsdóttir

DEVNAESTRADA
DNE 351 - DEV FAVELA: Um papo com pessoas desenhadoras que eram ou são de comunidades

DEVNAESTRADA

Play Episode Listen Later Sep 9, 2022 70:09


Neste episódio William Martins e Keit Oliveira recebem as convidadas Thassia Lima e Nicole Pessoa, para conversar sobre o início na carreria de DEVs e os desafios a serem superados por ser uma pessoa de períferia, negra.

O Antagonista
“Aboli o período em que todos eram amiguinhos”, diz Jair Bolsonaro em debate na Band

O Antagonista

Play Episode Listen Later Aug 29, 2022 1:46


Jair Bolsonaro no debate da BAND Inscreva-se e receba a newsletter: https://bit.ly/2Gl9AdL​ Confira mais notícias em nosso site: https://www.oantagonista.com​ Acompanhe nossas redes sociais: https://www.fb.com/oantagonista​ https://www.twitter.com/o_antagonista​ https://www.instagram.com/o_antagonista No Youtube deixe seu like e se inscreva no canal: https://www.youtube.com/c/OAntagonista

Quem Ama Não Esquece
Quem Ama Não Esquece - Fabi e Claudio - EP - 15/08 Band FM

Quem Ama Não Esquece

Play Episode Listen Later Aug 15, 2022 18:13


Na história do "Quem Ama Não Esquece" de hoje o Murilo e a Tatá, contam a história da Fabi, que passou por muitas coisas, perdeu o pai que tanto amava, a mãe e o irmão faleceram, quase um seguido do outro. Eram 6 pessoas felizes, uma família simples , mas, unida e agora ela e os outros 2 irmãos teriam que seguir em frente.O que deu alegria de novo na vida da Fabi foi o noivo dela, mas novamente a sombra que perseguia a família dela lembrou que a vida era um sopro e o noivo dela acabou falecendo porque reagiu durante um assalto.

The Listening Room
The Listening Room - 14-08-2022 - 87 - Classical Music Variety

The Listening Room

Play Episode Listen Later Aug 14, 2022 54:24


Lilburn, Aotearoa Overture Schubert, Fantasie in C, 3rd movt Gesualdo, Eram quasi agnus innocens Mozart, Horn Concerto #4, 1st movt Vaughan Williams, Silent Noon Janacek, Sinfonietta, 3rd movt Elgar, Cello Concerto, 4th movt This show was broadcast on OAR 105.4FM Dunedin - oar.org.nz

Debates da Musical
Quem eram os “filhos de Deus” em gênesis 6?

Debates da Musical

Play Episode Listen Later Aug 5, 2022 57:56


Debate da Musical com Pr. Sezar Cavalcante em 18-07-22 Tema: Quem eram os “filhos de Deus” em gênesis 6? Convidados: Rev Amauri Oliveira e Pr. Elias Soares http://fmmusical.com.br/

Comentario Biblico
Os filhos de Deus de Gênesis 6 eram homens ou anjos? Mario Persona

Comentario Biblico

Play Episode Listen Later Jul 30, 2022 11:13


Publicado primeiro nos podcasts: shows.acast.com/comentario - GooglePodcast ApplePodcasts Deezer iHeartRadio Stitcher ListenNotes Player.fm Podtail Podbean MyTuner-Radio Castbox iVoox Chartable HubHopper Spotify See acast.com/privacy for privacy and opt-out information.

Intervalo de Confiança
Episode 135: IC # 135 - As bruxas eram cientistas?

Intervalo de Confiança

Play Episode Listen Later Jul 14, 2022 73:27


Durante a história, milhares de pessoas foram torturadas e executadas, sob a acusação de bruxaria. Quando pensamos em uma bruxa, automaticamente relacionamos a imagem de uma mulher velha, com verrugas no nariz, chapéu comprido, montadas em cabos de vassoura, geralmente, acompanhadas de gatos pretos. Você se lembra da “Rainha Má” da Branca de Neve ou da “Bruxa Malvada do Oeste” em O Mágico de Oz? Apresentado por Kézia Nogueira e com participação de Marcos Keller, do Mundo Freak, Magikando e outros projetos,  este episódio debate de onde será que surgiram esses estereótipos? As bruxas sempre foram assim? Existe alguma relação entre a bruxaria e a ciência? Esperamos responder essas e mais questões no programa de hoje! Pegue seu caldeirão, aumente o volume e aprenda um pouco mais sobre esse assunto!A Pauta foi escrita por Ale Galdino, Tatiane do Vale e Beatriz Alves. A edição foi feita por Leo Oliveira e a vitrine do episódio por Júlia Frois. A coordenação de redação é de Tatiane do Vale e a gerência de projetos de Kézia Nogueira. As vinhetas de todos os episódios foram compostas por Rafael Chino e Leo Oliveira.

Colunistas Eldorado Estadão
Eliane: "PEC implode responsabilidade fiscal e Lira, o regimento da Câmara"

Colunistas Eldorado Estadão

Play Episode Listen Later Jul 14, 2022 19:51


A Câmara aprovou nesta quarta a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) “Kamikaze”, que turbina uma série de benefícios sociais a menos de três meses das eleições. Em votação em segundo turno, a proposta teve 469 votos a favor, 17 contra e 2 abstenções. Eram necessários 308 votos para a aprovação da medida, que agora vai à promulgação do Congresso. "A PEC implode responsabilidade fiscal, teto de gastos e lei eleitoral e, agora, o presidente da Câmara, Arthur Lira, implode o regimento da Casa. Ele está igual o Bolsonaro - entrou no 'tudo ou nada', jogou fora a lei, tudo para garantir a reeleição", opina Eliane. Em conversa com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato do PT ao Palácio do Planalto, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse nesta quarta-feira, 12, que o vencedor das eleições será empossado no dia 1.° de janeiro de 2023, em sessão do Congresso Nacional. Pacheco garantiu não haver risco de ruptura institucional e destacou que, no comando do Congresso, não aceitará qualquer tentativa de tumultuar a posse de quem for eleito. A afirmação foi feita após Lula dizer que busca o apoio das “forças democráticas” do País para vencer as eleições ainda no primeiro turno e evitar “o pior”. "Lula está jogando tudo para encerrar a votação no primeiro turno. Pacheco é muito importante para o ex-presidente, primeiro porque o PSD em Minas já o apóia, mas não o de São Paulo. E, segundo, porque o presidente do Congresso simboliza a governabilidade caso Lula vença, pois é um contraponto ao bolsonarismo da Câmara", diz Cantanhêde. See omnystudio.com/listener for privacy information.

Portuguese For Listening With Eli And Friends
Episode 180: Talking about Piracy, part 2

Portuguese For Listening With Eli And Friends

Play Episode Listen Later Jul 14, 2022 40:58


If you would like to have more information about our Conversation Club, please visit: https://portuguesewitheli.com/cah >> Do you want to understand more of what Brazilians say in Portuguese? Do you consider yourself at the intermediate level? Then grab one of our learning guides for free and see for yourself how much more you can understand after just one week. The grab your guide today, please follow this link: https://social.portuguesewitheli.com/convite Saying "tá assim de" (watch @ 50 seconds): https://www.facebook.com/watch/?v=1273486393046202 And here is the monologue for your benefit: A Jamile pode até ser minha amiga, mas que ela sempre está envolvida em algum trambique, ela está. E o pior é que até tento incentivá-la a sair desse mundo de falcatrua, mas ela é mais teimosa que jumento. Ela começou baixando filmes piratas na internet. Não era lá grande coisa, em especial estando aqui no Brasil, onde quem não pirateia ou está morto ou é doido. Lá na vizinhança mesmo está assim de gente que faz gato de energia, água e, pasmem, até internet. Então, baixar filmes piratas era o de menos. Depois ela deu outro passo – foi de baixar filmes a vendê-los. Só que ela tinha muito esmero no que fazia. Vendia os filmes nuns estojos que pareciam originais. Outros filmes piratas custavam uma bagatela, mas na mão dela sempre saía mais caro, porque ela passava o freguês para trás, vendendo muamba como se fosse produto legítimo. Mas um dia a polícia descobriu e apreendeu tudo. Não foi presa por um triz. Daí então ela disse que tinha mudado. Começou a andar na linha. Não ia mais se envolver nessas falcatruas. Se fosse vender coisas, agora era só original. Mas a gente perdeu contato e só vim revê-la anos mais tarde. Ela agora estava vendendo uns perfumes e cosméticos. Eram produtos de “contratipo”, que, a meu ver, era pirataria, mas ela esclareceu tudo: são produtos inspiradosem perfumes famosos. Bom, como eu gostava de um bom perfume, por que não comprar? Pedi logo três frascos. Produto de marca é caro, e como ela disse que os ingredientes eram os mesmos, resolvi dar uma chance. Mas depois de uma semana usando, percebi que eram todos fajutos, da pior qualidade. Que golpe sujo! Ainda acreditei no papo daquela santinha do pau oco, e ela me botou no bolso. É como dizem. Todo dia saem de casa um malandro e um otário. Quando se encontram, eles fazem negócio. E nessa história, adivinha quem foi a otária — euzinha aqui. --- Send in a voice message: https://anchor.fm/portuguesewitheli/message

Linha Avançada
Eram mais que as mães

Linha Avançada

Play Episode Listen Later Jul 4, 2022 8:33


A derrota gloriosa na final do Europeu da seleção feminina de futsal; os excedentes do Benfica e um acidente na Fórmula 1.

Let's Talk New York
#117 Eram 3, viraram 7

Let's Talk New York

Play Episode Listen Later Jun 26, 2022 38:08


Rayssa Mesquita Dunkerly mudou-se para os EUA para fazer um doutorado sanduíche em linguística aplicada. Foi uma mudança muito sonhada e que envolveu muito esforço e ajuda - e ainda contou com um detalhe não muito comum quando se trata de histórias de acadêmicos: a Rayssa levou os filhos gêmeos com ela para esse novo capítulo de sua vida. Essa era uma oportunidade de 6 meses. Mas, como vocês devem imaginar, obviamente as coisas não saíram como Rayssa planejou - o que, neste caso, não significou algo ruim. A estadia dela acabou esticando e neste episódio ela conta mais da sua trajetória. LINKS DO EPISÓDIO: Instagram da Rayssa - @rarymesquita

Christo Nihil Praeponere
Homilia | O que o fogo do Espírito Santo faz em nós? (Solenidade de Pentecostes)

Christo Nihil Praeponere

Play Episode Listen Later Jun 4, 2022 26:38


O Espírito Santo, qual fogo que ilumina e aquece, transforma os corações, operando na alma uma “transubstanciação”. Vejamos os Apóstolos antes de Pentecostes. Eram todos frágeis: Pedro negou Jesus, os outros saíram correndo, só João ficou, enquanto Judas, tomado pelo desespero, foi enforcar-se… Vejamos agora os mesmos Apóstolos depois de Pentecostes. Todos santos, autores de obras extraordinárias, capazes de enfrentar o Sinédrio. O mesmo Pedro “fujão”, que negara Jesus três vezes, apresenta-se ao sumo sacerdote, dizendo “Convém antes obedecer a Deus que aos homens”, e é jogado na prisão e alegremente açoitado! Como nós podemos viver esses frutos de Pentecostes? É o tema da meditação deste domingo. Assista!

Geopizza
O Holocausto Brasileiro #80

Geopizza

Play Episode Listen Later Jun 3, 2022 213:57


Durante 9 décadas, do início do século 20 até a década de 1990, o Hospital de Barbacena em Minas Gerais foi responsável pela tortura e morte de mais de 60 mil brasileiros.    Abandonados por suas famílias, homens, mulheres, crianças e idosos eram enviados à força para o hospital.   Os internados no Barbacena não eram doentes mentais. Eram epiléticos, autistas, bipolares, moradores em situação de rua, homoafetivos, pessoas com sífilis, inimigos da elite local, crianças sem pais, prostitutas ou alcoólatras.   Entretanto, nenhum dos pacientes recebeu a devida atenção para lidar com seus problemas: durante boa parte do século 20, os manicômios no Brasil operaram de uma forma abusiva física e psicológica.   Os pacientes viviam em cubículos, sem alimento, sem saneamento, frequentemente submetidos a sessões de eletrochoques, espancamentos e tomando medicamentos hipnotizantes.   O Hospital ainda esteve envolvido em trabalho escravizado, tráfico e venda de órgãos.   Apenas no início da década de 1980, com o afrouxamento da Ditadura no Brasil em relação a mídia, várias fotos e reportagens foram feitas em manicômios em todo o país. Isso atraiu atenção de profissionais de psicologia e psiquiatria de todo Brasil, revelando a urgência de uma luta antimanicomial, principalmente em Barbacena.   Hoje, muitos pacientes que sobreviveram ao Hospital Colônia de Barbacena relembram as décadas de tormento que passaram.   Entretanto, a luta antimanicomial permanece: muitos hospitais psiquiátricos por todo Brasil já foram denunciados por tortura física e psicológica, resquícios da metodologia higienista do século passado.   ____________________   Se curte o conteúdo do Geo, agradecemos quem contribuir com nossa campanha mensal no:   Picpay: https://picpay.me/geopizza   Apoia.se: https://apoia.se/geopizza ou Patreon: https://patreon.com/geopizza  Confira a Geostore, nossa loja de mapas, adesivos e canecas do Geo